terça-feira, 31 de março de 2015

E se Jesus não houvesse ressuscitado?

Um texto de Paulo Rangel 
no PÚBLICO


Pietá de Miguel Ângelo

«Já a Pietà, conservando Cristo morto, no regaço da mãe, é o momento de total desamparo e da mais absoluta humanidade de Jesus. É o momento mais humanamente humano de Jesus, com Jesus despido, exangue e inerte, à nossa inteira mercê. Nela está a intimidade do abandono, o ventre da desolação, o útero da compaixão, o colo dos seres últimos, de todos os seres últimos.»

segunda-feira, 30 de março de 2015

Universidades portuguesas entre as melhores do mundo

As Universidades de Aveiro, Coimbra, Lisboa, Minho, Nova de Lisboa e Porto destacaram-se no maior estudo do mundo sobre instituições de Ensino Superior de 2015.


Um pormenor da UA

Os meus parabéns às universidades portuguesas de mérito reconhecido.Mas perdoem-me uma felicitação especial para a Universidade de Aveiro.

Li aqui


Semana Santa, rumo à ressurreição de cada um de nós



Estamos na Semana Santa, também chamada Semana Maior. Semana de silêncio, meditação, oração e de certeza de que a Ressurreição de Jesus, ano a ano renovada no coração dos crentes, está próxima, para júbilo de quantos acreditam que a vida de cada um de nós  é sempre um recomeço. Jesus Cristo, um marco histórico indiscutível, é luz do mundo que anuncia Boas Novas a todos os homens e mulheres de boa  vontade, para glória de Deus e redenção de toda a humanidade, derrotando as nossas fragilidades que tornam agreste  a nossa sociedade. A Semana Santa, vivida e sentida na humildade, leva-nos mais até aos que sofrem no corpo e na alma as incompreensões dos egoísmos. Santa Páscoa para todos na alegria de Cristo Ressuscitado 

domingo, 29 de março de 2015

Naquele tempo... Não! Hoje

Crónica de Frei Bento Domingues 
no PÚBLICO

1. “Sejam quais forem os fenómenos inesperados do futuro, Jesus não será ultrapassado. O seu culto rejuvenescer-se-á constantemente; a sua lenda provocará lágrimas sem fim; o seu sofrimento enternecerá os corações mais bondosos, todos os séculos proclamarão que entre os filhos dos homens, nunca nasceu um maior do que Jesus.” Cito estas palavras de Ernest Renan escritas, em 1873, no final da sua pouco ortodoxa Vida de Jesus, porque são belas.
É verdade que essa obra já está muito longe das últimas vagas de reconstruções históricas das origens do cristianismo, nascido no mundo judaico e greco-romano no Ano I, um dos mais importantes da História universal.
Foi em referência a Jesus de Nazaré que surgiu o movimento religioso mais significativo do Ocidente e provavelmente o de maior influência cultural e social do mundo. Isto, apesar dos crimes anticristãos que, em seu nome, foram cometidos.

sábado, 28 de março de 2015

E SE DEUS FOSSE MÃE?

Crónica de Anselmo Borges 

Anselmo Borges


1- Os crentes sabem que Deus não é masculino nem feminino, pois está para lá da determinação sexual. No entanto, é preciso tentar representá-lo, figurá-lo, dizê-lo, pois aquilo de que nada se pode pensar nem dizer não existe para nós. O que será sempre necessário é ver nessas imagens apenas isso: imagens, que não podem ser reificadas, já que apenas apontam para o Mistério último, para o Sagrado, do qual se espera sentido, sentido último e salvação, sempre indizível, sempre para lá de tudo quanto se possa pensar e dizer.
Essas representações são sempre condicionadas pelo espaço e pelo tempo, pela cultura, pela sociedade, pela história, ao mesmo tempo que condicionam elas próprias a história, a cultura, a sociedade, a visão do mundo. Para dar um exemplo: se, no quadro da cultura ambiente cristã, em vez de se rezar o pai-nosso se rezasse a "Mãe Nossa": "Mãe Nossa, que estais no Céu, santificado seja o vosso Nome...", que influência teria essa formulação da oração característica dos cristãos na sua visão do mundo humano e do próprio cosmos, na sua vivência das relações entre homens e mulheres, na economia, na educação, no exercício do poder?

ENTREGO-ME NAS MÃOS DE DEUS

Reflexão de Georgino Rocha

Georgino Rocha


“Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito” são as últimas palavras de Jesus ditas na sua vida mortal; palavras que revelam a sua relação filial e confiança total, condensam o sentido de tudo quanto fez e ensinou e constituem a sua disposição final. Palavras que ficam como luz que ilumina as horas decisivas e tormentosas da existência humana, que alentam as forças debilitadas e frágeis em momentos decisivos, que deixam captar a centelha de esperança por onde brilha o despontar do futuro num amanhã aberto que parece definitivamente fechado.

sexta-feira, 27 de março de 2015

quinta-feira, 26 de março de 2015

Recordações: A Princesa Santa Joana e a sua época

(3.ª edição revista)

João Gonçalves Gaspar, o monsenhor, como todos os aveirenses dos diversos quadrantes o conhecem e tratam, foi, e continua a ser, o mais prolífero escritor e divulgador de Santa Joana, padroeira da cidade e diocese de Aveiro. Direi até, sem medo de errar, que os seus trabalhos têm sido a principal fonte de quem estuda e deseja saber algo da Princesa Joana, que escolheu a vila de Aveiro para viver a sua entrega a Cristo e à Igreja, através de muita generosidade para com o seu povo.
Esta obra, que li e reli com gosto desde a primeira edição, é um regalo para quem gosta de história e da nossa padroeira, mas é também um prazer para sentir quanto o autor se esmerou nas investigações e na forma de escrever, fluente e acessível a todos. Os meus parabéns a Mons. João Gonçalves Gaspar.

quarta-feira, 25 de março de 2015

Evocando o Dr. Querubim do Vale Guimarães

Efeméride — 25-03-1970



«Faleceu o Dr. Querubim da Rocha do Vale Guimarães, nascido ocasionalmente em Coimbra quando o pai frequentava a Universidade, mas desde 1908 definitivamente radicado em Aveiro, onde exerceu as suas actividades jornalísticas, forenses, políticas e apostólicas. Entre outros, desempenhou os cargos de director do semanário católico Correio do Vouga, de presidente da Comissão Pró-Restauração da Diocese e de presidente da Junta Diocesana da Acção Católica (Correio do Vouga, 27-3-1970) – J.»

Fonte: Calendário Histórico de Aveiro, de António Christo e João Gonçalves Gaspar

Ler mais aqui 


NOTA: Conheci o Dr. Querubim do Vale Guimarães, mas somente falei com ele uma vez,  para lhe pedir um artigo sobre o Grande Encontro da Juventude que ocorreu em 1963, em Lisboa, com organização da Ação Católica Portuguesa. Era eu, na diocese, na altura, o responsável pela divulgação na imprensa das atividades relacionadas com esse encontro. Ele acedeu prontamente, com uma delicadeza e sensibilidade muito grandes. O artigo foi publicado no Correio do Vouga. O assistente da JOC (não sei se de outros organismos) era Mons. Aníbal Ramos que ficou até um pouco agastado por não terem dado destaque ao texto do Dr. Querubim na primeira página...

Caramulo — Penedo



Vá-se lá saber por que razão gosto eu tanto da serra, apesar de ter no sangue vestígios da maresia do nosso mar e da nossa ria. Sempre me seduziram as silhuetas das montanhas e a agressividade dos penedos, apesar da maresia ocupar espaço no meu ADN.
Este penedo da serra do Caramulo, provavelmente com milhões de anos, tem alma que o torna eterno, resistindo à inclemência do tempo, de sóis escaldantes e gelos duros de roer, mas ainda de fogos assassinos e da capacidade destruidora do homem. Ali está para nossa contemplação, com garantias de vida de anos sem conta.

Padre João Gonçalves é o novo ecónomo da diocese



«D. António Moiteiro Ramos, Bispo de Aveiro, nomeou o padre João Gonçalves para o cargo de ecónomo da diocese aveirense. O actual presidente, por exemplo, das Florinhas do Vouga é, a partir de hoje, o responsável por acompanhar de perto todos os assuntos relacionados com a economia e as finanças da diocese, “não apenas o que diz respeito à cúria, mas também às paróquias”, conforme refere o próprio.
Para esta nomeação, proposta pelo Bispo, foi necessária a aprovação por parte do Conselho Ecónomo Diocesano e do Corpo de Consultores Diocesanos, que agora deram luz verde para que o padre João Gonçalves passe a exercer as novas funções que lhe vão exigir “um acompanhamento muito próximo às paróquias” de forma a poder encontrar mais cedo alguns problemas que as mesmas possam apresentar nas suas contas.»

Fonte: Diário de Aveiro

NOTA: Felicito o Padre João Gonçalves por mais este cargo de tanta responsabilidade na Diocese de Aveiro. A sua capacidade de diálogo e a sua experiência também a este nível serão, sem dúvida, uma mais-valia para a diocese e para as paróquias.

Diabruras do Scott — O felizardo


Crónica de Maria Donzília Almeida

O felizardo

Sou um Vira-latas assumido!
É o que diz a minha dona com convicção, mas sem qualquer desdém. Sim, que um cão que se preza sabe interpretar o olhar e os gestos dos humanos que nos rodeiam. Quando a minha dona se aproxima de mim e me faz carícias atrás das orelhas e no dorso e me olha com aqueles olhos de carneiro mal morto, eu sei o significado disso.
Não obedeço aos critérios de educação dos cãezinhos bem comportados, domesticados, que são uns paus mandados na mão dos donos. Se me apetecer, corro à vontade pelo espaço amplo, atrás dos carros ou motas que passam na rua, a tentar apanhá-los. Quando me dá na real gana, passeio-me à chuva, para grande desgosto da dona que me diz que vou ter problemas de reumatismo! Para me convencer a resguardar-me da chuva, até colocou um revestimento de alcatifa, no canil, de fibra natural, a caruma ali do bosque! E para não ganhar fungos, muda-a regularmente…é só conforto! De vez em quando, quando menos espera, encontra-me refasteladinho na caminha, sobre a alcatifa fofinha a cheirar a pinho! Só quando me apetece!

domingo, 22 de março de 2015

Dia Mundial da Água


"Enquanto o poço não seca, não sabemos dar valor à água"

Thomas  Fuller (1654-1734), médico e orador inglês

Teólogos a cheirar a povo e a rua

Crónica de Frei Bento Domingues 
no PÚBLICO e hoje

Frei Bento Domingues


1. A teologia católica, desde o Vaticano I (1869-1870) até aos anos 50 do séc. XX, expressa em diversas escolas, sentiu-se desafiada pelas várias expressões culturais da modernidade, mas foi sempre severamente vigiada e castigada pelo Santo Ofício.
A mentalidade tridentinista que o marcava e o pânico diante do chamado "modernismo" fizeram com que muitas pessoas e algumas faculdades de teologia fossem severamente vigiadas, castigadas e silenciadas.
Em geral, tentavam responder ao primordial apelo de S. Pedro: capacitar-se para dar razão da esperança cristã (1Pd.15) na actualidade, segundo as solicitações dos "sinais dos tempos". Partiam de uma convicção teológica óbvia: aquilo que não fosse capaz de exprimir a fé, nos vários contextos do presente, era uma traição ao Novo Testamento e à verdadeira Tradição, que passou a ser cada vez mais investigada, para não ser abafada pelas florestas de tradições em expansão.

sábado, 21 de março de 2015

Periferias, eleições e Portugal

Crónica de Anselmo Borges 
no DN de hoje


1. Deus ama o mundo: este é o núcleo da mensagem do Evangelho, o que significa que, ao contrário do que tem feito frequentemente, a condenação do mundo, concretamente, do mundo moderno, não pode constituir programa para a Igreja. Esta é a mensagem do Papa Francisco, que conquistou o coração das pessoas precisamente pelo amor. No meio deste nosso mundo perigoso e sem esperança, ele "constitui a única e a grande reserva moral global", escreveu o eurodeputado Paulo Rangel. Francisco é um pároco que entregou a vida aos que lhe foram confiados, que são todos. Um pároco universal. Nessa qualidade, acaba de dar uma entrevista, não a profissionais, mas a La Cárcova News, revista de um bairro pobre argentino. Deixo aí pontos essenciais.
Tem medo de fanáticos que o querem matar? "A vida está nas mãos de Deus." "Peço-lhe um único favor: que não me doa. Porque sou muito cobarde em relação à dor física."~

POR VOSSA CAUSA

Uma reflexão de Georgino Rocha


A causa dos outros, a nossa, é a razão de ser da missão de Jesus. Assim o afirma ele ao explicar aos discípulos o sentido da voz vinda do Céu que dizia: “Já o glorifiquei e tornarei a glorificá-l’O”. Jo 12, 20-33. Deus Pai intervém a favor do seu Filho que está perturbado pelo iminente e dramático desfecho da vida. São João, o narrador do diálogo, menciona uma série de interrogações que perpassam na mente de Jesus: “Que hei-de fazer? Pai, salva-me desta hora?” E conclui: “Mas por causa disto é que cheguei a esta hora. Pai, glorifica o teu nome”. É a hora de Deus!

sexta-feira, 20 de março de 2015

Primavera — Bem-vinda sejas!



Já cá canta a primavera neste dia tão aguardado por tanta gente. Novos e velhos cantam loas à estação do ano mais bonita. Bonita por dentro e por fora. Por dentro, porque nos alegra a vida com as suas garantias de renovação, direi melhor, de ressurreição. Com ela, as plantas acordam da sua letargia para uma vida nova; e connosco acontece o mesmo. Até se diz, com propriedade, que nas escolas as crianças e jovens aprendem com mais facilidade. E por fora, porque a natureza muda espontaneamente de face, exibindo festa por todos os poros. As flores surgem, os cheiros tornam-se mais agradáveis, o ar fica mais leve e os poetas e demais artistas exultam de contentamento, desabrochando para a criação. As pessoas, por mais simples que sejam, despem-se de preconceitos, sacodem o capote das chuvas, afugentam agasalhos do frio e ensaiam nova vida. 
Boa primavera para todos.

quinta-feira, 19 de março de 2015

Assim vai o mundo


As notícias que nos chegam de todos os quadrantes são como bombas atómicas de grande potência. Quando nos caem em cima, a explosão é fatal. Não matam assim de repente, mas vão matando o nosso sonho de um mundo fraterno. A corrupção instalou-se de armas e bagagem nas sociedades contemporâneas. Se calhar  existiu sempre, através dos séculos. Só que, com os órgãos de comunicação social multifuncionais e atentos, tudo salta para a luz do dia. E não haverá gente honesta? É claro que há. Mas também não podemos ignorar a evidência. Há gente sem caráter um pouco por todo o lado. Há gente capaz de vender a alma ao diabo à custa do sofrimento de milhões de pessoas. Há gente que suja as mãos sem vergonha. E não há modo de os julgar e castigar. Pavoneiam-se como se nada fosse. Saem da cadeia porque têm milhões que lhes garantem a liberdade. Tem milhões para contratar advogados que, em nome das leis que os políticos fizeram aprovar, bloqueiam a justiça com recursos, requerimentos e todo um conjunto de manobras em nome do direito. 
Apesar disto tudo, não podemos esmorecer. O mundo mais justo tem de renascer. Eu acredito nisso.

Dia do Pai



Eu sei que o Dia do Pai não pode coincidir apenas com uma data, por mais fundamentada que ela seja. Neste caso, 19 de março também está identificado com S. José, o carpinteiro que foi pai adotivo de Jesus. De qualquer modo, o Dia do Pai é todos os dias, ou não tivessem os pais, decerto todos os pais, a certeza de que devem assumir a sua missão da paternidade até ao fim da sua existência terrena. 
Contudo, esta celebração, chamemos-lhe assim, sempre servirá para recordar aos pais os seus deveres para com os que encorparam o seu ADN, traduzido não apenas na consanguinidade, mas nos valores que, normalmente, passam de geração em geração, com as indispensáveis adaptações que os tempos e as circunstâncias sugerem ou exigem. 
Os pais reveem-se nos filhos e os filhos devem rever-se nos pais. Mal vai o mundo se assim não for. Hoje, os meus quatro filhos contataram-me para o habitual cumprimento que a efeméride aconselha. Mas deixem-me dizer que o fazem com regularidade. Diária ou quase. E fazem-no sempre com carinho que por vezes até me comove. Espero que os seus filhos e meus netos prosseguiam na vida com gestos semelhantes, porque a vida, afinal, sem afetos não faz sentido.

Ao meu pai...

Um soneto de Maria Donzília Almeida











Um dia, a linda Rosa desabrochou
E à luz do dia trouxe o seu rebento
Que foi crescendo e ganhando alento
Num alto e esbelto jovem se tornou.

Agruras e alegrias experimentou,
Sem desistir da vida um só momento.
Usando de muita arte e seu talento
O Cabo das Tormentas ultrapassou.

A Terra do Tio Sam foi a atração
E com a sua prole se fez à vida,
Levando a saudade no coração.

P’ra trás deixou a sua pátria querida
Acalentando a forte convicção
De regressar após missão cumprida.


quarta-feira, 18 de março de 2015

Caramulo: Antes de pôr a mesa



Antes de pôr a mesa para o lanche, a Lita ficou na fotografia depois de olhar extasiada a paisagem que dali se contemplava. Ao fundo, a casa de eventuais emigrantes que ali desfrutavam os ares puros dos montes circundantes. Tranquilidade reconfortante para quem está ou passa, em tempo de verão. Hoje, dia fresco e de uns pingos de chuva, que não deu para regar, quedei-me na procura do aconchego. E vai daí, pus-me a pensar quão agradável é a primavera mais o verão quentinho. 
Agasalhado quanto baste, dei comigo à cata de textos e fotos guardados há anos, desde que iniciei esta caminhada bloguista em prol da partilha de gostos, sentimentos e impressões. E esta foto foi o mote para dar algum sentido à modorra que este dia me suscitou. 

O fracasso...


"O fracasso é a oportunidade de começar de novo 
com mais inteligência e redobrada vontade"

Henry Ford 
(1863-1947)

terça-feira, 17 de março de 2015

AVEIRO: Peregrinação diocesana a Ávila



A Diocese de Aveiro promove uma peregrinação a Ávila no contexto do Ano da Vida Consagrada.
Além de Ávila [onde nasceu e viveu Santa Teresa] a peregrinação passará por Alba Tormes [túmulo e museu de Santa Teresa] e Segóvia [túmulo de S. João da Cruz].
As visitas serão orientadas por guias e contarão com o contributo do Pe. Jeremias Vechina, padre aveirense e carmelita, profundo conhecedor dos locais a visitar. O Sr. Bispo D. António Moiteiro acompanhará a peregrinação.

Fonte: Diocese de Aveiro

Nota: Uma peregrinação como esta, orientada por quem é, o carmelita Padre Jeremias Vechina,  gafanhão e  profundo conhecedor de tudo o que diz respeito a Santa Teresa e São João da Cruz, será, indubitavelmente,  uma riqueza espiritual para quem nela participar. Na impossibilidade de o poder fazer, não poderei deixar de a recomendar. 
Inscrições e demais informações na Cúria Diocesana, Rua Almirante Cândido dos Reis, 128,  Aveiro, telefone 234 377 140.

segunda-feira, 16 de março de 2015

Sinos da matriz de Nossa Senhora da Nazaré


Encontrei hoje esta imagem de sinos da nossa igreja matriz. Devo ter escrito algo sobre eles, mas confesso que tudo desapareceu das minhas memórias levado pelas ondas sonoras que o badalo torna reais em tempo de horas, momentos festivos e outros mais tristes, mas ainda para avisar que é hora de missas. 
Os sinos foram outrora peças fundamentais de anúncios e de convites à oração, do início de trabalhos e fins dos mesmos. Quando os relógios eram luxos de gente rica, de domingos e festas, eram eles que determinavam o quotidiano do povo. Agora, que ainda não são peças de museu, enobrecem as torres das igrejas a quem dão outra vida, e ficam-se por aí. 
Estes sinos, novos ou restaurados, estão a caminho da torre da matriz de Nossa Senhora da Nazaré. Não recordo o ano, que deve estar bem guardado em qualquer gaveta do meus espaços do ciberespaço. E quando os achar, darei notícia.


domingo, 15 de março de 2015

Uma religião que condena está condenada

Crónica de Frei Bento Domingues no PÚBLICO

Frei Bento Domingues


1. Manifestei-me, desde muito cedo, contra certas representações da religião e em particular do catolicismo, mas tive sempre o pressentimento de que era na dimensão religiosa e de modo especial no cristianismo católico, liberto de pretensões exclusivistas ou inclusivistas, que estava escondida a alma do mundo, o impulso do amor da pura gratuidade e da infinita misericórdia.
Encontrei algumas pessoas que, desde a adolescência, me mostraram que as dúvidas e o questionamento são intrínsecos ao processo da fé cristã. Ninguém tem a verdade, mas é possível viver no horizonte da sua busca, com o contributo de todos os que a procuram, em todas as áreas de conhecimento, seja qual for o universo cultural e religioso. Tudo na vida é uma criação de possibilidades, de acontecimentos imprevisíveis. Nunca me dei bem com crenças inamovíveis, com o determinismo. 
Uma “religião” que se apresente como inimiga do questionamento, da investigação e da liberdade deve ser denunciada pelas pessoas e instituições religiosas, como ridícula blasfémia.

sábado, 14 de março de 2015

Quaresma é não desistir de mudar

Um texto de Pedro José Correia




«Quaresma é não desistir de mudar. A mudança é uma realidade vital. Nascemos e só paramos de mudar ao morrer. Aí se aloja o nosso erro «original» ao pensarmos que ao morrer as mudanças terminam. Mudamos de vez para o seio da Criatividade Divina. Quaresma é o tempo da mudança forte que se alimenta da fraqueza. Não é um tempo gonzo. É um tempo de liberdade.»

Ler mais aqui

Nota: Num tempo em que se complica tudo, é bom ler o meu amigo Pedro José Lopes Correia,  padre da Diocese de Aveiro, colocado nas Gafanhas da Nazaré, Encarnação e Carmo. As suas reflexões podem ser lidas no seu blogue Lazer &  Labor. Para mim, têm um sabor especial, até porque ninguém pode ficar alheio à originalidade da sua escrita. Mas hoje prefiro sublinhar  a também original forma de pensar ou repensar a Quaresma, tempo litúrgico que nos encaminha para a Páscoa da Ressurreição. Leiam que vale a pena.

Dois anos com Francisco Papa

Crónica de Anselmo Borges no DN

Papa Francisco apresenta-se ao mundo

Fez ontem dois anos que, ao anoitecer, perante uma multidão expectante na Praça de São Pedro, em Roma, compareceu, humilde e simples, sem a pompa da indumentária papal, com uns sapatos negros já gastos e uma cruz peitoral barata, Jorge Bergoglio, arcebispo de Buenos Aires, que os cardeais tinham escolhido como novo Papa. "Buona sera!" (boa noite), foi a saudação de um homem normal. Que o tinham ido buscar ao fim do mundo para bispo de Roma. E, antes de dar a bênção, ele próprio pediu a bênção ao povo e que rezassem por ele. Agora, chamava-se Francisco. Ainda quiseram começar a tratá-lo por Francisco I, à maneira das dinastias, mas ele que não, era simplesmente Francisco. Lembrando Francisco de Assis, a caminho de uma Igreja pobre e para os pobres, como Jesus queria e fez. Logo no dia seguinte, foi normalmente pagar o seu alojamento daqueles dias em Roma, e acabaram as limusines, e foram de autocarro, ele e os cardeais. E que não queria viver no Palácio Apostólico, precisava de conviver, ficou a habitar na Casa de Santa Marta.

A REVOLUÇÃO DA TERNURA

Reflexão de Georgino Rocha

O amor de Deus é um amor de entrega, 
de doação, de misericórdia, de perdão, de libertação, 
de ternura para com o mundo, para com todos




Deus, no seu filho Jesus, convida-nos a viver a revolução da ternura – afirma o Papa Francisco. Este convite constitui uma das constantes mais assertivas do Evangelho. Jo 3, 14-21. Nicodemos, velho mestre da Lei judaica, anda inquieto no seu coração e vai ter com Jesus, o jovem mestre que começa a ser conhecido, a ter nome público. Ele, trazia a letra da Lei consigo. Jesus vai desvendar-lhe o espírito da Lei. E João, o autor da narrativa, constrói uma rica conversa para dizer quem é Jesus Cristo, o filho unigénito de Deus.
“Deus amou de tal modo o mundo que entregou o seu Filho Unigénito” – afiança o novo mestre. Que ousadia por parte de Jesus! Que surpresa não provocaria no espírito perturbado de Nicodemos. O diálogo prossegue com novidades cada vez mais interpelantes.

sexta-feira, 13 de março de 2015

Há tempo para tudo


Há tempo para tudo, mas tenho a sensação de que o tempo agora corre mais depressa. Voa a velocidade louca e nem tempo temos para contemplar certas margens dos caminhos da vida. Hoje, dei conta da rapidez com que passou a semana. Parece que ainda há pouco, há poucochinho, era domingo e já estamos no fim de semana. 
Para quem trabalha, espera-se por esta hora com ansiedade, com apetite insaciável para usufruir do prazer de viver dois dias descontraidamente. Para os aposentados ou reformados, com todo o tempo do mundo, não será assim. E neste cogitar sobre o tempo lembrei-me deste texto do Eclesiastes, Edição Literária da Bíblia, cuja tradução se lê com mais gosto.



Neste mundo, tudo tem a sua hora;
cada coisa tem o seu tempo próprio.


Há o tempo de nascer, e tempo de morrer;
o tempo de plantar e o tempo de arrancar;
o tempo de matar e o tempo de curar;
o tempo de destruir e o tempo de construir;
o tempo de chorar e o tempo de rir;
o tempo de estar de luto e o tempo de dançar;
o tempo de atirar pedras e o tempo de as juntar;
o tempo de se abraçar e o tempo de se afastar;
o tempo de procurar e o tempo de perder;
«o tempo de guardar e tempo de deitar fora;
o tempo de rasgar e o tempo de coser;
o tempo de calar e o tempo de falar;
o tempo de amar e o tempo de odiar;
o tempo de guerra e o tempo de paz.


Do Eclesiastes,
Edição literária da Bíblia

quinta-feira, 12 de março de 2015

"Partida" no CNE — Corpo Nacional de Escutas

O fim de uma etapa é sempre o início de outra

Ana Rita e André Marçal
Ana Rita Simões e André Marçal foram os protagonistas da cerimónia da Partida, que ocorreu depois da missa das 19 horas, no sábado, 28 de fevereiro, na matriz de Nossa Senhora da Nazaré. O Agrupamento 588 do CNE (Corpo Nacional de Escutas — Escutismo Católico Português) estava em festa pelo significado da cerimónia, que nada tem a ver com a renúncia aos ensinamentos experienciados durante anos. Pelo contrário, a Partida representa a entrada na vida adulta, onde se torna importante levar à prática as promessas feitas e alicerçadas na Boa Nova de Jesus Cristo e nos valores propostos por Robert Baden-Powell. Na família, na sociedade, na profissão, na cultura, no desporto, no lazer, onde o «sempre pronto para servir» deve ser tónica dominante.
Na hora da Partida, o nosso prior, Padre Francisco Melo, lembrou que, na caminhava agora iniciada pela Ana e pelo André, há que ter em conta que «precisamos de nos acompanharmos uns aos outros» ao longo da vida, referindo que «o escutismo atinge a sua maturidade» nesta cerimónia, porque um dos seus grandes objetivos é preparar «cristãos para fazerem parte do mundo, sendo homens novos e mulheres novas».

Formação Contínua

Crónica de Maria Donzília Almeida


Na hora da poda
Constitui uma mais valia no desempenho profissional e uma ferramenta de rentabilização dos recursos humanos num qualquer setor de atividade, quer no primário, no secundário ou no terciário.
No âmbito da minha atividade, visa a melhoria da qualidade do ensino e constitui uma exigência da tutela da educação. A valorização profissional dos docentes é, através de um investimento na formação contínua, uma das medidas que se consideram prioritárias. A gestão do ensino e o sucesso educativo constituem o núcleo central da atividade docente. Pretende um melhor desempenho dos professores, com vista a prepará-los para os desafios que a constante evolução social e tecnológica nos apresenta. 
Sem prejuízo de outras alternativas adotam-se como modalidades de formação os cursos, as oficinas (workshops), os círculos de estudos e passam a reconhecer-se modalidades de formação de curta duração. A formação com recurso a metodologias de ensino à distância e ao estabelecimento de redes através de plataformas eletrónicas são considerados eixos a privilegiar nas diferentes modalidades de formação. 

Só em flor

Gosto de ler as crónicas de Miguel Esteves Cardoso no Público. É uma escrita escorreita e livre, oportuna e saborosa.  Hoje falou, curiosamente ou talvez não, dos «sábios governantes muçulmanos» que por aqui andaram e de algo que nos deixaram. É bom lembrar estas coisas, porque os muçulmanos não foram nem são os terroristas que em nome de Alá querem escravizar o mundo.



«Tristemente, a amêndoa que, graças aos nossos sábios governantes muçulmanos, é um dos fundamentos da nossa doçaria, deixou de ser respeitada. Compram-se amêndoas americanas às toneladas e deixam-se apodrecer as portuguesas. As americanas são redondas, sensaboronas e baratas.
As portuguesas — nas raras vezes em que conseguimos encontrá-las (como as maravilhas de Castelo Rodrigo que, sei lá porquê, conseguem sobreviver) — são chatas, finas e saborosas.»

O fascínio da Ria de Aveiro

Marina do Oudinot

Não sei nadar. Na idade de aprender, num qualquer rego do Esteiro Oudinot, que ladeava o jardim do mesmo nome, na zona do pomar, estava eu doente dos pulmões. À época, não era como agora, em que os doentes se curam como se nada fosse. Mais ou menos, claro. Mas nem por isso perdi o fascínio pela Ria e suas ilhotas. Algumas, vistas de longe, exerciam sobre mim um fascínio especial, como a do Rebocho. 
Ainda hoje, quando contemplo a laguna, azul como o céu e com barcos ou sem eles, imagino-me a navegar e depois a correr mundo, qual navegador solitário, em busca de novas terras e novas gentes. Nem só nem acompanhado. Estou condenado a cultivar o meu imaginário. Ao olhar para esta imagem, com barquinhos serenos e em posição de deixar as amarras, hoje vou de abalada num deles, apenas pela nossa Ria, para sentir de mais perto a maresia que me alivie as dores de cabeça que me incomodam nesta manhã. Pode ser que os sonhos se sobreponham aos incómodos.
Bons sonhos para o fim de semana que se avizinha.

quarta-feira, 11 de março de 2015

Património arqueológico da Ria de Aveiro em debate



O património arqueológico subaquático da Ria de Aveiro vai ser tema da segunda sessão do ciclo de tertúlias promovido pelo grupo “uariadeaveiro” e pela Fábrica Centro Ciência Viva de Aveiro. A sessão decorre a 26 de março, pelas 21.15 horas, no auditório da Fábrica Centro Ciência Viva. Os oradores convidados são Miguel Aleluia, Fernando Almeida e Francisco Alves.

Li no DA


Postal Ilustrado — Igreja de São Pedro da Cale da Vila

Igreja de São Pedro da Cale da Vila

Para melhor servir o povo de Deus que vivia no lugar da Cale da Vila, iniciou-se em outubro de 1970 a celebração da eucaristia, aos sábados, à noite, num armazém da empresa de João Maria Vilarinho, Sucessores, sendo pároco o Padre Domingos Rebelo dos Santos. Foi uma situação provisória e sete anos depois, numa assembleia que se seguiu à missa, foi constituída uma comissão, integrada por Manuel Sardo, António Fernandes Teixeira, Manuel Sarabando Bola, César Ramos, Manuel Lourenço Rodrigues Vareta, Fausto, Fernando Teixeira das Neves, Manuel dos Santos Anastácio, José Martins de Oliveira Silva, Carlos da Silva Mariano, José Branco das Rocha, Maria da Glória, Calete Cristo, Preciosa Cristo, Maria Luísa, Maria Henrique e Ludovina Caçoilo das Neves, que ficaria encarregada da construção da nova igreja, conforme se lê na Monografia da Gafanha de Nossa Senhora da Nazaré, de Manuel Olívio da Rocha e Manuel Fernando da Rocha Martins. Esta comissão foi, entretanto, alterada por circunstâncias várias, com a saída de uns membros e entrada de outros.

terça-feira, 10 de março de 2015

Parabéns para a minha Lita



Hoje apeteceu-me ficar indiferente ao mundo agitado que nos envolve. Pus de lado políticos e políticas, tricas de quem nos governa e dos que querem governar-nos. Atirei para trás das costas tristezas e mágoas, vaidades e mexericos, histórias de maldizer e anedotas sem graça. Fugi da banalidade e procurei a tranquilidade. Deixei à margem sonhos irreais e fixei-me no real. A minha Lita fez hoje 75 anos e com ela recordei quase meio século de vida em comum. Que Deus a proteja, porque ela bem merece.

Fernando

Praia de Espinho — 1963




Há anos comprei um lote de livros antigos, não tantos quantos desejaria, mas que me deram um prazer especial. Tenho destas coisas que mexem com a minha sensibilidade. Ponto final.
Dentro de um desses livros vinha um postal da praia de Espinho datado de 11 de agosto, enviado para Aveiro, Rua Direita, de alguém que esteve hospedado no Hotel Mar Azul, quarto 101. Convidava a sua amiga, referenciada no endereço, para ir a Espinho «passar uma tardinha», até porque «o tempo estava bom». Assinava o postal uma tal Fernanda… Presumo que o ano, segundo o selo utilizado, seria 1963.

José Luís Cacho deixa Administração do Porto de Aveiro

Direcção liderada por José Luís Cacho 
deixa Administração do Porto de Aveiro 
com «liquidez confortável»


José Luís Cacho


José Luís Cacho anunciou esta segunda-feira ter cessado funções como presidente da Administração do Porto de Aveiro e do Porto da Figueira da Foz, devendo suceder-lhe Pedro Braga da Cruz.
“Cessámos esta segunda-feira as funções que desempenhámos na Administração do Porto de Aveiro (APA, S.A.), desde maio de 2005, e na Administração do Porto da Figueira da Foz (APFF, S.A.), desde dezembro de 2008, com o sentimento do dever cumprido”, anuncia José Luís Cacho em texto enviado à Lusa.

Ler mais aqui

Fonte: Porto de Aveiro

domingo, 8 de março de 2015

Dia Internacional da Mulher

Isabel do Carmo: 
"Continua a haver uma hierarquia masculina"


Isabel do Carmo

A propósito do Dia Internacional da Mulher, a médica e mulher revolucionária, Isabel do Carmo, recorda  no PÚBLICO de hoje  que na sociedade «Continua a haver um hierarquia masculina». E sobre o chamado Estado Islâmico afirma o seguinte:

 “Quando se fala no Estado Islâmico, penso tanto no Portugal de há 50 e de há 60 anos! Eu vi tantas doentes que não conseguiam tirar o lenço da cabeça para a consulta! Senhoras que vinham ao hospital e não conseguiam tirar o lenço. Uma mulher não podia apresentar-se em cabelo nos anos 1960 e 1970 em Portugal.”

Também sei desses hábitos ancestrais que se perpetuaram até quase aos nossos dias. Nas igrejas e fora delas, as mulheres andavam regularmente de lenço. Nas igrejas, as mais finas (letradas, formadas, ricas, jovens, etc,..) usavam o véu; as outras o lenço. E quando dele se esqueciam, aproveitavam o lenço de assoar para cobrir a cabeça. Outros tempos...

Ler mais aqui


Uma flor para cada mulher



Para todas as que riem e para todas as que choram...
Para todas as que trabalham e para as desempregadas…
Para todas as que foram mães e para as que o não puderam ser…
Para todas as que sofrem injustiças e para todas as justas…
Para todas as perseguidas e ofendidas…
Para todas as que amam e para as não amadas...
Para todas as artistas que fazem o mundo mais belo…
Para todas as que rezam pelos que não rezam...
Para todas as que sofrem com o sofrimento dos outros…
Para todas as que partilham alegrias com os tristes...
Para todas as que lutam por um mundo melhor…
Para todas as MULHERES


Dia Internacional da Mulher

"Ser mulher é algo difícil, já que consiste 
basicamente em lidar com homens"

Joseph Conrad (1857-1924), escritor inglês

A missa como antidepressivo

Crónica de Frei Bento Domingues no Público 



1. Sei que o título deste texto contraria a experiência de muitos católicos que se confessam ”não praticantes”, precisamente porque o velho preceito de assistir à Missa se lhes tornou impraticável. Um bom passeio, uma prática desportiva, o contacto com a natureza, um convívio com amigos, pelo bem que faz ao corpo e ao espírito, louva mais a Deus do que o aborrecimento de uma Missa enfadonha. Se aquilo era a festa da fé, preferiam ir ao café.
Apesar de tudo isso e de muito mais, mantenho o título, porque julgo que a celebração cristã do Domingo – se a comunidade celebrante encarnar e encenar hoje a significação da sua origem e da sua verdade – torna-se um divino antidepressivo semanal, um dispositivo contra o medo neste mundo carregado de ameaças e seguranças, um belo processo de refazer a vida e enfrentar os desafios de uma nova semana.
Não digo isto apenas porque os textos do domingo passado - o de S. Paulo, “se Deus está por nós, quem será contra nós” (Rm 8,31-34) e o de S. Marcos, sobre a transfiguração, quando Jesus se começa a sentir cercado (Mc 9, 2-10) - são evidentes e poderosas fontes de energia espiritual.
Não alinho, no entanto, com liturgias destinadas a provocar estados de descontrole emocional, lavagens ao cérebro, simulações de curas milagrosas ou qualquer outra tática para atrair clientes. Não me parece que seja esse o bom caminho para acabar com as missas consideradas uma seca, um aborrecimento ou um sacrifício inútil.

sábado, 7 de março de 2015

Engenharias dos nossos homens da Ria



As engenharias dos nossos homens da ria estão bem patentes nesta imagem que há dias registei de passagem pela Gafanha d’Aquém. O dia estava primaveril com céu limpo e temperatura amena, em contraste com dias anteriores de chuva, vento e frio. A laguna parecia usufruir de uma soneca tranquila, ao jeito de quem espera por alguém que prometeu vir mas não veio. 
Gosto da ria assim, muito embora o vento dê um contributo formidável para a navegação à vela, com quilhas a postarem-se na posição de desafio aos fotógrafos, sejam eles da terra, profissionais ou mesmo amadores. 
Pois as engenharias, sem cálculos complicados e sem réguas nem esquadros, mostram como os homens sabem pura e simplesmente ultrapassar os obstáculos com que se deparam no acesso aos seus barcos atracados na borda-d’água em maré de descanso.

Sobre sexo e género (2)

Crónica de Anselmo Borges no DN

Anselmo Borges


Como escrevi aqui no sábado passado, o historiador Yuval Harari, na obra De Animais a Deuses, escrevendo sobre as injustiças da História, que estabelece arbitrariamente hierarquias imaginadas, refere-se a uma que "tem sido de suprema importância: a hierarquia de género". Em quase toda a parte, os homens sobrepuseram-se hierarquicamente às mulheres, que ficaram numa situação de subordinação e humilhação. Porquê? Seja como for, "durante o último século, os papéis dos géneros passaram por uma tremenda revolução".

Nesta transformação, tiveram, entre outros, papel determinante dois factores: por um lado, por causa das guerras, o acesso das mulheres ao trabalho dos homens que partiam para combater e a consequente autonomia económica e, depois, o acesso ao ensino, e, por outro lado, a revolução operada pela chamada "pílula", que deu a possibilidade mais fácil de separar actividade sexual e procriação.

JESUS, A PESSOA E O MERCADO

Reflexão de Georgino Rocha

Georgino Rocha



Jesus chega ao templo de Jerusalém e fica escandalizado com o que vê. Jo 2, 13-25. A casa de oração por excelência havia sido transformada em centro comercial, em banca de câmbio, em lugar de disputas de interesses. O mercado desregulado impunha-se. A exploração dos peregrinos, sobretudo dos pobres, era moeda corrente. A acumulação ilícita de bens económicos por parte dos dirigentes, especialmente dos familiares e protegidos do sumo-sacerdote, fazia parte das regras. Jesus, fiel ao projecto de Deus Pai que antepõe a pessoa a qualquer outro bem, dá largas à sua indignação por tantos atropelos à dignidade humana e desvios de interpretação dos Mandamentos divinos.

quinta-feira, 5 de março de 2015

PÚBLICO celebra aniversário



O Público celebra hoje as bodas de prata com um número especial oferecido aos seus leitores. A primeira página desta edição com 112 páginas destaca em letras gordas “25 DAR TEMPO AO TEMPO” e conta com a participação especial de Marina Cortês, Rui Cardoso Martins, Vítor Cardoso, Carlos Fiolhais, Alexandre Melo e Bárbara Reis. O cientista João Magueijo foi diretor durante um dia. 
Não se trata de um jornal para ler em 24 horas, tempo de sobrevivência natural de um diário. É para ir lendo,  até porque a construção desta edição especial demorou um ano a conceber e a montar. Mas do que li, e foi pouco, dá para perceber que a sua leitura total vai durar uns dias. 
Comecei a ler o PÚBLICO desde a primeira hora, levado pela curiosidade e por me identificar com a qualidade jornalística de alguns fundadores. E se algumas vezes fiquei desiludido com certos trabalhos publicados e opções editoriais, a verdade é que o saldo positivo foi e é notório, ou não fosse o PÚBLICO uma referência jornalística, a par de outros, nomeadamente, o EXPRESSO.
Os meus parabéns a quem o dirige e nele trabalha, com votos de que continue a pautar a sua intervenção por critérios de verdade, justiça e liberdade, dando primazia ao homem e aos direitos humanos. 

quarta-feira, 4 de março de 2015

Quem se mete em atalhos mete-se em trabalhos


Vindo de Ílhavo, lembrei-me hoje de passar pela igreja de S. Pedro, na Cale da Vila, para tirar uma fotografia que pudesse servir para o Postal Ilustrado que costumo publicar no jornal Timoneiro. Tirada a foto, segui para casa, mas meti-me em atalhos, convencido de que o meu sentido de orientação estava afinado e em dia. Não estava. Votei à direita, depois à esquerda, deparando com sentido proibido aqui e ali e com rua de acesso só para residentes. Mais à frente, surgem as máquinas escavadoras das obras em curso na Gafanha da Nazaré. Voltei para trás, procurando uma rua conhecida que me desse o norte e lá consegui, depois de voltas e mais voltas desnorteado.
De facto, é complicado andar pela nossa terra, especialmente quando nos refugiamos nas ruas do dia a dia, sem sentir o prazer da descoberta dentro do que é nosso. No caso das ruas, ruelas, travessas, alamedas, largos e avenidas da Gafanha da Nazaré temos muito que aprender e conhecer.
Nestas voltas e reviravoltas passei pela Rua Cesário Verde. Se lá quisesse voltar, teria de ir à sorte. E em sua homenagem aqui vos deixo um poema, deste poeta que Vasco da Graça Moura, já falecido, considerou o nosso maior, acima mesmo de Camões.

Cesário Verde


DE TARDE

Naquele pic-nic de burguesas, 
Houve uma coisa simplesmente bela, 
E que, sem ter história nem grandezas, 
Em todo o caso dava uma aguarela.

Foi quando tu, descendo do burrico, 
Foste colher, sem imposturas tolas, 
A um granzoal azul de grão-de-bico 
Um ramalhete rubro de papoulas.

Pouco depois, em cima duns penhascos, 
Nós acampámos, inda o Sol se via; 
E houve talhadas de melão, damascos, 
E pão de ló molhado em malvasia.

Mas, todo púrpuro a sair da renda 
Dos teus dois seios como duas rolas, 
Era o supremo encanto da merenda 
O ramalhete rubro das papoulas!

Em "O Livro de Cesário Verde"

Cumprir o dever

«Por vezes é penoso cumprir o dever, 
mas nunca é tão penoso como não cumpri-lo»

Alexandre Dumas (1802-1870), escritor e dramaturgo francês

O Yoga

Crónica de Maria Donzília Almeida

Pose

O fraco nunca perdoa. 
O perdão é a característica do forte. 

Mahatma Gandhi


Quando viaja pelo oriente, qualquer ocidental se deixa, facilmente, impregnar pelo misticismo da civilização hindu. Um país mágico onde se sente a presença de mestres espirituais como Mahatma Gandhi e Krishnamurti, onde a atmosfera rescende a especiarias, onde a vista se deslumbra com o colorido dos saris, onde o culto religioso abrange formas tão diversificadas, como o hinduísmo, budismo e islamismo, deixa a sua marca no visitante mais distraído.
A minha atração pela prática do yoga surgiu na idade imortalizada por Balzac, em “A Mulher de Trinta Anos”, mas foi na idade madura, de passagem pela Índia, que a sedução foi total.
A palavra yoga deriva do sânscrito e é um conceito que se refere às tradicionais disciplinas físicas e mentais originárias da Índia. A palavra está associada às práticas meditativas tanto do budismo como do hinduísmo. Neste, o conceito refere-se a uma das seis escolas (āstika) ortodoxas da filosofia hindu e à sua meta rumo ao que esta escola determina como suas práticas. Fora da Índia, o termo yoga costuma ser associado tipicamente ao hata-ioga e suas asanas (posturas) ou como uma forma de exercício.

terça-feira, 3 de março de 2015

Dar amor e liberdade

"Se tiveres problemas com alguém nada mais precisas, 
para os resolver, do que lhe dar amor e liberdade"

Agostinho da Silva
 (1906-1994)


- Posted using BlogPress from my iPad

Reis fracos tornam fraca a forte gente

Parafraseando Camões, Viriato Soromenho Marques escreve hoje no DN que «reis fracos tornam fraca a forte gente», ajustando, naturalmente, a expressão do nosso poeta aos nossos dias, sem reis mas com governantes que tantas vezes nos decepcionam. Diz assim: 

«Escrever sobre política nos dias que correm é correr o risco permanente da náusea sucessiva. Numa altura em que Portugal vive a maior crise existencial desde as invasões francesas (é uma tese que mantenho desde 2011), os dirigentes que temos à nossa frente confirmam o lamento de Camões, em Os Lusíadas, acerca dos reis fracos que tornam fraca a forte gente.»

Ler mais aqui

segunda-feira, 2 de março de 2015

O que escrevi há 10 anos? — Voluntariado Hospitalar

Há jovens atentos aos que mais sofrem


Sorangel Capão foi entrevistada

Quem vai ao Hospital Infante D. Pedro de Aveiro não pode deixar de se cruzar com os voluntários, gente de bata amarela que se dispõe a dar-se aos que mais sofrem, oferecendo alegria, generosidade, carinho e a mão amiga, em horas de dor, a quem tanto precisa. São pessoas habitualmente não muito jovens, mas que mostram uma juventude a toda a prova. Serão as suficientes? Sei que não. São precisas muitas mais. 
Quando soube que algumas (é mesmo algumas) jovens se dispuseram a preparar-se para engrossar, ainda que ligeiramente, o corpo de voluntários hospitalares, não pude ficar indiferente a este gesto. Por isso, procurei uma delas para que me dissesse algo deste seu propósito. 
A Sorangel Capão, 21 anos, estudante da Universidade de Aveiro, mostrou-se optimista, quanto à experiência que espera iniciar em breve, ainda como estagiária. Quer ser voluntária, porque não admite estar no grupo daqueles que "andam por aí sem fazer nada". Daqueles que passam a vida a "desperdiçar horas e horas em coisas totalmente inúteis e fúteis", quando há tanta gente a necessitar da nossa ajuda.

Ler mais aqui

domingo, 1 de março de 2015

Museu de Aveiro com novo diretor

José António Rebocho Christo 
sucede a Zulmira Gonçalves 

(foto de Paulo Ramos no DA)
«José António Rebocho Christo, que desempenhava a função de conservador, é, a partir de hoje, o novo director do Museu de Aveiro, sucedendo a Zulmira Gonçalves, que passa também hoje a assumir o papel de directora do Serviço de Bens Culturais, englobando nas suas funções a área da salvaguarda, recursos humanos e finanças e os seis museus tutelados pela Direcção Regional de Cultura do Centro.
O anúncio oficial da mudança na direcção aconteceu ontem na apresentação do livro do Centenário do Museu de Aveiro, uma obra da responsabilidade da AMUSA (Associação dos Amigos do Museu de Aveiro) e da ADERAV (Associação para o Estudo e Defesa do Património Natural e Cultural da Região de Aveiro).»

Li e transcrevi do DA

NOTA: Felicito o novo diretor do Museu de Aveiro desejando-lhe as maiores venturas no desempenho do cargo. Trata-se de uma casa  que ele conhece perfeitamente, sendo uma mais-valia para o próprio museu e para a cultura aveirense. 

Mudar radicalmente a religião (2)

Crónica de Frei Bento Domingues 



1. Ao fazer das periferias o centro da Igreja Católica, Bergoglio tenta mudar, a partir da diocese de Roma, os sinais de trânsito de todas as dioceses do mundo, das paróquias, dos movimentos, das Conferências episcopais e da vida consagrada. O centro das igrejas locais terá de se deslocar para as periferias geográficas, sociais e culturais.
O processo vai levar o seu tempo, pois não falta quem espere que o Papa acabe por se cansar, sobretudo se os padres, os bispos e os cardeais fizerem de conta que não estão para aí virados.
O antigo aforismo imperial - “todos os caminhos vão dar a Roma” – poderia ser substituído por outro: todos os caminhos das igrejas vão dar às periferias, aos “bairros problemáticos”, às cadeias, aos hospitais, às pessoas que vivem sós, ignoradas dos familiares e dos vizinhos. Seria apenas uma questão de tomar a sério um dos textos escolhidos para o começo desta Quaresma (Mt 25, 31-46).
No passado dia 15, no final da homilia da Missa com os “novos purpurados”, o bispo de Roma enunciou, de modo sintético e incisivo, essa reorientação pastoral:

destaque

As tentações e o Diabo

Anselmo Borges  no Diário de Notícias 1 - Também por influência do Papa Francisco, está-se a rever, em várias línguas, a tradução d...