quarta-feira, 31 de outubro de 2012

O Dia das Bruxas

Maria Donzília Almeida



Hoje, comemora-se no mundo anglo-saxónico, o famoso Hallowe'en, ou Dia das Bruxas!
As crianças andam de porta em porta, a repetir a lenga-lenga: Sweet or treat!
Smell my feet!
Give me something good to eat!

É uma tradição de longa data, muito comemorada nos países referidos.
Cá, em Portugal, como somos uns imitadores, por excelência, importámos as manifestações materiais da celebração! Somos exímios nisso, na pura imitação, mas, habitualmente, só no pior sentido.
Até aqui, nas Gafanhas vemos as bruxinhas e fantasmas, a pulular pelas ruas, à noite, a tocar às campaínhas das portas, a pedir guloseimas às pessoas! Eu que lido com as tais criancinhas no local de trabalho, em sentido de trabalho e cooperação, nem sempre na melhor relação pedagógica, tenho alguma dificuldade em lidar com o seu à vontade e até, algum atrevimento, neste particular. Algumas são acompanhadas pelos paizinhos, que vêm de carro, atrás do cortejo, dando o apoio logístico que acham necessário!?
Desvirtuação da nossa realidade e apropriação do que nada tem a ver com a nossa cultura! Quando deixaremos de ser meros imitadores de passerele e nos afirmamos nos nossos genuinos costumes e tradições, que são tão ricos?

31.10.2012


- Posted using BlogPress from my iPad

A riqueza do homem é a sua pessoa e não o seu dinheiro

 


ALEGRAI-VOS E EXULTAI
Georgino Rocha

É apelo, que se faz convite e exortação, dirigido por Jesus aos discípulos ao terminar o ensinamento sobre as bem-aventuranças. E a justificação vem logo a seguir: “Porque é grande nos Céus a vossa recompensa”.
Os discípulos são aconselhados a viverem na alegria exultante as situações de difamação e insulto, de perseguição e enxovalho à sua dignidade; situações criadas “por minha causa”, por serem coerentes com as atitudes de Jesus, o divino Mestre; atentados provocados por quem não tolera mais o seu estilo de vida, o seu testemunho.
O quadro de referências está traçado, os termos são claros, é grande a provocação e maior o desafio. A novidade da proposta de realização feliz de toda a pessoa vai ser solenemente anunciada. No cimo da montanha, como outrora Moisés no Sinai, Jesus declara honoráveis os pobres por decisão própria, os espoliados injustamente do seu nome e dos seus bens, os generosos voluntários da paz, os perseguidos por defenderam a justiça. A honorabilidade provém de Deus porque estas atitudes refletem e concretizam as suas preferências e o seu agir, continuam na história o estilo de vida do seu Filho Jesus e vão-se configurando no proceder de cada discípulo e de cada comunidade cristã.

“O país aguenta mais austeridade?... Ai aguenta, aguenta”

Aguentará mesmo?




«O presidente executivo do BPI, Fernando Ulrich, afirmou esta terça-feira [ontem] que o país tem de aguentar mais austeridade e mostrou-se “chocado” com “pessoas com responsabilidade” que querem levar Portugal para a situação da Grécia.»


Às vezes nem sei o que passa pela cabeça de algumas  pessoas para fazerem as afirmações que fazem, O presidente do BPI é uma dessas. Já nos habituou a tiradas destas, fazendo de nós uns analfabetos reais ou em potência.  Se ele dissesse que alguns portugueses podem e devem suportar mais austeridade, como ele e outros que ganham fortunas por ano, com ordenados de luxo, regalias, prémios e nem sei que mais, estaria a dizer coisa certa. Mas  Fernando Ulrich esqueceu-se da grande maioria que vive com o salário mínimo, reformas miseráveis ou, pior ainda, que está no desemprego. Será que os portugueses poderão mesmo sobreviver, com o mínimo de dignidade, com os rendimentos modestíssimos que possuem?  

Li aqui

A esperança e a crise

"A esperança é o único bem comum a todos os homens"

Nos dias de hoje, muito difíceis, o que nos vale, se é que vale, é a esperança. Se a perdermos ou se duvidarmos da sua existência nos nossos pensamentos, ficaremos muito mal. 

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Jeremias Bandarra na Igreja da Senhora da Saúde


Um artista multifacetado com grande sensibilidade



O Jeremias Bandarra é um artista multifacetado, com Aveiro sempre presente. Pertence a uma família de artistas e sua filha, a Sara Bandarra, já lhe segue os passos há muito. A arte está no ADN dos Bandarras e penso até que, por isso, brota deles naturalmente. Talvez por isso, estão frequentemente a ser solicitados.
O Jeremias Bandarra alia às artes uma sensibilidade muito grande, Quantas vezes, ou sempre, marcada por uma espiritualidade que me toca profundamente. Por isso o admiro ainda mais.
Quando um dia destes fui à Costa Nova, numa visita matinal, não podia deixar de visitar o Jeremias, onde sabia há muito que ele “morava” ali num recanto de serenidade e de paz — a Igreja de Nossa Senhora da Saúde. E então aqui deixo um convite para que passem por lá, nem que seja apenas para se inebriarem com as suas cores, traços e tonalidade, barcos e mar, mas também com o sentido do belo que nos envolve e nos guia, com o anjo  a alumiar a rota. 

domingo, 28 de outubro de 2012

Mais atentos ao que é nosso



Gosto de sentir que, entre gafanhões, há muitas ideias sobre a Gafanha da Nazaré, no sentido de a tornar mais apetecível para viver e usufruir. Ainda bem. Nas conversas informais, onde quer que estejamos, há sempre quem adiante sugestões interessantes que, se levadas a cabo, seriam uma mais-valia para o desenvolvimento de muitos setores.
A Gafanha da Nazaré tem diversas instituições que nasceram graças à visão de muitos conterrâneos nossos, quer de âmbito cultura e social, desportivo e religioso, académico e profissional, mas também económico e recreativo. Contudo, algumas delas raramente recebem por parte das pessoas um apoio declarado, uma atenção interessada ou um simples olhar de simpatia.
Acho, portanto, que temos de estar mais atentos ao que é nosso.

Nota: Um texto que encontrei perdido nos meus arquivos.

- Posted using BlogPress from my iPad

Já chega de concílio?

Li no PÚBLICO de hoje




- Posted using BlogPress from my iPad

Dia Mundial da 3.ª Idade: 28 de outubro

Por Maria Donzília Almeida




Quando o Zé viu a Maria
Seu rosto se iluminou
E num golpe de magia
A Luz se incendiou!

Sentou-se à beira do ancião, com o bloco de notas na mão. Ia fazer-lhe uma entrevista.
A conversa fluía...numa moldura de afetividade. Falou dos seus tempos de juventude, da sua ida para a tropa, em 1940, com 20 anos, do seu regresso, no dia em que completava 22 anos. Foi aí, a sua primeira grande aprendizagem da vida. O tempo de recruta foi passado em Tancos, na arma de engenharia, segundo explicou. Havia várias especialidades, dentro daquela: os mineiros, os sapadores mineiros, os automobilistas e os sapadores caminhos-de-ferro.
À memória vinham as cenas dos bons velhos tempos, em que havia energia em superavit. A interlocutora ouvia, extasiada, a imaginar aquele belo mancebo, esbelto de 1,70m, e observava o brilho que assomara aos olhos do seu progenitor. No ano de 1940, houve um verão muito quente, pelo que. o Ministério da Guerra, que em 1950 passou a designar-se Ministério do Exército, tomou uma medida muito popular: os recrutas eram poupados aos rigores da canícula, na instrução militar, logo após o almoço. Assim, foi instituída “la siesta”, como dizem os nuestros hermanos! Numa época em que estavam, no poder, homens inteligentes, havia políticas que defendiam os interesses e a integridade física dos mancebos. É assim que se tem o povo nas mãos, indo ao encontro das suas necessidades!

sábado, 27 de outubro de 2012

Santa Maria Manuela na Figueira da Foz






O Lugre histórico de quatro mastros, Navio de Treino de Mar “SANTA MARIA MANUELA”, está de visita à cidade da Figueira da Foz este fim de semana, encontrando-se aberto a visitas no Sábado e no Domingo, das 10 às 22 horas
O Comandante e a sua tripulação terão todo o gosto em receber a bordo os visitantes dar-lhes e todas as informações sobre o navio, a sua história e a sua actual actividade.

Li aqui
- Posted using BlogPress from my iPad

A lição da vida

"Não aprendeu a lição da vida quem não vence um medo a cada dia"

Ralph Waldo Emerson (1803-1882)

É bem verdade. O importante é enfrentar os medos e ultrapassá-los com coragem. Todos os dias, todos os momentos, com determinação. Dos medrosos e dos fracos não reza a história.


- Posted using BlogPress from my iPad

Dia Nacional da Desburocratização:27 de outubro

Maria Donzília Almeida

Sátira

Desburocratização?
Que raio de palavrão!
Nesta pequena nação,
Mergulhada em corrupção,
Será sonho, ou ambição?
Utopia ou maldição?
É grande preocupação
Para o humilde cidadão,
Que gasta um dinheirão
Em tempo e consumição!
Mas, ali mesmo à mão,
Ao virar da esquina, ou não.
Fica a Loja do Cidadão!
Há uma enorme multidão
Que anseia uma solução
No meio da profusão
De gente atrás dum balcão!
Nunca há antecipação.
A espera é uma aflição
Sempre com o ticket na mão;
Às vezes uma imprecação,
Outras, a mera intenção
Entra em interação!
Chega a vez, é uma bênção!
Desburocratização?
Consumou-se? Ainda não!!!



- Posted using BlogPress from my iPad

Da nossa vida podemos fazer uma obra de arte ou um desastre

Luto(s). Por quem os sinos dobram

ANSELMO BORGES

Várias vezes me perguntaram por que é que não escrevia algo sobre o(s) luto(s). Aí fica então a tentativa (hoje e no próximo sábado) de satisfazer esses pedidos. E faço-o nesta ocasião, porque, num tempo em que a morte se tornou tabu - o último tabu -, as nossas sociedades permitem que os mortos nos visitem nestes dias, concretamente 1 e 2 de Novembro.
O dia 1 será este ano feriado nacional pela última vez. Permita-se-me, neste contexto, que manifeste a minha total discordância pelo facto de, na negociação do fim de dois feriados religiosos, a Santa Sé - o Vaticano, na linguagem corrente - ter optado por cortar o dia de Todos os Santos em vez do dia 15 de Agosto, Assunção de Nossa Senhora. Afinal, já havia uma festa dedicada a Nossa Senhora, a Imaculada Conceição, no dia 8 de Dezembro. E os dias 1 e 2 de Novembro são mais universais, pois são os dias da Memória e da Interrogação.

A necessidade força-o a pedir esmola


CORAGEM! ELE ESTÁ A CHAMAR-TE

Georgino Rocha


Esta exortação “faz a ponte” entre o grito confiante de Bartimeu e a atenção que Jesus lhe quer dispensar. Condensa e exprime o desejo recíproco do encontro, do diálogo pretendido, da compaixão suplicada. Evidencia a situação de quem está retido à beira dos caminhos da vida e dos que livremente vão fazendo o seu percurso, integrando-se nas multidões ou acolhendo-se a grupos de preferência.
Marcos narra o episódio do cego de Jericó, colocando-o pedagogicamente após a tensão surgida entre os apóstolos por causa de saber quem entre eles é o maior e antes de se “fazerem ao caminho” que o Mestre decididamente ia tomar rumo a Jerusalém. Aqui, se desvendará quem é o primeiro no reino de Deus: o que, por amor, a tudo se sujeita, mesmo à morte de cruz. O autor pretende “desenhar” o perfil do verdadeiro discípulo.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Será que somos capazes de escutar o clamor dos pobres?


Verdade nas palavras e nos gestos

Por António Marcelino


Dói e incomoda ver a Igreja dizer que “As alegrais e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens do nosso tempo” são as suas e as dos discípulos de Cristo e “que nada existe de verdadeiramente humano que não encontre eco no seu coração”. O bem não tem história, é verdade, e o que se faz de bem considera-se normal na linha do Evangelho de Cristo. Mas qual deve ser a leitura das omissões, das indiferenças, das insensibilidades que levam a não considerar as prioridades das pessoas, quando não mesmo a esquecê-las ou menosprezá-las? As épocas de crise que afetam a vida das pessoas são especialmente propícias para considerarmos as nossas atitudes, gestos de partilha, prioridades pessoais e comunitárias. É verdade que as instituições da Igreja estão, em todo o lado, na fila da frente no apoio às vítimas das crises sociais. Mas elas não agem por procuração e, em muitos casos, pouco podem contar com os diversos membros e instâncias da Igreja, mormente quando programam e gastam como se vivêssemos no melhor dos mundos.
Será que todos nós, cristãos, somos capazes de escutar o clamor dos pobres, como grito que não permite delongas e nos convida a rever, com coerência, o que fazemos e o que deixamos de fazer? 

Pablo Picasso nasceu neste dia

25 de outubro de 1881

Guernica (da rede global)

Picasso, um dos maiores génios da pintura universal, nasceu neste dia de 1881. Faleceu em 1973. 
As efemérides que celebramos servem para nos recordarem aqueles que da lei da morte se libertaram, no dizer sábio e poético do nosso Camões. 

Sobre Picasso, por ler aqui

Congresso da Região de Aveiro 2013

27 e 28 de fevereiro




O Conselho Executivo da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA) deliberou marcar o Congresso da Região de Aveiro de 2013 para os dias 27 e 28 de Fevereiro, estando neste momento a ultimar alguns pormenores do seu programa, que será apresentado publicamente até final de Novembro 2012. 
A CIRA pretende que, à semelhança do Congresso da Região de 2011, seja criado um momento de apresentação, discussão e debate dos principais assuntos e projectos da Região de Aveiro.

Fonte: CIRA

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Santuário de Schoenstatt acolhe peregrinação diocesana

Domingo, 28 de outubro, 15.30 horas


«No próximo domingo, dia 28, o Santuário de Schoenstatt, na Gafanha da Nazaré, acolhe a já habitual peregrinação diocesana para celebrar a festa do Santuário. 
A peregrinação tem o seguinte programa: 15h30 – Acolhimento; 15h45 – Apresentação do momento celebrativo, em Schoenstatt (Alemanha), da coroação de Mãe Peregrina como Rainha da Nova Evangelização, presidido pelo Arcebispo Rino Fisichella, presidente do Conselho Pontifício para a Nova Evangelização. 16h20 – Oração do Terço; 17h00 – Eucaristia presidida por D. António Francisco, Bispo de Aveiro.

Tabaco: Plano de desabituação


Encontrei, em tempo que já lá vai, estes avisos num café de Buarcos. Numa época, como a atual, de apertar o cinto, vem mesmo a propósito. Deixar de fumar sempre deixa uns euritos no bolso por mês. E também faz muito bem à saúde. 

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Maneiras de ver a vida

"Há duas maneiras de se ver a vida: Uma é pensar que não existem milagres e a outra é acreditar que tudo é um milagre."

Albert Einstein (1879–1955)


Nota: O sábio chama a nossa atenção para o problema dos milagres. É como ele diz. Uns pensam que há milagres nas suas vidas a toda a hora; outros pensam precisamente o contrário, isto é, que os milagres são muitas vezes o fruto do nosso empenhamento, do nosso trabalho, da nossa persistência. Eu alinho mais nesta forma de vida. Estarei enganado?

- Posted using BlogPress from my iPad

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Igreja de Aveiro em Missão Jubilar

A Igreja Aveirense abriu ontem as portas para celebrar os 75 anos da restauração da Diocese de Aveiro, que aconteceu em 11 de dezembro de 1938. Até lá, vai vigorar entre nós, nesta diocese de mar e serra, o espírito de missão, com um programa dinamizador multifacetado e abrangente, capaz de renovar mentalidades e de acolher contributos que nos estimulem na construção de um mundo mais fraterno.
Diz o nosso bispo, D. António Francisco, que chegou a hora de levantar as amarras deste barco que é a Igreja Aveirense. Oxalá saibamos todos remar na mesma direção, em sintonia com as verdades que nos unem e com as certezas que nos animam, enquanto batizados.




«Hora de levantar as amarras deste Barco que é a Igreja, que queremos renovada na caridade, educadora da fé, Igreja orante, família de famílias, rosto de esperança para o mundo, para que saibamos colocar Deus nos novos mares da família, da escola, da profissão, da vida pública e da cultura e em tantos espaços humanos desertos, sem vida, sem fé, sem esperança e sem amor.

Hora para erguer e alargar a tenda de Deus, nas areias das nossas praias, nas planícies dos nossos campos, nas colinas das montanhas da nossa terra, nesta nova geografia da missão e neste tempo único da evangelização, uma tenda onde Deus envolva a nossa humanidade e aconchegue as feridas de tantas dores e as ânsias causadas por todos os medos.

Hora de mensagem levada às crianças e aos jovens, que lhes fale, em linguagem, por eles entendida, e em exemplos de vida, de que estão ávidos, da alegria de acreditar e do testemunho feliz da vocação que se refletem na beleza do nosso ministério, na diversidade dos carismas da vida consagrada e no amor das famílias.

Hora de oração, de celebração e de formação da fé, de vivência em comunidade cristã e em movimentos apostólicos, de abertura a novas compreensões do mundo e de diálogo com os não crentes, neste território comum de procura de sentido, onde a fé se faça companheira da vida e do futuro da humanidade.

Esta é a hora para edificar um santuário de gratidão aos sacerdotes, ali bem perto do Seminário, coração da Diocese, para que à esperança acrescida de novas vocações, que já vemos surgir, se alie o testemunho abençoado de tantas vidas dadas a Deus nesta Igreja de Aveiro.»

Ler mais aqui


- Posted using BlogPress from my iPad

Neste dia nasceu Franz Liszt

22 de outubro de 1811





Ver aqui

Não deitem a perder um património de esperança

No PÚBLICO de ontem



- Posted using BlogPress from my iPad

Chegada do outono: 23 de setembro

Por Maria Donzília Almeida


Couve-galega


O Outono pachorrento,
Com seus matizes de cor.
Abre a porta à chuva, ao vento
E à paleta do pintor!

Ainda há dias, referi as estivais temperaturas da estação cessante, a imiscuírem-se neste Outono incipiente e eis que a chuva e o vento, característicos da nova época, se fazem anunciar e entram em força!
Nunca, como hoje me senti tão agradecida ao Criador, na pessoa do seu assessor S. Pedro. Quando, no seu dia, 29 de Junho, plantei, na horta, a que os Ingleses, poeticamente, chamam, kitchen-garden, um punhado de couve-galega, entreguei nas mãos do santo a supervisão celeste da minha plantação!
Passaram três meses de pleno verão, com temperaturas altas a contrariar a vontade das couves de crescerem e ficarem viçosas, na promessa de um saboroso caldo verde.

domingo, 21 de outubro de 2012

Dia Mundial das Missões - 21 de outubro

Papa quer Igreja em «estado de serviço»

Bento XVI

«Bento XVI apelou hoje no Vaticano a uma Igreja em permanente “estado de serviço” à humanidade e a Deus, elogiando o testemunho de vida dos novos santos que proclamou no Dia Mundial das Missões.
O Papa falava durante a cerimónia de canonização de sete beatos católicos, entre os quais a primeira beata indígena norte-americana, Kateri Tekakwitha, nascida em 1656 no que é hoje o Estado de Nova Iorque (EUA) e falecida em 1680, no atual Canadá.
“Com coragem heroica eles consumiram a sua existência na consagração total a Deus e no serviço generoso aos irmãos. São filhos e filhas da Igreja, que escolheram a vereda do serviço seguindo o Senhor”, precisou.
Diante de milhares de pessoas reunidas para a celebração, Bento XVI apresentou detalhes sobre a vida de cada um dos novos santos, pedindo que os mesmos sejam “um encorajamento e um modelo” para os fiéis.
Falando de Tekekwhitha, o Papa elogiou “a firmeza na sua vocação tão particular na sua cultura. Nela, fé e cultura se enriqueceram mutuamente”.»

Fonte: Ecclesia

sábado, 20 de outubro de 2012

Um livro de Domingos Cardoso: Trabalho pioneiro no nosso país


Rita Marnoto na apresentação do livro 
“Pedras sem Tempo do Cemitério de Ílhavo” 

O Cemitério de Ílhavo 
faz parte do nosso brio, dos nossos afetos 

Rita Marnoto na apresentação do livro com Domingos Cardoso

«O nosso cemitério é único, não há outro, faz parte do nosso brio, dos nossos afetos, com as campas sempre arranjadas», disse Rita Marnoto, investigadora e responsável pela área de Estudos Italianos da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, na apresentação do livro “Pedras sem Tempo do Cemitério de Ílhavo”, de Domingos Cardoso. A sessão decorreu no Hotel de Ílhavo, hoje, pelas 16 horas, com animação musical da Academia de Saberes de Aveiro e com a presença de muitos ilhavenses e outros amigos do autor. 
Rita Marnoto, numa autêntica lição de história, referiu que há quem venha a Ílhavo para apreciar o cemitério e «o seu silêncio», frisando que «o homem começou a celebrar os mortos antes de saber escrever». Disse que os monumentos mais antigos da humanidade são os monumentos funerários, havendo registos do século XVIII antes de Cristo. 

Na hora dos autógrafos

Reconhecendo que «na hora da morte somos todos iguais», sublinhou que «nem sempre foi assim». E se há túmulos de reis e bispos, a verdade é que o povo era ignorado na hora da morte e os seus restos mortais não tinham lugar na história; talvez fossem enterrados envoltos num simples lençol. Até Camões terá sido sepultado sem um simples lençol, lembrou a apresentadora da obra de Domingos Cardoso. 
A investigadora ilhavense afirmou que o livro “Pedras sem Tempo do Cemitério de Ílhavo” reflete um trabalho aturado do autor, com investigação e estudos a condizer, mas também com «magníficas fotografias» e excelente papel. E questionou-se: «Como é que uma relação tão íntima passa para um livro?» Trata-se de um trabalho pioneiro no nosso país, garantiu Rita Marnoto, salientando que nele se regista o modo como as pessoas vivem e morrem, sejam pobres ou ricas, mas também como se organiza um cemitério, «que é como uma cidade». 
A apresentadora da obra refletiu sobre os símbolos que mereceram uma atenção especial do autor, sendo assinalável a simbologia marítima, com âncoras e cordas. Afirmou, entretanto, que no cemitério contactamos com o sagrado, bem representado nos familiares que ali estão sepultados. Afinal, lembrou, «os cemitérios mostram-nos como estamos perto de Deus». 

Coral da Academia dos Saberes

Domingos Cardoso contou como lhe surgiu a ideia de abordar este tema. Foi há três anos, quando participava nas cerimónias de 1 de novembro. Olhou com atenção um túmulo da família Malaquias e nele contemplou «a densidade das pedras». E o trabalho começou com a pesquisa em arquivos e a leitura aturada para descobrir a história do cemitério de Ílhavo. Encontrou relatos extraordinários relacionados com os nossos antepassados, sobre as suas vidas e sobre o crescimento da nossa cidade. E reconheceu «que o que está no cemitério está à vista de todos, mas nem todos veem». O autor ainda homenageou neste trabalho  aos seus pais e demais antepassados.
O livro, que foi uma edição de autor, pode ser pedido a Domingos Cardoso pelo telefone (234185375) ou por e-mail dfc46@gmail.com
Sobre o livro “Pedras sem Tempo do Cemitério de Ílhavo” direi mais quando o ler. 

Fernando Martins

O otimismo

"O otimismo é a força de esperar quando os outros se desesperam, a força de ter a cabeça levantada quando parece que tudo acabou"

Dietrich Bonhoeffer (1906-1945)

Nota: Face às dificuldades sentidas e anunciadas, se não cultivarmos o otimismo não chegaremos a lado nenhum.


- Posted using BlogPress from my iPad

Missão Jubilar: da Diocese de Aveiro

Abertura: Amanhã, domingo, 
na Sé de Aveiro, pelas 14.30 horas




Amanhã, domingo, 21 de outubro, vai acontecer na Sé de Aveiro, pelas 14.30 horas, a abertura da Missão Jubilar, uma iniciativa que visa celebrar os 75 anos da restauração da nossa Diocese, que ocorreu em 11 de dezembro de 1938. A partir de domingo, por esse motivo, a Igreja Aveirense vai viver, até dezembro de 2013, um ano pleno de atividades, num espírito de abertura ao mundo e em missão, com o envolvimento de todos os católicos que assumiram a sua condição de batizados. 
Importa, por isso, que todos os católicos estejam atentos à dinâmica da Missão Jubilar, animados pelo desejo de colaborar e na esperança de que a Boa Nova de Jesus Cristo venha a contribuir, realmente, para a construção de um mundo melhor, assente na verdade, na justiça, na caridade e na fraternidade.

A economia é tudo menos uma ciência exacta.

O monoteísmo do capital financeiro e a felicidade

Por Anselmo Borges


De finanças o meu conhecimento é praticamente nulo. De ciência económica, quase. Mas não fico muito aflito, pois o que noto é que entre os economistas a confusão é imensa, tornando-se cada vez mais claro que, afinal, a economia é tudo menos uma ciência exacta.
Mas vamos ao capital, que é mesmo capital, como diz o étimo: caput, capitis (cabeça), necessário e até essencial para a existência humana. Seguindo em parte uma taxonomia de P. Bourdieu, X. Pikaza apresenta os diferentes sentidos de capital.
Nos capitais simbólicos, encontramos o capital sócio-cultural - o conjunto das riquezas simbólicas dos grupos e da humanidade, começando na língua e continuando nas tradições, nas esperanças de futuro, nas artes e tecnologias, nos saberes tradicionais e nos novos saberes científicos e técnicos - e o capital ético, incluindo os diferentes domínios da vida, no plano social, laboral, jurídico, abrangendo, portanto, o capital político, jurídico, religioso...

Ninguém nasce para a mediocridade

O CAMINHO DA GLÓRIA

Por Georgino Rocha


A aspiração a alcançar a meta dos seus sonhos e a ver-se reconhecido constitui um dinamismo vital do coração humano. Ninguém nasce para a mediocridade, nem é feliz ficando a meio do caminho. A desconsideração de si mesmo é um atentado à dignidade e à vocação ao crescimento. O apreço das capacidades e o reconhecimento dos limites, bem geridos, abrem as portas à realização do desejo original que sempre nos acompanha. As circunstâncias em que vivemos condicionam e podem potenciar esta realização. O esforço pessoal e o apoio solidário, incluindo a graça de Deus, completam as “ferramentas” a ter em conta no peregrinar constante da vida ascendente.

“Todo o nosso estilo de vida – afirma Henri Nowen no seu livro “O estilo desinteressado de Cristo” – está estruturado em torno à subida pela escala do êxito e pelo triunfo na cúspide. A nossa própria sensação de vitalidade depende de ser parte do impulso ascendente e do gozo proporcionado pelas recompensas usufruídas no caminho para o cume”.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Morreu o escritor Manuel António Pina

A minha singela homenagem





Em breve partirei de novo
e caminharei por desertos e por desastres
e por leituras exasperadas e citações,
entre palavras, sem ninguém real que me espere e me abra a porta.

O jantar arrefecerá na mesa,
os meus livros desesperarão
e não haverá sentido que os conforte
e o meu nome, se tiver um nome, não me responderá.

E no entanto um fio de tempo ou um fio de sangue,
ou então algo ainda menos palpável,
o que partiu e o que ficou regressando um ao outro
por galerias intermináveis e sonhos desfigurados,
ausentes um do outro, desaparecendo um no outro
como se esgota a água no fundo de um poço.

Manuel António Pina,

Em “Como se desenha uma casa”

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Moby Dick de Herman Melville

Por Maria Donzília Almeida




Para os apreciadores de literatura norte-americana, como eu, aqui vai uma notinha alusiva ao escritor e sugerida pela Google através dum Doodle. Quem não se lembra das aventuras de Mobby Dick de Herman Melville?

Herman Melville (August 1, 1819 – September 28, 1891) was an American novelist, short story writer, essayist, and poet. He is best known for his novel Moby-Dick. His first three books gained much contemporary attention (the first, Typee, becoming a bestseller), and after a fast-blooming literary success in the late 1840s, his popularity declined precipitously in the mid-1850s and never recovered during his lifetime.

When he died in 1891, he was almost completely forgotten. It was not until the "Melville Revival" in the early 20th century that his work won recognition, especially Moby-Dick, which was hailed as one of the literary masterpieces of both American and world literature. He was the first writer to have his works collected and published by the Library of America.


- Posted using BlogPress from my iPad

Manuel Capitolino Pata: Ação Católica e Bíblia


Manuel Pata

Tudo o que sou o devo à Ação Católica 

Manuel Capitolino Pata, 79 anos, casado com Angelina Ribau, seis filhos e sete netos, é militante da Ação Católica desde praticamente a infância, por influência de seu irmão António Pata, um dos fundadores da JOC (Juventude Operária Católica) na Gafanha da Nazaré. Por volta dos dez anos, começou a ler o jornal “O Trabalhador” de que seu irmão era assinante e distribuidor nos ambientes de trabalho e não só. Defendia este jornal, onde pontificava o Padre Abel Varzim, a aplicação da Doutrina Social da Igreja no mundo do trabalho e da vida em geral. 
Desde essa altura e ainda hoje o Manuel Pata mantém-se nos quadros da Ação Católica, agora na LOC (Liga Operária Católica), neste caso depois do seu casamento. Presentemente é coordenador da secção daquele organismo na Gafanha da Nazaré e membro da equipa diocesana. Há anos, porém, a LOC ligou-se ao Movimento de Trabalhadores Cristão, ao assumir uma perspetiva mais ampla, já que os trabalhadores não se enquadram na sua generalidade no operariado. 
Quando nos falou das suas leituras de menino e jovem, sobretudo do jornal “O Trabalhador”, frisou a importância da ação do Padre Abel Varzim, formado em sociologia na Bélgica, onde se apaixonou pela defesa dos operários. Defendia os sindicatos livres e a aplicação da Doutrina Social da Igreja na vida toda, como essencial à promoção da dignidade do ser humano. 
A partir das leituras, a curiosidade instalou-se no espírito do Manuel Pata, ainda menino e jovem. Daí surgiram um sem-número de perguntas que dirigia ao irmão António, muitas delas sobre a situação dos trabalhadores que «viviam miseravelmente, sem nenhumas condições de vida, sem liberdade, sem higiene e sem direitos no trabalho». E quem olha para o presente, em que os trabalhadores têm liberdade de falar e de reivindicar os seus direitos, não faz a mínima ideia do que era antes do 25 de Abril, frisou o nosso entrevistado. 

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Ronaldo - Ostentação é hoje Provocação

Situações tabu, com laivos de escandalosas

Por António Marcelino

Há sempre coisas na sociedade que não as vemos apreciadas, como seria normal, na comunicação social, sempre pronta para descobrir ou inventar escândalos. No contexto nacional, elas têm picos que podem sempre magoar, por isso apenas se noticiam. Disseram os jornais que o nosso “superman” do futebol comprou agora mais um automóvel por 400 mil euros, para a sua coleção, que já havia sido aumentada, em fevereiro passado, por mais um outro de igual teor. Também, em notícia discreta, se dizia de quantas casas luxuosas, espalhadas por aí fora, ele era já proprietário. Aparece assim, com todo o seu valor desportivo, como o herói do ter, do poder e do gozar, que por outras razões, o não esquecem os “media”. A tal ponto que os miúdos da escola já dizem que, quando forem grandes, querem ser como o Ronaldo…

Há mesmo quem ganhe muito dinheiro

Garante o EXPRESSO 

Veja os rendimentos de 15 políticos portugueses antes e depois de passarem pelo Governo. E se calhar alguns ainda se queixam. Não terá grande interesse ser ministro, mas que vale o sacrifício, lá isso vale. O melhor vem depois. Pois claro. 


Aprecie  aqui

Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza: 17 de outubro

Por Maria Donzília Almeida


Com a situação económica, calamitosa, que se vive, hoje, em Portugal, está a emergir um fenómeno social, sobre o qual se têm vindo a debruçar os sociólogos.
A classe média portuguesa, que vinha conquistando terreno e na qual se posicionavam os professores, conhece hoje um amargo da pobreza. Há fome envergonhada e não assumida, que leva a um índice preocupante de suicídios. São fruto do desemprego e do endividamento crescentes.
O alarme vem das instituições de solidariedade social, como a Cáritas ou o Banco Alimentar contra a Fome. À porta do Centro de Emprego, acorrem, diariamente, homens e mulheres que depois de terem perdido o emprego, ficaram sem casa, que pagavam ao banco, a prestações, dependendo do ordenado que auferiam. Vêem-se obrigados a pedir guarida em casa de familiares e chegam a confessar que pouco mais comem que pão com manteiga! É triste a situação, tanto mais que isto está a acontecer a licenciados, uma classe que noutros tempos, tinha emprego garantido. Os pais são a última instância a que recorrem.

Um livro de Domingos Cardoso


Texto de Cardoso Ferreira, 
no Correio do Vouga


Pedras sem Tempo do Cemitério de Ílhavo



A apresentação do livro “Pedras sem Tempo do Cemitério de Ílhavo”, da autoria de Domingos Freire Cardoso, pela investigadora ilhavense Rita Marnoto, responsável pela área de Estudos Italianos da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, terá lugar no Hotel de Ílhavo, no próximo sábado, pelas 16 horas.
Foi no dia 1 de novembro de 2009, no decorrer da tradicional romagem ao cemitério do Dia de Todos os Santos, que Domingos Freire Cardoso teve a ideia de escrever um livro sobre o Cemitério de Ílhavo, um espaço “sobre o qual ninguém se debruçou para o estudar”. “O cemitério é um bem de todos e, como tal, precisa de ser estudado, preservado e entendido”, afirma o autor. O livro também surgiu como “uma homenagem aos antepassados que lá estão sepultados e também às pessoas que criaram o cemitério e contribuíram para o seu melhoramento”.
Até à grande epidemia de 1833, que vitimou milhares de pessoas em Portugal, as pessoas, principalmente as mais ricas e as do clero, eram enterradas dentro das igrejas, e as mais pobres nos adros das igrejas. No dia 21 de setembro de 1835, foi publicado um decreto que proibia o enterramento dentro das igrejas. Domingos Freire Cardoso sublinha que “grande parte do povo não compreendeu essa medida, importante, até sob o ponto de vista de higiene e saúde pública, medida que também foi mal explicada por alguns membros do clero, de que resultou a Revolta do Minho”.
No entanto, em Ílhavo, “o povo acatou muito bem essa medida. Em 4 de maio de 1836 deu-se início à construção do cemitério de Ílhavo e, no dia 4 de janeiro de 1839 ocorreu o primeiro enterramento no cemitério”. A rapidez com que a nova lei foi aceite em Ílhavo leva Domingos Freire Cardoso a admitir que “as pessoas que estavam à frente da Câmara de Ílhavo ou eram liberais ou simpatizantes do liberalismo”.
O livro apresenta uma resenha histórica da evolução do cemitério, desde a sua criação até ao presente, passando pelas ampliações e melhoramentos. De realçar a compilação dos excertos de todas as atas da Câmara Municipal de Ílhavo, da Câmara Municipal de Aveiro (durante alguns anos, Ílhavo integrou o concelho de Aveiro), da Junta da Paróquia e da Junta de Freguesia, alusivas ao Cemitério de Ílhavo.

A crise chegou ao Futebol. Até com a bola gostamos de brincar

Uma equipa de bons rapazes foi capaz de empatar um grupo de pseudo-estrelas.

A crise chegou ao Futebol dos craques bem pagos. Os mesmos jogadores, o mesmo treinador, o nosso ambiente. Tudo certo. Mais ainda:: o nosso espírito de deixar para a última hora, de adiar as decisões, do improviso, do desenrascanço, de se brincar com coisas sérias. É uma tristeza! No futebol e não só! Venham daí os sociólogos dizer porquê.

Ler aqui

Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza

Mensagem do Presidente da Cáritas Portuguesa




«Esta realidade não resulta da falta de bens mas de uma escandalosamente injusta distribuição dos mesmos. Sem se erradicar esta injustiça não será fácil construir a paz. Sem a redução das desigualdades sociais gritantes, jamais se conseguirá ter tranquilidade pessoal e coletiva.»




«Assinalar, este ano, o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, que é antecedido pelo Dia Mundial da Alimentação, redobra de sentido e torna-se um desafio mais exigente e clamoroso quando o empobrecimento de milhares de famílias portuguesas, que jamais julgariam cair nesta condição de penúria, levou muitas delas a ficarem privadas do acesso a tantos direitos, humanamente inalienáveis, como é o da alimentação.»

Ler a mensagem aqui

Um novo Concílio seria um perigo


A visibilidade crescente de quem “sempre esteve contra tudo” no Vaticano II, a nova evangelização, o Ano da Fé e os problemas em Portugal e na Europa analisados por D. José Policarpo




«D. José Policarpo considera que a tendência representada pelos bispos que, no Vaticano II estiveram “sempre contra tudo” é mais visível. Em entrevista à agência ECCCLESIA, o cardeal-patriarca de Lisboa analisa as surpresas e novidades do Concílio, há 50 anos, os processos de receção, que hoje acontecem em ambiente de nova evangelização. Sobre esse projeto refere que corre o risco de “ser integrado “na estrutura”. E analisa o sistema económico-financeiro que determina por vezes soluções únicas para os países da União Europeia.»

Ler a entrevista aqui

terça-feira, 16 de outubro de 2012

O mito de Sísifo

Daqui a uns meses... Estará tudo na mesma ou pior!

Ler aqui

«365 dias, 365 obras»: comunicar com os Bens Culturais da Igreja

Por Sandra Costa Saldanha



Prosseguindo o esforço de valorização do património eclesial português, o Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja apresenta, no próximo dia 18 de outubro, o projeto multimédia “App 365 dias, 365 obras”.
Destacando a dimensão pastoral e cultural da obra de arte religiosa, contextualizada num mais vasto programa de interpretação - para além da simples análise formal, como instrumento de apreciação estética - pretende fomentar uma consciência crítica de valorização e redescoberta do património religioso português. Sensibilizando os utilizadores para a sua riqueza e diversidade, visa deste modo uma mais ampla partilha, fruição e acesso aos Bens Culturais da Igreja.

Terra ameaçada


Leonardo Boff

Os intelectuais que têm algum sentido ético 
precisam falar sobre a Terra ameaçada. 
Entrevista especial com Leonardo Boff

«“Enquanto houver alguém gritando no mundo, sejam mulheres, afrodescendentes, indígenas, pessoas discriminadas, sempre têm sentido, a partir da fé, falar e atuar de forma libertadora”, defende o teólogo.

“A Teologia é séria quando toma a sério o testemunho dos invisíveis, dos desprezados, daqueles que ninguém conta. Cada pessoa é única no mundo, tem algo a dizer, a mostrar. Ignorante é aquele que pensa que o povo é ignorante. O povo sabe muito da vida, da sua luta”, afirmou Leonardo Boff em entrevista concedida, pessoalmente, à IHU On-Line.»

Li aqui

- Posted using BlogPress from my iPad

Dia Mundial da Alimentação - 16 de outubro



Nesta época de crise, em que muitos Portugueses já, quase, não têm nada que comer, é uma afronta falar numa data que comemora a alimentação. Mais do que deixar conselhos básicos para uma prática de bons costumes alimentares, deixo aquele que os Britânicos me ensinaram, para poupar nos cuidados de saúde! Que também está muito cara! O nosso ministro, Paulo Macedo, tem-nos, bem, tratado dela!!!

“An apple a day, keeps the doctor away!”

Mª Donzília Almeida

- Posted using BlogPress from my iPad

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

PÚBLICO: Crónica de Bento Domingues




- Posted using BlogPress from my iPad

“Novos Desafios e Oportunidades para as Famílias em Mudança”



As crises podem levar-nos
 à descoberta da solidariedade 


«Com as crises a vários níveis e nos mais diversos setores, a criança acaba por ser o elo mais fraco» na conjuntura atual, garantiu Paulo Costa, vereador da Câmara Municipal de Ílhavo (CMI) e presidente da CPCJ (Comissão de Proteção de Crianças e Jovens), no II Encontro promovido por aquela organização de âmbito concelhio, que se realizou na sexta-feira, 12 de outubro, no Centro Cultural da Gafanha da Nazaré, para debater os “Novos Desafios e Oportunidades para as Famílias em Mudança”. 
Paulo Costa adiantou que foram abordados temas pertinentes sobre o «impacto dos novos modelos de família na vida da criança». Trata-se de uma ação, esclareceu, que «nos prepara para atuarmos com mais consistência e saber nas nossas comissões». E sublinhou: «Abordámos os novos conceitos de família, o divórcio, a emigração e imigração, tudo o que está a mexer com aquilo que é a estrutura tradicional da nossas famílias.» 
O vereador na CMI considerou uma mais-valia o Atendimento Social Integrado, «que tem feito um trabalho notável, em termos de equipa», garantindo que hoje estão «muito melhor preparados para lidar com diversas questões, não só da infância, mas de toda a sociedade», graças também ao contributo das IPSS da área do município, com quem a autarquia estabeleceu parcerias de cooperação. 
O encontro destinou-se a técnicos com intervenção na área social e na comunidade em geral, tendo sido abordados assuntos tão importantes como “A nova organização familiar e suas consequências”, “Responsabilidades parentais. Parentalidade positiva e formação parental” e “Alienação parental – Utopia ou realidade?”.

sábado, 13 de outubro de 2012

BOM MESTRE, QUE HEI-DE FAZER?


Por Georgino Rocha




Esta pergunta existencial é emblemática da condição humana. Feita no tempo de Jesus, percorre toda a história. Um homem sem nome simboliza a pessoa que toma consciência das suas aspirações mais profundas. A pressa no correr marca o ritmo do coração. O gesto de se ajoelhar manifesta a humildade da procura e a confiança do encontro. O apelativo “bom mestre” desvenda o segredo que o anima na sua busca inquietante: alcançar a vida eterna. A pergunta é pertinente e decisiva e a resposta ansiosamente aguardada.

Jesus acolhe-o com solicitude e sintoniza com o seu desejo mais profundo. Centrado na bondade, inicia o diálogo e eleva o referencial. “Ninguém é bom senão Deus”. E reconhece a sua honradez expressa na prática dos mandamentos. Aprecia o seu amor à vida, a fidelidade conjugal, o respeito pelos bens dos outros, o amor à verdade, a honestidade, a dedicação solícita ao pai e à mãe. Olha-o com simpatia e faz-lhe uma proposta aliciante e exigente: libertar o coração da “amarra” das riquezas e servir os pobres com os seus bens. Esta é a “coisa” que lhe falta para ter um tesouro mais valioso, a vida eterna. Esta é a atitude mais indicada para satisfazer a aspiração mais profunda do coração e realizar o desejo mais forte de felicidade.

11 de Outubro de 1962

Por Anselmo Borges,
no DN



Devemos discordar desses profetas das desgraças, que anunciam acontecimentos sempre funestos, como se o fim do mundo estivesse próximo." A Igreja quer ir ao encontro dos homens nas suas alegrias e esperanças, nos seus problemas e dificuldades. "Nos nossos dias, a Igreja de Cristo prefere usar mais o remédio da misericórdia do que o da severidade: julga satisfazer melhor às necessidades de hoje mostrando a validade da sua doutrina do que condenando erros."

Foi com estas palavras que o Papa João XXIII inaugurou há 50 anos, precisamente no dia 11 de Outubro de 1962, o Concílio Ecuménico Vaticano II, um dos acontecimentos maiores do século XX - o Presidente da França, Charles de Gaulle, considerou-o "o mais importante". Nele, como ironicamente escreveu a Der Spiegel, deu-se "uma viragem copernicana, na qual Roma confessou que o Céu talvez ainda gire à volta da Basílica de São Pedro, mas a Terra não".

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Bagão Félix: subida dos impostos é “napalm fiscal” devastador









«Os aumentos de impostos anunciados para o Orçamento do Estado para 2013 (OE2013) representam “napalm fiscal”, ou um sismo fiscal de magnitude oito, com efeitos devastadores sobre a economia, segundo Bagão Félix, conselheiro de Estado e antigo ministro da coligação PSD-CDS.»

«António Bagão Félix (CDS), deu entrevistas à SIC Notícias e à agência Lusa com posições muito críticas sobre o que o Governo preparou para o OE2013 em termos de austeridade fiscal. 
“A ideia que se dá ao País é que não vale a pena investir no futuro, no trabalho, na dedicação, no profissionalismo, no êxito, no sucesso. Não, não vale a pena. Porque, a partir de uma determinada altura, é um napalm fiscal, arrasa tudo. É devastador”, disse o antigo ministro das Finanças e da Segurança Social, ontem à noite na SIC Notícias.
“O que nós estamos em presença é de um terramoto fiscal. A única dúvida é, na escala de Richter, se é 7, que é destruidor; se é 8, que é devastador. Porque isto dá cabo da economia”, disse na mesma ocasião, e também na entrevista à Lusa.«


Li no PÚBLICO online

Provérbio para a crise

«Confiar no futuro mas pôr a casa no seguro»



NOTA: O problema é que às vezes não pensamos no futuro e apenas e só olhamos para o presente. O mal está aí. 


Li no Almanaque Bertrand, nº 72

«Deserto» espiritual ameaça humanidade

Por Octávio Carmo,
no Vaticano



Ano da Fé e 50.º aniversário da abertura do Vaticano II apelam à redescoberta do legado conciliar face ao «vazio» da sociedade




«Bento XVI desafiou hoje os católicos a enfrentarem o avanço da "desertificação" espiritual que se espalhou pelo mundo, nas últimas décadas, e reafirmou a atualidade do trabalho realizado no Concílio Vaticano II (1962-1965), inaugurado há 50 anos.
“Qual seria o valor de uma vida, de um mundo sem Deus, já se podia perceber no tempo do Concílio a partir de algumas páginas trágicas da história, mas agora, infelizmente, vemo-lo todos os dias à nossa volta: é o vazio que se espalhou”, alertou o Papa, na homilia da Missa a que presidiu na Praça de São Pedro, para a inauguração do Ano da Fé, por ele proclamado no 50.º aniversário do Vaticano II.
A intervenção papal aludiu à necessidade de integrar, na ação da Igreja, essa experiência de deserto e vazio para “redescobrir o valor daquilo que é essencial para a vida”.
“No deserto existe, sobretudo, necessidade de pessoas de fé que, com suas próprias vidas, indiquem o caminho para a Terra Prometida, mantendo assim viva a esperança”, acrescentou, destacando que a fé “liberta do pessimismo”.
O Papa falava perante alguns milhares de fiéis e 400 cardeais, arcebispos e bispos, os quais repetiram a procissão na Praça de São Pedro que foi umas das imagens históricas do dia 11 de outubro de 1962, primeiro do último Concílio.»

Ler mais na Ecclesia

Dia Mundial da Luta contra a Dor: 11 de outubro





Sobre o tema, em epígrafe, apresento uma citação de Friedrich Wilhelm Nietzsche, que estudei na minha formação académica - (Röcken, 15 de Outubro de 1844 - Weimar, 25 de Agosto de 1900). Foi um filósofo alemão do século XIX que influenciou intelectuais como Sigmund Freud (1856-1939), Jean-Paul Sartre (1905-1980) e Michel Foucault (1926-1984)



"Was nicht tötet, stärkt"! O que não mata, fortalece!

Mª Donzília Almeida

11.10.2012



- Posted using BlogPress from my iPad

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Os pobres viraram ricos

Por António Marcelino

Vemos que muitos proletários de ontem, que fizeram guerras para uma maior justiça na sociedade, quando as coisas viraram tornaram-se milionários déspotas e orgulhosos. Assim em Angola, em Moçambique, nos países de Leste e da América Latina, na Rússia, e por aí adiante. Chega-me de Moçambique: “Todos os dias se anunciam novas riquezas no país: o gás, o ouro, o ferro, o carvão e, brevemente, o petróleo… Os rapazes do poder, outrora marxistas-leninistas, estão transformados em ultracapitalistas. A corrução campeia. Nenhum investimento é feito em prol do povo. Maputo segue na senda das casas de luxo e anuncia-se um investimento de 300 milhões de dólares para uma ponte sobre a baía e uma autoestrada até à Ponta do Ouro, para servir os novos ricos. À volta da cidade do Maputo, vivem dois milhões de desgraçados sem água, luz, esgotos…” O mesmo se passa noutros países. Percorri, entre 1969 e 1973, muitas zonas de Angola. Por picadas, com olhos de ver. Como se pode morrer à fome, num país que a natureza bafejou com tanta generosidade? Como é possível que quem sofreu não se empenhe, agora, para que todos vivam melhor e disponham do necessário? Que sentido tem para os novos ricos o bem estar do povo?


- Posted using BlogPress from my iPad

Provérbios para a crise

Li no Almanaque  Bertrand 

«A adversidade faz o homem prudente, mas não rico»


Diz-se que os provérbios nasceram com o saber de experiência feito. E se calhar é mesmo verdade. Seja como for, este vem a propósito da crise por que estamos a passar. Então, se a adversidade nos não torna ricos, ao menos que aprendamos com ela a ser mais prudentes no futuro.

A forma do cristianismo em mudança


Por José Tolentino Mendonça

«Em tantas situações, nesta diáspora cultural onde estamos semeados, a única palavra verosímil é a do testemunho de uma vida vivida com simplicidade e alegria no seguimento de Jesus.»

Karl Rahner

O teólogo Karl Rahner escreveu que “A Igreja tem sido conduzida pelo Senhor da história para uma nova época”. Não se trata só de baixas drásticas nos indicadores estatísticos quando se compara a atualidade com aquele que já foi o quadro da vivência da Fé. A questão é bem mais complexa. Talvez o que o nosso tempo descobre, mesmo entre convulsões e incertezas, seja um modo diferente de ser crente, traduzido de formas alternativas nas suas necessidades, buscas e pertenças. Não estamos perante o crepúsculo do cristianismo, como defendem aqueles que se apressam a chamar pós-cristãs às nossas sociedades. Quem não se apercebe que o radical lugar do cristianismo foi sempre a habitação da própria mudança não o colhe por dentro. Mas há eixos que se vão tornando suficientemente claros para que seja cada vez mais um dever os enunciarmos e contarmos com eles. Podem-se apontar três: 

Dia Mundial da Saúde Mental — 10 de outubro


Por Maria Donzília Almeida



 “Mens sana in corpore sanu”


"Solução melhor é não enlouquecer mais do que já enlouquecemos, não tanto por virtude, mas por cálculo. Controlar essa loucura razoável: se formos razoavelmente loucos não precisaremos desses sanatórios, porque é sabido que os saudáveis não entendem muito de loucura. O jeito é se virar em casa mesmo, sem testemunhas estranhas. Sem despesas."
Lygia Fagundes Telles


“Saúde mental” é um tema muito delicado e...opinar sobre ele parece ser uma ousadia a toda a prova! Mesmo assim e correndo o risco de meter a foice em seara alheia, atrevi-me a abordá-lo.
Nos tempos conturbados que correm, é difícil manter a sanidade mental, mas também não é aconselhável deixar que outros tomem as rédeas do poder, conduzam os nossos destinos e fiquemos impávidos e serenos perante o desastre! Do que tenho lido sobre o tema, a loucura poderá, por vezes, ser a forma inconsciente do ser humano de suportar o sofrimento excruciante que a vida impõe. E, por vezes, o insano, demente ou atrasado mental, como vulgarmente a sociedade apelida esses indivíduos, nem sempre é tão destituído como pensa o comum dos mortais. Recordo o episódio passado num hospital psiquiátrico, em que um doente é interpelado pelo diretor da instituição: — Porque conduz esse carrinho de mão, de pernas para o ar?- Se o levar direito, carregam-mo com tijolos!
Dá para refletir e sobre isso, gostaria de dizer que não consigo estabelecer a linha de fronteira entre a normalidade e o seu oposto! Nem ninguém ainda se atreveu, por maior Q.I. que possua, a fazer essa definição! Se é certo que “De médico e louco todos temos um pouco!”, mais difícil é, então, rotular as pessoas. Uma certa loucura saudável até faz parte duma personalidade equilibrada. Não vivemos ancorados, numa zona de branco ou de preto, ambas se misturam e completam, dando um matiz que é mais real, mais humano!
Recolhi algumas frases de celebridades que opinaram sobre a sanidade/insanidade mental.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Exercício físico no Jardim Oudinot


A Lita em pleno exercício

O Jardim Oudinot estava com pouca gente. Mais pescadores de borda d’água à espera que o peixe picasse, que outros visitantes. Os que marcaram presença, na manhã de ontem, tinham aspeto de reformados ou desempregados. Alguns, porém, denotavam ares de folga profissional ou académica. Crianças nem de perto nem de longe. 
Uns poucos procuravam manter-se jovens, cuidando da saúde. Eu e minha mulher, a Lita, fazíamos parte deste grupo, caminhando tranquilamente. Outros experimentavam o parque geriátrico, que convidava ao exercício físico. Não é coisa fácil para quem já tem os músculos flácidos ou pouco ginasticados. Eu passei e olhei. Mas a Lita quis dar um ar da sua graça e lá foi. Bem me desafiou, mas eu preferi caminhar. Ia dar parte de fraco, está bem de ver.

Pedofilia abala Igreja

Li no METRO Lisboa



O Sínodo dos Bispos, a decorrer no Vaticano, terá, sem dúvida, grande importância para a vida da Igreja Católica, para a civilização cristã e para o mundo em geral. Estarei atento, tanto quanto possível, para aqui dar nota do que lá se passar. Mas hoje e aqui, neste meu espaço, não posso deixar de publicar a reflexão do cardeal de Washington, sobretudo na parte em que denuncia quanto a Igreja ficou abalada com os hediondos crimes da pedofilia perpetrados por alguns clérigos. Uma minoria, decerto, não atinge a coluna imensa dos padres e bispos que sempre se portaram condignamente. Mas que esses criminosas abalaram a Igreja Católica, lá isso abalaram. Sei de quem se afastou da comunidade cristã por causa deles. E não me venham para cá com a história de que se trata de gente sem verdadeira fé. É gente boa e arauta da mensagem evangélica, mas com dificuldades em conviver com crimes desta natureza. 

FM


segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Dia Mundial dos Correios - 9 de outubro

Por Maria Donzília Almeida




Celebra-se a 9 de outubro o Dia Mundial dos Correios, data do aniversário da criação da União Postal Universal (UPU) em 1874, em Berna. Na sua mensagem sobre este dia, o diretor-geral da UPU, Edouard Dayan, salienta que os correios são parte integrante do mundo digital, devendo continuar a inovar, a desenvolver serviços postais eficientes e acessíveis e a explorar novas tecnologias que permitam diversificar e melhorar os serviços. Refere ainda que o apoio dos governos é crucial para que o sector postal funcione como motor das economias nacionais.
Os pioneiros da comunicação postal foram os chineses. Mas os primeiros despachos por via aérea talvez tenham sido feitos pelos cretenses e fenícios, usando pombos e andorinhas.

Gaivota adotada por pescadores no Jardim Oudinot

Pescador prepara uma  refeição para a gaivota

Gaivota ferida


Hoje passei pelo Jardim Oudinot e deparei-me com uma cena pouco comum: um pescador preparava a refeição para uma gaivota que se apresentava diminuída. O pescador cortava uma marmota aos bocados para que a gaivota a pudesse comer mais facilmente. Então, à minha pergunta sobre o insólito da situação, o pescador contou-me a história daquela gaivota.
Quando um pescador lançava às águas da ria a linha com a chumbeira e o anzol na ponta, com o isco, a gaivota, que andava  por ali à cata de um peixito, foi atingida, sem que o pescador pudesse evitar o choque. Resgatada das águas, foi acolhida e passou a ser alimentada pelos pescadores que por ali andam normalmente. Garantiram-me que ainda pensaram em enviá-la para um qualquer centro de recuperação, mas não sabiam onde encontrá-lo. E ali ficou a gaivota, manca e de asa caída. Dorme nas pedras e de manhã salta para a marginal, sentindo-se bem, o que constatei, entre os pescadores desportivos. 

CRÓNICA DE BENTO DOMINGUES

PÚBLICO DE ONTEM



- Posted using BlogPress from my iPad

domingo, 7 de outubro de 2012

Série Mar Português: pode um navio contar a história da pesca do bacalhau?

Li no PÚBLICO

Argus 


"Este navio teve duas vidas e está a caminho da terceira. Foi bacalhoeiro português nos bancos da Terra Nova e da Gronelândia. Foi cruzeiro turístico nas Caraíbas, quem sabe se não foi como um barco do amor. E agora, que regressou ao país de origem depois de ter sido resgatado do abate nas Antilhas Holandesas, a ideia é torná-lo num navio-memória da sua primeira vida. O Argus ficou célebre mundialmente, tudo por causa de um livro que apareceu em 1951 nas principais livrarias de Londres e Nova Iorque e, pouco depois, em Portugal: A Campanha do Argus — Uma Viagem na Pesca do Bacalhau."

Fonte: PÚBLICO (revista 2)

- Posted using BlogPress from my iPad