Postal ilustrado — Pia Batismal

Símbolo da fé 
dos nossos ancestrais


Quem entra na igreja matriz da Gafanha da Nazaré talvez não consiga identificar o símbolo mais genuíno, na minha opinião, da fé do nosso povo. Hão de reparar, decerto, na imagem de Nossa Senhora da Nazaré, em lugar de honra a que tem direito, na parte frontal da capela-mor, sem dar grande importância à pia batismal que está junto do altar. 
Criada a freguesia e paróquia por decretos de D. Manuel II, o último rei de Portugal, em 23 de junho de 1910, e do Bispo de Coimbra, D. Manuel Correia de Bastos Pina, Bispo de Coimbra, a cuja diocese pertencíamos, em 31 de agosto do mesmo ano, a matriz funcionou numa capela que existia na Chave. No dia 11 de setembro, ali se realizou o primeiro batizado, de Alexandrina Cordeiro, provavelmente na pia batismal que veneramos, como fonte de fé de todos os gafanhões desde aquela data.
Em 14 de janeiro de 1912, dia da inauguração da atual igreja matriz, é quase garantido que a pia batismal tenha sido transportada na véspera, tal como aconteceu com os demais pertences da referida capela: altares, imagens de santos, paramentos, bancos e demais alfaias de culto.
Quando domingo a domingo contemplo a nossa pia batismal evoco com ternura quantos deram suor, canseiras e lágrimas à comunidade para levar por diante a construção da Igreja dedicada a Nossa Senhora da Nazaré, e ainda recordo os que, durante mais de um século, foram batizados com a água benta, derramada sobre os batizandos, tornando-os templos do Espírito Santo, filhos de Deus e membros da árvore frondosa, Jesus Cristo, da qual somos ramos com vida. 

Fernando Martins

Comentários