Faleceu o Mário Retinto

O funeral é hoje, 30 de abril, às 16 horas, 
para o cemitério da Gafanha da Nazaré
Mário Cardoso
Seria perto da meia-noite de ontem quando soube do falecimento do Mário Cardoso, mais conhecido por Mário Retinto, que conheci na minha infância, quando esteve doente dos pulmões. Eram bastantes os que na altura padeciam de doenças pulmonares, fatais para muitos. Ele resistiu, tal como eu, uns anos depois. 
Privei mais de perto com o meu amigo Mário na Ação Católica, de que ele chegou a ser presidente da JOC na Gafanha da Nazaré. E a sua postura, pela competência e seriedade que punha em tudo em que se envolvia, marcou-me. Depois, as nossas vidas e profissões, com rumos diferentes, não nos permitiram os contactos que eu gostaria de manter. Mas quando nos encontrávamos, havia normalmente um tempinho para fazermos o ponto da situação, ouvindo dele considerações que tinham o peso do saber de experiência feito, duma memória privilegiada, duma capacidade de síntese notável. Uma palavra, uma frase suspensa a meio, um esgar facial ou um sorriso diziam mais que muita conversa. 
Nas entrevistas que tenho feito ao longo da minha vida, umas publicadas nos meus blogues e outras em jornais, tantas sem cópia original, recordo hoje umas passagens da conversa que mantive com o Mário Retinto há uns cinco anos. Foi uma conversa aberta, franca e muito interessante pela acutilância das considerações, sobretudo quando se referia a injustiças sociais que o incomodavam sobremaneira. Evocou a sua carreira profissional, os seus estudos, a sua família de origem com 16 filhos, sendo ele o primogénito. Lembrou pessoas que apreciou e disse que «A JOC, em tempos de proibição dos sindicatos livres, foi um movimento que, de certa maneira, desenvolveu entre os seus filiados a consciência sindical operária». E como não podia deixar de ser, recordou os anos em que foi presidente da Junta da Freguesia da Gafanha da Nazaré e dos consensos que procurou dia a dia estabelecer, entre outras ideias, nem todas incluídas no texto que publiquei.
Aceitou, naturalmente, o 25 de Abril, na esperança de que a democracia, o desenvolvimento e a justiça social fossem implementados entre nós. E olhando para as realidades actuais, lamenta que não se tenha chegado onde tantos sonharam. E questiona-se: «Se uma pessoa quer trabalhar e não tem onde, nem tem dinheiro para o essencial, acha que isto é democracia?; Uma pessoa quer educar os filhos e não tem meios para isso, acha que isto é desenvolvimento?»
Com estas questões, que traduziam as suas inquietações sociais, políticas e humanas, presto as minhas homenagens a um amigo que nos deixou fisicamente, na certeza de que o seu testemunho deixou raízes entre nós. E apresento as minhas condolência a toda a família.
Que a sua alma descanse em paz. 

Fernando Martins

Ler entrevista aqui 

Comentários