Acreditamos que Tu és o Santo de Deus


Reflexão de Georgino Rocha

Georgino Rocha


O discurso do pão da vida atinge o auge, no desabafo de Jesus, que João formula na pergunta dirigida aos Apóstolos: “E vós também quereis ir-vos embora?” A sinceridade denota um sabor de amargura. A preocupação manifesta um receio fundado. O risco é evidente e virá a ser concretizado na paixão. A circunstância, aliada ao tom da voz e ao brilho do olhar, provoca a resposta eloquente de Pedro: “A quem iremos nós, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna”. Jo 6, 60-69. 

A crise atinge o auge: as multidões deixam de andar na sua companhia e perdem o gosto de o ouvir; os nobres judeus, após discussões intensas, “viram-lhe as costas”, deixando palavras mordazes; os discípulos, “escandalizados” pela vivacidade crescente e realista da mensagem anunciada, cansam-se e desanimam, dispersando-se. Resta o grupo dos Doze. Jesus sente o abandono, mas não cede em nada, não suaviza o alcance do discurso, não faz uma religião à medida do gosto de cada um nem das tradições legalistas. E seria tão fácil. Como ainda hoje se pode verificar.



A hora é solene. Os doze constituem o resto fiel que vai ser posto à prova. A pergunta de Jesus é certeira e provocatória, dirige-se à opção livre do grupo. Podiam optar por ir-se embora, como os outros, por não aguentar o que não compreendiam, por não se sujeitarem à chacota de comentários desvirtuantes. A voz de Pedro irrompe naquele silêncio fecundo: “A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. Nós acreditamos que Tu és o Santo de Deus”. Não há outra palavra, nem projecto, nem aliança com futuro a não ser a que será selada com a entrega do corpo e do sangue de Jesus.

A resposta de Pedro é uma resposta-compêndio das buscas da humanidade ansiosa por encontrar palavras de vida eterna. E as marcas desta procura ficam em nomes célebres como os sábios, em obras de filósofos antigos e modernos, em façanhas de heróis de impérios caducos, em exemplos de vida de santos reconhecidos e anónimos… O coração humano foi-se saciando com o êxito do melhor do seu esforço, mas dando sinais claros de que permanecia um vazio a preencher. Santo Agostinho expressa-o de forma muito bela. “Fizestes-nos Senhor para Vós e o nosso coração está inquieto até em Vós repousar”.

“A quem iremos, Senhor?” Interroga-se a humanidade pela voz de Pedro. Todos nos dão respostas efémeras e nos “servem” produtos de pouca duração. A história constitui o memorial deste valor reduzido. A experiência de vida, acumulada em sabedoria, mostra-nos à-evidência que só “Tu tens palavras de vida eterna”, consistentes e definitivas, firmes e credíveis. E testemunha-o o exemplo heróico de tantas pessoas bondosas e de muitos santos e mártires. De todas as condições sociais e étnicas.

Ficar com Jesus e andar com Ele é opção definitiva e livre de grande alcance e de forte empenhamento. Comungar o seu projecto de vida, não é apenas receber o pão/hóstia da eucaristia ou participar em eventos religiosos de alcance social ou pertencer a algum grupo de bem-fazer. É assumir o seu estilo de vida sóbrio e disponível, as suas opções claras pela ajuda/libertação dos mais pobres e excluídos, é resistir ao tsunami consumista e acelerar a construção de uma sociedade alternativa, espelho da civilização do amor. É dar a vida até ao fim por amor.

O decisivo – afirma Pagola - é ter fome de Jesus. Procurar desde o mais profundo encontrar-nos com Ele. Abrir-nos à sua verdade para que nos marque com o seu Espírito e potencie o melhor que há em nós. Deixar que ilumine e transforme as zonas da nossa vida que estão todavia sem evangelizar.

Então, alimentar-nos de Jesus é voltar ao mais genuíno, ao mais simples e mais autêntico do seu Evangelho; interiorizar as suas atitudes mais básicas e essenciais; acender em nós o instinto de viver como Ele; despertar a nossa consciência de discípulos e seguidores para fazer dele o centro da nossa vida. Sem cristãos que se alimentem de Jesus, a Igreja enfraquece sem remédio.


Comentários