Fantoches, Robertos...

(Foto da exposição patente no Centro Cultural da Gafanha da Nazaré)

Foi provavelmente em 1949 ou no ano seguinte do século passado que pela primeira vez assisti a um curto espetáculo de Fantoches ou Robertos. Já estudava em Aveiro. Aconteceu no Rossio, palco habitual à época da Feira de Março, mas o certame já teria terminado. Estava bom tempo e a malta andava por ali a usufruir uns "feriados". 
Aparece, entretanto, um homem com uma coisa esquisita às costas. Junto dele vinha um outro com uma máquina de filmar. Atrás deles seguiam uns miúdos da minha idade que davam a impressão de alguma familiaridade. Sabiam ao que iam, talvez por terem participado no espetáculo num outro recanto da cidade. 
O homem pousa a espécie de barraca sem teto, ficando dentro dela, e de repente surge no ar um fantoche a saudar-nos com um olá numa voz fina mas roufenha. E outro salta com um pau na mão desancando no primeiro. O homem da máquina de filmar começa a orientar o pessoal assistente, recomendando que não olhássemos para ele. Qual quê! Todos deitávamos uns olhares de esguelha para apreciar as filmagens... E ele insistia e nós lá fomos obedecendo. E o espetáculo continuou...

Comentários