A alegria não pode esperar

Crónica de Frei Bento Domingues 
no PÚBLICO

«O Papa Francisco, goste-se ou não, 
é a convocatória para uma Igreja muito outra, 
para um mundo muito diferente.»

1. Voltaram, este ano, a perguntar-me a data do nascimento de Jesus. Nestas crónicas, dei, várias vezes, para esse peditório. Já recebemos das investigações dos historiadores e dos exegetas do Novo Testamento todos os dados da questão. No entanto, ano após ano, os meios de comunicação social apresentam, como se fosse a novidade de última hora, ocultada pelas igrejas, a grande revelação: Jesus não nasceu no dia 25 de Dezembro e, do seu nascimento, não se sabe nem o ano nem o dia. 
Acerca do Natal - como verdade, lenda e mito - remeto para a grande obra do rigoroso exegeta açoriano, A. Cunha de Oliveira [1].
Para os interessados, deixo aqui o resumo e a reflexão hermenêutica do grande historiador Gerd Theissen, ao concluir o seu cuidadoso estudo da estrutura cronológica da vida de Jesus [2]: Jesus nasceu antes da morte de Herodes I, isto é, entre 6/4 a.C..
Durante o governo de Pôncio Pilatos (26-36 d. C.) desenvolveu a sua breve intervenção pública. Foi executado, provavelmente, na festa da Páscoa do ano 30 d. C.. Nenhum dos juízes que o condenaram poderia sonhar que, um dia, o tempo seria contado em referência a esse cruxificado.
Esta contagem, cronologicamente imprecisa, encerra, só por si, a mensagem de que em Jesus aconteceu uma viragem na história. Para este acontecimento não importa que Jesus tenha nascido a 4 a.C. ou a 6 d.C.. Também é independente da interpretação daqueles que, durante a vida de Jesus, tudo esperaram dele. A sua mensagem e a esperança dos seus colaboradores eram escatológicas, ansiavam pelo fim dos tempos.
Se o cálculo cristão faz de Jesus o meio do tempo, isto ultrapassa o significado que o próprio Jesus deu à sua actividade. Essa nova interpretação começou, possivelmente, já no cristianismo primitivo. O evangelista Lucas fez uma narrativa da história da Igreja primitiva a seguir à descrição que apresenta do itinerário de Jesus.
Que Jesus divida o tempo é algo que pode surgir como elemento da história ou ser descrito historiograficamente. No entanto, a interpretação original continua intacta. Percebemos que existe algo
em Jesus que atravessa qualquer tempo e não se deixa calcular cronologicamente.

2. A cor do Advento e da Quaresma é o roxo, um luto envergonhado porque o horizonte do Advento é o Natal e o da Quaresma, a Ressurreição. São as duas grandes festas da alegria do calendário cristão. Como a alegria não pode ser adiada, resolveram fazer um intervalo cor-de-rosa. Hoje, a palavra de ordem é esta: Alegrai-vos sempre no Senhor. Exultai de alegria: o Senhor está perto. O profeta Sofonias fez um poema magnífico para nos alegrarmos, como nos dias de festa. A Carta aos Filipenses propõe uma atitude: Seja de todos conhecida a vossa bondade; para vencer as inquietações propõe um remédio: a oração intensa em todas as circunstâncias. João Baptista é muito pragmático, mas bastante moralista. Sabe que não é ele a solução, nem as suas iniciativas. Aponta para o baptismo no Espírito Santo daquele que está para vir, mas não faz a mínima ideia do que vai acontecer e até propõe um Messias que lhe vai sair completamente às avessas. Jesus nunca será a sua cópia e ele vai ter muita dificuldade com as impensáveis inovações daquele que, durante algum tempo, foi seu discípulo.
A alegria não pode ser nem a reserva das grandes festas nem a dos Domingos cor-de-rosa. Todos os Domingos ouvimos proclamar o Evangelho como alegria, mas fazemos de conta que é apenas um ritual e não a alma da semana que começa.
Mozart tinha uma prática aconselhável: (…) nunca me deito sem pensar que, apesar de ser tão jovem, talvez já não exista no dia seguinte; no entanto, entre todos os que me conhecem, ninguém pode afirmar que eu seja pessoa de trato desabrido ou melancólico. E esta felicidade, pela qual, dia a dia, dou graças ao meu Criador. Desejo-a do coração a todos e a cada um dos meus semelhantes.

3. Quando olhamos para o ano que está a acabar só apetece pedir que acabe depressa a indefinição acerca da casa comum. É de loucos estragar a terra que nos foi dada para a melhorar, para sermos colaboradores de todas as formas de criatividade. Dizem-nos que fica muito caro. Teremos ouvido bem? Ou será que nos querem dizer que não merecemos o planeta que deveríamos ter?
Por outro lado, actuamos como se também fosse mais barata a guerra, em que nos deixamos envolver, do que a paz que nos pertence construir.
Não se pode aceitar que não haja nada a fazer. Para já, é indispensável conhecer as pessoas e grupos que pautam a sua vida, das formas mais diversas, quer na defesa da casa comum, quer nas incontáveis iniciativas de novos estilos de vida que favorecem a paz entre as pessoas, os grupos e os povos.
O Papa Francisco, goste-se ou não, é a convocatória para uma Igreja muito outra, para um mundo muito diferente. Não fica à espera da resposta. O bom humor, o riso, o carinho com todos semeiam a alegria mesmo nas situações mais insólitas.
É um possesso do Evangelho da Alegria, da misericórdia.

[1] A. Cunha de Oliveira, Natal, Inst. Açoriano da Cultura, 2012
[2] Gerd Theissen/Annette Merz, O Jesus histórico, Loyola, São Paulo, 2004

Comentários