Um desabafo: gente aos berros

Não sei se é da idade se de outra coisa. Talvez da necessidade que sinto de uma vida mais serena. Não gosto de pessoas aos berros. Miguel Esteves Cardoso falou há dias de gente aos gritos. Concordo com o que disse e como disse, num estilo que eu jamais conseguiria imitar. Nesse aspeto, o escritor, cronista e homem culto, é um caso raro. Outros, com nível, não serão tão sintéticos como ele é para dizer muito em poucas palavras.
Lá que os políticos de carreira usem a gritaria para excitar as massas, ainda vá, porque sem entusiasmo nada feito. Agora, que as pessoas, nos cafés e restaurantes, nas esplanadas ou à mesa da confraternização, gritem a plenos pulmões para que todos, em círculo alargado, as oiçam, não me parece bem. E não é que a gritaria de uns estimula quem também quer dar a sua opinião? O problema está aí. O melhor, já cheguei a essa conclusão há bons tempos, é deixá-los berrar. Hão de calar-se com o nosso silêncio.

Comentários