Natal




A LUZ DA CRIAÇÃO

Foi do fulgor imemorial,
E vindo quase do nada,
Que o mundo se animou
Numa nova alegria criada
Pela simplicidade maternal
Do nascimento do Salvador.

Um anjo deu a novidade
Na lapinha silenciosa:
A paz reinaria inteira,
Depois dessa virtuosa
Noite de claridade
Ser de todas a primeira.

E os pastores de lida apressada
Logo foram em direção
À cidade reconhecida
Ver a maravilha da criação.
E assim fizeram dessa jornada
A aurora da nova vida.



Hélder Ramos

Notas
1. Poema publicado no Timoneiro de dezembro;
2. Foto do meu arquivo, registada num Cortejo dos Reis da Gafanha da Nazaré.

Comentários