AUSENTES DA VIDA NUNCA SERÁ SOLUÇÃO



A esperança de vida tem aumentado significativamente nos últimos anos. Um bem inestimável que temos o privilégio de usufruir, pese embora algumas “enxaquecas” próprias da idade. Para muitos reformados ou aposentados, chegou a hora de se dedicarem à concretização de projetos anos e anos adiados por força das exigências profissionais e familiares. E se para muitos é altura de nada fazer, porque já trabalharam o que tinham de trabalhar, para outros vem o prazer de fazer coisas diferentes, que mantém o corpo ativo e a mente em maré de rejuvenescimento. Parar é morrer, diz a sabedoria do velho provérbio, pelo que importa valorizar a ação, assente na procura de novos conhecimentos, que alimentam novos desafios e concretizam sonhos nunca alcançados. 
Aconselho os menos jovens a procurarem ocupações saudáveis, dando largas às suas próprias capacidades. Mas é óbvio que há diversos  caminhos ajustados às preferências de cada idoso: Ler, escrever, caminhar, andar de bicicleta, envolver-se no voluntariado, visitar doentes ou amigos que vivem na solidão, pintar, fotografar, conviver, partilhar experiências, saberes e sabores, enfim, fazendo tudo o que for possível para se sentirem úteis à sociedade e a si próprio. Ficarem parados, ausentes do mundo e da vida, nunca será solução.

F.M.


Comentários