“Gafanha da Nazaré: Memória Histórico-Antropológica”

Um livro de Júlio Cirino




No próximo dia 6, sexta-feira, pelas 21 horas, na Escola Secundária da Gafanha da Nazaré, vai ser apresentado um livro de Júlio Cirino, cujo título — “Gafanha da Nazaré: Memória Histórico-Antropológica” — não deixará de despertar vivo interesse, ou não fosse o nosso povo, das mais diversas proveniências, curioso pelo nascimento e desenvolvimento da nossa terra.
A sessão pública conta com um momento cultural, enriquecido pelo “Grupo Portas d’Água”, Coral da Escola Secundária da Gafanha da Nazaré e Coral da Associação do Porto de Aveiro. Haverá ainda leitura de alguns textos e a apresentação da obra ficará a meu cargo.
O mais recente livro de Júlio Cirino (escreveu outros sobre temáticas desportivas) aborda as mais variadas vertentes desta região que começou a ser habitada porventura no século XVII, apresentando uma “Visão Retrospectiva da Vida da Gafanha da Nazaré”. Passa depois por “Espectáculos e Divertimentos”, “Traquinices da Infância e Adolescência” e  culmina com um capítulo sobre “Chás e Mezinhas de outros tempos”.
Pelo que já li, confirmo que se trata de um trabalho que sintetiza oito anos de pesquisas, conversas, encontros, debates e registos dignos de nota, justificando, por isso, o relevo que lhe é devido.
No prefácio, Dinis Ramos salienta, referindo-se ao autor, que sempre foram «companheiros do quotidiano, almocreves da mesma estrada da infância e juventude, até aos dezassete anos, altura em que por imperativos pré-profissionais» se afastaram. Mas logo acrescenta que nos últimos anos fizeram questão de «ir pondo a conversa em dia». 
Dinis Ramos adianta, noutro passo do Prefácio: «Dotado de memória invulgar, o Júlio lá vai desfilando todo um rosário de aventuras da nossa juventude, com pormenores que já havíamos esquecido por insignificantes, ou porque o passar dos anos se encarregou de os arrecadar no sótão do nosso conhecimento…»
Os amantes das nossas tradições, os apaixonados pela história de nossa terra e suas gentes, os que aceitam, como mola-real da vida, a importância do passado nos alicerces do presente e do futuro, decerto marcarão presença na apresentação do livro “Gafanha da Nazaré: Memória Histórico-Antropológica”. 

Fernando Martins

Comentários