O Marnoto Gafanhão - 4

Um texto póstumo de Ângelo Ribau


O Ti "Marendeiro" preparando a bacalhoada

A Botadela 

Cada um pega na sua canastra e toca de acartar a areia dos areeiros para os meios. Os moços mais velhos iam dizendo qual a quantidade necessária para cada meio ao mesmo tempo que, com uma pá grande (pá de arear) iam espelhando a areia, que tinha de ficar com uma espessura tanto quanto possível igual. Para que isso acontecesse usavam uma técnica especial: enchiam a pá de areia e, enquanto a espalhavam, a pá era progressivamente voltada ao contrário, de modo a que quando acabava a areia, a pá estava de pernas para o ar. 
Findo este trabalho, o moço mais velho que era habilidoso a cozinhar, foi tratar da bacalhoada, enquanto eram ultimados outros serviços.
O Ti “Marendeiro” preparando a bacalhoada.
Aproximava-se o meio-dia velho, hora de mais calor, altura em que se deveria abrir o tabuleiro do meio, dando passagem à água das partes de cima para as partes de baixo, onde iria formar-se o sal.
Era um trabalho altamente especializado que ficava a cargo do marnoto. Era executado com a pá do tabuleiro (pá em forma de cunha) que abria uma pequena passagem no portal existente no tabuleiro de meio. Dessa passagem dependia que a marinha “pegasse” bem, isto é, começasse a fazer sal logo no dia seguinte, ou não. Era uma greta pequena, para permitir a passagem de uma pequena quantidade de água, que vagarosamente se ia espalhando pela areia do meio.


Este serviço tinha de ser executado em todos os meios, um a um. Era um trabalho moroso, numa marinha que tinha cerca de cerca de cento e cinquenta meios.
Quando todas as passagens estivessem abertas, era dada uma volta mais rápida pelos tabuleiros. “Abre mais um pouco este, que a parte de baixo ainda tem pouca moira!”; mais além “Aperta um pouco a passagem com a pá e vai apertando a lama com o pé, que o meio já tem quase a moira suficiente!”
Quando a água passava das partes de cima para as de baixo (depois da botadela) era-lhe dado o nome de moira.
Agora, enquanto o tabuleiro se amanhava, o pessoal aproveitava para almoçar.
A comida era despejada do panelão para uma travessa grande e todo o pessoal comia dessa travessa. Cada um pegava no seu garfo, partia um pedaço de broa e toca a comer, que a manhã tinha sido de muito trabalho e tinha puxado pelo corpo…
No final da refeição, aquele que não estivesse satisfeito, pegava num bocado do miolo da broa que tivesse sobrado e fazia migas no resto do caldo da bacalhoada. Era saboroso. Mas, azar, não tínhamos trazido colheres! Só uma colher de pau grande, que serviu para mexer a comida enquanto era cozinhada e para a provar, para saber se estava bem temperada. “Não faz mal. Come um de cada vez e anda à roda”, foi o alvitre. Assim fizemos e não constou que alguém tenha adoecido!
Tinha acabado a botadela.
Agora havia que amanhar a marinha (pôr água nas zonas que haviam ficado em seco), serviço que passaria a ter de ser feito todos os dias. Foram fechados todos os portais dos tabuleiros do meio e abertos os furos com um moiradoiro que permitiam a passagem da água das canejas para as partes de cima.
A ligeira aragem que se fazia sentir e mexia a água que ia entrando, era a indicação da quantidade de água necessária. Nestes casos a prática é tudo!
Assim, foram "amanhados" (repostos os níveis de água) nas sobre-cabeceiras, nos talhos e nos algibeses, ficando a marinha amanhada para o dia seguinte. Nestes, não eram abertos furos, pois em cada um havia uma pequena bomba que era aberta para a passagem das águas, levantando-se as palmetas.
E assim se passou o dia da botadela. Eram cinco horas da tarde, de um domingo qualquer, de um mês de Julho de um ano qualquer…
Toca a arrumar as alfaias no palheiro, o moço mais novo com a jarra da água, agora vazia, ao ombro, e bota p´ra bateira de regresso a casa. Içava-se a vela, que o norte era fresco, e aí vínhamos nós!
Chegados à seca do Egas, amarrava-se a bateira ao moirão com o cadeado. Só agora estava terminado o dia. Salta para terra…
Estava terminado o domingo, dia de trabalho. E porque era domingo, nesse dia não haveria trabalho na terra.


(Continua...)

Comentários