domingo, 27 de abril de 2014

GAFANHA DA NAZARÉ – Notas Soltas




De acordo com várias fontes, a região das Gafanhas começou a ser habitada por modestos agricultores no século XVII, havendo registo de um batizado, em 1686, como sinal de que as pessoas começaram, antes dessa data, a viver nestes areais dunares. 
Em 1758 era já uma povoação com 14 vizinhos ou fogos e 140 pessoas de sacramento, como se lê em carta de Joaquim da Silveira publicada, em nota de rodapé, na Monografia da Gafanha, 2.ª edição, com data de 1944, do Padre João Vieira Rezende, primeiro prior da Gafanha da Encarnação. 

As pessoas que na Gafanha se instalaram, nos inícios do povoamento, eram gente humilde, oriunda dos concelhos de Vagos e Mira, que buscou terras para cultivar, semelhantes às dos seus antepassados. Com esforço sobre-humano, os gafanhões conseguiram transformar dunas estéreis em solo produtivo, aproveitando os moliços que as marés depositavam na borda-d’água e o esterco. Nesses tempos, os gafanhões não se aventuravam na ria e no mar, mas cedo descobriram a riqueza que dali podia advir. E a adaptação, paulatina mas corajosa, prova à evidência que este povo possuía capacidades para vencer todos os obstáculos, como de facto continuou a acontecer.

A certeza de que os primeiros habitantes vieram dos concelhos de Vagos e Mira está bem patente nos apelidos que perduraram até aos dias de hoje: Domingos da Graça, Vechinas, Rochas, Ritos, Covas, Merendeiros, Caçoilos, Sarabandos, Esgueirões, Maguetas, Estanqueiros, Apolinários, Carapelhos, Frescos, Patas, Cardosos, Costas, Retintos e Creoulos, entre outros.

DOMINGO DE CANONIZAÇÕES

Por Frei Bento Domingues,
no PÚBLICO de hoje



1. Hoje é domingo de canonizações, de surpresas e decepções. Fizeram-me, a este respeito, uma pergunta estranha: será verdade que uma canonização envolve a infalibilidade pontifícia?
Digo estranha porque, nas questões de ordem teológica, o que me preocupa, em clima cristão, é saber se um determinado acontecimento, atitude, gesto ou palavra servem a dimensão imanente e transcendente dos seres humanos, como criaturas de relação e de interajuda. Respondi que uns teólogos dizem que sim e outros dizem que não. Sabem tanto uns como outros. Estamos, portanto, em matéria opinável. Como a própria noção de infalibilidade tem pouco de infalível, é melhor não ligar muito a esse género de preocupações.
Além disso, o essencial da vida cristã não passa por aí e a Festa de Todos os Santos é muito mais inclusiva e democrática do que todos esses processos de levar gente aos altares. São, aliás, rápidos para uns, muito demorados para outros e impossíveis para quase todos. Preencher os requisitos previstos para obter esse diploma de santo, não é para qualquer um. Um bom currículo não basta. O júri que o avalia não goza de nenhuma garantia divina de imparcialidade.

sábado, 26 de abril de 2014

HÉLDER RUIVO VAI SER ORDENADO PRESBÍTERO

Domingo - 27 de abril  - 17 horas - Sé de Aveiro



O Diácono Hélder Ruivo nasceu em Coimbra em 24 de julho de 1986, frequentou o Pré-Seminário de Aveiro, o Seminário dos Olivais e concluiu recentemente o mestrado na Faculdade de Teologia na Universidade Católica Portuguesa – Lisboa.
Foi ordenado Diácono no dia 7 de abril de 2013 e desde setembro do mesmo ano colabora pastoralmente nas paróquias da Gafanha da Nazaré, Gafanha da Encarnação e Gafanha do Carmo.
Presidirá à ordenação o Sr. D. António Francisco dos Santos, Bispo de Aveiro entre 2006 e 2014 e atualmente, Bispo do Porto.
A Diocese de Aveiro alegra-se com mais esta ordenação para o serviço da Igreja de Cristo em Aveiro.
A celebração será transmitida em direto no canal tv da Diocese.


NOTA: Felicito o ainda Diácono Hélder Ruivo pela sua ordenação presbiteral, enquanto formulo votos de  longa e alegre  dedicação ao serviço do Povo de Deus da Diocese de Aveiro, tendo em conta os mais frágeis da sociedade, crentes ou não crentes. Estou certo de que os estímulos divinos nunca lhe faltarão.

LIBERDADE

"Nada no mundo pode impedir o homem de se sentir nascido para a liberdade. Jamais, aconteça o que acontecer, ele pode aceitar a servidão: pois ele pensa"

Simone Weil 
(1909-1943)
filósofa francesa

Li no PÚBLICO de hoje

FÉRIAS PARA PAIS DE PESSOA COM DEFICÊNCIA



O Santuário de Fátima oferece uma semana de repouso aos pais que têm filhos deficientes com certa gravidade em suas casas, responsabilizando-se, através duma equipa de voluntários, a cuidar dos filhos. Os pais, querendo, podem ficar com os filhos em Fátima. O Santuário responsabiliza-se pelas despesas, exceto as viagens.

Os turnos são nas seguintes datas:
1º - de 30 de julho a 5 de agosto
2º- de 8 a 14 de agosto
3º- de 18 a 21 de agosto
4º - de 28 de agosto a 3 de setembro

Os  pedidos de informação devem ser enviados ao Secretariado Nacional do Movimento da Mensagem de Fátima, Santuário de Fátima, Apartado 31, 2496-908 Fátima. Correio eletrónico: mmf@fatima.pt ou sedo@fatima.pt

Li aqui 
---------------------------

NOTA: Uma excelente iniciativa promovida pelo Santuário de Fátima e dirigida a quem mais precisa de descansar uns dias. Já conhecia este serviço do Santuário de Fátima, mas seria interessante que outras instituições seguissem este exemplo.


S. JACINTO SEM FERRY



S. Jacinto vai ficar privado da ligação por ferry, a partir da próxima segunda-feira, por motivo da necessidade de manutenção daquela embarcação. Isto mesmo foi anunciado hoje pelo Diário de Aveiro, que  informa ainda que o ferry deverá retomar o serviço no início do próximo mês de junho. 
S. Jacinto, que pertence ao concelho de Aveiro, tem sempre nos seus horizontes este problema da sua ligação à sede do município. Há décadas alvitrou-se a hipótese da construção de uma ponte, semelhante à da Varela, que liga Murtosa à Torreira, mas os políticos de então não tiveram coragem para se bater por  ela. Contudo, a ideia pode ressuscitar. Ou será mesmo inviável?

25 DE ABRIL

 Presidente da República na sessão solene (Foto do DN)

«É legítimo contestar opções que se fizeram ao longo destes quarenta anos. Contudo, temos de ter presente uma realidade muito simples: só podemos contestar e criticar tais opções porque vivemos em liberdade e em democracia. A democracia não é apenas o melhor dos regimes. A democracia é o único regime que salvaguarda os direitos fundamentais da pessoa humana. E, num regime democrático, só há um critério para definir a legitimidade dos governantes: o voto expresso nas urnas. É isso que distingue a democracia de uma ditadura. Foi isso que Portugal conquistou há quarenta anos.»

na sessão solene comemorativa dos 40 anos do 25 de Abril

40 ANOS DEPOIS

Por Anselmo Borges,


1- No dia 25 de Abril de 1974, o telefone tocou, estava eu ainda a dormir: "O que tu querias está a acontecer." Uma jovem amiga a dizer-me que estava na rua um golpe de Estado. Como quase toda a gente, fiquei preso às notícias, escassas.
Depois, é o que se sabe. O povo veio para a rua. A alegria explodiu. Os acontecimentos sucediam-se em vertigem. Não se dormia. Será que alguma vez se viveu tão apressada e intensamente como durante aqueles anos de revolução? É mesmo: o tempo não é todo igual. Aqueles foram tempos sobre os quais F. Alberoni teorizou, com o seu conceito de "estado nascente".
O problema foi passar do "estado nascente" à "institucionalização" da democracia, pois não se pode ficar eternamente no entusiasmo eufórico do novo nascimento. Aí, havia imensos interesses contraditórios, e então viveram-se várias revoluções ao mesmo tempo, para recuperar o tempo perdido em ditadura e atraso: uma revolução burguesa, uma revolução soviética, Maio de 68, a descolonização. Esteve-se à beira de uma nova ditadura.

O RESSUSCITADO VIVE CONNOSCO

Por Georgino Rocha


A desolação dos discípulos contrasta fortemente com a coragem de Jesus ressuscitado. Eles, amedrontados, estão refugiados em casa trancada, a temerem o que lhes podia acontecer na sequência da condenação do seu Mestre. Este, destemido, apresenta-se no meio deles, sereno e ousado, e saúda-os amigavelmente desejando-lhes a paz. O contraste não pode ser mais radical e provocador. A atitude de Jesus surpreende-os completamente e deixa-os expectantes. Eles ainda não o haviam reconhecido. Que carga de medo inibidor! Que urgência da “purificação” do coração e da mente para iniciar o caminho da fé no ressuscitado! Que importância atribuída à jovem comunidade reunida em assembleia neste “arranque” decisivo!


quinta-feira, 24 de abril de 2014

SONHO DE ABRIL

Um poema de Maria Donzília Almeida
para o 25 de Abril




Sonho de Abril

Após um longo período de tortura
O dia finalmente amanheceu
P’rà luz e para a vida renasceu
Com sonhos e revolta à mistura.

Para trás, ficaria a amargura,
Mordaças que o povo padeceu.
À ‘sperança o lugar aqui cedeu
Euforia venceu a desventura.

Quarenta anos são hoje volvidos
Sobre a data que a pátria resgatou
Naqueles sonhos vãos, aí renascidos.

Hoje, os ânimos ‘stão esmorecidos
E, ao povo, a natureza se aliou
Chorando pelos seus filhos traídos!

24.04.2014


- Posted using BlogPress from my iPad

SÉ DE AVEIRO COM GUIA PARA TURISTAS



A paróquia de Nossa Senhora da Glória, em Aveiro, lançou um guia traduzido em português, espanhol, inglês e francês onde dá a conhecer às pessoas a história e o património da igreja matriz local, que é também a Catedral diocesana.
De acordo com um comunicado enviado hoje à Agência ECCLESIA, "o desdobrável permite a quem visita a igreja do antigo Convento dos padres dominicanos de Aveiro percorrer o monumento em dezasseis paragens obrigatórias", com destaque para pontos como o Cruzeiro de São Domingos, o Oratório de Nossa Senhora de Fátima e a Capela da Visitação.
A compilação do guia contou com a participação da União de Freguesias da Glória-Vera Cruz - o documento contém também indicações sobre "o novo órgão de tubos que a igreja recebeu no ano passado", entre "outras informações relevantes".
"Com a oferta deste desdobrável pretende-se principalmente dar a conhecer aos milhares de visitantes um dos principais monumentos da cidade a igreja matriz de Nossa Senhora da Glória que é desde 1938 Catedral de Aveiro", refere a nota remetida à Agência ECCLESIA.
Os responsáveis por este projeto esperam, num "futuro próximo", poder abrir também o espaço museológico dedicado a todo o património artístico da paróquia, que está encerrado há mais de um ano.

JCP

AMAR E SER AMADO

"Ser amados profundamente por alguém faz-nos  fortes, amar profundamente torna-nos  corajosos"

Laozi 
(também Lao Tzu ou Lao Tse, 
VI século a.C. (?))

segunda-feira, 21 de abril de 2014

NOITE SERENA


Segunda-feira da Páscoa. Feriado Municipal para celebrar e para descanso. Segundo a tradição, o nosso povo corria à tarde para a Feira de Março. Penso que já não será como antigamente, mas admito que tenha havido enchente. Quase no fim do dia, com a meia-noite à porta, fui respirar um pouco de ar fresco e encontrei uma noite serena. E este ramo de um arbusto do nosso jardim, a querer chegar ao céu, desafiou-me para  o tornar público. Aqui fica ele. 

domingo, 20 de abril de 2014

ALELUIA

TERRA NOVA COMEMORA 25 ANOS DE EMISSÕES OFICIAIS



É urgente recuperar a nossa capacidade de sonhar



A que é hoje a Rádio Terra Nova (RTN) começou como “rádio pirata” em 12 de julho de 1986, num período de condescendência legal. Este período durou até 31 de dezembro de 1988. A 26 de março de 1989, domingo de Páscoa, reiniciaram-se as emissões… agora com o estatuto de órgão de comunicação social, lembrou Vasco Lagarto, fundador e diretor, desde o primeiro passo, da rádio que emite em 105 FM. Já lá vão, como estação oficial, sem interrupção, 25 anos. 

Olhando para a história, o nosso interlocutor sublinha que valeu a pena, acrescentando: «embora a rádio seja uma “coisa” de todos os dias, fez-se muito de que nos podemos orgulhar; uso aqui o plural porque existem muitas pessoas que ao longo dos anos contribuíram para que a Terra Nova conseguisse a notoriedade que tem hoje.»
Admite que não está propriamente «arrependido do que fez», pois julga que o trabalho desenvolvido ao longo destes anos «permitiu valorizar a nossa região, a nossa comunidade; contudo se pudesse voltar atrás, faria algumas coisas de forma muito diferente, sem dúvida…».

Vasco Lagarto, fundador e diretor da Terra Nova

Sobre o impacto da RTN na comunidade, o diretor Vasco Lagarto questiona-se sobre se a nossa rádio «toca» a alguém, mas logo sublinha que algumas boas reações, vindas de perto e de longe, o fazem mudar de ideias. «É o e-mail que se recebe de longe, é o comentário no “Facebook”, é a reportagem sobre a nossa vida e sobre as nossas pessoas, é o entusiasmo dos miúdos quando visitam a rádio…»
Defende e esclarece, porém, que «é preciso assumir-se que uma estrutura destas não vive só de sentimentos e sensações! Precisa de pessoas que, através do seu trabalho, nos transmitam ou permitam viver essas mesmas sensações…e para isso são precisos recursos financeiros! Se a comunidade à nossa volta está consciente disso... Penso que muitos não estarão… Quando digo que a Terra Nova custa, no mínimo, 250€ por dia, muitos ficam surpreendidos».
E como alerta à nossa consciência de ouvintes da RTN e cidadãos, que nos dizemos comprometidos na sociedade, frisa: «Como tudo na vida, muitas vezes valorizamos as coisas e as pessoas quando as deixamos de ter junto de nós!…Pode ser que o mesmo aconteça com a Terra Nova, ou seja, que se note o vazio quando desaparecer ou deixar de ser o que é hoje.» 

Luís Loureiro e Maria do Céu,
no programa "Pauta Desportiva",
agosto de 1986

Luís Miguel Loureiro, jornalista da RTP e docente universitário, que iniciou a sua paixão pela comunicação social na RTN, evocou o nascimento das rádios locais como resposta «a uma necessidade de levar mais longe a democratização do acesso dos cidadãos ao espaço público». Fazendo um pouco de história, disse que nessa época havia energia no seio das comunidades, qual «grito de liberdade» do poder local democrático, bem expresso nas instituições que se foram impondo e empenhando na valorização das sociedades. Referiu que «foi neste caldo que a rádio se formou», desempenhando, certamente, «um papel nessa época que é hoje irrepetível». Luís Loureiro adianta que foi «nesse ADN de forte ligação local a uma noção de comunidade que, apesar das distâncias físicas, se continua a definir pela sua identidade gafanhoa» muito grande, «onde quer que esteja», tendo aí a rádio um papel significativo. E esse papel, «por muita que tenha sido a evolução, ainda não tem substituto a altura».
O nosso entrevistado admite que o papel desempenhado pela Terra Nova «foi certamente fulcral na formação cívica de muitos jovens de então», sendo que «as horas e horas, os dias, os anos de dedicação quase totalmente graciosa ao projeto muito livre e sempre evolutivo da Rádio Terra Nova, resultaram num conjunto de pessoas que hoje desempenham um importante papel artístico e cultural, social, económico e político, um papel de cidadãos verdadeiramente comprometidos. Isso foi conseguido, não só mas também, pela Rádio».
Considerando-se crítico «da forma de governação caciquista e castradora da imaginação libertadora que marcou os anos noventa, em termos políticos e sociais», Luís Loureiro denuncia «o novo-riquismo bacoco em que nos entretivemos depois da adesão à UE», o que levou ao adormecimento das nossas comunidades. E afiançou: «A evolução global, de mercado, para sociedades altamente individualizadas viradas para o consumo e para a posse material, acabou com a possibilidade de nos reunirmos de volta e repensarmos o nosso papel como agentes de mudança e evolução social.»
Como desafios a levar à prática, o nosso interlocutor «gostaria que pensássemos em projetos de intervenção cultural que voltassem a provocar o encontro face a face», mas ainda «que nos instigassem a trabalharmos intergeracionalmente», os mais experientes com os menos experientes», devolvendo «às comunidades os desafios que as fizessem querer-fazer».
Luís Loureiro defendeu que é urgente recuperar «a capacidade de sonho, sob pena de, daqui a umas décadas, já nada restar do que fomos e, certamente, já nada de nós restar sequer como promessa de futuro em comum».

Fernando Martins

Nota: As entrevistas que serviram de base a este texto foram feitas por e-mail.



A RESSURREIÇÃO DA IGREJA

Por Frei Bento Domingues, 
no PÚBLICO de hoje



1. Não pretendo trazer para aqui a lista das significações que a palavra ressurreição tem na história religiosa e, particularmente, nas teologias cristãs. A ideia de insurreição contra os opressores, serviu a S. Paulo para destacar a vitória de Cristo sobre o pior e mais resistente dos inimigos, a morte, no tom de quem ganhou o desafio supremo e se ri da do fatal adversário: “morte, onde está a tua vitória, onde está o teu império? (1Cor 15).

Opto, este ano, por nomear uma questão recorrente e pouco atendida: a ressurreição da Igreja. Do ponto de vista histórico, foi a experiência de algumas mulheres que revelou aos discípulos, contra todas as evidências, que a morte não tinha sido a última palavra sobre a tragédia humana da Cruz. Por outro, as narrativas do Novo Testamento são, em parte, o fruto de um exame de consciência sobre a cegueira que impediu os Apóstolos de entender o sentido do percurso terrestre de Jesus de Nazaré.

AUSENTES DA VIDA NUNCA SERÁ SOLUÇÃO



A esperança de vida tem aumentado significativamente nos últimos anos. Um bem inestimável que temos o privilégio de usufruir, pese embora algumas “enxaquecas” próprias da idade. Para muitos reformados ou aposentados, chegou a hora de se dedicarem à concretização de projetos anos e anos adiados por força das exigências profissionais e familiares. E se para muitos é altura de nada fazer, porque já trabalharam o que tinham de trabalhar, para outros vem o prazer de fazer coisas diferentes, que mantém o corpo ativo e a mente em maré de rejuvenescimento. Parar é morrer, diz a sabedoria do velho provérbio, pelo que importa valorizar a ação, assente na procura de novos conhecimentos, que alimentam novos desafios e concretizam sonhos nunca alcançados. 
Aconselho os menos jovens a procurarem ocupações saudáveis, dando largas às suas próprias capacidades. Mas é óbvio que há diversos  caminhos ajustados às preferências de cada idoso: Ler, escrever, caminhar, andar de bicicleta, envolver-se no voluntariado, visitar doentes ou amigos que vivem na solidão, pintar, fotografar, conviver, partilhar experiências, saberes e sabores, enfim, fazendo tudo o que for possível para se sentirem úteis à sociedade e a si próprio. Ficarem parados, ausentes do mundo e da vida, nunca será solução.

F.M.


sábado, 19 de abril de 2014

PERSEGUIR OS SONHOS

"Não é verdade que as pessoas param de perseguir os sonhos 
porque estão a ficar velhas, elas estão a ficar velhas 
porque pararam de perseguir os sonhos"

Gabriel García Márquez 
(1927-2014), 
escritor colombiano

NOTA: Muita razão tem Gabriel García Márquez, o escritor recentemente falecido. Importa perseguir com força os sonhos, por mais utópicos que eles sejam ou pareçam. 

A JORNADA DE SÁBADO

Crónica de Anselmo Borges 



O pior do nosso tempo é a entrega desvairada ao consumismo, ao ruído e à satisfação imediata e saltitante de prazeres velozes e, conse-quentemente, à vozearia da insensatez que não pensa. Fica então o esquecimento do enigma da vida e da busca de respostas para as imensas e prementes perguntas que erguem o ser humano à sua estatura de homem: porque há algo e não nada, a questão do mal e do sofrimento, da felicidade e da morte, de Deus e do sentido último da existência.


GAFANHA DA NAZARÉ CELEBRA ANIVERSÁRIO DE CIDADE


A Gafanha da Nazaré celebra hoje, 19 de abril, o 13.º aniversário da sua elevação a cidade. Sendo certo que esta efeméride evoca um crescimento a vários níveis, não podemos ignorar que a valorização duma cidade segue um processo sem fim à vista... 

Recordemos um pouco de história

Criada freguesia em 23 de Junho de 1910 e paróquia em 31 de Agosto do mesmo ano, a Gafanha da Nazaré é elevada a vila em 1969. A cidade veio em 2001 por mérito próprio. O seu desenvolvimento demográfico, económico, cultural e social bem justifica as promoções que recebeu do poder constituído no século XX, a seu tempo reclamadas pelo povo.
A Gafanha da Nazaré é obra assinalável de todos os gafanhões, sejam eles filhos da terra ou adoptados. De todos os pontos do País, das grandes cidades e dos mais pequenos recantos, muitos chegaram e se fixaram, porque não lhes faltaram boas condições de vida.
A Gafanha da Nazaré é, hoje, uma mescla de muitas e variadas gentes, que, com os seus usos e costumes e muito trabalho, enriqueceram, sobremaneira, este rincão que a ria e o mar abraçam e beijam com ternura.
O Decreto-lei n.º 32/2001, publicado no Diário da República de 12 de Julho do mesmo ano, foi aprovado pela Assembleia da República em 19 de Abril de 2001, registando em 7 de Junho desse ano a assinatura do Presidente da República, Jorge Sampaio.
O povo comemorou a elevação a cidade com muita alegria, precisamente no dia da aprovação, pelo Parlamento, do desejo das autoridades e de quantos sentem esta terra como sua. A legitimidade popular consagrou essa data, 19 de Abril, como data de festa, sobrepondo-se à assinatura do Presidente da República. 
O título de cidade colocou a nossa terra com mais propriedade nos mapas e roteiros. Mas se é verdade que o hábito não faz o monge, temos de reconhecer que pode dar uma ajuda. Como cidade, passou a reivindicar infraestruturas mais consentâneas com esse título, podendo os gafanhões assumir este acontecimento como marco histórico da sua identidade, como cidadãos de pleno direito.


O Programa das Comemorações

09h00 - Hastear das Bandeiras na Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré

09h15 - Visita ao Mercado Municipal da Gafanha da Nazaré

09h45 - Visita à futura Casa da Música da Gafanha da Nazaré

10h45 - Visita à obra do Ecomare

11h30 -  Visita à obra de Saneamento Básico da Gafanha da Nazaré
(ponto de encontro na zona poente da Vala Pluvial do Esteiro do Oudinot)

12h00 -  Balanço das ações do dia na Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré

VIU E ACREDITOU

Reflexão de Georgino Rocha para este tempo



A manhã de Páscoa desperta serena com Madalena agitada a correr para o túmulo de Jesus. Era ainda escuro. Mas já raiava o clarão da aurora que se avizinha. Corre para sintonizar com o ritmo do seu coração, com o desejo de prestar os últimos cuidados ao cadáver de Jesus, com a vontade de certificar mais uma vez o sucedido, com o “pressentimento” de que algo de novo pode acontecer, pois o amor é mais forte do que a morte. A saudade revela-se um bom caminho para o encontro da verdade.
Chegada ao local, depara-se com o sepulcro vazio e tudo arrumado “a preceito”. Pelo seu espírito perpassa a certeza afirmada: Levaram o Senhor e não sabemos onde O puseram, certeza que transmite a Simão Pedro e ao discípulo amado. Estes partem imediatamente para confirmar a notícia, seguindo cada um a cadência do seu passo. Chegam, aproximam-se, observam, entram no sepulcro e vêem que a realidade condizia com o que lhes havia dito Maria Madalena.

sexta-feira, 18 de abril de 2014

RECORDANDO A PÁSCOA

Crónica de  Maria Donzília Almeida



A festa da Páscoa, para o mundo cristão representa a vitória sobre a morte, consubstanciada na ressurreição de Cristo.
Coincidindo com o início da primavera, sente-se uma envolvência da natureza, numa súbita transformação da mesma. Esta que estivera em hibernação durante a estação cessante, desperta para a vida e em nosso redor é vê-la a desabrochar e encher-se de cor.
Antigamente, quando as Gafanhas viviam, em parte, da agricultura e as mulheres eram as maiores protagonistas do trabalho nos campos, a limpeza da casa ficava sempre em segundo plano. Aproveitava-se a pausa da Páscoa, em que as sementeiras estavam feitas e o sol começava a puxar por elas e fazia-se uma limpeza geral às casas. Quase todas revestidas a soalho de madeira e muito humildes no seu recheio, assumiam uma nova vitalidade e asseio nesta altura. Para esse efeito, era ver a dona de casa, mulher escafonada, pôr o chão a brilhar com o tradicional sabão amarelo, que p’ra mim, era mais cor de tijolo. 
Aqui, nas Gafanhas, a sala do Senhor mobilada apenas com uma cómoda e cadeiras, à volta, ganhava protagonismo, na receção à visita pascal. Ali, o crucifixo era entregue ao chefe de família que, por sua vez, o dava a beijar a todo o agregado familiar, cumprindo-se assim um ritual antigo, de muitas gerações.
Na comunidade, faz-se a comemoração religiosa em que os cristãos vivem a quaresma, tempo de preparação para a Páscoa. Exemplo disso são alguns sacrifícios/ privações, como o jejum e abstinência na 4.ª feira de cinzas e na sexta-feira santa.


Dia Internacional dos Monumentos e Sítios


Celebra-se hoje, 18 de Abril, o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, que foi instituído em 1982 pelo ICOMOS e aprovado pela UNESCO no ano seguinte. A partir de então, esta data comemorativa tem vindo a oferecer a oportunidade de aumentar a consciência pública relativamente à diversidade do património e aos esforços necessários para a sua proteção, conservação, chamando a atenção para a sua vulnerabilidade.
Este ano o Dia internacional dos Monumentos e Sítios é dedicado ao tema Lugares de Memória.
De 12 a 20 de Abril, por todo o Território Continental e Regiões Autónomas terão lugar 640 atividades distribuídas por 170 concelhos e promovidas por 345 entidades públicas e privadas.
O acesso à maioria das atividades é gratuito.
As atividades promovidas nos Monumentos, Museus e Palácios da DGPC têm entrada livre.

Li aqui  

Ver ÍLHAVO

Ver AVEIRO

Falar e ser entendido

Editorial  de José Tolentino de Mendonça 




Durante muito tempo o desafio da renovação eclesial esteve centrado na necessidade de encontrar uma nova linguagem. Um dado era (e continua a ser) evidente: a linguagem habitual não só dos documentos, mas até da pregação da Igreja, já não é entendida pelos nossos contemporâneos. Podemos simplesmente cruzar os braços e denunciar a falta de uma formação cristã de base. Contudo, o desencontro entre a mensagem e os seus destinatários continua lá. E o “desencontro” não é só “ad extra”: dentro das nossas próprias comunidades contam-se pelos dedos os que resistem a uma leitura integral de um texto mais longo do magistério. Ora isso gera uma desarticulação e uma incomunicabilidade que só acentuam a fragmentação do corpo eclesial. Não funcionamos como arquipélagos, mas como desagregadas ilhas.

ÍLHAVO: Feriado Municipal

Segunda Feira da Páscoa



No próximo dia 21 de abril, segunda-feira de Páscoa, comemoramos o Feriado Municipal de Ílhavo com um conjunto de atividades, que têm início às 10h00 com a visita do Sr. Ministro da Defesa Nacional, Dr. José Pedro Aguiar-Branco, ao Museu Marítimo de Ílhavo (MMI), onde se procederá à assinatura do Protocolo de Cedência Temporária de Espólio Físico e Documental dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo ao MMI.
Seguir-se-á às 10h45 a Cerimónia do Hastear das Bandeiras junto aos Paços do Concelho e a Sessão Solene Evocativa do Feriado Municipal, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Ílhavo, na qual serão entregues Condecorações Municipais a um conjunto de entidades e individualidades. A Sessão Solene será este ano presidida pelo Sr. Ministro da Defesa Nacional, Dr. José Pedro Aguiar-Branco.
As comemorações do Feriado Municipal constituem um momento de festa e partilha, assumindo uma condição diferente pela homenagem que vamos realizar ao Poder Local no Município de Ílhavo.

Fonte: CMI


A NOSSA GENTE: Baltasar Casqueira


O casal Madalena e Baltasar


Com a 4.ª classe saltou para o mundo do trabalho


Baltasar Ramos Casqueira, 77 anos, casado com Madalena Caçoilo, cinco filhos e 12 netos, está reformado há bons anos. Começou cedo a luta pela vida. Aos 11 anos, concluída a 4.ª classe da então chamada instrução primária, entrou para os serviços de limpeza da EPA (Empresa de Pesca de Aveiro), durante o inverno, nos arrastões Santa Joana e Santa Princesa. No verão, a vida mudou de figura na marinha de sal de que o pai era marnoto. Trabalho difícil, como osso duro de roer, debaixo de sol escaldante e pisando a moira que lhe roía os pés. «Era a marinha Fornos, do proprietário José Vieira», disse. E assim andou, «durante seis safras», saltando depois para um dóri, como verde, aos 17 anos, para a pesca do bacalhau, no lugre Lousado, da praça de Alcochete. «Foi o meu irmão António que me levou», afirmou. «Pesquei no primeiro ano 226 quintais de bacalhau à tábua [era numa tábua que o oficial de bordo pousava a folha onde registava, por estimativa, o peixe pescado por cada pescador], tendo recebido 11 mil e 200 escudos, que trouxe escondidos nas meias, com medo dos carteiristas», afiançou o Baltasar.

quarta-feira, 16 de abril de 2014

DIGNIFICAR A PESSOA PRESA

Em entrevista ao Correio do Vouga, o coordenador nacional da pastoral penitenciária, padre João Gonçalves, afirmou que "´É terrível a pessoa continuar presa mesmo depois de sair da cadeia". E acrescenta que "a situação dos presos tem a ver com toda a sociedade e muito especialmente com a comunidade cristã".

NOTA: Logo que possível, publicarei aqui a entrevista


- Posted using BlogPress from my iPad

terça-feira, 15 de abril de 2014

A fé alimenta-se de poesia


«Cada poema é um início. Como o estar sempre perante o branco, perante o silêncio, perante o não saber. E recomeçar. A fé alimenta-se muito disso, porque a fé não é o acumulado do ontem, mas é viver no aberto da esperança e do corpo, do nascer e do morrer, do amor e da fragilidade. E no fundo a escrita treina-me para a sucessão de começos que a vida é nas suas várias dimensões.»

José Tolentino Mendonça

De uma entrevista publicada na revista ESTANTE, para ler aqui

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Um texto lindo sobre os gafanhões


«Falou-se de marnotos, falou-se de pescadores e mareantes, faltando, apenas, falar dos gafanhões que vieram, por fim, tratar da moldura afeiçoando a terra que debrua laguna substituindo a desolação da duna e da flora quaresmal que, a medo, aflorava, por uma verdura indizível de milheirais frescos e viçosos e de batatais que lhe corroboraram os tons abertos com gradações sublinhantes que parecem oriundas de uma paleta de pintor.»

Frederico de Moura

No Livro "Ressonâncias"

Nota: Conferência lida, no salão Municipal da Cultura, de Aveiro, integrada no número do programa que, com aquele mesmo título [PAISAGEM DE AVEIRO - O Ambiente e o Homem], fez parte dos actos culturais das Festas da Cidade. Em 11 de Maio de 1970.

REFORMADOS RICOS PASSAM À FRENTE NAS IPSS

UM ESCÂNDALO!

"Em nome da sustentabilidade, algumas Misericórdias e Instituições de Solidariedade Social contornam a ordem da lista de entrada nos lares e deixam passar à frente quem tem reformas mais altas. Responsáveis negam perversão do sistema, antes um meio de evitar falências e conseguir acolher mais utentes de pensões baixas
Os reformados com uma pensão alta têm mais facilidade em encontrar um lugar num lar da Misericórdia e de outras Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), onde a lista de espera chega a ser de vários anos. Há provedores que contornam a ordem de inscrição na lista das vagas dos seus lares e permitem que um idoso de pensão choruda passe à frente de quem apresente uma situação económica fragilizada.
A situação é conhecida e até incentivada pelo presidente da União das Misericórdias, Manuel Lemos, em nome da sustentabilidade daquelas instituições do sector solidário, a que o Estado delegou quase tudo (73%) do que em Portugal se faz a nível de proteção social a idosos, crianças e deficientes, pagando por essa "delegação" de funções cerca de 1,3 mil milhões de euros."

Li no DN


NOTA: Misericórdias e IPSS são, na sua grande maioria, de inspiração cristã ou mesmo da Igreja Católica. Por isso, esta notícia choca-me imenso. Nem sei que possa dizer mais sobre esta realidade, que julgava ultrapassada. Os pobres, afinal os que mais precisam, ficam muitas vezes no fim da lista.


- Posted using BlogPress from my iPad

domingo, 13 de abril de 2014

Respiro melhor, quando vou à Gafanha...

Efeméride de abril




NOTA: Sei que me distraio bastante. Aniversários de amigos e efemérides passam-me muitas vezes ao largo. Tenho pena desta minha incapacidade, mas cada um é o que é. Vou pensar numa forma de me manter atualizado nesta área. Como noutras, certamente. Hoje deixo aqui um registo bonito do nosso primeiro Bispo da restaurada Diocese de Aveiro, D. João Evangelista de Lima Vidal, um bom exemplo da prosa poética. 

TRABALHO PARA TODOS?

Crónica da Frei Bento Domingues 

Bento Domingues


1. A “Liga Operária Católica/Movimento dos Trabalhadores Cristãos” (LOC/MTC) tem uma longa história de confissão pública da fé cristã, no seio da luta operária e das suas organizações. Inscreve-se no caminho aberto por Jesus, um judeu marginal, de há dois mil anos, que terá sido educado por José, o artesão, na lei de ganhar o pão com o suor do seu rosto e não com o do rosto dos outros.

Jesus não era nem um pobre de pedir nem um proprietário ou empresário. O seu Evangelho tinha a ousadia de anunciar, aos pobres e excluídos, a bem-aventurança de um mundo de irmãos, que reunisse todos os filhos de Deus dispersos (Jo 11,52). Acabou por concluir que não seria tarefa fácil.

sábado, 12 de abril de 2014

Eu Sou Português Aqui




Eu Sou Português Aqui 

Eu sou português 
aqui 
em terra e fome talhado 
feito de barro e carvão 
rasgado pelo vento norte 
amante certo da morte 
no silêncio da agressão. 

Eu sou português 
aqui 
mas nascido deste lado 
do lado de cá da vida 
do lado do sofrimento 
da miséria repetida 
do pé descalço 
do vento. 

Nasci 
deste lado da cidade 
nesta margem 
no meio da tempestade 
durante o reino do medo. 
Sempre a apostar na viagem 
quando os frutos amargavam 
e o luar sabia a azedo. 

Eu sou português 
aqui 
no teatro mentiroso 
mas afinal verdadeiro 
na finta fácil 
no gozo 
no sorriso doloroso 
no gingar dum marinheiro. 

Nasci 
deste lado da ternura 
do coração esfarrapado 
eu sou filho da aventura 
da anedota 
do acaso 
campeão do improviso, 
trago as mão sujas do sangue 
que empapa a terra que piso. 

Eu sou português 
aqui 
na brilhantina em que embrulho, 
do alto da minha esquina 
a conversa e a borrasca 
eu sou filho do sarilho 
do gesto desmesurado 
nos cordéis do desenrasca. 

Nasci 
aqui 
no mês de Abril 
quando esqueci toda a saudade 
e comecei a inventar 
em cada gesto 
a liberdade. 

Nasci 
aqui 
ao pé do mar 
duma garganta magoada no cantar. 
Eu sou a festa 
inacabada 
quase ausente 
eu sou a briga 
a luta antiga 
renovada 
ainda urgente. 

Eu sou português 
aqui 
o português sem mestre 
mas com jeito. 
Eu sou português 
aqui 
e trago o mês de Abril 
a voar 
dentro do peito. 

Eu sou português aqui 

José Fanha 

Nota: Sugestão do caderno Economia do Expresso



FRANCISCO E O 25 DE ABRIL

Crónica de Anselmo Borges 



"Enganei-me e engano-me. Diz-se que o ser humano é o único animal que cai duas vezes no mesmo sítio. Os erros foram grandes mestres de vida. Não diria que aprendi com todos os meus erros; com alguns, não, também sou casmurro. Mas aprendi com muitos outros erros e isso faz-me bem." 



1. A fotografia percorreu mundo: o Papa Francisco de joelhos, diante de um padre no confessionário, a confessar-se à vista de quem estava. Sabia-se que o Papa também peca e portanto se confessa. Mas agora está mesmo lá a confessar-se normalmente, como qualquer católico. Afinal, também é pecador, como repete constantemente, e tem dúvidas e engana-se como toda a gente, não é infalível. É simplesmente um homem, que acredita no perdão de Deus. E quer melhorar a sua vida, tanto mais quando tem uma imensa responsabilidade perante a humanidade inteira.

O MEU LUGAR NA PAIXÃO DE JESUS

Uma Reflexão de Georgino Rocha 
para este tempo

José de Arimateia



Aproximam-se os dias da Páscoa e Jesus procura um local condigno para a sua celebração. Encarrega os discípulos desta tarefa e dá-lhes instruções precisas. Vão à cidade, encontram a pessoa indicada, (possivelmente amiga), transmitem-lhe o desejo de Jesus e esta aceita ser hóspede do grupo. 
A celebração da ceia pascal acontecesse fruto desta colaboração generosa em que muitos intervêm, sobretudo Jesus que realiza a suprema maravilha da Eucaristia, antecipa para “sinais” o que vai suceder e abre horizontes de esperança aos limites do tempo.
A narração da ceia abre praticamente o processo da paixão e ressurreição de Jesus por onde passam cenários emblemáticos da “história” humana e dos seus protagonistas: A garantia do amor fiel até ao fim, a força da tentação e a vulnerabilidade da fragilidade humana, a “convulsão” dos interesses religiosos, as manobras simuladoras do poder político, a manipulação plebiscitária das multidões, a deserção dos amigos em horas de provação, a angústia de morte das vítimas e o requinte de malvadez dos algozes, a confiança filial do homem justo, os gestos misericordiosos de quem tem um coração sensível e compadecido.

sexta-feira, 11 de abril de 2014

FALECEU VASCO BRANCO



Voto de Pesar 
da Câmara Municipal de Aveiro


A Câmara Municipal de Aveiro lamenta profundamente a morte do Dr. Vasco Branco, considerando tratar-se de uma perda irreparável para a cultura e para vida intelectual da Cidade. No momento de imensa consternação a edilidade associa-se à dor e ao luto da Família, a quem dirige os sentidos pêsames.
Natural de Aveiro, Vasco Branco notabilizou-se como pintor, escultor, escritor e cineasta, tornando-se num exemplo de rara diversidade e capacidade artística e de extraordinária sensibilidade humana. 
As criações artísticas refletem o amor incondicional pelas figuras, pelas paisagens e pela história de Aveiro, como documentam os livros e os filmes sobre a cidade, bem como os painéis de azulejos que emolduram locais nobres da urbe, o Mural da Praça da República e o da passagem desnivelada de Esgueira, que são da sua autoria.

Postal Ilustrado - Farol da Barra de Aveiro




O Farol da Barra de Aveiro é, sem sombra de dúvidas, o mais expressivo e conhecido Postal Ilustrado da região, que não apenas da Gafanha da Nazaré. É o mais alto de Portugal e um dos mais altos da Europa. Do seu cocuruto, vislumbra-se uma paisagem ímpar de largos quilómetros de raio, e em dias de céu limpo as serras tornam-se muito mais próximas. 
Nasceu como todos os faróis para avisar os navegantes de que ali há terra, mas também barra de entrada e saída de navios. E a sua presença, quer de dia quer de noite, com céu claro ou enevoado, é imprescindível para quem navega ao largo ou para quem demanda o Porto de Aveiro, com as suas valências de pesca, indústria, comércio e recreio. À noite, os sinais luminosos, intermitentes, chegam longe, e em tempos de nevoeiro a ronca encarrega-se, com toda a sua potência sonora, de informar os navegadores. 
A construção do Farol, depois de reconhecida a sua urgência, não demorou muito. No dia 26 de setembro de 1863, uma portaria governamental ordena que se fizesse o projeto e o orçamento. O projeto foi concluído em 5 de abril de 1884 e os trabalhos da construção iniciaram-se em março do ano seguinte. A inauguração oficial do Farol aconteceu em 31 de agosto de 1893. O aparelho iluminante foi ligado e posto a funcionar em 15 de outubro desse ano. 
Na inauguração, presidida pelo ministro das Obras Públicas, Bernardino Machado, futuro Presidente da República, estiveram presentes os membros da Câmara Municipal de Ílhavo e o prior da freguesia, Dr. Manuel Branco de Lemos, informa o padre Resende, na sua Monografia da Gafanha.

Fernando Martins

PESSOA LIVRE

"Não é livre aquele que não obteve 
domínio sobre si próprio."

Pitágoras (-582//-497)


- Posted using BlogPress from my iPad

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Um desafio da Maria Toucedo Marieke

COMO RECORDEI O NOME 
DO MEU AMIGO DA ESCOLA PRIMÁRIA

A escola da Ti Zefa que frequentei 

Quando encontrei o meu amigo João [nome fictício], na avenida principal da cidade, nem sequer soube, de repente, como era o seu nome. Emigrante há décadas, na França, só de tempos a tempos vinha à terra, sempre no mês de Agosto, mês em que eu habitualmente saía para gozar, longe da rotina, uns dias de lazer. Esta coincidência de desencontros a fio fez de nós uns simples desconhecidos.
Saí de casa logo de manhã cedo com vontade de caminhar ao deus-dará, usufruindo de um sol que tardava em aparecer para nos aquecer. Ruas cheias de gente que deambulava a caminho da igreja matriz, para a missa dominical, ou em busca de um lugar num café do centro da cidade para saborear a “bica” e ler o jornal. Das pastelarias e padarias saíam pessoas apressadas com saquinhos de pão fumegante que apetecia comer, logo ali, barrado com manteiga. Carros passavam decerto com destinos marcados e no quiosque eu esperava ansioso o diário que todos os dias costumo ler, na convicção de que iria ter acesso a alguma novidade, daqueles que nos prendem a atenção e nos deixam a pensar.
Da berma da rua, uma voz, forte e alegre, chama por mim, feliz pelo encontro. Olho e vejo um rosto conhecido de há muito tempo. Do tempo da escola primária, da Escola da Ti Zefa, onde o professor Ribau nos ensinou as primeiras letras e nos encaminhou na vida.
– Sabes quem eu sou? – perguntou, certo de que eu o reconheceria, o meu antigo companheiro de classe.

Ler este meu conto aqui

O desafio está aqui

terça-feira, 8 de abril de 2014

Férias da Páscoa num navio bacalhoeiro




«O Museu Marítimo de Ílhavo vai dinamizar a ação “Férias da Páscoa a bordo de um navio bacalhoeiro”, entre os dias 9 e 11 e 15 e 17 de abril. O mote é embarcar na aventura da pesca do bacalhau, sugerindo às crianças participantes vestirem a pele de pescador, de piloto ou de capitão e conhecerem o dia-a-dia a bordo de um navio bacalhoeiro da pesca à linha, através de histórias, jogos e oficinas.»
Felicito quem organiza ações que aproximam as crianças e jovens das nossas tradições marítimas e não só. 

Fonte: MMI

Ler mais aqui

Luso-Americanos

Crónica de Maria Donzília Almeida


Dadas as condições económicas precárias num Portugal rural, no século passado, (e hoje?) houve um grande surto de emigração para países europeus, bem como para alguns do continente americano, nomeadamente os Estados Unidos da América. Este funcionou no imaginário de muitos proletários, como a verdadeira “árvore das patacas”!
A presença portuguesa nos Estados Unidos remonta ao século XVI, quando o navegador Miguel Corte Real aí chegou pela primeira vez e João Rodrigues Cabrilho explorou a costa da Califórnia.
No século XVIII um grupo importante de descendentes de judeus portugueses, perseguidos pela inquisição em Portugal e depois no Brasil, fixou-se em New York, na altura, New Amsterdam, fundando ali a primeira comunidade judaica da América do Norte. Porém, só se pode falar de uma efetiva emigração portuguesa para o país, a partir de meados do século XIX.

Mons. João Gaspar é o Administrador da Diocese de Aveiro


Mons. João Gaspar

Em obediência ao preceituado no Código de Direito Canónico, o Colégio de Consultores da Diocese de Aveiro elegeu para Administrador Diocesano Mons. João Gaspar, cargo que ocupará até à vindo do novo Bispo.
Congratulo-me com esta eleição, já que Mons. João Gaspar, para além de conhecer profundamente a Igreja Diocesana, é estimado por todos os aveirenses, crentes ou não crentes, mantendo com toda a gente uma enorme capacidade de diálogo e de proximidade. Para mim, esta escolha não constituiu qualquer novidade. 

segunda-feira, 7 de abril de 2014

IRREGULARIDADES NAS CONTAS DOS PARTIDOS

"O Tribunal Constitucional (TC) detectou irregularidades nas contas de 2009 de quase todos os partidos políticos, entre as quais donativos indirectos, deficiências nos documentos de suporte contabilístico e a impossibilidade de confirmação da origem de algumas receitas."

Ler mais aqui

NOTA: Bem prega frei Tomás: Olha para o que eu digo e não para o que eu faço.


- Posted using BlogPress from my iPad

NÃO DEVEMOS TER MEDO DA BONDADE




«Nos Evangelhos, os discípulos de Jesus aparecem como homens fortes, corajosos, trabalhadores, mas no seu íntimo sobressai uma grande ternura, que não é virtude dos fracos, antes pelo contrário denota fortaleza de ânimo e capacidade de solicitude e de compaixão. Não devemos ter medo da bondade. Só pela bondade aprenderemos a fazer do poder um serviço, da autoridade uma proximidade e do ministério uma paixão pela missão de anunciar a alegria do evangelho. O evangelho é tudo o que temos e somos.
As Igrejas Diocesanas que servi, mas sobretudo ultimamente a Igreja de Aveiro, acompanhar-me-ão sempre como bênção, de que preciso, e como renovado incentivo ao serviço humilde, concreto, rico de fé e cheio de alegria. Obrigado, Igreja de Aveiro! Obrigado Aveirenses!
A todos, nestas Igrejas Diocesanas procurei amar e servir. Sinto-me hoje acompanhado na amizade e na oração pelos sacerdotes, diáconos, consagrados e leigos, pelas autoridades locais e pelas gentes simples, cuja presença amiga e dedicada de todos, nesta Igreja Catedral, tanto me penhora e sensibiliza.
Assim quero, a partir de hoje, continuar na Igreja do Porto. Apenas quem serve com amor e ternura, que são as linhas do rosto de compaixão e de misericórdia de Deus, é capaz de cuidar, de proteger, de promover e de salvar o seu Povo. Por isso, irmãos e irmãs, ajudai-me a ser pastor ao jeito do coração de Deus e a seguir em todos os passos o exemplo de Cristo, o belo e bom Pastor.»

Da homilia de D. António Francisco
na Eucaristia solene da sua entrada na Diocese do Porto

Ler toda a homilia aqui

domingo, 6 de abril de 2014

POBREZA

"Entre nós é vergonhoso reconhecer a própria pobreza; 
mas pior do que isso é não esforçar-se por escapar dela"

Tucídedes (-460/-396) 
historiador da Grécia Antiga

A RELIGIÃO CRÍTICA E A CRÍTICA DA RELIGIÃO

CRÓNICA DE FREI BENTO DOMINGUES
NO PÚBLICO


1. Conheci o casal luso-catalão, Inês Castel-Branco e Ignasi Moreta, no Parlamento Mundial das Religiões, celebrado em Barcelona no âmbito do Fórum Universal das Culturas, em 2004. Esse jovem casal, apaixonado pelo diálogo inter-humano, inter-religioso e intercultural, falou-me, então, do seu projecto familiar no campo da edição. Pretendia criar um território cultural de bons livros que rompessem com a banalidade e onde reinassem, em conexão, o rigor, as ideias e o prazer, um autêntico hedonismo de leitura pausada e saboreada. Sabor e sabedoria têm, aliás, uma etimologia comum. A leitura e a vida verdadeira não são conceitos antagónicos. São sinónimos.

Peça a peça, a Fragmenta Editorial foi-se tornando uma referência do universo de pensamento crítico e reflexivo. Para o seu conselho de assessores, as respostas institucionais às perguntas religiosas entraram em crise, mas as perguntas antigas e novas, de muitas origens, não se calam. O que já não existe são respostas tranquilizadoras. Andamos, por isso, todos à procura. Não aceitamos que os outros pensem, investiguem e escolham por nós. O que importa é pôr a circular ideias, pensamentos, pistas, críticas, isto é, tentativas de subversão das ideias feitas. Mas não será isto o que caracteriza o chamado “pensamento débil”?

sábado, 5 de abril de 2014

D. António Francisco já tomou posse

Bispo do Porto assume 
as suas responsabilidades 
perante os cónegos portuenses



Entre a minha alegria e a minha tristeza, D. António Francisco dos Santos já tomou posse como Bispo do Porto. Amanhã será a sua entrada solene na Sé do Porto, que o mesmo é dizer na Diocese do Porto, uma das maiores de Portugal. Sinto alegria, por ver reconhecida a sua indesmentível capacidade pastoral e a visão de futuro que o anima, alicerçadas numa fé apaixonada e contagiante. Sinto tristeza por ver partir um bispo próximo, dialogante, atento e disponível, sempre com a palavra certa para as nossas inquietações e dúvidas, mas também para os nossos comodismos, incapacidades e fraquezas.
Sei, pelo que vi durante este tempo em que foi pai espiritual e pastor do povo de Aveiro, desde o oceano e ria até à serra tantas vezes esquecida, que D. António vai para a Diocese do Porto, com os seus mais de dois milhões de habitantes e quase 500 paróquias, bem acompanhado por Deus Trino, de quem vêm as forças, a coragem, a visão profética e a sabedoria necessárias para levar a bom termo  a missão de que foi incumbido pelo Papa Francisco. Sei ainda que continuará, agora entre o povo portuense, a ser uma testemunha fiel e comprometida da bondade, do bem, do sentido do acolhimento e do serviço aos feridos da vida.
Que Nossa Senhora nunca o desampare, são os meus votos.

Fernando Martins

Acesso à internet na escola?


Tito de Morais e audiência de estudantes atentíssimos

«Quanto ao acesso à internet na escola, ele é inevitável. A escola é chamada a ajudar os alunos a desenvolverem as suas competências e a ensiná-los a distinguirem os exemplos “inspiradores” dos “destruidores” que as tecnologias apresentam.
Na opinião de Tito de Morais, o Ministério da Educação não deve cortar os acessos a determinados serviços da internet, nos horários por si estipulados. Serão as escolas que, na sua autonomia, deverão gerir os acessos dos diversos elementos da comunidade escolar.
A internet pode ser um risco ou um meio excelente de trabalho, de conhecimento e de socialização. Tudo depende da forma como a quisermos usar. A decisão depende de cada um, enquadrado pela escola, pela família e pelos amigos.»

Ler ainda Temos uma “audiência invisível” na internet, texto de Teresa Correia

O DINHEIRO FAZ A FELICIDADE?

Crónica de Anselmo Borges 




Lá está Epicuro: "É preciso meditar sobre o que traz a felicidade, pois, se ela estiver presente, temos tudo, mas, se estiver ausente, fazemos tudo para obtê-la." E é o que faz F. Lenoir, num belo livro recente, exigente e acessível, Du bonheur. Un voyage philosophique: como alcançar a felicidade, ser feliz. E não podia faltar um capítulo sobre o dinheiro: ele traz a felicidade?

J. Renard atirou: "Se o dinheiro não faz a felicidade, dê-o." Mas quantos estão dispostos a isso? No entanto, num artigo célebre de 1974, o economista americano R. Easterlin mostrou que no seu país, embora o rendimento bruto por habitante tenha dado o salto extraordinário de 60%, entre 1945 e 1970, a proporção de pessoas a considerar-se "muito felizes" não tinha variado: 40%. Não se confirma a fórmula mágica do capitalismo liberal: crescimento do PIB = aumento da felicidade. Aliás, as estatísticas do Insee diziam o mesmo em relação à França: embora entre 1975 e 2000 se observe um crescimento global do PIB superior a 60%, a proporção das pessoas "satisfeitas ou muito satisfeitas" permaneceu à volta de 75%. Mas há mais. Na Inglaterra, por exemplo, enquanto a riqueza nacional quase triplicou em meio século, as pessoas que se declaram "muito felizes" passaram de 52% em 1957 para 36% em 2005. E quando se compara o índice de satisfação em países com níveis de vida incomparáveis? Ao contrário do que se poderia esperar, a taxa de satisfação é praticamente a mesma nos Estados Unidos ou na Suécia e no México ou Gana, embora o rendimento por habitante nestes países divirja numa escala de um a dez.

JESUS FAZ REVIVER LÁZARO MORTO

Reflexão de Georgino Rocha 
para esta semana



“Lázaro, sai para fora” – grita Jesus com voz forte e determinada. E ele levanta-se e sai, amortalhado como havia sido colocado na sepultura. Jesus continua, dirigindo-se aos circunstantes: “Desligai-o e deixai-o ir”. E João, o narrador do sucedido, conclui: “Ao verem o que Jesus fez, acreditaram n’Ele”.
A revivificação de Lázaro constitui um sinal, na sequência de outros, que visam manifestar quem é Jesus e provocar a adesão à sua pessoa e mensagem: a água transformada em vinho nas bodas de Caná; o pão abençoado e repartido pela multidão; a cura do paralítico junto à piscina e a do cego de nascença; a doação da própria vida como belo e bom pastor; a vitória sobre a morte, simbolizada em Lázaro, e realizada aquando da ressurreição. Estes e outros sinais credenciam um conjunto de ensinamentos sobre a acção inovadora do Messias e induzem as testemunhas a tomar posição, aceitando ou rejeitando o que presenciam e ouvem.
Qual a nossa atitude perante tantos sinais de novidade que a vida nos traz? Deixamo-nos interpelar e somos consequentes?