O AMOR

«Não há amor que mais facilmente perdoe, e mais benignamente 
interprete e dissimule defeitos, que o amor de pai.»

Pe. António Vieira, 
1608 - 1697


- Posted using BlogPress from my iPad

Comentários