A VIDA DOS DEFUNTOS

Reflexão de Georgino Rocha 



A fronteira da morte sempre me impressionou de forma interpelante, apesar de acreditar firmemente no convite e na promessa de Jesus: “Vinde a Mim… e encontrareis descanso para as vossas almas”. (Mt 11, 25-30); apesar de me rever na bela imagem da ovelhinha que Ele encontra nos silvados, resgata com dedicação e, cheio de alegria, conduz aos ombros para junto das outras.
E agora? pensava. Sinto-me só face aos desafios da vida. Tenho de resolver problemas que não esperava, nem dependiam de mim... Recorro à memória e configuro o rosto dos meus familiares. Peço-lhes que me digam algo, me deem um sorriso, me inspirem uma solução. E o que recebo é um silêncio profundo, definitivo, que procuro interpretar.
Ressoa, então, o eco das suas vidas, das conversas havidas, das respostas dadas para as situações com que nos deparávamos. E a memória faz-se presença e a saudade gera encontro e comunhão. Nasce o desejo de entrar em contacto com eles, de os abraçar, de conhecer a sua sorte, de experienciar a qualidade da sua vida nova. 


Sei que esta aspiração tão natural não pode ser inconsequente, nem ficar defraudada. E vem-me a sábia sentença de Santo Agostinho: “Fizeste-nos, Senhor, para Vós e o coração humano andará inquieto, enquanto não repousar em Vós”. E surgem, em catadupa, os ensinamentos de Jesus Cristo, o morto que agora vive para sempre. Acresce o testemunho auspicioso de tantos homens e mulheres, de todas as idades, a abonar a ideia de um final feliz para a aventura humana. “Eu sou a ressurreição e a vida; quem acredita em mim viverá para sempre”. Eu creio, Senhor, mas aumenta a minha fé! E Jesus prossegue: Quem se fizer como eu, assim como eu me fiz humano como ele, tem a mesma vida, vida definitiva, vida eterna. E a melhor maneira, depois do baptismo, de sermos como Jesus, é a eucaristia, celebração sacramental em que Jesus, por meio do pão e do vinho, se faz nosso alimento espiritual. Ele humaniza-se e nós divinizamo-nos.
Já agora. De forma germinal, sacramental. Mas real. É esta a vida eterna: iniciada no tempo, atinge a plenitude na eternidade. É esta a vida que já saboreamos e que, de forma qualitativamente diferente, enche de alegria e satisfação os nossos queridos defuntos.

Comentários