Das minhas memórias para este Natal

O nosso Menino Jesus 

A recordação que hoje publico em Memórias Soltas vem de há décadas. A estória verídica, salpicada com um pouco de ficção, nunca me deixou, ocupando um recanto especial do meu coração. Já não vejo o Américo nem sei há quantos anos, mas o seu rosto envelhecido, não pela idade mas pelas agruras da vida, jamais me abandonou. Emigrou para a Alemanha, graças a um amigo meu já falecido, de onde veio um dia, pelo Natal, para me visitar e agradecer o pouco que por ele fiz. 
Onde quer que ele esteja, daqui lhe envio um abraço de muita amizade, na certeza de que o Menino-Deus o há de proteger sem o repreender por ter sete filhos.

Comentários