quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Ano Novo



Hoje fico por casa. Para já, o silêncio impera. Só lá para a hora do jantar é que teremos a presença de alguns filhos e netos com a natural conversa mais ou menos animada até ao momento exato de brindarmos ao novo ano, na esperança de que será muito melhor do que um 2015 para esquecer.
Nunca receei o silêncio e muito menos a solidão. Porque pensar, refletir e tomar decisões, na intimidade de nós próprios, são atos muito pessoais. Partilhados só depois.
Espero um 2016 muito melhor que o ano prestes a passar à história, com momentos bons, mas com outros menos agradáveis. A magia do ano novo é de sempre. Na minha já longa vida sempre senti isso. Mais notoriamente na passagem do milénio. Nessa altura, não faltaram os milenaristas com os seus presságios catastróficos do fim do mundo, tantas vezes pregado, porém nunca realizado. A não ser para os que partem deste mundo.
Contudo, não faltaram os que anunciaram a hipótese de os computadores bloquearem ou desconfigurarem. E esperámos mais ou menos ceticamente que algo poderia acontecer. Nada aconteceu. Mais uns minutos depois das 12 badaladas e tudo, afinal, se comportou bem. Não houve fim do mundo e os computadores continuaram a portar-se como habitualmente, indiferentes ao pessimismo de muitos. E logo mais, na altura de brindarmos ao ano novo, com ou sem espumante,  ficaremos apenas com a esperança de que o mundo continuará a rolar, que homens e mulheres saberão contornar os obstáculos para todos  então construirmos uma sociedade mais fraterna.
Bom ano para todos. 

JESUS, O FILHO DE MARIA, SALVADOR DO MUNDO



Reflexão de Georgino Rocha


santa Maria Mãe de Deus - Pesquisa Google: «O brilho do rosto 
do Deus revelado em Jesus 
é próximo e familiar»

O nome de Jesus é-lhe dado por seus pais por indicação do anjo Gabriel, aquando da anunciação em Nazaré. Maria e José vão ao templo de Jerusalém cumprir o que estava prescrito. Observam o ritual comum a todos, inscrevem o nome do Menino no registo oficial, inserindo-o na história de Israel e, por ela, na da humanidade. 
Nome anunciado, nome dado, nome registado, nome realizado e em realização. Porque Jesus não indica apenas uma figura histórica, mas uma missão pessoal com abrangência universal. Ele é o Salvador como anunciaram os coros celestes aos pastores de Belém, a Luz oferecida por Deus a todos os povos como intuiu profeticamente o velho Simeão, o Emanuel de todos os peregrinos no tempo como vaticinou Isaías, o filho de Deus como reconhece o centurião romano, o “meu Senhor e meu Deus” como confessa Tomé ao ver as chagas do cruxificado/ressuscitado. E a lista dos títulos que expressam a missão de Jesus pode facilmente alongar-se com tonalidades várias que realçam a riqueza extraordinária da sua realidade admirável.

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Escritores e a Ria de Aveiro — 10

poõr do sol na ria de aveiro pela positiva - Pesquisa Google:
(…)
Em certas manhãs, doiradas pelo sol nascente, a Ria parece toda um espelho onde, apenas, um trémulo de evaporação – ténue e vibrátil – põe um vestígio de movimento ritmado.
E, então, os malhadais, os montes de sal, os palheiros exíguos e pintados a zarcão, duplicam-se, invertidos, nas águas quietas onde, de vez em quando, uma gaivota, maleabilíssima e ágil, raspa uma tangente quase imperceptível.
As pálpebras cerram-se sobre a pupila magoada por esta duplicação da luz que se remira no espelho da água e, no silêncio inundado de sol, o chap chap de uns remos, ou o golpe da ponta de uma vara que empurram o barco que desliza, põem uma nota fugidia de onomatopeia.
Um homem de músculos individualizados – como num quadro mural de anatomia – corre sobre a borda de uma bateira mercantel como se andasse sobre o asfalto de uma avenida. Visto de longe, recortado na luz diáfana da manhã que lhe aviva as linhas e delimita os contornos, não sabe a gente se tem na frente um ginasta, se um bailarino. Os pés parece que não pisam e os movimentos de vaivém, desembaraçados e leves, semelham passos coreográficos.»

Frederico de Moura
"Aveiro e o seu Distrito", n.º 5, junho de 1968

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Um livro de Afonso Reis Cabral


Há dias recebi uma reprimenda de uma amiga por ter dito que não tinha lido o livro “O Meu Irmão” de Afonso Reis Cabral, trineto de Eça de Queirós. Não sei se disse apenas que não andava a ler ou se pronunciei alguma heresia.
A minha amiga adiantou que tinha estado num colóquio em Ílhavo com Afonso Reis Cabral e que tinha ficado encantada com a simplicidade do jovem escritor de 25 anos. Sobre o livro, acrescentou, em crónica que publicou no meu blogue: «O livro [O Meu Irmão], pousado na mesa de cabeceira e autografado pelo autor, é o bombom que saboreio todas as noites, antes de mergulhar nos braços de Morfeu.»
Desculpe lá, Maria Donzília, a minha heresia sem nexo. Já ando a ler o livro. E porque estamos em maré de emoções, confesso que chego a comover-me.

domingo, 27 de dezembro de 2015

As belezas da natureza


A Natureza é uma fonte inesgotável de belezas. As paisagens, os animais e as plantas das infindáveis espécies e as pessoas, fontes intermináveis de expressões. Julgo que sei apreciar a beleza, esteja ela onde estiver, mas nunca consegui identificar certas plantas e animais que saiam do nosso quotidiano. Como esta ave que vi na margem da Ria.

Notas do meu diário — Natal de 2015


1. Perdi a conta aos textos que escrevi por encomenda sobre o Natal. Há anos tive a coragem de declinar os convites que me chegavam nesta quadra talvez por recear repetir-me nas ideias, nos conceitos, na forma e no estilo. Julgo, porém, que podia e devia ter evitado a indelicadeza de dizer não, sobretudo a pessoas que muito estimo, mas na realidade fi-lo por receio de não dizer coisa de jeito. Contudo, gosto de escrever quando a vontade de o fazer me aperta ou quando sinto uma razão motivadora. Foi o caso deste ano...

Será a Bíblia blasfema?

Crónica de Frei Bento Domingues 

«O iaveísmo histórico veicula 
uma teologia nacionalista, 
por vezes, de uma extrema violência»

1. Quando se tenta explicar a violência das religiões ou contra as religiões resvala-se facilmente para a justificação do crime.
Nos últimos tempos, repetem-me: o Papa Francisco considera o terrorismo, em nome de Deus, como uma blasfémia, mas, nesse caso, o Antigo Testamento (AT) não é também ele blasfemo?
O exegeta, Armindo Vaz [1], referindo-se a Dt 20,10-18 [2], apresenta Moisés a falar a Israel deste modo:
“Quando te aproximares duma cidade para combater contra ela…, Iavé teu Deus a entregará nas tuas mãos e passarás a fio de espada todos os seus varões, as mulheres, as crianças, o gado; tudo o que houver na cidade, todos os seus despojos, o hás-de tomar como espólio…Quanto às cidades destes povos que Iavé teu Deus te dá em herança não deixarás nada com vida; consagrá-los-á ao extermínio: hititas, amorreus, cananeus, ferisitas, hivitas e jebuseus, como te mandou Iavé, teu Deus, para que não vos ensinem a imitar todas essas abominações que eles faziam em honra dos seus deuses: pecaríeis contra Iavé vosso Deus”.
As explicações históricas do autor são importantes, mas insuficientes.

sábado, 26 de dezembro de 2015

2016 — Um desafio à estabilidade

Foto
A persistência tudo consegue

O complexo da vida, por culpa nem sei de quem, é um desafio que teremos de enfrentar no dia a dia. O equilíbrio que queremos não é tarefa fácil, mas temos de acreditar que é possível. À semelhança do que a foto mostra, os cubos estão em equilíbrio, porventura instável, mas ali estão há anos como decoração e como exemplo a seguir, como retrato da teimosia ou persistência do homem ou mulher que tal conceberam para exemplo de todos nós. Que 2016 seja também desafio de estabilidade para todos.

Francisco, o reformador

Crónica de Anselmo Borges no DN


«A reforma "continuará com determinação, 
lucidez e resolução, porque a Igreja tem 
de estar sempre em reforma"»


1 Foi um dos acontecimentos mais importantes do século XX. Pelas suas repercussões religiosas, políticas, sociais, geoestratégicas. Constituiu uma revolução. Refiro-me ao Concílio Vaticano II, cujo encerramento se deu fez no passado dia 8 cinquenta anos. O que seria a Igreja e, consequentemente, o mundo, se não se tivesse realizado o Concílio? O teólogo Juan Tamayo acaba de elencar algumas das transformações operadas.
Passou-se de uma Igreja, sociedade perfeita, à Igreja Povo de Deus; do mundo considerado inimigo da alma ao mundo como "espaço privilegiado onde viver a fé cristã"; da condenação e anátema contra a modernidade e as religiões não cristãs ao "diálogo multilateral": com o mundo moderno, a ciência, a cultura, as confissões cristãs, as religiões não cristãs, o ateísmo; da condenação dos direitos humanos ao seu reconhecimento e ao combate por eles; da condenação da secularização ao reconhecimento e defesa da autonomia das realidades terrestres; da Igreja "sempre a mesma", imutável, à Igreja em permanente reforma; da Cristandade ao Cristianismo; da pertença à Igreja, condição necessária para a salvação, à liberdade religiosa.

Festa da Sagrada Família

Reflexão de Georgino Rocha


Sagrada família de nazaré - Pesquisa Google:



«Jesus adolescente 
surpreende pela positiva»

Jesus, após ter feito doze anos, vai com os país a Jerusalém tomar parte na celebração da festa da Páscoa. Vai e fica, sem dizer nada a ninguém. Apresenta-se na reunião dos doutores que debatem a interpretação das Escrituras. Ouve explicações e faz perguntas. Dá respostas que causam espanto aos reconhecidos letrados. Deixa-os surpreendidos pela inteligência revelada. Questiona a mãe que, angustiada, o procura com José. Ouve calmamente a sua queixa e acolhe o seu desabafo colocando-lhes uma questão: ”Porque me procuráveis?” Abre horizontes novos aos estreitos espaços familiares de sangue: “Não sabíeis que Eu devia estar na casa de meu Pai?”. E não acrescenta mais nada, apesar deles não haverem entendido o alcance do que lhes disse. Compreenderão mais tarde em Nazaré e na realização da missão itinerante por terras da Galileia e arredores. 

sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Visita à Costa Nova para arejar

Ria com as águas um pouco agitadas


«Hoje a Costa Nova 
deu-me a sensação 
de ter lavado a cara 
com mais cuidado»

Passei hoje de manhã pela Costa Nova para refrescar as ideias perturbadas um pouquinho por alguns excessos. Excessos próprios da quadra e estimulados pela excelente presença dos familiares que connosco consoaram até fora de horas. Nestas circunstâncias, nem damos pelo passar das horas. Graças a Deus pela alegria que todos proporcionaram, dando e recebendo o melhor que cada um tinha para partilhar. 
A Costa Nova estava desértica como nunca a vi. Comércio e restaurantes fechados tornaram mais visíveis o colorido das casas típicas que são um regalo para a vista. Hoje a Costa Nova deu-me a sensação de ter lavado a cara com mais cuidado, tal era o ar perfumado que se desprendia dos traços largos de cores brilhantes das paredes que o sol tornava mais atraentes para quem passava.
Junto à ria, com as águas um pouco agitadas e mais bonitas por isso, uns passaritos por ali andavam tranquilos à cata de minúsculos insetos. Habituados à presença dos residentes e veraneantes, olhavam de soslaio mas sem qualquer receio para mim e para quem me acompanhava. E seguiram a sua vida sem pressas.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Natal — Velha Mesa

O avô e a avó, logo à noite

Velha Mesa

Pai e Mãe.
À cabeceira,
Nosso Avô e nossa Avó…
Perto, o calor da lareira,
Que não deixa ninguém só.
E a história daquela mesa,
De ano a ano, repetida,
Lembra uma lanterna acesa,
Que alumia toda a vida!

Pedro Homem de Mello
Natal de 1959

Publicado na Agenda-Almanaque 
de Olegário Fernandes Artes Gráficas, S.A. 

NATAL: Poema do Cardeal Alexandre Nascimento

pela positiva: NATAL: UM POEMA DO CARDEAL ALEXANDRE DO NASCIMENTO:

O MENINO E SUA MÃE 

Vi há tempos um quadro feito por mão inspirada: 
Os traços eram perfeitos 
do Menino Jesus e sua Mãe. 
Causava enlevo, fazia ternura, 
o olhar que se desprendia de Nossa Senhora, 
Que tinha seguro nos braços o seu Menino. 


Este deixava ver bem 
Seu grande afecto, Sua divina paixão 
por Aquela que tão estreito 
o trazia ao peito: 
A cabecita de encontro, bem encostada, 
entre a face e o ombro de Sua Mãe 
e a carita de criança voltada para nós… 

Mais que tudo, porém, impressionou-me o ar, 
o ar de desafio, cheio de divina meiguice 
um ar (Deus me perdoe!) quase gaiato 
que parecia dizer a quantos o quisessem entender: 
“É minha, só minha a Virgem Maria!” 
De tão estreito e apertado que cingia com os bracitos 
Nossa Senhora… 

Confesso que estranhei, 
por me ver quase defraudado por esta divina avareza. 
Mas no olhar sorridente da Virgem bondosa 
li logo a resposta, a bonança que me vinha: 
“Deixa-O, meu filho, são primeiros tempos 
que goza a novidade de ter… Mãe: 
Eterno que é, só isto Lhe faltava, no céu… 

Não tarda que no Calvário te dê a Sua vida 
(pouca coisa para Ele!) e o que é mais ainda: 
que te dê Sua Mãe, tua Santa Maria”. 


In “Livro de Ritmos” 
de Cardeal Alexandre do Nascimento

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Mistérios da Natividade

Artigo de António Araújo 
Ilustrações de Susa Monteiro
PÚBLICO | Revista 2
13 de dezembro | 2015


presépio de joão carlos celestino gomes - Pesquisa Google:
Presépio de João Carlos Celestino Gomes,(1899-1960),
pintura a óleo sobre tela, 1930, Museu de Ílhavo
«Os presépios sempre serviram para doutrinar. Mas nem a gruta, o estábulo, o burro, a vaca ou o Menino aquecido pelo bafo dos animais fazem parte dos Evangelhos canónicos. Crentes ou não-crentes, devemos reconhecer a inquestionável verdade poética das narrativas evangélicas da Natividade.»

Nota: Para quem gosta de saber...  Ler no PÚBLICO; a ilustração foi opção minha

O DIA MAIS...


madre teresa de calcutá - Pesquisa Google:

O dia mais belo: hoje
A coisa mais fácil: errar
O maior obstáculo: o medo
O maior erro: o abandono
A raiz de todos os males: o egoísmo
A distração mais bela: o trabalho
A pior derrota: o desânimo
Os melhores professores: as crianças
A primeira necessidade: comunicar-se
O que traz felicidade: ser útil aos demais
O pior defeito: o mau humor
A pessoa mais perigosa: a mentirosa
O pior sentimento: o rancor
O presente mais belo: o perdão
o mais imprescindível: o lar
A rota mais rápida: o caminho certo
A sensação mais agradável: a paz interior
A maior proteção efetiva: o sorriso
O maior remédio: o otimismo
A maior satisfação: o dever cumprido
A força mais potente do mundo: a fé
As pessoas mais necessárias: os pais
A mais bela de todas as coisas: O AMOR!


Madre Teresa de Calcutá

Festa de Natal

Reflexão de Georgino Rocha

Vamos ver o que aconteceu

os pastores de belem - Pesquisa Google:

A atitude dos pastores 
é indicativa do proceder cristão


A atitude dos pastores de Belém é exemplar. Lucas destaca a sua figura no acontecimento que envolve o nascimento de Jesus e no primeiro anúncio do que havia acontecido. A eles se juntam outras vozes que difundem a feliz notícia, louvando as glórias de Deus que se espelham na paz entre os homens de boa vontade. A partir deste núcleo central, as ondas de transmissão chegam longe no espaço e no tempo, alcançando o nosso coração e fazendo-o estremecer de alegria. É Natal! Vamos ver o que aconteceu.
A escolha de Lucas é indicativa da preferência de Deus pelos desconsiderados da sociedade. Belém, apesar do seu simbolismo histórico, é uma pequena aldeia. Os pastores, pela sua condição social, são uns excluídos remetidos ao campo de pastagens do rebanho. A cena envolvente do nascimento, a começar pelo curral onde se albergam os ilustres desconhecidos da gente grada daquela terra, é de extrema pobreza: um recém-nascido, envolto em panos, deitado numa manjedoura, contemplado por Maria com olhos de ternura e admirado por José em silêncio fecundo de dedicação amorosa. Sem mais nada.

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

“Pássaro de Seda” — Um espaço de bom gosto

Maria João, à esquerda, com uma colaboradora

O prometido é devido. Havia garantido à Maria João Cravo, do “Pássaro de Seda”, que um dia passaria pelo seu espaço de arte e bom gosto, na Rua Direita, em Aveiro. Tardei na visita, mas hoje aconteceu graças ao convite do meu filho Fernando, que me arrancou da sesta para o acompanhar. Aceitei o desafio com a condição de entrar, em primeiro lugar, no “Pássaro de Seda”. Assim foi.
Confesso que não fiquei surpreendido pelo ambiente acolhedor com que a Maria João Cravo recebe quem entra na sua loja. Tem um sorriso que cativa os eventuais compradores das suas belas criações, já com projeção para além fronteiras. Vários prémios fazem parte do seu currículo, porque não se fica pelo artesanato quantas vezes sem expressão. 
A Maria João, contudo, sabe que um espaço destinado ao público dos nossos tempos, exigente e sabedor do que quer, não pode limitar-se a um tipo restrito de oferta. «Ter peças só minhas é dar um tiro no pé», disse. E acrescentou: «Na minha loja há várias marcas, todas portuguesas, porque assumi isto como ponto de honra.» E não faltam produtos biológicos para os mais exigentes.
Olhei à minha volta. O espaço não é muito grande, mas dá para perceber que existe sensibilidade na oferta. 

Conto de Natal — Nicholas

Conto de Maria Donzília Almeida




Do Santa Claus, herdara o nome e a destreza física. O primeiro deslizava pelas planícies geladas da Lapónia, num trenó puxado por renas amestradas, numa correria expresso, para entregar as prendas a tempo e horas. O segundo fazia piruetas e cavalos com a sua bicicleta, na rua onde morava, para expandir o excesso de energia que o dominava.
Era vê-lo correr, com o rabito levantado, do selim, ou exibir o seu talento de malabarista, levantando a roda da frente, tal qual garboso cavalo, arqueando as patas dianteiras.
Nicholas era um adolescente cheio de vivacidade, com os fartos cabelos louros, caindo-lhe em anéis sobre os ombros, ou presos atrás, em rabo-de-cavalo, com ar desafiador perante a vida e muita contestação reprimida.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Notícias boas e notícia triste

pela positiva: CONFIA EM DEUS E FAZ O QUE PODES:
Flores para  D. Conceição Serrão



Talvez pela quadra que estamos a viver somos mais sensíveis às boas e más notícias. A nossa memória abre-nos portas para vários quadrantes e deles chegam-nos pessoas com quem convivemos e que nos marcaram por muitas e diversas razões. Ninguém fugirá a isto. 
As boas notícias acontecem felizmente a cada esquina, sobretudo quando me cruzo com amigos que não vejo há muito tempo. Uma família que se apressava para se aproximar de mim interpelou-me no momento próprio para saber como tenho passado. Percebi a amizade estampada no rosto deles. No dia seguinte, um carro de matrícula estrangeira travou rápido e dele saiu um adulto que quis confirmar se não estava engado. E sorriu feliz quando me identifiquei. Acabei por reconhecer um antigo aluno de há uns 30 anos. Outros casos semelhantes emolduraram os meus dias de gratas recordações. Não me considero um nostálgico, mas sinto-me agradado com vivências que jamais olvidarei.
Vinha com estas evocações da minha já longa vida de mais de três quartos de século quando me ocorreu um hábito que cultivei com uma colega e amiga. Todos os anos, no dia 24 de novembro, ela costumava telefonar-me para me saudar pelo meu aniversário; o mesmo fazia eu no dia 22 de dezembro, data em que ela celebrava a sua vinda ao mundo em Viseu. 
Estranhando o facto de não ter recebido o seu telefonema, talvez por me ter ausentado umas horas, hoje tive um toque premonitório, porque amanhã teria de cumprir o ritual. O que terá acontecido à professora Conceição Serrão para  não me telefonar?
Mal cheguei a casa, liguei-lhe. Nem telefone fixo nem telemóvel deram sinais da sua voz caraterística.
Ocorreu-me que talvez estivesse a residir na Associação de Solidariedade Social dos Professores por força da idade e de alguns achaques. Em contacto com esta associação, recebi a triste notícia do seu falecimento há pouco tempo e de forma inesperada. Paz à sua alma. 

Vontade indomável

"A força não provém da capacidade física 
e sim de uma vontade indomável.”

Mahatma Gandhi


- Posted using BlogPress from my iPad

Um poema de David Mourão-Ferreira

presépios - Pesquisa Google:

Ladainha dos Póstumos Natais

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que se veja à mesa o meu lugar vazio

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que hão-de me lembrar de modo menos nítido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que só uma voz me evoque a sós consigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que não viva já ninguém meu conhecido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem vivo esteja um verso deste livro

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que terei de novo o Nada a sós comigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem o Natal terá qualquer sentido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que o Nada retome a cor do Infinito

David Mourão-Ferreira,

em  'Cancioneiro de Natal'

Escritores e a Ria de Aveiro — 9



«A Ria entende-se em canais, em esteiros, em valas, em fiozinhos de água, dividindo-se e subdividindo-se até ao capilar, entrando pela terra dentro, recortando-a e irrigando-a de água salgada, ou, pelo menos, salobra, e que se vai adocicando à medida que foge do mar e se estende, por aí fora, a servir de espelho a uma lavoura anfíbia que lança a semente ao chão e penteia o fundo lodoso das cales, que surriba terra até sentir os pés encharcados e pesca pimpões nas valas intercalares nos fugidios momentos de lazer.
Os longes de água são emoldurados por um debrum delgadinho – topo de planície raso povoada de casas alapadas – e tem-se a sugestão de que a terra se envergonha e se humilha perante a imensidade da laguna, esfumando-se e diluindo-se no horizonte de encontro ao perfil violeta dos montes das distância...
(…)

Frederico de Moura
"Aveiro e o seu Distrito", n.º 5, junho de 1968

domingo, 20 de dezembro de 2015

Celebrar o Natal para quê?

Crónica de Frei Bento Domingues 
no PÚBLICO


presépios - Pesquisa Google:

«Fazer família com quem não é da família 
é continuar a revolução de Jesus de Nazaré, 
do mundo todo.»

1. Se Jesus existiu como realidade histórica – e raros são os que se atrevem a negar - é normal que tenha nascido. Quem reconhecer nele a condição humana no seu ponto mais belo, luminoso e humilhado, é justo que celebre este acontecimento.
As datas e os lugares elaborados para as festas, os cenários, as lendas e os mitos compostos pelas narrativas de S. Mateus e de S. Lucas (sem contar com os apócrifos) reflectem perspectivas teológicas e messiânicas diferentes. Nesses exercícios de antecipação para a infância da missão que apenas se manifestou na vida adulta de Jesus, os seus autores serviram-se dos materiais da cultura ambiente para reconfigurarem uma convicção: com Jesus, o evangelho da paz e da alegria de Deus incarnou na fragilidade humana. A salvação não está na fuga do mundo, mas na sua transformação, a partir das periferias mais condenadas. Como sempre, nas narrativas do Novo Testamento parece que tudo já estava previsto no Antigo, mas é sempre para introduzir o imprevisível.

sábado, 19 de dezembro de 2015

Natal: a revolução

Crónica de Anselmo Borges no DN

pela positiva: NATAL - 14:
Repouso na fuga para o Egipto - Gerard David.
Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa


"Tive fome, sede, estava nu, 
na cadeia, no hospital, 
e destes-me de comer, 
de beber, vestistes-me, 
fostes ver-me..."


1- Jesus Cristo é figura "decisiva, determinante" da História da Humanidade. Quem o disse foi um dos grandes filósofos do século XX, Karl Jaspers. A pergunta é: porquê?
Crentes ou não, cristãos ou não, têm de reconhecer a Wirkungsgeschichte de Jesus, isto é, a história dos efeitos ou das repercussões, assombrosamente humana e positiva, de Jesus na História. Por exemplo, o próprio conceito de "pessoa" veio ao mundo por influência do cristianismo, por causa dos debates à volta da tentativa de compreender a pessoa de Jesus. Foi em solo de base cristã que, embora tenham tido de impor-se contra a Igreja oficial, se deram as grandes Declarações dos Direitos Humanos.
Isso é reconhecido por grandes pensadores, inclusive não crentes. Hegel afirmou que foi pelo cristianismo que se tomou consciência de que todos são livres. Ernst Bloch, marxista heterodoxo e ateu, escreveu que é ao cristianismo que se deve a exigência de que nenhum ser humano pode ser tratado como "gado". Jürgen Habermas, agnóstico, afirma que a democracia, com "um homem um voto", é a transposição para a política da afirmação cristã de que Deus se relaciona pessoalmente com cada homem e mulher. Frederico Lourenço - para citar um português -, que se confessa ex-católico, agnóstico, escreve: "Não tenho nenhum problema em afirmar que, pessoalmente, considero Jesus de Nazaré a figura mais admirável de toda a história da Humanidade", Jesus foi "o homem mais extraordinário que alguma vez viveu".

Feliz és tu porque acreditaste

Reflexão de Georgino Rocha

Georgino Rocha
«Faz mais barulho uma árvore a cair 
do que uma floresta a crescer»


Isabel surge como a porta voz que interpreta o que Deus havia feito em Maria. E proclama a felicidade de quem crê que o Senhor cumpre as promessas, é fiel à palavra, tem um tempo para intervir, escolhendo a pequenez humana para desvendar o seu jeito de ser e de agir com solicitude amorosa. Mostra o valor do insignificante e a grandeza da pequenez aos “olhos” do mundo, dos que julgam e apreciam as pessoas e as coisas pelas aparências e categorias sociais e religiosas.

“Feliz és tu porque acreditaste”, tu que vens a mim, deixando o conforto da tua casa de Nazaré, pobre terra da Galileia, percorreste montanhas, enfrentaste as surpresas da viagem distante e chegaste cheia de alegria e confiança. Tu, jovem donzela, a iniciar uma gravidez promissora, a acariciar a realização dos sonhos alimentados por uma promessa divina, a dar provas da novidade que Deus suscita por intermédio daquele que está no teu seio. Tu, a mulher disponível e pronta para a entrega incondicional, para o serviço mais arriscado, para a missão humilde com a maior projecção na história.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Arquimedes sacrificaria a vida

«O mais vulgar dos alunos sabe agora verdades 
pelas quais Arquimedes sacrificaria a vida»

Ernest Renan (1823-1892), escritor e filósofo francês

Mensagem de Natal do Bispo de Aveiro

Vitral de Manuel Correia


Quando Jesus renascer 
no coração humano,
a luz surgirá como a aurora


Eis o Emanuel, Deus connosco,
o Deus que vem ao nosso encontro.
Nova vida se inaugura, pois vem à terra o Deus do amor.
O filho de Deus vivo, e Senhor da vida,
que está presente, que é próximo, providente, santo e misericordioso,
veio para nos salvar com palavras de amor e esperança;
é presença viva de caridade e paz entre os povos da terra.

Deus fez-se um de nós.
O presépio, imagem de humildade, pobreza, simplicidade, docilidade e fé,
seja fonte de inspiração pessoal, familiar e comunitária.
Que todos os desejos, todas as lágrimas e esperanças
contidos nos nossos corações
ressoem e encontrem eco num ombro e numa mão amiga.
Deixemo-nos abrasar pela proximidade e ternura de Deus.

Fica connosco, Senhor!
Natal é renascer, sentir Cristo dentro de nós.
É compaixão, conversão, aceitação…
porque o Deus incarnado é bom,
é fiel, é misericordioso para com todos.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Encontro de Coros de Aveiro

Museu de Aveiro | Museu Santa Joana 
Dia 19 | Sábado | 21h30

No dia 19, sábado, o Boas Festas em Aveiro oferece “A todos um bom Natal” – Encontro de Coros de Aveiro que está marcado para as 21h30 no Museu de Aveiro | Museu Santa Joana e reúne os coros da cidade num concerto único: Academia de Saberes, CantoRia, Catedrave, Coral Polifónico de Aveiro, Coro Vozes do Carmo e Coro de Santa Joana. Mas neste dia, durante a tarde convida-se toda a população a assistir ao Concerto de Natal Infanto-Juvenil no “Coreto Xmas Club” pelas 15.00 horas com o Coro Infantil de Santa Cecília e com o Coro Infantil de Santa Joana.

Fonte: CMA

O Papa faz hoje 79 anos


«O Papa celebra esta quinta-feira o seu 79 º aniversário. Andrea Torniell, vaticanista italiano do diário “La Stampa” e responsável pelo site “Vatican Insider”, conhece Francisco desde os tempos em que ainda não era Papa.»

«Jorge Mario Bergoglio nasceu em Buenos Aires, capital da Argentina, a 17 de Dezembro de 1936, filho de emigrantes italianos, e trabalhou como técnico químico antes de se decidir pelo sacerdócio, no seio da Companhia de Jesus.
Da sua relação de amizade com Jorge Mario Bergoglio - em entrevista à Renascença - destaca, sobretudo, a sua atenção a cada pessoa. Várias vezes o acompanhou a pé pelas ruas de Roma e reconhece que Francisco tem saudades dessa “liberdade”. Tornielli garante, no entanto, que agora Bergoglio é mais alegre e extrovertido do que nos tempos em que era cardeal e que o seu dia de aniversário é um dia como outro qualquer.»

Texto de Aura Miguel , com foto,  na Renascença

Topónimos no Município de Ílhavo

No seguimento da reunião da Comissão Municipal de Toponímia, no passado dia 2 de dezembro, o Executivo Municipal deliberou aprovar os topónimos propostos pela referida Comissão:

São Salvador

Via do Conhecimento
Becos da Rua João Carlos Gomes (Beco do Pinto, Beco da Mónica, o Beco do Valente, o Beco da Cininha, o Beco dos “Avós”, o Beco do Félix e o Beco do Manicas)
Largo Dona Celeste dos Santos
Rua do Antigo Mercado

Gafanha da Nazaré

Travessa do Prior Sardo
Travessa do Esteiro
Beco do Alvim

 Gafanha da Encarnação e da Gafanha do Carmo

. Estrada Quintas do Sul

NOTA: A comissão privilegiou, e bem, Pessoas e expressões muito nossas.

Texto Poético

Crónica de Maria Donzília Almeida 



"A poesia é a música da alma, 
e, sobretudo,
 de almas grandes e sentimentais."

Voltaire 

Levar os alunos a escrever na aula de Língua Portuguesa, afigura-se um quebra-cabeças para o aluno e simultaneamente para o professor de língua materna, a quem cabe a dura tarefa da motivação.
A palavra redação que povoou os anos da minha instrução primária, foi evoluindo semanticamente para composição, chamando-se agora, com certa pompa, produção de texto. 
Redigir é um trabalho que exige prática e dedicação. Não existem fórmulas mágicas: o exercício contínuo, aliado à leitura de bons autores e à reflexão são indispensáveis para a criação de textos. Saber escrever pressupõe, antes de mais nada, saber ler e pensar. Ler é fundamental para escrever. Mas não basta ler, é preciso entender o que se lê. Estruturar o pensamento e verbalizá-lo implica um esforço de concentração que não se coaduna com a impetuosidade e hiperatividade dos adolescentes. 
Quando se passa da prosa para o texto poético recrudescem as barreiras. Daí, a necessidade de aquisição de estratégias e ferramentas didáticas, por parte dos professores de língua materna, para colmatarem esta dificuldade.
É neste contexto pedagógico que se inserem as Ações de Formação, em que uma tertúlia de professores se reúne para discutir e inventariar práticas que conduzam a uma sensibilização à escrita, numa espécie de brainstorming (chuva de ideias).
Numa dessas atividades, foram apresentadas as marcas do texto poético que vão para além da rima, a mais evidente e mais percetível pela faixa etária que lecionávamos. Existe a prosa poética em que a poesia está subjacente no conteúdo, desvalorizando-se a forma.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Escolher a felicidade

«Nem paz nem felicidade se recebem dos outros nem aos outros se dão. Está-se aqui tão sozinho como no nascer e no morrer; como de um modo geral no viver, em que a única companhia possível é a daquele Deus a um tempo imanente e transcendente e a dos que neles estão, a de seus santos.»

Agostinho da Silva


Jubileu Extraordinário da Misericórdia

Da Carta Pastoral do Bispo de Aveiro, 
D. António Moiteiro

Click to Close:

«Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia». Esta misericórdia de Deus para cada um de nós introduz-nos no dinamismo do perdão e da reconciliação com o próprio Deus e, sobretudo, com o irmão. A pessoa movida por misericórdia reconhece e sente a sua própria fragilidade e pequenez, sendo ela mesma sinal de misericórdia. Para fazermos emergir Jesus como o rosto misericordioso de Deus Pai, temos de agir do mesmo modo, deixar-nos imbuir da sua palavra e agir em conformidade com ela.
(...)
O Papa Francisco pede-nos que redescubramos e ponhamos em prática, na catequese e na pastoral das nossas comunidades cristãs, as obras de misericórdia. «É meu vivo desejo que o povo cristão reflita, durante o Jubileu, sobre as obras de misericórdia corporal e espiritual. Será uma maneira de acordar a nossa consciência, muitas vezes adormecida perante o drama da pobreza, e de entrar cada vez mais no coração do Evangelho, onde os pobres são os privilegiados da misericórdia divina.

Ler toda a Carta Pastoral 

Poema de Miguel Torga: Último Natal

A Virgem Gloriosa e as Sibilas
 - Livro de Horas da Duquesa de Borgonha.
 Museu Condé, Chantilly

ÚLTIMO NATAL

Menino Jesus, que nasces
Quando eu morro,
E trazes a paz
Que não levo,
O poema que te devo
Desde que te aninhei
No entendimento,
E nunca te paguei
A contento
Da devoção
Mal entoado,
Aqui te fica mais uma vez
Aos pés,
Como um tição
Apagado,
Sem calor que os aqueça,
Com ele me desobrigo e desengano:
És divino, e eu sou humano,
Não há poesia em mim que te mereça.

Miguel Torga 



In "POESIA COMPLETA". 
Este poema foi escrito em 24 de Dezembro de 1990,

Posse dos Conselhos Económico e Pastoral


Na terça-feira, 8 de dezembro, dia da Imaculada Conceição, padroeira de Portugal, na eucaristia das 11.15 horas, celebrada na igreja matriz, realizou-se a tomada de posse dos Conselhos Económico e Pastoral, que vão ser presididos pelo nosso pároco, Padre César Fernandes, para o triénio de 2015 a 2018. Depois da leitura da ata, que transcreve os decretos de nomeação do Bispo de Aveiro, D. António Moiteiro, com data de 3 de novembro, os membros dos referidos conselhos assinaram a posse, aceitando cumprir a legislação em vigor na Diocese de Aveiro, em sintonia com as normas da Igreja Católica. 
Na altura, o Padre César Fernandes agradeceu a disponibilidade de todos e lembrou que «as decisões que vierem a ser tomadas nunca serão em nome pessoal, mas sim em nome dos paroquianos que representam». 
O Conselho Económico passa a ser assim constituído: Presidente: Padre César Fernandes; Secretária: Custódia Caçoilo Bola; Tesoureiro: João Alberto Lopes Bola; Vogais: Manuel Maria Nunes Sardo e Paulo José Costa Martinho. 
O Conselho Pastoral fica com a seguinte constituição: Presidente: Padre César Fernandes; Vigário Paroquial: Padre Pedro José Lopes Correia; Secretária: Sofia Inês Caçoilo Querido; Vogais: Diácono Manuel Joaquim Pedroso Simões; Manuel Joaquim Almeida Pina; Maria de Lourdes Ferreira Faustino Almeida; José Augusto Teixeira Rocha; Rosa Cova da Silva Fidalgo Cravo; Pedro Manuel Vilarinho Fidalgo; Jeremias Ribau Teixeira; Carlos Manuel Sardo Santos; Francisco António da Silva Caseiro; Manuel Garcia Lopes Mendes Serra; Rosa Cordeiro Casqueira Neves; Joana Raquel Rodrigues Pontes; Ricardo Daniel Ramos Mendes; Custódia Lopes Caçoilo Rocha Bola; João Alberto Lopes Bola; Manuel Maria Nunes Sardo e Paulo José Costa Martinho. 

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

GDG no pódio da ADREP

Miriam Silva em primeiro na Palhaça

Miriam Silva (1.ª)
Infantis Femininas  (2.º)

Miriam Silva subiu ao lugar mais alto do pódio, no Grande Prémio de Atletismo da Palhaça, que teve lugar no último domingo, naquela vila do Concelho de Oliveira do Bairro.
Percorreu os 400m em 1’16, com uma vantagem de 10 segundos para a segunda classificada, o que lhe valeu o prémio mais apetecido na prova do seu escalão. Tal desempenho deu direito ao segundo lugar por equipas, 13 pontos amealhados com o concurso das atletas Miriam Silva e Leonor Silva, que cortou a meta após 40 segundos.
O GDG trouxe mais uma taça de 2º lugar por equipas, desta vez no escalão de Infantis Femininos, graças ao desempenho das atletas Beatriz Correia, Carina Marabuto, Joana Ramos e Mara Nunes. 
Os atletas foram acompanhados pelos treinadores Vítor Carlos, João e Juvenal Magueta, que alinharam nos 8100m da prova principal, juntamente com Paulo Almeida, todos no escalão de veteranos. 

Hélder Ramos

Nota: Os meus parabéns às atletas do GDG. 

“Nos Mares da Memória” — Realização de Rui Bela

Um  filme que retrata 
a saga dos bacalhaus 
através dos séculos 

Um aspeto da sessão (foto cedida por Rui Bela)

No Museu Marítimo de Ílhavo (MMI), foi apresentado em sessão de estreia, no dia 11 de dezembro, pelas 21.30 horas, o filme “Nos Mares da Memória”, com realização de Rui Bela e guião de Senos da Fonseca, sobre a história da pesca do bacalhau. Como seria de esperar, o auditório estava repleto, notoriamente pelo grande interesse que o assunto desperta nos ílhavos, e não só.
Na apresentação, Rui Bela frisou que este seu trabalho surge 26 anos depois de ter realizado o documentário “À Glória Desta Faina”, que «impulsionou a ideia de se criar um setor sobre a pesca à linha no MMI». 
«Se Portugal tivesse que enumerar alguns dos seus feitos mais gloriosos, a descoberta dos mares gelados da Terra Nova e da Gronelândia e a pesca do bacalhau no século XV seriam seguramente dois deles», referiu. E acrescentou que, ao longo de cinco séculos de história, «os portugueses levaram mais longe o conhecimento nas artes da navegação e da pesca».
Rui Bela garantiu que os portugueses foram «os primeiros colonizadores dessas terras tão longínquas», onde «deixaram marcas profundas na cultura local», e salientou a inovação na construção naval, «considerada a melhor por exímios navegadores».

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Homenagem a Iyengar

Crónica de Maria Donzília Almeida 

 «O yoga também favorece 
a longevidade»


Como sou fã e praticante, decidi prestar homenagem a um dos gurus desta filosofia de vida.
Esta segunda-feira, 14 de dezembro, será um grande dia para os praticantes de yoga em todo esse vasto mundo. 
Hoje, o fundador do Iyengar yoga é celebrado pela Google, através de um doodle engraçado, onde uma animação de B. K. S. Iyengar aparece fazendo os exercícios característicos da sua disciplina. Os doodles são logótipos passageiros da Google, criados para celebrar aniversários de pessoas importantes ou eventos que marcaram a história da humanidade.
Bellur Krishnamachar Sundararaja Iyengar nasceu no dia 14 de dezembro de 1918, no pós-guerra e enfrentou uma infância muito difícil, padecendo de diversas doenças como tuberculose, malária e febre tifoide. Encontrou no yoga uma espécie de escudo protetor espiritual. O seu guru foi o memorável Sri T. Krishnamacharya. 

Das minhas memórias para este Natal

O nosso Menino Jesus 

A recordação que hoje publico em Memórias Soltas vem de há décadas. A estória verídica, salpicada com um pouco de ficção, nunca me deixou, ocupando um recanto especial do meu coração. Já não vejo o Américo nem sei há quantos anos, mas o seu rosto envelhecido, não pela idade mas pelas agruras da vida, jamais me abandonou. Emigrou para a Alemanha, graças a um amigo meu já falecido, de onde veio um dia, pelo Natal, para me visitar e agradecer o pouco que por ele fiz. 
Onde quer que ele esteja, daqui lhe envio um abraço de muita amizade, na certeza de que o Menino-Deus o há de proteger sem o repreender por ter sete filhos.

domingo, 13 de dezembro de 2015

32.º aniversário do Etnográfico da Gafanha da Nazaré

Presidente da Câmara de Ílhavo anuncia: 

Festa do Marisco na Costa Nova | agosto
Grandes Veleiros |7 a 9 de agosto 
Festival do Bacalhau |17 a 21 de agosto 
Casa da Música | primeiro trimestre de 2017

Carlos Silva, Ferreira da Silva e Helena Sardo 
Num restaurante da nossa terra, o Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré (GEGN) celebrou, no sábado, 12,  o seu 32.º aniversário, em espírito natalício,  com dezenas de convivas, entre dirigentes, entidades oficiais, representante da Federação do Folclore Português, membros e colaboradores, sem faltarem os amigos, alguns desde a primeira hora. 
Alfredo Ferreira da Silva, fundador e dirigente do grupo, depois de saudar as entidades presentes, elogiou a generosidade Adelino Vieira, mais conhecido por Adelino Palão, mestre do barco “Jesus nas Oliveiras”, que todos os anos se prontifica para transportar o andor de Nossa Senhora dos Navegantes na já célebre procissão pela Ria de Aveiro. 
Aquele dirigente teve ainda uma palavra de agradecimento à Junta de Freguesia, representada pelo seu presidente, Carlos Rocha, pela disponibilidade com que colabora com a instituição, dizendo que «nem só dar dinheiro é ajudar o grupo». «Muito importante é pôr à nossa  disposição os trabalhadores e os equipamentos para tarefas ligadas aos festivais», disse. 
Dirigindo-se ao representante da Federação, António Amador, manifestou o desejo de que o GEGN continue a merecer o apoio do conselho técnico da federação, corrigindo o que for de corrigir e mantendo as melhores relações. Adiantou que, se este ano foi de muito trabalho, o próximo exigirá muito mais dedicação de todos. 

Lurdes Matias, Padre César e Carlos Rocha

António Amador afirmou que «não vê razão nenhuma para que as relações não sejam boas», até porque o GEGN tem um elemento seu, Acácio Nunes,  no conselho da federação. «Não íamos ter no conselho técnico um elemento de um grupo que não tivesse valor», frisou. Referiu que «a gente do folclore não sabe fazer outra coisa se não trabalhar por amor à camisola».
O presidente da autarquia da Gafanha da Nazaré, Carlos Rocha, sublinhou que é obrigação da junta «estar ao lado das associações», na medida das suas possibilidades, garantindo que «a sua missão é servir».
O pároco da nossa terra, Padre César, que se apresentou como «um cantor por natureza», confessou que aprecia «com muita intensidade e muito carinho» o trabalho que o Grupo Etnográfico está a fazer, prometendo que nunca lhe negará o seu apoio e o da Igreja, «naquilo que ela puder prestar».

Fernando Caçoilo
Fernando Caçoilo, presidente da Câmara Municipal de Ílhavo (CMI), dirigiu palavras de parabéns ao GEGN, enquanto aproveitou a ocasião para informar que o Festival do Bacalhau terá lugar no Jardim Oudinot, 17 a 21 de agosto. Será um período «particularmente complicado», porque haverá também o Festival do Marisco, na Costa Nova, e a visita dos Grandes Veleiros ao nosso porto, 7 a 9 de referido mês, «o que implica uma operação logística complicada e difícil, sendo necessário conciliar todas estas ações que mobilizam muita agente». 
Referindo-se à Casa da Música, o autarca ilhavense garantiu que esse espaço tem «mexido na atividade de todos nós», salientando que o concurso de reconstrução e adaptação já foi aprovado na CMI. Trata-se de uma obra de mais de 650 mil euros, esperando, contudo, que os construtores deem um valor mais baixo, para que «no primeiro trimestre de 2017 possamos fazer lá uma grande festa».

Fernando Martins

A alegria não pode esperar

Crónica de Frei Bento Domingues 
no PÚBLICO

«O Papa Francisco, goste-se ou não, 
é a convocatória para uma Igreja muito outra, 
para um mundo muito diferente.»

1. Voltaram, este ano, a perguntar-me a data do nascimento de Jesus. Nestas crónicas, dei, várias vezes, para esse peditório. Já recebemos das investigações dos historiadores e dos exegetas do Novo Testamento todos os dados da questão. No entanto, ano após ano, os meios de comunicação social apresentam, como se fosse a novidade de última hora, ocultada pelas igrejas, a grande revelação: Jesus não nasceu no dia 25 de Dezembro e, do seu nascimento, não se sabe nem o ano nem o dia. 
Acerca do Natal - como verdade, lenda e mito - remeto para a grande obra do rigoroso exegeta açoriano, A. Cunha de Oliveira [1].
Para os interessados, deixo aqui o resumo e a reflexão hermenêutica do grande historiador Gerd Theissen, ao concluir o seu cuidadoso estudo da estrutura cronológica da vida de Jesus [2]: Jesus nasceu antes da morte de Herodes I, isto é, entre 6/4 a.C..

destaque

Povos indígenas - «grito lançado à consciência» do mundo

«O Papa Francisco elogiou  no Peru a riqueza “biológica, cultural e espiritual” das comunidades amazónicas, que apresentou como um desa...