7 DE AGOSTO: UM DIA MUITO ESPECIAL




Ontem vivemos um dia muito especial. Eu e a Lita celebrámos os 50 anos do nosso casamento, que se realizou, concretamente, em 7 de agosto de 1965, no Bunheiro, Murtosa. Foi um dia muito especial vivido com filhos e netos, que nos manifestaram todo o amor e ternura que têm por nós, como nós temos por eles. E como essas manifestações de carinho, embora esperadas, nos comoveram!
Foram 50 anos cheios de trabalhos, canseiras, alegrias sem conta e algumas mágoas, que vida sem tudo isso será uma monotonia desenxabida. Não são as mágoas que nos fazem crescer? Os momentos bons deram-nos muito prazer; os menos bons tornaram-nos mais unidos. 
Dizem alguns, nestas circunstâncias, que nunca se arrependeram do que fizeram na vida. Eu não partilho dessa opinião. Fiz, decerto, muitas coisas boas, mas também cometi alguns erros, dos quais me arrependo. Nem sempre fiz o bem que queria, mas o mal que não queria, no dizer do apóstolo Paulo. A fragilidade humana é assim.
Revemo-nos nos filhos e netos que nasceram do nosso amor durante estes anos todos. Nas suas veias corre o nosso sangue e nas suas almas desabrocham os valores que cultivamos e enformam os nossos quotidianos. Valores de verdade, de justiça, de paz, de amor, de fraternidade, de ternura, do bem, do belo e da compaixão pelos feridos da vida. 
Nunca lhes transmitimos ânsias de poder, de riquezas, de honras sem sentido, de vaidades e de privilégios. Antes os educámos para o serviço à sociedade, sem dela esperarem recompensas. Os filhos e netos, afinal, eternizam-nos no tempo.
Por estranho que porventura possa parecer, foram estes sentimentos que, como casal e pessoalmente, mais nos vieram ontem à memória. E no fim do dia os filhos ainda nos brindaram com uma evocação sentida e muito íntima dos nossos 50 anos de casados. Que Deus os abençoe.

Lita e Fernando

Comentários