Papa lamenta padres e bispos «agarrados ao dinheiro»

Avareza (det.) | Pieter Bruegel, o Velho
«Também na Igreja há pessoas assim, que em vez de servir, de pensar nos outros», acabam por «se servir da Igreja: os arrivistas, os agarrados ao dinheiro. E quantos sacerdotes e bispos temos visto assim. É triste dizê-lo, não?», disse o papa. E disse mais: À «radicalidade do Evangelho, do chamamento de Jesus Cristo a servir, a estar ao serviço, de não se deter, de ir sempre mais além, esquecendo-se de si próprio», alguns respondem com a «comodidade do estatuto»: «Eu atingi um estatuto e vivo comodamente, sem honestidade, como aqueles fariseus de que fala Jesus, que passeavam nas praças, fazendo-se ver pelos outros».

Ler mais aqui

NOTA: Leio, frequentemente, elogios dirigidos ao Papa Francisco pelo seu testemunho de vida, pela sua coragem, pela sua determinação e capacidade de denúncia do que vai mal no mundo e na Igreja, que está, ou deve estar, no mesmo mundo. Mas se denuncia, também anuncia os caminhos do evangelho de Jesus Cristo. É, portanto, um grande profeta do nosso tempo. Também ouço, por aqui e por ali, que a Cúria Romana e uns "ortodoxos" (Sem ofender os nossos irmãos na fé das Igrejas Ortodoxas) ou radicais tradicionalistas, nostálgicos do passado, que os há por cada canto, estão atentos para, no silêncio dos manhosos, perturbar a coragem genuína do papa que veio do outro lado do mundo para purificar a Igreja de Cristo.


Comentários