Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2015

Estrada da Gafanha ao Forte

Imagem
30-IV-1861


«Com a conclusão do lanço da Gafanha ao Forte, terminaram neste dia os trabalhos de construção da estrada da Barra, iniciados em 12 de Março de 1860 (Padre João Vieira Resende, Monografia da Gafanha, pg. 181) – A.»
Calendário Histórico de Aveiro  de António Christo e João Gonçalves Gaspar
Nota: Seria interessante saber se havia,  antes da construção, qualquer caminho para passagem de pessoas ou gado. Talvez de terra batida. Ou simplesmente areias soltas ainda virgens, sem casas... Quem avança com alguma ideia?

Faleceu o Mário Retinto

Imagem
O funeral é hoje, 30 de abril, às 16 horas, 
para o cemitério da Gafanha da Nazaré
Seria perto da meia-noite de ontem quando soube do falecimento do Mário Cardoso, mais conhecido por Mário Retinto, que conheci na minha infância, quando esteve doente dos pulmões. Eram bastantes os que na altura padeciam de doenças pulmonares, fatais para muitos. Ele resistiu, tal como eu, uns anos depois.  Privei mais de perto com o meu amigo Mário na Ação Católica, de que ele chegou a ser presidente da JOC na Gafanha da Nazaré. E a sua postura, pela competência e seriedade que punha em tudo em que se envolvia, marcou-me. Depois, as nossas vidas e profissões, com rumos diferentes, não nos permitiram os contactos que eu gostaria de manter. Mas quando nos encontrávamos, havia normalmente um tempinho para fazermos o ponto da situação, ouvindo dele considerações que tinham o peso do saber de experiência feito, duma memória privilegiada, duma capacidade de síntese notável. Uma palavra, uma frase suspensa a m…

União Europeia envergonha-nos

"Onde estão os políticos europeus que defendem algo de que nos possamos orgulhar? Desapareceram. Mesmo quando parecem existir num dado momento, desintegram-se ao chegar ao primeiro Conselho Europeu. A União Europeia dissolve toda a ideia política e apenas deixa negócios com um cheiro de enxofre no ar."

Crónica de José Vítor Malheiros

Li no PÚBLICO


Um desabafo: gente aos berros

Não sei se é da idade se de outra coisa. Talvez da necessidade que sinto de uma vida mais serena. Não gosto de pessoas aos berros. Miguel Esteves Cardoso falou há dias de gente aos gritos. Concordo com o que disse e como disse, num estilo que eu jamais conseguiria imitar. Nesse aspeto, o escritor, cronista e homem culto, é um caso raro. Outros, com nível, não serão tão sintéticos como ele é para dizer muito em poucas palavras. Lá que os políticos de carreira usem a gritaria para excitar as massas, ainda vá, porque sem entusiasmo nada feito. Agora, que as pessoas, nos cafés e restaurantes, nas esplanadas ou à mesa da confraternização, gritem a plenos pulmões para que todos, em círculo alargado, as oiçam, não me parece bem. E não é que a gritaria de uns estimula quem também quer dar a sua opinião? O problema está aí. O melhor, já cheguei a essa conclusão há bons tempos, é deixá-los berrar. Hão de calar-se com o nosso silêncio.

100 ANOS DO MUSEU DE AVEIRO

Imagem
Um livro para todos  os que gostam de arte  e de Santa Joana



Ir ao Museu  de Aveiro é uma aventura
(…) Foi no Museu de Aveiro que o viajante depôs as armas com que, em horas menos respeitosas, tem lutado contra o barroco. Não houve conversão fulminante, amanhã voltará a recalcitrar contra outros excessos e gratuitidades, mas aqui abriu os olhos do entendimento. Quem organizou e mantém o Museu de Aveiro sabe do seu ofício. Do seu ofício sabe igualmente o guia que acompanha o viajante: não se limita às tradicionais ladainhas, chama a atenção, dialoga, comenta com inteligência. (…)

José Saramago,  “Viagem a Portugal”,  1.ª ed. Lisboa, 1981, p. 121
Na contracapa do Livro

*** O 100 anos do Museu de Aveiro mereceram a publicação de um livro, com direção de Lauro Marques e coordenação da AMUSA — Associação dos Amigos do Museu de Aveiro. Contou ainda com a coedição da ADERAV — Associação para o Estudo e Defesa do Património Natural e Cultural da Região de Aveiro e da AMUSA. Um século de vida em pro…

Sem justiça nem misericórdia

Imagem
Crónica de Frei Bento Domingues  no PÚBLICO


1. Lampedusa é um dos cemitérios onde são afogados os que procuram fugir da guerra, da violência, da fome e da própria morte. Foi por aí que o Papa Francisco começou as suas visitas pastorais e onde fez a homilia mais breve da sua vida: Que vergonha! Quando se perde a vergonha, perde-se a decência e tornam-se vazios os apelos às convenções internacionais, à justiça, à misericórdia e a qualquer princípio. Dir-se-á que estou a simplificar questões complexas de ordem económica, social, cultural e política que envolvem as migrações. As máfias do tráfego humano dominam os seus percursos. É evidente que deixar afogar os pais e os filhos é muito mais simples. A Europa não pode esquecer a sua parte de responsabilidade pelo que se passa no Médio Oriente. Os horrores da Palestina, do Iraque, da Síria, da Líbia, do Egipto, etc. obrigam as populações a pagar muito caro a morte no Mediterrâneo.

O futuro com quatro bombas

Imagem
Crónica de Anselmo Borges  no Diário de Notícias


Haverá alguém que duvide de que vivemos num mundo, por um lado, exaltante, mas, por outro, sobretudo um mundo perigoso, ameaçador? Numa conferência recente, o filósofo e teólogo Xabier Pikaza alertava para os perigos e as ameaças e enumerava as quatro bombas que pesam sobre a humanidade e o seu futuro. Chamava a atenção, em primeiro lugar, para a possibilidade da guerra universal, com armamento nuclear: a bomba atómica. O Big Bang foi há 13 700 milhões de anos, e nós, Homo sapiens sapiens - acrescente-se sempre, e demens demens: homem sapiente sapiente e demente demente -, aparecemos recentemente, quando se considera todo o processo de 13 700 milhões: há uns 150 mil anos. Mas, se até aos meados do século passado, vivíamos ainda separados uns dos outros e, sobretudo, a capacidade de destruição era limitada, com a bomba atómica a humanidade pode destruir-se e acabar. O processo que permitiu o nosso aparecimento tem milhares de milhões de a…

25 de Abril de 1974

Imagem
Onde estava no 25 de Abril?
Acordei cedo na manhã da revolução. Tinha de estar em Sever do Vouga por volta das 9 horas. Nessa altura não havia sinais de autoestradas por estas bandas. O caminho até Sever era sinuoso e moroso. Nesse dia tinha de visitar escolas e cursos de adultos, enquanto procuraria dinamizar algumas bibliotecas populares.  A rádio, quando a liguei no carro, anunciou abruptamente que estava em curso um movimento para derrubar o governo de Marcelo Caetano. Aconselhava que seria prudente as pessoas ficarem em casa. Não me lembro se esses primeiros avisos se destinavam a todos os portugueses ou apenas aos de Lisboa. Mas avancei para o meu destino. Paradela do Vouga foi a primeira escola, cuja diretora era esposa de um militar. De nada sabia nem conseguiu entrar em contacto com o marido. Ficou preocupada, como seria de esperar. Tranquilizei-a, até porque estava grávida. O dia já não rodou como era normal. No bar de uma pensão de Sever (julgo que pensão Avenida) todos est…

Seguir Cristo, o Bom Pastor

Imagem
Reflexão de Georgino Rocha


“Eu sou o Bom Pastor” – afirma Jesus, fazendo o seu autorretrato com os traços mais marcantes da sua identidade. Recorre a uma metáfora muito conhecida dos ouvintes, sobretudo a partir do profeta Ezequiel, em que se espelha a relação de Deus com o seu povo. Aproveita a oportunidade surgida com a tensão provocada pelos fariseus durante a cura do cego de nascença. Repete várias vezes esta declaração que contrasta fortemente com o proceder dos pastores mercenários, que usam o nome e assumem a função, mas não a desempenham com honradez, sobretudo quando o perigo ameaça.

(In)tolerância

Imagem
Crónica de Maria Donzília Almeida


“O sucesso torna as pessoas modestas,  amigáveis e tolerantes;  é o fracasso que as faz ásperas e ruins.“
William Maugham





Descia eu a artéria principal da nossa pitoresca vila, após a missa dominical do dia de Páscoa. O tráfego automóvel era já intenso e sucedia-se em movimento contínuo.  Ia observando, à minha volta, o aspeto matinal de uma povoação que acorda para a vida, se espreguiça e dá sinais de vitalidade nesta primavera incipiente. A certa altura, inopinadamente, sou surpreendida, nos meus pensamentos introspetivos, por um buzinar estridente e um derrapar de pneus, ali mesmo em frente, na via pública. Ato contínuo, observo uma picardia entre dois automobilistas que se mimoseavam com palavras e gestos, frequentemente usados na gíria da condução automóvel. Era o primeiro espetáculo da manhã, desse dia que comemorava a ressurreição de Cristo, a libertação da escravatura do povo judeu, a época, por excelência da reconciliação, do perdão, do renascim…

Congresso da Região de Aveiro

Imagem
Nota informativa


«Por decisão do Conselho Intermunicipal da Região de Aveiro o Congresso da Região de Aveiro 2015 foi remarcado para os dias 28 e 29 de maio de 2015. A CI Região de Aveiro pretende, à semelhança das duas edições anteriores, realizadas em 2011 e 2013, que o Congresso da Região de Aveiro seja um momento de apresentação, discussão e debate dos principais assuntos e projetos desta região.»
Fonte: CIRA

Conservação e Restauro no Museu de Aveiro

Imagem
Informação cultural 

Dia Mundial do Livro

Imagem
Concurso Literário Jovem2015
Amanhã, 23 de abril, Dia Mundial do Livro, pelas 18 horas, no Centro Cultural da Gafanha da Nazaré, vai realizar-se a sessão de entrega dos Prémios e dos Certificados de Participação no Concurso Literário Jovem2015, por iniciativa da Câmara Municipal de Ílhavo. O concurso teve por destinatários os alunos do Ensino Básico dos 1.º, 2.º e 3.º Ciclos, assim como do Ensino Secundário, tendo como principais objetivos estimular hábitos regulares de leitura e de escrita e potenciar a criatividade e a imaginação de cada um. Participaram 189 jovens com 205 trabalhos, com textos  poéticos e narrativos. Confesso que dou muito valor a estas iniciativas, tanto mais que os livros são uma extraordinária fonte de cultura e de conhecimentos. Estimular a leitura junto de crianças e jovens é o primeiro passo para que os envolvidos descubram que os livros permitem a descoberta de novos mundos, novas ideias e outras gentes, enquanto animam a sensibilidade, o espírito criativo…

Padre Miguel Lencastre e António Morais

Imagem
Pessoa amiga teve a gentileza de me endereçar esta foto que mostra, em especial, dois bons amigos que nos deixaram fisicamente, mas que permanecem num recanto especial das minhas memórias. São eles, como decerto já notaram, o António Morais e o Padre Miguel Lencastre, que partilharam amizade e tarefas em prol da Igreja Católica, do Movimento de Schoenstatt, do Stella Maris e de outras instituições. A acompanhar a foto vinha a informação de que  ela está relacionada com um evento de recolha de fundos na vila de Jaraguá, periferia de São Paulo, Brasil, destinados à construção de um centro para o Movimento de Schoenstatt. Sei, por conhecimento pessoal, que ambos participaram na Gafanha da Nazaré em inúmeras iniciativas, tanto no âmbito da comunidade paroquial e humana, mas ainda do Movimento de Schoenstatt, onde levaram à prática uma colaboração estreita e dedicada em favor do nosso povo.  Ambos mostraram a sua disponibilidade para servir, nada esperando em troca, dando-nos um exemplo n…

Os "banha da cobra"

Imagem
De vez em quando, o saco das minhas memórias, talvez por demasiado cheio, abre brechas e algumas recordações saltam cá para fora. É curioso que, pensando bem, não brotam por dá cá aquela palha, porque, sem eu me dar conta, haverá razões que me fazem reviver cenas da minha infância.  Hoje, por exemplo, lembrei-me dos "banha da cobra" que montavam banca às portas das igrejas, aos domingos, depois da missa, mas também nas feiras e arraiais. Chegavam com uma ajudante, subiam para um palanque, mala em cima de uma mesa improvisada, e mal o povo começava a sair da missa, punham-se a apregoar os seus produtos, em especial a "banha da cobra", que curava todas as maleitas, num esfregar de olhos.  A pomada, afiançavam, exibindo atestados dos mais eminentes cientistas de Portugal e arredores, curava mesmo tudo. Dores de cabeça e de dentes, urticária, nervos e artroses, diarreias e sarampo, reumatismo e cólicas de qualquer espécie, queda do cabelo e impingens, torcicolos e tra…

Humildade

"A humildade é a base e o fundamento de todas as virtudes  e sem ela não há nenhuma que o seja". 
Miguel de Cervantes Saavedra (1547-1616)

Grandes veleiros

Imagem
Tenho saudades dos grandes veleiros. São espetáculo raro entre nós, mas quando chegam ou zarpam, rumo a outras paragens, deixam saudades. Multidões, de perto e de longe, sabem apreciá-los e a romaria estende-se a todos os que se abrem aos olhares de curiosos e entendidos. O porte e o colorido são desafios para a nossa imaginação. Neles, seriam viagens de sonhos ímpares que guardaríamos vaidosos. Que haja motivos fortes para que demandem a barra de Aveiro e ancorem nos cais do nosso porto. São os meus votos.

Naufrágios e mortes no Mediterrâneo

Imagem
Somos bombardeados frequentemente pelas notícias de naufrágios e mortes no Mediterrâneo. Tristeza, revolta, hipocrisia, crime, desespero, fome, desemprego, miséria, tráfico de pessoas, clandestinos, guerras, perseguições e políticas desumanas são palavras que me ocorrem.  O Papa Francisco bem protesta, bem diz que a palavra que lhe ocorre é vergonha, mas tudo continua na mesma. Há leis e políticas de imigração e de emigração, há reportagens e mobilização de algumas instituições humanitárias para acudir aos sobreviventes e decerto para enterrar os mortos. Mas os desastres continuam e os políticos europeus permanecem atentos ao seu umbigo. Agora parece que vão reunir-se numa cimeira de emergência para tentar encontrar uma saída. Pode ser que daqui nasça uma comissão para estudar o assunto.

Miguel Torga para refletir

Imagem
Uma carta à Diretora do PÚBLICO


Miguel Torga actual

Partilho um pedaço da boa prosa de Miguel Torga, escrita em Chaves e publicada no seu Diário XIII. Escrita em 12 de Setembro de 1978? Não será gralha? Parece que Torga ressuscitou - para ver, com olhos tristes e cansados, os meninos a brincarem, chamando-se nomes e mais nomes feios, a candidato a candidato a Presidente da Res Publica (?) - e escreveu isto ontem... "com oitocentos anos de História, parecemos crianças sociais. Jogamos às escondidas nos corredores das instituições." Senhora directora, caros jornalistas, amigos leitores, leiam e reflictam, por favor, sobre este texto tão actual porque vos fará bem, ainda hoje, ainda hoje! “Bem quero, mas não consigo alhear-me da comédia democrática que substituiu a tragédia autocrática no palco do país. Só nós! Dá vontade de chorar, ver tanta irreflexão. Não aprendemos nenhuma lição política, por mais eloquente que seja. Cinquenta anos a suspirar sem glória pelo fim de um jugo …

A ressurreição não pode ser adiada (2)

Imagem
Crónica de Frei Bento Domingues  no PÚBLICO

1. Creio que a nossa ressurreição depois da morte é tarefa exclusiva do Deus dos vivos. Está bem entregue. É a ressurreição dos mortos-vivos, dos sem rosto, dos mais pobres, dos mais desfavorecidos, dos não rentáveis, dos ejectados do círculo virtuoso do liberalismo económico, que constitui o desafio lançado a todas as pessoas de boa vontade. A peça de teatro de Jean-Pierre Sarrazac, O Fim das Possibilidades - uma Fábula Satânica –, encenada por Nuno Carinhas e apresentada nos TNSJ e TNDII [1], mede-se precisamente com o que há de mais arcaico e persistente no livro de Job, confrontado com as características da crise actual, aprofundando, em parábola, o seu conhecimento, a partir de muitos afluentes.  Temos de enfrentar a desesperança, mas sem recorrer à publicidade enganosa: “o futuro está de volta”. José Silva Lopes era considerado um dos maiores economistas do país, mas não confundia a esperança com ilusões. Recebeu o Expresso [2] para uma…

Hoje apeteceu-me silêncio

Imagem
Há dias assim. Hoje apeteceu-me silêncio. Porta fechada às saídas, descoberta de um  recanto mais tranquilo, leituras sem pressas que me conduzissem para longe da minha rua que, também ela, não alimenta grande trânsito nem ruídos.  Rentes de Carvalho, um escritor de quem lera uns textos apenas no seu blogue Tempo Contado e em publicações periódicas, guiou-me boa parte do dia por Trás-os-Montes, com o seu livro "Ernestina", um romance autobiográfico com boa dose de ficção a enriquecê-lo. Que delícia. Depois, para descomprimir, a leitura da entrevista de fundo da revista E do Expresso com Umberto Eco, feita pelo jornalista Luciana Leiderfarb. Umberto Eco, com os seus 83 anos, senhor duma cultura impressionante, é uma referência a ter em conta. Lê-lo é um prazer. De permeio, umas conversas com filhos e neta. A minha Lita sempre presente, mesmo que ausente. A agenda registava tarefas programadas há dias. Tive mesmo de evitar segui-la.  A chuva, de vez em quando, carregava o ar …

Reconhecer Jesus Ressuscitado

Imagem
Reflexão de Georgino Rocha

Os discípulos de Emaús, após terem reconhecido Jesus, partem apressados e cheios de alegria para a cidade, encontram o grupo dos apóstolos reunido e narram a experiência gratificante vivida durante a caminhada. É a primeira vez que estão todos em comunidade. É a primeira vez que o “partir do pão” surge como momento especial de reconhecimento do Ressuscitado. É a primeira vez que se evoca a releitura da Sagrada Escritura como critério para a compreensão da história e reposição da verdade, O acesso à experiência da ressurreição de Jesus dá-se, segundo Inácio de Loyola, pelo reconhecimento dos seus “santíssimos efeitos”. São estes que constituem a “janela” do espírito humano iluminado pela fé. São estes que provocam o encontro feliz que abre o entendimento do crente e o leva a identificar o Senhor. São estes que alargam os horizontes e lançam em maior profundidade as razões da esperança pascal.

Gafanha da Nazaré celebra amanhã 14 anos de cidade

Imagem
19-IV-2015



Criada freguesia em 23 de Junho de 1910 e paróquia em 31 de Agosto do mesmo ano, a Gafanha da Nazaré é elevada a vila em 1969. A cidade veio em 2001, por mérito próprio. O seu desenvolvimento demográfico, económico, cultural e social bem justifica as promoções que recebeu do poder constituído no século XX, a seu tempo reclamadas pelo povo. A Gafanha da Nazaré é obra assinalável de todos os gafanhões, sejam eles filhos da terra ou adotados. De todos os pontos do País, das grandes cidades e dos mais pequenos recantos, muitos chegaram e se fixaram, porque não lhes faltaram boas condições de vida. A Gafanha da Nazaré é, hoje, uma mescla de muitas e variadas gentes, que, com os seus usos e costumes e muito trabalho, enriqueceram, sobremaneira, este rincão que a ria e o mar abraçam e beijam com ternura. O Decreto-lei n.º 32/2001, publicado no Diário da República de 12 de Julho do mesmo ano, foi aprovado pela Assembleia da República em 19 de Abril de 2001, registando em 7 de Junho…

A barbárie e a indiferença

Imagem
Crónica de Anselmo Borges  no Diário de Notícias



O direito à liberdade religiosa é um direito fundamental garantido pela Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948. Mas acaba por ser um dos menos respeitados. De facto, o cristianismo já esteve do lado dos perseguidores, hoje é a religião mais perseguida. Os dados são verdadeiramente trágicos, a ponto de o Papa Francisco ter feito um apelo à comunidade internacional para que não permaneça "silenciosa e inerte". Na via-sacra de Sexta-Feira Santa foram lembrados todos os que presentemente são perseguidos, nomeadamente na Síria, no Iraque, no Egipto, na Nigéria, no Quénia, na Coreia do Norte: "Os nossos irmãos são perseguidos, decapitados, crucificados por causa da sua fé, sob o nosso silêncio cúmplice." O secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros espanhol, Ignacio Ybáñez, também reconheceu nesta semana que "presentemente a situação é dramática", atingindo o seu auge com o Estado Islâmico: "Em…

Dia Internacional de Monumentos e Sítios — 18 de abril

Imagem
Conhecer, Explorar, Partilhar


Sob o lema “Conhecer, Explorar Partilhar”, celebra-se hoje o Dia Internacional de Monumentos e Sítios, iniciativa que completa 50 anos. Os municípios mais vocacionados para o património cultural e natural não deixarão de programar projetos interessantes, visando despertar o interesse para o que há de importante a nível de Monumentos e Sítios.  Em qualquer região, mais antiga ou mesmo moderna, tem sempre que visitar e que ensinar. Contudo, entendo que muitas vezes ficamos indiferentes às belezas e riquezas que possuímos, procurando outras terras para as nossas deambulações turísticas, recreativas e culturais, ignorando por sistema o que nos envolve. Propositadamente, não indico nada para os nossos conterrâneos comemorarem condignamente este Dia Internacional, tanto mais que acredito na curiosidade e inteligência das nossas gentes. Todavia, sempre digo que há muitos museus, monumentos, edifícios de interesse histórico, paisagens, rios e ilhotas, ria e mar, …

Efeméride — Estrada de Aveiro à Gafanha

Imagem
17 de abril de 1855

«Principiou o lanço de estrada de Aveiro à Gafanha, depois continuado até ao Forte da Barra; a obra ficou toda completa em 30 de Abril de 1861 (padre João Vieira Resende, Monografia da Gafanha, pg. 181) – J.»
Fonte: "Calendário Histórico de Aveiro"  de António Christo e João Gonçalves Gaspar

Na cidade…

Imagem
Crónica de Maria Donzília Almeida



Foi na procura de uma mesa para colocar o tabuleiro, que entabulámos conversa com aquele jovem. Estávamos na zona da restauração de um centro comercial da nossa cidade de Aveiro e todas as mesas estavam ocupadas por casais, grupos, etc. Só aquela, mesmo defronte ao balcão de atendimento tinha apenas aquele jovem, que estava agarrado ao seu telemóvel. Mais um a engrossar a multidão daqueles para quem o dispositivo de comunicação é um bem de primeiríssima necessidade e sem o qual a sua vida perde o significado. Foram estes os pensamentos preconcebidos, numa primeira abordagem visual da situação.

Feira de Março em Aveiro

Imagem
A Feira de Março não estaria este ano à minha espera por razões pessoais. Acabei por aparecer, de fugida, com direito a duas farturas regadas com água de Luso, porventura a melhor água do mercado, segundo o meu gosto. Este abuso estragou-me o jantar, mas lá me aguentei com garantias de mais juízo por estes dias.  A Feira de Março, por repetitiva, não me despertou grande interesse, mas acredito nas promessas do presidente da Câmara de Aveiro, Ribau Esteves, de que no futuro haverá inovações, em resposta aos desafios do tempo que vivemos. Fico a aguardar. Desta visita registo alguns pormenores. Encontrei uma colega que não via há uns 40 anos e que me reconheceu, apesar das barbas. Ela está com a mesma fisionomia e sorriso, mas apoiava-se numa canadiana, por ter sofrido um percalço A idade é assim. Saía das farturas quando nós (eu e a Lita) entrávamos. Também registei que à tarde os interesses de quem vai à Feira se concentram no convívio. Vários grupos, na casa de sempre (Farturas d…

Bispos próximos — D. António Moiteiro e D. António Francisco

Imagem
Esta foto, que saquei da Agência Ecclesia, mostra bem a proximidade que existe entre o Bispo de Aveiro que foi e o Bispo de Aveiro que é. D. António Francisco dos Santos, à direita, e D. António Moiteiro, à esquerda. Sobre a proximidade que demonstram, não há dúvidas e nem outra coisa seria de esperar. D. António Francisco foi para o Porto, mas mantém Aveiro no coração. D. António Moiteiro já tem Aveiro no coração, admito eu sem rebuço. Ambos vieram de Braga. O povo de Aveiro, desde o mar e ria até à serra, é um povo que sabe receber e se dá sem limites a quem o ama. É o caso. E esta imagem, que apreciei sobremaneira, veio mesmo a calhar e vai ficar nos meus arquivos para eventuais publicações nos meus recantos  do ciberespaço.

Auto de abertura da Barra de Aveiro

Imagem
15-IV-1808


«Lavrou-se neste dia o auto de abertura da barra nova de Aveiro, que se realizou em 3 de Abril, subscrito por Miguel Joaquim Pereira da Silva. Depois de referir os trabalhos preparatórios de abertura e a maneira como se deu o rompimento, acrescenta: – «As águas que cobriam as ruas da praça, desta cidade, e os bairros do Albói e da Praia, abaixaram três palmos de altura dentro de vinte e quatro horas e outro tanto em o seguinte espaço, e em menos de três dias já não havia água pelas ruas e toda a cidade ficou respirando melhor ar por estas providências com que o Céu se dignou socorrê-la e a seus habitantes com esta grande Obra da Barra» (Aveiro e o seu Distrito, n.º 6, pg. 45) – A»
Fonte: "Calendário Histórico de Aveiro"  de António Christo e João Gonçalves Gaspar

À conversa com Manuel Amândio Soares dos Santos

Imagem
A arte não escolhe idade  nem condição social

A arte não escolhe idade nem condição social. Brota espontaneamente quando sente que é chegada a hora de se manifestar ou quando encontra ambiente para desabrochar. Foi precisamente isso que constatámos na visita que fizemos um dia destes ao nosso conterrâneo Manuel Amândio Soares dos Santos, 80 anos, reformado há 15, três filhas e três netas, com a esposa, Maria Aldina Nunes Estanqueiro, de 77 anos, acamada e cega, a exigir cuidados permanentes.  Nas horas vagas, «quando a ideia ajuda», esculpe peças decorativas, usando cimento branco, rede de arame e ferro, que vai encontrando e às vezes, «com a pressa de acabar a obra», comprando. Estranhou a nossa visita e curiosidade, pela pessoa humilde que é, sem nunca ter feito qualquer exame da instrução primária, por preferir trabalhar, apesar de ter por mestre o professor Carlos, que na altura lecionava numa escola no lugar onde hoje está o Lar Nossa Senhora da Nazaré.

A ressurreição não pode ser adiada (1)

Imagem
Crónica de Frei Bento Domingues  no PÚBLICO


1. Encontrei-me, nesta Páscoa, com um grupo de antigos alunos que me veio convidar para um colóquio sobre os novos caminhos da cristologia. Alguns deles situam-se nas trajectórias de nomes famosos como os de G. Vermes, Sanders, Theisen, Meier, Piñero, Torrents, S. Vidal e outros, mais ou menos alinhados na “terceira busca” ou investigação, do Jesus histórico. É inegável o valor extraordinário dessas reconstruções, embora para alguns comecem a ser entediantes. A maioria segue os resultados dos importantes Colóquios organizados por Anselmo Borges, no Seminário da Boa Nova, em Valadares, entre os quais Quem foi/quem é Jesus Cristo?. Conhecem as múltiplas iniciativas editoriais de Tolentino de Mendonça, coroadas pela bela colecção Biblioteca Indispensável. J. Carreira das Neves é, desde há muito e para todos, a abelha incansável da Bíblia. Nenhum tinha ainda lido, por óbvias dificuldades de comunicação, O rosto humano de Deus, de A. Cunha de Oliv…

Efeméride — Sé de Aveiro reaberta ao culto

Imagem
1976 - 11 de abril


«Depois de profundas obras de ampliação, de solidificação e de restauração, foi solenemente reaberta ao culto, com o rito litúrgico da dedicação, a Sé de Aveiro – a secular igreja de S. Domingos (Correio do Vouga, 23-4-1976) – J.»
No Calendário Histórico de Aveiro, de António Christo e João Gonçalves Gaspar
Faça uma visita guiada à Sé de Aveiro

Mete a tua mão no meu lado

Imagem
Reflexão de Georgino Rocha

«As feridas da paixão de Jesus continuam nos “feridos da vida” em todas as situações existenciais: em crianças violentadas e mal-amadas, em casais instáveis e amargurados, em famílias reconstruídas sem sucesso, em desempregados sem horizontes de trabalho estável, em pessoas doentes desamparadas, em perseguidos e torturados por defenderem a sua consciência e a sua fé, em espoliados da dignidade humana, silenciados à força e “varridos” da memória colectiva.»
Jesus toma a iniciativa de provar aos discípulos e, por eles, a todos nós que não é um fantasma pascal, mas um ser humano integral ressuscitado. Recorre, segundo o evangelista narrador -Jo 19, 20-31- a várias estratégias e recursos para se manifestar e deixar reconhecer: a Madalena aparece como jardineiro e tem com ela um diálogo enternecedor; aos discípulos de Emaús como caminhante anónimo e acompanha, conversa e explica de tal modo o sentido das Escrituras que lhes aquece o coração arrefecido pelos acont…

A verdade nua e crua

Imagem
Crónica de Anselmo Borges  no Diário de Notícias


1. Era um daqueles beatos que julgam amar a Deus por Ele, mas que apenas pedincham em vez de agradecer. Lá estava ele permanentemente diante do Cristo crucificado: "Senhor, cuida dos meus campos, dá-me saúde e faz que eu não morra." Um dia, farto, o sacristão escondeu-se por trás do crucifixo: "Filho, tens de tratar tu dos campos e da saúde e já sabes que um dia tens de morrer como todos os outros." O beato, furioso: "Porque és assim, pelo teu mau falar, é que foste, e bem, pregado na cruz." Quem gosta de ouvir a verdade nua e crua? Vamos supor que, num funeral, o padre se ergue a dizer: "Meus irmãos, levamos hoje a sepultar este irmão que era um estupor. Não sabe a mulher das suas infidelidades? Não sabem todos que era um corrupto? Alguém conhece um acto seu de generosidade? Como tratou os filhos? Um ateu crasso, materialista, que fugiu ao fisco, matou, e todos, lá no íntimo, consideram que era tão-só …

Centro Social Paroquial com novos órgãos sociais

Imagem
Torna-se imperioso  fazer obras de restauro  ou construir um edifício novo

«O Centro Social Paroquial é uma casa grande e complicada, mas sabemos que agora é uma casa mais tranquila», afirmou o nosso prior, Padre Francisco Melo, na tomada de posse dos novos órgãos sociais, que decorreu na sala da biblioteca, na igreja matriz, no dia 27 de março, pelas 20.30 horas. Marcaram presença os membros cessantes do Centro Social Paroquial Nossa Senhora da Nazaré (CSPNSN) e os que tomaram posse, bem como representantes do Conselho Económico e Pastoral da paróquia.

Ciência sem limites — Há vida fora da Terra?

Imagem
«Há vida fora da Terra? Aparentemente sim, e provavelmente iremos descobrir a sua existência nos próximos 10 anos. Segundo a cientista-chefe da NASA, Ellen Stofan, teremos registos de de vida noutros outros planetas até 2025.»
Li aqui 
- Posted using BlogPress from my iPad

UA quer devolver "brilho nos olhos" aos professores

Imagem
«A Oficina de Acompanhamento ao Docente (OAD) é um serviço novo criado na Universidade de Aveiro (UA) que quer devolver aos professores portugueses o “brilho nos olhos” que possa ter sido perdido devido ao “desgaste” e aos problemas que a profissão acarreta. “Se os professores estiverem bem, contagiam os alunos. Isso é fundamental”, afirmou Jacinto Jardim, o especialista em Ciências da Educação que está à frente do projecto.»
No Diário de Aveiro de hoje
::::::::

Nota: Li hoje, no DA online, aquele parágrafo que diz o suficiente, julgo eu, do artigo com o mesmo título. Confesso que acho, sinceramente, que a iniciativa terá futuro, porque o serviço aqui anunciado é pertinente. Realmente, os professores precisam, quando transmitem saberes, de um brilhozinho nos olhos, porque "caras de pau" não seduzem ninguém. Os professores e todos quantos exercem profissões que se dirigem particularmente a pessoas necessitam mesmo do tal "brilho nos olhos". O que me parece é que a clas…

Mais feliz

"Não devemos permitir que alguém saia da nossa presença 
sem se sentir melhor e mais feliz". 
Madre Teresa de Calcutá (1910-1997)

Voltar à liça é o que eu quero

Imagem
Os meus leitores e amigos devem notar que de vez em quando até parece que ando longe do mundo. Eu próprio reconheço isso, mas nem sempre tenho coragem de assumir um certo cansaço que me exige parar um pouco. Penso que não estou a chocar qualquer incómodo de saúde, mas tão-só a acusar o peso dos anos, embora haja muitíssima gente mais velha do que eu com genica para correr na vida.  Nesta minha tebaida virtual, que são os meus blogues, costumo usufruir o prazer de partilhar opiniões e retalhos de vida, dando ainda guarida ao que gosto de ler e de ver. Daí que, dia após dia de alguma sonolência, o bichinho de saltar para o mundo começa a picar-me na consciência, ao mesmo tempo que me desperta para voltar à caminhada. Faço planos, busco ideias inovadoras, apelo à coragem para não me acomodar num sofá, assumo, enfim, que parar é morrer. É isso. E se prego essa verdade, aqui ou noutras circunstâncias e lugares, então tenho de ser coerente comigo mesmo, voltando à liça. É o que quero fazer…

A nossa gente: Os ílhavos na Grande Guerra

Imagem
Neste mês de abril, em que se celebra o Feriado Municipal de Ílhavo, cujo programa integra a inauguração da Exposição “Os Ílhavos na Grande Guerra”, dedicamos a rubrica “a nossa gente” aos Ilhavenses que combateram na I Guerra Mundial.« Há cem anos atrás, o mundo estava em Guerra. Uma guerra sem precedentes até então: a “Guerra das Guerras”. Desde finais do século XIX o mundo vivia numa grande euforia, Belle Epóque, fruto do progresso económico e tecnológico que então se verificava. Esta aparente prosperidade escondia fortes tensões e rivalidades entre as grandes potências mundiais, que exploravam os países pobres. A luta pelos mercados e matérias-primas; a má distribuição de território africano e asiático na ótica da Alemanha e da Itália; a perda da Alsácia-Lorena para a Alemanha, por parte da França, na Guerra Franco-Prussiana; o investimento em tecnologia de guerra e o estabelecimento de alianças e acordos entre países dividiu o mundo em duas partes. Por um lado, a Tríplice Alianç…

Segunda-Feira da Páscoa

Imagem
Apontamentos do meu diário



1. Hoje é segunda-feira da Páscoa. Dia de trabalho, muito embora no Concelho de Ílhavo seja feriado municipal. De qualquer forma, está enraizado em muitos a ideia de que esta segunda-feira, afinal, é especial, ao jeito de quem precisa de vencer a ressaca dos abusos que a mesa pascal exige. Vivemos estes dias, carregados de simbologia ligada à paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo, de forma muito intensa. Cerimónias para cada momento em todas as famílias católicas, mas ainda na diocese e paróquias. Depois, as tradições, há séculos como agora, vão-se mantendo, readaptadas às circunstâncias e modas, mas também manipuladas pelas indústrias e comércios. E nós, que no fundo gostamos de festas, vamos na onda, sem vir daí grande mal ao mundo. Realmente, a vida não pode ser só trabalho, tristeza, sofrimento e canseira. A vida precisa cada vez mais de muita alegria, porque o ser humano não pode confundir-se com uma qualquer máquina, porque dela se distingue pel…

Postal Ilustrado: Igreja de Nossa Senhora da Nazaré da Chave

Imagem
O desenvolvimento demográfico da Gafanha da Nazaré, dividido pelos lugares da Cambeia, Chave, Bebedouro, Marinha Velha, Cale da Vila, Praia da Barra, Forte e Remelha, tornava-se incomportável para a igreja matriz, normalmente repleta de fiéis nas cerimónias principais. Acrescia a distância que separava os lugares do centro geográfico da freguesia, onde estava a igreja matriz, que obrigava o povo a grandes deslocações, porque a maioria não tinha acesso aos meios de transporte automóvel. Tudo isso contribuiu, e de que maneira, para o desabrochar no coração e na vontade das populações a necessidade de construir um novo templo para o culto e catequese, como veio de facto a acontecer. Assim na Praia da Barra, na Cale da Vila e na Chave.

Páscoa de muitas Páscoas

Imagem
Crónica de Frei Bento Domingues  no PÚBLICO de hoje


1. No domingo passado, imediatamente depois da missa, na exígua sacristia, com uma fila de pessoas para atender, um amigo atirou-me a pergunta:haverá mesmo ressurreição? Respondi-lhe que o melhor seria ficarmos os dois a ler, a pensar, a escrever e a rezar essa interrogação durante toda a Semana Santa e não apenas a da liturgia oficial. Entretanto, a morte de amigos ou de amigos de amigos, uns muito novos, outros mais idosos — umas vezes de modo fulminante, outras, depois de longo tempo de sofrimento — não descansou. Em muitas situações não é, em primeiro lugar, a chamada “ressurreição dos mortos” que mais nos interroga. Essa é, segundo a confiança cristã, cuidado de Deus. Mas a ressurreição de mulheres ou maridos vivos, com a morte na alma, sós, com crianças muito pequenas para criar, é nosso encargo. Quando se mata para sempre o emprego de adultos na força da vida e se deixam os jovens, anos a fio, à espera de nada; quando se cortam…

Dia de Páscoa

Imagem
Alguns apontamentos do meu diário




1. A Páscoa celebra, como é sabido, o grande mistério da nossa fé. Há um período, a Quaresma, que nos prepara para isso. Já no fim, o Tríduo Pascal congrega-nos intensamente para a vivência da paixão e morte de Jesus. Silêncio, meditação e oração, com jejuns, abstinências e partilhas, tornam mais expressiva a fé que de Deus no vem para em comunhão com todos construirmos um mundo melhor. Dir-se-á que esse propósito nos deve animar nos passos da nossa existência terrena, não sendo necessária a Páscoa. Para mim, a Páscoa é sempre uma mais-valia para o aprofundamento do meu envolvimento nos projetos da construção de uma sociedade mais fraterna, mais humanista. Por isso, valorizo de modo especial a festa maior do cristianismo. Maior, porque é da Ressurreição de Jesus Cristo que dimana a razão da nossa fé, dom de Deus ofertado a todos os homens e mulheres de boa vontade. Eu preciso da Páscoa. 

É em Sábado que vivemos

Imagem
Crónica de Anselmo Borges  no Diário de Notícias


Foi condenado pela religião oficial como blasfemo e pelo poder imperial como subversivo social e político. Não por Deus. Porque Deus não quer a dor e o sofrimento, mas a alegria. Deus não precisa de sacrifícios nem de vítimas. Jesus foi vítima, porque Deus não quer vítimas. Entregou a sua vida por amor e foi crucificado, porque Deus não quer crucificados. "Deus é amor incondicional": este é o verdadeiro letreiro que encima a Cruz de Cristo. Aparentemente, no horror daquela Sexta-Feira Santa, foi o fim. Mas, lentamente, reflectindo sobre a experiência que Jesus fez de Deus, sobre o modo como viveu, como agiu, como morreu, os discípulos fizeram a experiência avassaladora de que o Deus-amor, a quem Jesus se dirigia como Abbá, Pai-Mãe querido, não o abandonou nem sequer na morte. Jesus não morreu para o nada, mas para Deus. Na morte, não encontrou o nada, mas a plenitude da vida de Deus. Esta é a mensagem de Páscoa, que os discípul…

VIDA NOVA: A CORRIDA DA PÁSCOA

Imagem
Reflexão de Georgino Rocha


A manhã do primeiro dia da semana deixa transpirar um ambiente novo, segundo narra São João. Jo 20, 1-9. Ao desânimo do Calvário sucede o ardor diligente de Madalena, de Pedro e do discípulo que Jesus amava. Ao silêncio da morte sofrida responde o hino vibrante da vida nova. Ao túmulo fechado pela pedra corresponde agora o sepulcro aberto, “escancarado”, vazio pela ausência de quem lá tinha sido depositado. A desolação dolorosa e mortiça dá lugar à curiosidade efervescente avivada pela saudade. 
A escuridão do espírito começa a dissipar-se pela luz da aurora nascente. A vontade deixa-se moldar pelo ritmo do coração. E um novo movimento acontece: a corrida da Páscoa que iniciada em Jerusalém comporta um dinamismo envolvente de todo o mundo e de toda a história. O Senhor ressuscitou. A morte foi vencida. A causa defendida por Jesus é oficialmente confirmada por Deus. O presente abre-se a um futuro radioso que se antecipa. A esperança germina e floresce em situ…

Morreu Manoel Oliveira

Imagem
A comunicação social já disse muito acerca da morte de Manoel de Oliveira, o mais idoso realizador de cinema do mundo, com 90 anos de vida envolvida por filmes, longas e curtas-metragens. Mas há um pormenor que me apraz registar, que é o seu prazer pelo trabalho. Parar é morrer, disse ele, com propriedade, dando o exemplo que a todos nós servirá de lição para a vida. Também disse que, quando nascemos, já sabemos que a morte é um ponto final garantido. Que o seu exemplo nos estimule a vencer barreiras de desânimo e nos leve a enfrentar desafios, constantemente, na certeza de que a vida é mesmo para ser vivida.