Dar fruto de qualidade

Uma reflexão de Georgino Rocha

Georgino Rocha

Em linguagem simples e poética, familiar aos discípulos, Jesus prossegue os ensinamentos sobre a realidade profunda da sua união a Deus Pai e da relação entre aqueles que acreditam na sua mensagem. Recorre a uma imagem tirada da vida agrícola – a da vinha em que se destaca uma videira por ser única, verdadeira, autêntica. E extrai, de forma singular, as “lições” que ela insinua, desvendando o seu sentido profundo. Jo 15, 1-8

Os discípulos, como homens da Galileia, estavam habituados a ver os campos e as vinhas, os trabalhos dos agricultores e vinhateiros, os cuidados a ter com cada vide. E a aguardar, em paciente espera, o tempo da vindima, a apanha das uvas amadurecidas desejadas. Certamente, não teriam qualquer dificuldade, em entender o que lhes era confidenciado em ambiente tão marcante, como o da “ceia de despedida”, em que Jesus realça o amor como realidade “envolvente” de todos.

A pertença dos ramos à videira é “o ponto de partida” para visualizar a união vital dos discípulos a Jesus. Ramos sem tronco que os suporte e sem seiva circulante que os irrigue, não perduram e definham, morrem na esterilidade. Tronco sem ramos fica limitado, desfigurado, improdutivo. A união estreita entre ambos é garantia da circulação da seiva nutritiva que dará vida aos cachos de uvas apetecidas.

João, o autor da narrativa, explicita o alcance desta união, usando o verbo permanecer. Como o Pai está em Mim e eu estou no Pai, assim vós também – diz Jesus. E a partir desta comunhão única, afirma a realidade admirável da sua relação com os discípulos que aceitam viver a sua mensagem, que permanecem no seu amor. Paulo, numa das suas cartas, recorre ao termo de “enxertia” para expressar esta mesma realidade. Pelo enxerto logrado, a cepa expande-se em rebentos de vida, em ramos de esperança, em frutos de alegria exuberante.

Sem a compreensão deste enraizamento original único, a alegoria pode ser interpretada de modo desvirtuada: Dar muito fruto, produzir em abundância e eficiência, incrementar o rendimento, melhorar os meios de acumulação, garantir o consumo; ou então, reduzir, ao âmbito privado, o uso dos bens alcançados, comprazer-se em satisfação espiritual pelo êxito obtido, resguardar-se de todo o incómodo que possa surgir com a penúria dos outros.

Permanecer nele é ser-lhe fiel, estar unidos uns aos outros, como ele está com os seus discípulos, viver a missão que não tem fronteiras nem limites, a não ser os do tempo. Dando muito fruto, vos tornareis meus discípulos – garante, sem rodeios, para alegria de todos. E de que frutos se trata? Os mesmos que nos advêm da sua vida e dos seus ensinamentos: amor de doação incondicional, acolhimento de todos como irmãos entre si e filhos do mesmo Deus Pai, apreço e respeito pela dignidade de cada um, confiança nas capacidades humanas e no seu desenvolvimento, justiça e equidade nas relações do trabalho e na repartição dos bens, sentido do futuro que, entretanto, vai emergindo, de forma germinal, em atitudes e gestos com esta dimensão e qualidade, convivência alicerçada no reconhecimento da nossa comum humanidade que, em Jesus Cristo, é reforçada pelo seu exemplo e pela sua intervenção de salvação.

São frutos para os outros. A eficácia, o progresso e o êxito designam-se, no Evangelho, por espera activa, serviço generoso, simplicidade discreta, alegria confiante. O protagonismo a Deus pertence, e a nós a cooperação responsável, livre, inteligente.

Comentários