Em Pombal à procura do Marquês

Um museu 
para recordar um pouco 
da nossa história

Secretária e cadeira do Marquês
Ontem foi dia de ir a Pombal. Por lá passara vezes sem conta, mas sempre com pressa, quando utilizava a estrada antiga, antes das autoestradas. A Pombal, sim senhor, para ver se encontrava por lá o Marquês, uma personalidade histórica controversa. Amada por uns e contestada por outros tantos ou mais. 
D. José I, o rei, confiava nele cegamente. Por ser um incompetente, politicamente falando, ou por razões que nos escapam. O homem, Sebastião José de Carvalho e Melo, conhecido por Conde de Oeiras e Marquês de Pombal, um adepto feroz do iluminismo, tudo quanto fez, e muitíssimo foi, seria por bem do povo e do país. Se não fosse a bem seria a mal. Um ditador feroz, segundo a minha ótica. E nós, os de Aveiro, nunca lhe perdoaremos ter condenado e executado o Duque de Aveiro, cujo palácio em Lisboa foi incendiado, arrasado e coberto de sal o terreno onde estava implantado, para que nada nele germinasse. Foi tudo isto e muito mais o que me veio à cabeça quando cheguei a Pombal. 
Já agora, umas curtas histórias que li, há uns 40 anos, numa biografia do Marquês escrita por Mário Domingues, um escritor e jornalista. Julgo não estar errado. A primeira, garante o escritor, diz que depois da sua morte, lhe abriram o peito (não recordo por que motivo nem tenho o livro à mão para o reler), tendo os médicos descoberto que tinha pedras no coração. 
Talvez por isso, ou a história foi contada para nos levar a admitir a dureza do seu coração, o homem teria razões para se comportar com frieza e raiva perante os seus adversários. E a outra história conta que a Rainha D. Maria I o desterrou para Pombal, com a advertência de que não poderia pisar solo que não fosse o daquela vila. Sentindo saudades de Lisboa, cuja traça arquitetónica foi delineada por ele e seus obedientes artistas, depois do terramoto de 1755, com avanços antissísmicos e avenidas que ainda hoje nos espantam. 
Ora o marquês conseguiu realizar o seu sonho, sem transgredir nem ofender a Rainha, com um estratagema insólito, qual ovo de Colombo. Na carruagem que o conduziu colocou terra de Pombal onde pousou os seus pés, talvez pesados de vida longa e laboriosa e pela carga da sua indesmentível inteligência.
Pelo que calculo, as grandes cabeças (no sentido do saber e da inteligência, da bondade ou da tirania) encontram sempre soluções, por mais inesperadas que sejam.

Sobre o Marquês podem ler aqui


O Museu

Urna do Marquês, com  leões do seu brasão 


Tinteiro do Marquês com pena

O Museu fica na cidade velha, na Cadeia Velha, na Praça Marquês de Pombal, desde 2004, após obras de remodelação e adaptação do edifício. O edifício foi mandado construi pelo próprio Marquês em 1776 e o seu espólio, de valor histórico e artístico, merece ser apreciado. A entrada é gratuita e a funcionária é atenciosa e possuidora de histórias sobre a figura mais expressiva da terra. Torna-se difícil apreciar documento a documento, mas percebe-se o labor extraordinário do político e governante. Por exemplo, vi decretos que proibiam o uso de carruagens em Lisboa, da obrigatoriedade do uso de passaporte como medida de segurança, da abolição da escravatura em Portugal, dos privilégios a quem plantasse amoreiras (por causa da seda, está bem de ver, cuja indústria cresceu bastante), da Companhia dos Vinhos do Alto Douro, entre outros. O governante era, de facto incansável.
Bustos, gravuras, móveis, louças, atas, e muito mais, que me dispenso de referir para não saturar os meus amigos e leitores. Às fotos que publico acrescentarei um ou outro comentário. E o convite aqui fica: de passagem por Pombal, não deixem de visitar este museu.

NOTA: Amanhã, se puder, virei com o Castelo de Pombal

Comentários