sábado, 10 de janeiro de 2015

O tempo da falta de tempo

Crónica de Anselmo Borges 
no DN de hoje

Como é que ganhamos cada vez mais tempo e todos se queixam de terem cada vez menos tempo? Recentemente, a revista Der Spiegel dedicou um interessante estudo precisamente a este paradoxo, e é nele que me inspiro.
Claro que nos tempos que correm se poupa imenso tempo. Por exemplo, desde o século XIX, foram tiradas, em média, duas horas ao tempo do sono. Dada a velocidade crescente dos meios de transporte, deslocamo-nos mais rapidamente. Poupa-se tempo na criação de animais. Poupa-se tempo na aprendizagem. Também na comida, que já se compra feita, e nos encontros, que se dão cada vez mais através das novas tecnologias, e, mesmo aí, por abreviaturas na escrita (por exemplo, K (que), PF ( por favor).

Ler na íntegra na próxima segunda-feira

Sem comentários:

destaque

EUGÉNIO BEIRÃO — “FINJO QUE SOU POETA”

“FINJO QUE SOU POETA” Finjo que sou poeta e construo flores de palavras que uso na lapela. Mas poeta eu não sou. Assomo apenas à janela...