Depois da tempestade...



À memória de meu Pai

Depois da tempestade tu partiste,
Qu’ o ciclon’ acalmasse esperaste.
A d’rmir serenamente tu ficaste...
O frémito telúrico não sentiste!

P’ra o Éden acredito que subiste
Ali, a tua Rosa encontraste.
À Luz dos teus olhos te juntaste
Nesta trindade a tua paz consiste!

Que a tua peregrinação sofrida
As marcas que na terra tu deixaste
Nos alcancem a Terra Prometida!

Veredas e caminhos que trilhaste
Foram a nossa bússola na vida,
Que tão sabiamente orientaste!

Mª Donzília Almeida

20.01.2014

Comentários