MIRÓ: Há males que vêm por bem



Por causa do leilão de obras de Miró, que um banco  tinha guardadas num armazém, escondidas do público e porventura à espera da melhor altura para ganhar mais uns milhões, o mundo ficou a saber muito mais sobre o grande artista catalão. Esta história, passada como telenovela   nas nossas TV, tanto falou do artista e dos seus quadros, cada um dos quais a valer fortunas, que a arte até saiu valorizada, porque mais conhecida. Não será verdade que imensa gente recorreu à Net para saber algo do artista consagrado e dos seus trabalhos? Penso que sim. Dá mesmo para pensar que há males que vêm por bem... Quero admitir que, sendo o banco menos legal nos seus negócios, como à boca cheia se apregoa,  nos armazéns só havia arte pura, muito longe de cópias ou  falsificações... 

Comentários