Peregrinação ao túmulo do Cardeal Cardijn


Fernanda Matias e Maria  Helena 

Um apóstolo da juventude trabalhadora 

A ideia de peregrinar ao túmulo do cardeal Joseph Cardijn, fundador da JOC (Juventude Operária Católica) e, naturalmente, da JOCF (Juventude Operária Católica Feminina), na Bélgica, foi alimentada há anos pela Fernanda Matias e concretizada em 18 de novembro. 
Para os mais novos, o nome deste Cardeal não dirá muito, porém, os mais antigos, sobretudo os católicos ligados à Ação Católica, guardam, das suas iniciativas e métodos pedagógicos, lições que lhes serviram para a vida. Não se estranhe, pois, que a Fernanda Matias, uma jocista comprometida com a pastoral operária e com o testemunho cristão, tenha tornado realidade um sonho de há anos. Nesta viagem participaram, entre outras amigas, a Maria Helena Trindade, que foi dirigente diocesana da JOCF, e o Padre Tomás Marques Afonso, que foi assistente religioso da JOC.



A Fernanda ingressou aos 17 anos naquele organismo da Ação Católica (criada para dinamizar não só a JOC e a JOCF, mas ainda as organizações direcionadas para outros estratos sociais, nomeadamente, estudantes, agrários e independentes), no qual assumiu responsabilidades diretivas e militância ativa. E foi nessa estrutura que aprendeu a ser católica empenhada na promoção da então chamada “classe operária”, seguindo o método do Padre Cardijn, conhecido em todo o mundo por “Ver, Julgar e Agir”, isto é, olhar as realidades da vida e dos ambientes de trabalho, julgar os casos à luz dos ensinamentos da Igreja e atuar em conformidade, no sentido de dignificar os trabalhadores, levando-os a ser agentes qualificados e responsáveis no mundo laboral, na família e na sociedade. 
A Fernanda não escondeu a sua emoção quando avistou a igreja onde repousam os restos mortais de Cardijn, em túmulo colocado numa capela lateral. «Tive uma grande alegria, chorei; nem parecia eu», disse-nos ela. E acrescentou: «Foi uma grande alegria estar junto do túmulo, foi uma graça muito grande e continuo a pensar que sou muito rica de coisas muito boas; e pedi a Cardijn que intercedesse por mim e por todos os jocistas junto de Deus.» 
No encontro com os concelebrantes após a Eucaristia, disse-lhes que tinha estado com o padre Cardijn em Fátima, «num congresso jocista», e que achou por bem peregrinar ao seu túmulo para lhe «agradecer o que de muito bom Cardijn fez pela juventude trabalhadora». 
A Maria Helena, que foi responsável diocesana pelas secções da JOCF das Gafanhas da Nazaré a Encarnação, contou que o «apóstolo da juventude trabalhadora descansa o sono da paz» numa «simples e humilde capela», numa ala da igreja de Notre-Dame, em Laeken. E sublinha: «Na parede do lado direito (…), está uma fotografia de Cardijn a sorrir, parecendo fazer-nos a receção. Foi, para nós, um momento de grande emoção. Sentimo-lo presente e recordámos a nossa vivência, quando, em Portugal, esteve connosco em Lisboa, Fátima e Porto.» 
O presidente da concelebração informou que «estava em curso o processo de beatificação do fundador da JOC». 

Fernando Martins 


Cardeal Joseph Cardijn 

Cardeal Cardijn


Joseph Cardijn foi um dos homens mais influentes, na Europa e no mundo, na primeira metade do século XX. Nasceu a 13 de novembro de 1882, em Schaerbeek, Bélgica, no seio de uma família humilde, e foi ordenado padre em 1906. Seu pai era cocheiro-jardineiro e sua mãe empregada doméstica. 
Depois de algum tempo como professor, foi enviado, em 1912, como coadjutor, para a paróquia de Laeken. A sua primeira preocupação foi conhecer as pessoas, especialmente as dos bairros pobres, onde os seus colegas sacerdotes normalmente não iam, porque considerava fundamental conhecer de perto as ovelhas do seu rebanho. 
Depressa e por experiência própria começa a compreender a vida miserável dos operários, com quem dialoga, na perspetiva de os ajudar a descobrir caminhos para a resolução dos seus problemas familiares, sociais e profissionais. Também sente que os trabalhadores experimentam dificuldades em manter a fé nos ambientes de trabalho. 
Porque acredita que as esperanças operárias não são incompatíveis com as esperanças cristãs, passa a dedicar a sua vida à educação dos jovens, estimulando-os a serem protagonistas da sua libertação, com direitos e deveres. Alargando os seus projetos, em 1920 funda a Ação Católica para chegar a todos os grupos sociais, enquanto a JOC se espalha pelos cinco continentes. Em 1957, constituiu-se oficialmente a JOC Internacional. 
A JOC surgiu em Portugal em 1935 e na Gafanha da Nazaré deu os primeiros passos na década de 40 do século passado. Em 12 de fevereiro de 1965, Mons. Cardijn (como era mais conhecido) foi eleito bispo pelo Papa Paulo VI e nomeado cardeal pela dádiva da sua vida à causa dos jovens trabalhadores. Na noite do 25 de julho de 1967, com 85 anos, Cardijn faleceu. 

FM

Comentários