Quem se mete em atalhos mete-se em trabalhos


Vindo de Ílhavo, lembrei-me hoje de passar pela igreja de S. Pedro, na Cale da Vila, para tirar uma fotografia que pudesse servir para o Postal Ilustrado que costumo publicar no jornal Timoneiro. Tirada a foto, segui para casa, mas meti-me em atalhos, convencido de que o meu sentido de orientação estava afinado e em dia. Não estava. Votei à direita, depois à esquerda, deparando com sentido proibido aqui e ali e com rua de acesso só para residentes. Mais à frente, surgem as máquinas escavadoras das obras em curso na Gafanha da Nazaré. Voltei para trás, procurando uma rua conhecida que me desse o norte e lá consegui, depois de voltas e mais voltas desnorteado.
De facto, é complicado andar pela nossa terra, especialmente quando nos refugiamos nas ruas do dia a dia, sem sentir o prazer da descoberta dentro do que é nosso. No caso das ruas, ruelas, travessas, alamedas, largos e avenidas da Gafanha da Nazaré temos muito que aprender e conhecer.
Nestas voltas e reviravoltas passei pela Rua Cesário Verde. Se lá quisesse voltar, teria de ir à sorte. E em sua homenagem aqui vos deixo um poema, deste poeta que Vasco da Graça Moura, já falecido, considerou o nosso maior, acima mesmo de Camões.

Cesário Verde


DE TARDE

Naquele pic-nic de burguesas, 
Houve uma coisa simplesmente bela, 
E que, sem ter história nem grandezas, 
Em todo o caso dava uma aguarela.

Foi quando tu, descendo do burrico, 
Foste colher, sem imposturas tolas, 
A um granzoal azul de grão-de-bico 
Um ramalhete rubro de papoulas.

Pouco depois, em cima duns penhascos, 
Nós acampámos, inda o Sol se via; 
E houve talhadas de melão, damascos, 
E pão de ló molhado em malvasia.

Mas, todo púrpuro a sair da renda 
Dos teus dois seios como duas rolas, 
Era o supremo encanto da merenda 
O ramalhete rubro das papoulas!

Em "O Livro de Cesário Verde"

Comentários