Não me levem a mal




Vem aí o carnaval de tantas tradições em muitas terras do nosso país e no mundo em geral. Não me levem a mal, mas é festa que nada me diz. Não me perguntem porquê, porque não sei explicar. Sempre fui assim. Contudo, nada tenho contra os que a vivem com intensidade transbordante estes festejos. 
Desde menino que via passar os mascarados a que não achava graça nenhuma. Muitos, a pé ou de bicicleta, mais tarde de motorizada e até de carro, exibiam-se naturalmente e falando com disfarce de voz, levando-nos a tentar descobrir quem eram eles. Ficava-se por aí,  e a caravana, muito diferente do que veio depois, continuava. Não muito grande, é claro. Mais tarde, com o tempo, as coisas refinaram-se. 
Em épocas ainda da minha meninice e juventude, surgiram as cegadas em que o Armando Ferraz foi mestre. Eram grupos maiores que se exibiam em zonas estratégicas da nossa terra e que tinham a sua graça. Tudo passou e presentemente o carnaval movimenta imensa gente, em algumas povoações, com organizações artísticas e reis e rainhas importados, ou escolhidos entre as populações.Gente bonita ou com graça.  Tudo bem. Mas eu, que não vou a esses festejos, só posso desejar que toda a gente seja muito feliz, otimista e galhofeira, com ou sem carnaval.

Comentários