Francisco: Um Papa próximo


O jornalista Henrique Monteiro 
e o cronista social Pedro Mexia 
falam sobre o Papa Francisco


O jornalista Henrique Monteiro e o cronista social Pedro Mexia consideram que a atenção da imprensa mundial à volta do Papa se explica pelos seus “gestos simples”.
“O facto da imprensa achar que o Papa Francisco é cool não mostra nada, apenas revela que através dos seus gestos simples agradou a muita gente fora da Igreja”, disse Henrique Monteiro durante a conferência ‘Francisco: Um Papa do fim do Mundo’, promovida pela Agência Ecclesia, Rádio Renascença e Universidade Católica Portuguesa (UCP) para assinalar o primeiro aniversário do pontificado.
“Este último ano serviu para reorientar o foco da Igreja na questão da justiça social o que é muito importante nomeadamente neste momento que se vive, em tempos de crise, e isso toca as pessoas que vivem o desemprego, esta mensagem toca muito as pessoas”, acrescentou o cronista Pedro Mexia que lembrou que o facto de que o “mensageiro conta tanto como a mensagem e este ano mediático tem servido para muita gente conhecer e redescobrir algo que a Igreja sempre defendeu mas que não tinha tanta atenção.”
Para o jornalista e comentador Henrique Monteiro o segredo do Papa Francisco é “a sua linguagem afetiva e próxima, é um homem que fala a cada um e chega a toda a gente, é muito intimista, muito pessoal que fala por parábolas”.
“O papa é aquele tio que toda a gente gostava de ter, que fosse lá a casa dar uns bons conselhos, que manda umas piadas e conta histórias” e isso cria “expectativas não só na imprensa mas também em pessoas simples e até nos não cristãos”.

Ler mais na ECCLESIA 

Comentários