segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Hoje, em Santa Joana, "Diálogos na Cidade"

Mons. João Gaspar

A Comissão Diocesana da Cultura de Aveiro abre hoje, 31 de janeiro,  o primeiro ciclo “Diálogos na Cidade”, com a conferência “1.ª República e a Igreja Católica”, proferida por Mons. João Gonçalves Gaspar, na Paróquia de Santa Joana, às 21 horas. Uma execelente oportunidade para se ficar a saber um pouco mais e melhor o que foi e como foi o relacionamento da Igreja Católica com a República implantada em Portugal em 1910.

A fraternidade não é espontânea

 

Fraternidade - O item não legislável

Manuel Clemente

Do ideário de 1789 a fraternidade será porventura o item mais difícil, porque menos legislável e certamente mais anímico. É duma "alma" nova que se trata, em que nos sintamos realmente próximos, com a verdade que a palavra "irmão/irmã" transporta, enquanto vinculação íntima, disponível e gratuita.
Não é espontânea, a fraternidade, nem pela lei nem pelo espírito. A legislação incidirá na liberdade cívica e na igualdade política e social, ao menos no capítulo das oportunidades. Mas ninguém nos pode "obrigar" a sentir o outro como irmão, ou a nós mesmos como irmãos dos outros, de todos e de cada um dos outros...
Em sociedades tradicionais, especialmente nas tocadas pelo cristianismo, as vizinhanças eram espontâneas e a vida confraternal mais ativa e expressiva. A aldeia – ou a concentração de "aldeias" que era a cidade emergente – vivia problemas idênticos em ritmos comuns, com momentos simbólicos igualmente gerais. Assim se consideravam "fregueses" (= filhos da mesma igreja) e nalguns lugares até "irmãos de pia [batismal]", porque irmanados num só sacramento.

Ler mais aqui


Manuel Clemente é Bispo do Porto e presidente da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais



NR: A “fraternidade” será o tema da próxima Jornada da Pastoral da Cultura, que decorre a 17 de junho de 2011, em Fátima.

Ares da Ria de Aveiro


Com esta imagem, registada no verão, pretendo lembrar momentos agradáveis no regaço da nossa ria, embalado pela serenidade da laguna, com horizontes sempre apetecidos e com desafios constantes. Fica para daqui a uns tempos.

Novos caminhos de Fátima





«Novos caminhos para os peregrinos se deslocarem a pé a Fátima estão a ser estudados, com o objetivo de criar itinerários mais silenciosos e seguros, anunciou hoje o Movimento da Mensagem de Fátima (MMF).»
Ler mais aqui

domingo, 30 de janeiro de 2011

Recordando o Padre António Vieira


"Sermões de Roma e Outros Textos"

Último Parágrafo

«E se alguém me replicar, que se o homem não risse, ficaria ociosa a potência do rir contra o fim da mesma natureza; a uma instância tão forte não posso responder só como filósofo natural (como observei em todo este discurso), mas responderei como filósofo cristão. Respondo, e pergunto: Se o homem, pela transgressão, não tivesse perdido a felicidade em que foi criado, choraria, ou não? É certo, que nunca chorariam os homens, se fossem conservados naquele estado, e as lágrimas, que agora há, não as haveria então: logo, se na felicidade daquele tempo estaria ociosa a potência de chorar, na miséria deste tempo esteja ociosa a potência de rir, etc.»

In “Sermões de Roma e outros textos” do Padre António Vieira

NOTA: Arrumar livros, tirando daqui e pondo ali, é sempre uma boa oportunidade para se conhecer melhor o que temos. Hoje apreciei, mais uma vez, este livro do Padre António Vieira. E dele ofereço aos meus leitores o último parágrafo.

PÚBLICO: Crónica de Bento Domingues

(Clicar na imagerm para ampliar)

Mahatma Gandhi faleceu neste dia

Gandhi

Mahatma Gandhi faleceu neste dia do ano de 1948, dando ao mundo o exemplo de como, sem violência, é possível chegar a um objectivo. Idealizou o Estado moderno indiano e pouco usufruiu daquilo que sonhou.
Em 1947 deu-se a independência, mas  o território do país acabou por ser dividido, surgindo o Paquistão como Estado muçulmano separado. Alguns meses mais tarde, em Janeiro de 1948, Gandhi era assassinado a tiro por um fanático hindu.

Ler mais aqui

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS - 222

DE BICICLETA ... ADMIRANDO A PAISAGEM - 5



O MELHOR VENDEDOR DO MUNDO

Caríssima/o:

Costuma dizer-se que rir é o melhor remédio... e é barato.
Aproveitemos, pois, o domingo para franquear a nossa alma e darmos aso à gargalhada franca e bem sonora e, se for caso disso, toquemos ainda a campainha ou buzinemos com toda a força, como costumávamos fazer no auge da partida ou da boa disposição.
Feliz o Povo que tem a capacidade de rir de si próprio... e ainda tem forças para dar umas pedaladas bem puxadas deixando a crise lá bem para trás (com s ...).
Desta feita a vida deve ter corrido mal para que o ciclista fosse obrigado a vender a sua bicicleta, por mais velha e desengonçada que estivesse. Mas será que fez boa venda?
A dificuldade aguça o engenho.
Vamos ver:

«O melhor vendedor do mundo

O candidato a vendedor entrou numa loja de bicicletas e apresentou-se ao patrão:
-O meu nome é Durval, e eu sou o maior vendedor do mundo! Por isso estou aqui para me candidatar à vaga de vendedor.
-Então quer dizer que o senhor é o melhor vendedor do mundo, não é? Pois então tem dois dias para vender esta bicicleta aqui. Se conseguir vendê-la, o emprego é seu.
Durval pegou na bicicleta que, por sinal era um autêntico cangalho: o guiador era torto, as rodas empenadas, não tinha travões e ainda por cima estava com os pneus todos carecas. E saiu para vendê-la.
Passados os dois dias volta Durval à loja trazendo a bicicleta às costas. E desiludido da vida, comenta com o patrão:
-Está aqui a sua bicicleta de volta! Hoje cheguei à conclusão de que eu não sou o melhor vendedor do mundo. O melhor vendedor do mundo é o que conseguiu vender esta ... bicicleta ao senhor!»

Manuel

sábado, 29 de janeiro de 2011

Reserva de S. Jacinto ameaçada?


«O Bloco de Esquerda acusou ontem o Exército de ter destruído, sem autorização, mais de uma centena de hectares de pinheiro-bravo e de dunas cinzentas em São Jacinto, Aveiro. O deputado Pedro Filipe Soares entregou um requerimento no Parlamento a questionar os ministérios do Ambiente e da Defesa sobre o caso. Pedro Filipe Soares disse à Lusa que a destruição ocorreu numa área da Zona de Protecção Especial da Ria de Aveiro e a Reserva Ecológica Nacional e afectou "numerosos exemplares de espécies protegidas como o salgueiro-anão e a cladónia".»


Ler mais aqui

PÚBLICO: Como os estrangeiros vêem Sophia

Sophia
«Um clássico. Sophia é estudada em universidades brasileiras, italianas, espanholas. Não foi esquecida. Embora haja discrepância entre países em relação aos livros publicados (em França há muito, no Brasil quase nada), o colóquio internacional que durante dois dias decorreu na Gulbenkian mostra que Sophia e a sua obra são "cousa amada" no estrangeiro.»

 Por Isabel Coutinho

Ler mais aqui

Tolerância entre muçulmanos, cristãos e judeus

711-2011. 1300 anos depois

Anselmo Borges

Na noite de 31 de Dezembro passado, a explosão de uma bomba diante de uma igreja cristã copta, em Alexandria, à saída da celebração do Ano Novo, causou 23 mortos e 79 feridos. Um grupo ligado à Al-Qaeda no Iraque, responsável pelo ataque sangrento da catedral de Bagdad em Outubro, já tinha apontado os coptas como alvo. Independentemente de quaisquer considerações ideológicas, políticas ou religiosas, é legítimo perguntar-se pelas consequências do incêndio que alastraria pelo mundo inteiro, se algo de semelhante acontecesse, diante de uma mesquita, no Ocidente.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Guerra aberta entre Ensino Particular e Governo



A guerra aberta entre Ensino Particular e Cooperativo e o Governo vem demonstrar, mais uma vez, o desfasamento que existe entre uma certa classe política e a realidade do país. Enquanto o Estado se mostrava incapaz de oferecer a muitos compatriotas um ensino de qualidade e em quantidade, foram os particulares, nos quais se incluía a Igreja Católica em número assinalável, que responderam ao desafio da educação. Agora, que importava dar liberdade de escolha aos pais para colocarem os seus filhos em projectos educativos de acordo com uma formação singular, vem o Estado, entidade sem alma nem sentido de respeito pelos valores de cada família, degolar, sem dó nem piedade, as Escolas Privadas.
O Bispo de Aveiro pede, com sentido prático, ao governo,  que abra  espaço para o «diálogo e que, nas afirmações que faz, reconheça que as escolas católicas e o ensino privado e cooperativo são um serviço público prestado a Portugal».


Ler mais aqui

Sophia de Mello Breyner


Entre o catolicismo e a mitologia

«Sophia de Mello Breyner era “assumidamente católica” mas “reconhecia Deus, a religiosidade e o mundo espiritual em termos mais universais”, defende o escritor Richard Zenith.
Em entrevista à Agência ECCLESIA, o investigador considera que o poema ‘Ressurgiremos’, em particular a sua quarta e última estrofe - “Pois convém tornar claro o coração do homem / E erguer a negra exactidão da cruz / Na luz branca de Creta” - constitui, “talvez”, o texto “mais emblemático do sincretismo” de Sophia.
“Embora não haja qualquer menção de Deus ou de deuses”, acrescenta, ‘Ressurgiremos’ tem “inequívocas referências à teologia cristã e a crenças pagãs”, designadamente na “ressurreição”, que “terá lugar não em Jerusalém ou em Roma, mas sim em Creta”, ilha do Mediterrâneo evocativa de narrativas e personagens da mitologia grega.»

Ler entrevista aqui

Gafanha da Nazaré: Rua Gil Vicente


Gil Vicente: Um dos artistas mais polivalente da nossa história

A Rua Gil Vicente estende-se entre a rua Gago Coutinho e a Avenida José Estêvão. Liga o coração da Chave ao centro da Cale da Vila. É uma rua sinuosa, pois terá sido construída sobre caminho de terra batida, por onde circulavam pessoas e carros de vacas, como era hábito nas Gafanhas, onde as exigências do trânsito automóvel não existiam. Foi dedicada ao criador do teatro português, Gil Vicente, que qualquer estudante conhece bem, pelos autos de sua lavra que nas escolas secundárias e liceus são motivo de estudo.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Cavaco Silva e o discurso de vitória de que não gostei

Na hora da vitória, onde é suposto ser-se humilde e respeitador dos vencidos, Cavaco Silva fez um discurso que destoou. A pessoa serena com pose de Estado perdeu as estribeiras. Em vez da humildade que o caracteriza, trouxe à liça um rancorzito que não lhe ficou bem.

Ler algumas opiniões aqui

Faina Maior - A Pesca do Bacalhau nos Mares da Terra Nova

2.ª edição - 2011

A 2.ª edição do livro "Faina Maior - A Pesca do Bacalhau nos Mares da Terra Nova", de Ana Maria Lopes e Francisco Marques, vai ser lançada no próximo dia 19 de Fevrereiro, pelas 16 horas, no auditório do Museu Marítimo de Ílhavo.

Ler mais aqui

Há poucos cristãos esclarecidos na vida social e política


Oportunidades de resposta
para novas situações


António Marcelino

Os problemas e as dificuldades, hoje verificadas a todos os níveis, pedem uma especial atenção aos responsáveis, em cada campo e situação, para que aproveitem as oportunidades que então surgem. A partir delas se responderá melhor. Os problemas que aguardam resposta estão na sociedade, na família, na escola, na vida empresarial e, também, na comunidade cristã, em todo o lado onde há vida. É sobre as comunidades, de que agora tanto se fala, ao repensar para renovar a acção da Igreja, que oriento a minha reflexão, na esperança de que se atenda mais e melhor às oportunidades que, não raro, são pouco atendidas e mal aproveitadas. O dever de servir e a criatividade pastoral exigem esta atenção.
Nas comunidades e na Igreja em geral há mais gente repetitiva que inovadora. Ora, as tradições religiosas vão perdendo força, o passado deixou de ser dinâmico e de apego generalizado, as respostas repetidas e pouco reflectidas são normalmente estéreis. Deste modo, o ângulo estreito de percepção da realidade empurra para as desilusões e dificulta um empenhamento persistente, sério e que envolva as pessoas.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Filarmónica Gafanhense lança CD para comemorar 175 anos de vida

Carlos Sarabando

CD da Filarmónica


A Filarmónica Gafanhense procedeu no domingo, 23 de janeiro, na Gafanha da Nazaré, no final das missas, ao lançamento público, junto da população, do seu primeiro CD. A Música Velha, fundada em 1836, celebra este ano os 175 anos de existência, tendo optado por esta iniciativa como forma original de recordar o facto, a par de outras que hão de surgir nos próximos meses.
Este CD, previsto há anos mas só agora concretizado, apresenta composições gravadas no verão em sessões que tiveram lugar no renovado Centro Cultural da Gafanha da Nazaré. E tem de original, de certa maneira, músicas não muito usuais em trabalhos do género, com uma mais-valia que é a participação do Coral da Banda.
O primeiro responsável da Filarmónica Gafanhense, Carlos Sarabando, adiantou ao nosso jornal que as gravações se realizaram durante uma semana, «com as repetições necessárias», o que implicou «um esforço redobrado de todos os membros da Filarmónica e do Coral, bem como de dirigentes e técnicos ligados à operação, para que no final houvesse muita dignidade no produto final». Digno de registo é também o empenho do diretor artístico da Filarmónica, Maestro Fernando Lages, com largo currículo profissional, e da professora de música Eva Cristina Ribau, que dirige o Coral com proficiência.

A escola tem de ser o primeiro laboratório da liberdade


Uma educação para todos
Paulo Rocha

«Mesmo que o debate actual se prenda a questões económicas, elas não são a problemática fundamental. Isso mesmo tem sido afirmado pelas associações que representam o sector, nomeadamente a APEC (Associação Portuguesa de Escolas Católicas) e AEEP (Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo). Num diálogo com a sociedade e com as entidades públicas, defendem a implementação de modelos de ensino baseados na liberdade de escolha por parte das famílias, acontecendo aí, nas famílias, o apoio financeiro para o percurso escolar.»

Ler mais aqui

Importa descobrir o que podemos fazer contra o mal


O mal: uma difícil questão

José Tolentino Mendonça


«A Cabala judaica ensina que o mal surgiu no mundo quando um escriba preguiçoso se equivocou na escuta e transcreveu erradamente uma letra da Escritura Sagrada. Um rabino comentador da Cabala, Soloviel, afirma: «As duas vozes, aquela de Deus que não devemos nomear e a voz do mal, do mal inominável, são terrivelmente semelhantes. A diferença entre uma e outra é apenas o som de uma gota de chuva a cair no mar». Ambas são formas poéticas de interpretar a questão. Mas refletir sobre o mal, qualquer que seja a forma adotada, é já uma vitória, pois não raro ele nos aparece como austeríssimo lugar onde o pensamento entra em colapso.
O mal toca universalmente as existências e constitui a todos os níveis um desafio. O importante, porém, como explica o filósofo Paul Ricoeur, não é tanto insistir em encontrar uma solução. Mais relevante que pensar donde vem o Mal é sim descobrir o que podemos fazer contra ele. A experiência do mal desafia à luta prática contra o próprio mal. Reorienta-se, assim, o olhar para um novo futuro.»

Ler mais aqui

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Surpresas, a breve prazo, talvez as tenham os cidadãos

O Nó Cego
António Barreto

«O Presidente eleito não vai ter surpresas. Já sabe que país tem e o estado em que se encontra. O Governo e os partidos também não. Sabem o que têm e o que fizeram. E sobretudo o que adiaram. Surpresas, a breve prazo, talvez as tenham os cidadãos.»
Ler mais aqui

"Vista Alegre: Diário 1974"

LANÇAMENTO: Sábado, 29 de Janeiro de 2011, às 15,30 horas, no Teatro da Fábrica



 
Um livro Alberto Faria Frasco,
com prefácio de António Bagão Félix

“O Diário 1974 que o Engenheiro Alberto Faria Frasco agora connosco partilha é um diário peculiarmente datado. Quase premonitório no primeiro dia em que o inicia e escreve «este é o primeiro dia de um ano histórico na vida da Vista Alegre». E do país, como se veio a verificar.
Em síntese, um testemunho profundamente humanista. Minucioso. Sem disfarces e biombos.
Destaco, ainda, o seu inquebrantável orgulho de sentimento de pertença à sua empresa num tempo e num país tão deficitários neste domínio. Vê-se que nunca se acomodou na contagiosa doença do conformismo e da resignação do “mais ou menos” que em cada esquina nos espera.”
Com o apoio da Vista Alegre Atlantis, S.A.

Um livro do Cte. Armando José Dias Correia: O MAR NO SÉCULO XXI


Lançamento no dia 29 de Janeiro,
pelas 17 horas, no Casino da Figueira


«A 29 de Janeiro de 2011, pelas 17:00, vai ser apresentado no Casino Figueira, o livro "O Mar no Século XXI", da autoria do Cte. Armando José Dias Correia. A organização do evento é da responsabilidade do Instituto Superior de Ciências da Informação e da Administração (ISCIA).
“O Mar no Século XXI”, de autoria do Cte. Armando Dias Correia, actual Comandante do NRP Bérrio e docente do ISCIA, foi lançado nas JORNADAS DO MAR, que decorreram na Escola Naval, de 8 a 12 de Novembro .
Trata-se de edição da FEDRAVE – Fundação para o Estudo e Desenvolvimento da Região de Aveiro para o DETMAR – Departamento de Tecnologias do Mar do ISCIA.
“O Mar no Século XXI” procura salientar o valor actual do mar em diversas perspectivas, nomeadamente quanto às características físicas, aos recursos vivos, aos recursos vegetais, às potencialidades energéticas, aos recursos minerais, à importância para a ciência, ao contributo para a estabilidade ambiental da Terra, ao peso na economia e ao impacto na geopolítica e na geoestratégia. Aborda, também, a relevância do mar para os Estados Unidos, NATO, Europa e Portugal. No final, apresenta uma análise prospectiva dos desafios marítimos que Portugal e o mundo irão enfrentar nas próximas décadas.»

Ler mais aqui

Fonte: Porto de Aveiro

João Teixeira Filipe, Confrade de Honra da Confraria do Bacalhau

João Zagalo

João Teixeira Filipe, com o seu “nome de guerra” João Zagalo, nasceu na Gafanha da Nazaré a 28 de Agosto de 1924.
Na sua juventude foi carpinteiro naval nos então célebres “Estaleiros Mónica”. Mas veio a celebrizar-se como homem do dóri, na pesca à linha do bacalhau, na famosa Faina Maior.
Foi um primeira linha, um audacioso e afortunado pescador especial, pois pescava mais de 200 quintais de bacalhau por campanha.
Sozinho no meio do mar, no seu pequeno dóri, enfrentando os mares gélidos da Terra Nova ou da Groenlândia, carregava o seu dóri de bacalhau, vinha a bordo descarregá-lo e voltava a enchê-lo de novo com o fruto da sua pescaria. Chegado ao navio, ainda vinha escalar o bacalhau. Era um trabalho verdadeiramente árduo.
Chegou a ser agraciado com o prémio Engenheiro Ramirez pelo Grémio dos Armadores dos Navios da Pesca do Bacalhau.
É com enorme orgulho que a Confraria Gastronómica do Bacalhau presta esta simples homenagem a este Lobo do Mar, que representa tantos outros que passaram anonimamente pela Faina Maior e ajudaram a escrever  páginas da história deste Concelho e de Portugal.

Enviado por Carlos Duarte, da Confraria Gastronómica do Bacalhau

domingo, 23 de janeiro de 2011

PÚBLICO: Crónica de Bento Domingues

Um livro do poeta Orlando Figueiredo

Reserve na sua agenda esta data: 5 de fevereiro, lançamento do livro os pássaros habitam a casa

Edouard Manet nasceu a 23 de janeiro de 1832

Almoço na relva, de Manet


«Quadro ambicioso e de grande dimensão (215 por 271 centímetros) - como era frequente na altura - pintado por Édouard Manet entre 1862 e 1863, e cujo nome original é Le Déjeneur sur l´Herbe. Foi apresentado publicamente no Salão dos Independentes, realizado em Paris em 1863, e o seu título inicial era Le Bain (O Banho).
Representando quatro figuras inseridas num ambiente natural, uma mulher nua sentada sobre a relva junto a dois companheiros e, mais ao fundo, isolada, uma outra jovem, Manet desenvolveu uma complexa composição que acentuava o efeito de profundidade, sendo possível isolar três elementos fundamentais: num primeiro plano, uma natureza morta de colorido intenso definida pelas roupas da jovem; em seguida os três personagens sentados; ao fundo, um conjunto de elementos vegetais que cortavam a perspectiva e um riacho onde uma rapariga se banhava.»
Ler mais aqui e aqui

O Creoula na RTP2: Este domingo às 21 horas


A RTP2 vai transmitir, este domingo, 23 de janeiro, pelas 21 horas, um documentário sobre a vida a bordo do último lugre português da pesca do bacalhau. No Creoula, três antigos pescadores da grande faina contam as razões das suas escolhas. Recordam as campanhas de seis intermináveis meses nas águas geladas dos bancos da Terra Nova e as duras condições de vida e de trabalho da sua juventude. Um filme realizado por Elsa Sertório e Ansgar Schäfer, produzido pela Kintop.

Fonte: Rádio Terra Nova

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS - 221

DE BICICLETA ... ADMIRANDO A PAISAGEM - 4



SÓ MAIS CINCO MINUTOS, AVÔ!

Caríssima/o:

Neste início de um novo ano, o tempo não tem estado muito de feição para admirar a paisagem com a nossa bicicleta; porém, as nuvens escuras e as garroas caindo impiedosas convidam-nos para amenas cavaqueiras onde a boa disposição e o sorriso aberto e franco devem ser presença constante. Claro que o nosso reumatismo encosta-se à frescura dos netos e das netas e, mesmo que as pernas já estejam enferrujadas, outras motivações nos puxam para a frente.
A efabulação, o conto e a poesia são frequentes e abundam no reino da bicicleta, sendo difícil, por vezes, descortinar o limite entre o real e o imaginário.
Encontrei este escrito e pensei compartilhá-lo, conservando o seu modo de dizer:
«No parque, uma senhora sentou-se ao lado de um homem.
Ela disse:
- Aquele ali é meu filho, o de camisola vermelha deslizando no escorrega.
- Um bonito garoto - respondeu o homem. E completou:
- Aquela de vestido branco, pedalando na bicicleta, é minha neta.
Então, olhando o relógio, o homem chamou a sua neta:
- Joana, vamos! Está na hora de voltarmos!
- Mais cinco minutos, avô...Por favor!!!. Só mais cinco minutos!
O homem concordou e Joana continuou pedalando sua bicicleta, para alegria de seu coração. Os minutos passaram, o avô levantou-se e novamente chamou a neta:
- Hora de irmos, agora?
Mas, outra vez Joana pediu:
- Mais cinco minutos,avô. Só mais cinco minutos!
O homem sorriu e disse:
- Está certo!
- O senhor é certamente um avô muito paciente - comentou a mulher ao seu lado.
O homem sorriu e disse:
- O irmão mais velho de Joana foi morto no ano passado por um motorista bêbado,quando andava de bicicleta perto daqui.
Eu nunca passei muito tempo com o meu neto e agora eu daria qualquer coisa por apenas mais cinco minutos com ele.
Eu prometi não cometer o mesmo erro com Joana. Ela acha que tem mais cinco minutos para andar de bicicleta...
Mas, na verdade, eu é que tenho mais cinco minutos para vê-la brincar...»

Manuel

sábado, 22 de janeiro de 2011

José Mourinho: Deus e a carreira de sucesso

Mourinho

Melhor treinador de futebol do mundo fala da sua fé,
da Bíblia que lê antes dos jogos e da «missão»
que sente ter-lhe sido destinada

“Quando leio a Bíblia não estou propriamente a pedir-Lhe para que me ajude. Eu não peço para que me ajude num jogo. Mas penso que se eu for um bom homem, um bom pai, um bom marido, um bom amigo, se tiver uma vida social compatível com aquilo que são os Seus ideais, penso que tenho mais possibilidade de... É uma coisa que me alimenta na fé.”
Ler mais aqui

Temos obrigações para com os animais


Conviver com a natureza
e os animais

Anselmo Borges

Um amigo jesuíta, Juan Masiá, que vive há trinta anos no Japão, contou-me uma história muito significativa, passada numa paróquia japonesa. O missionário estrangeiro começou a notar que os paroquianos deixaram de frequentar a missa por ele celebrada. Intrigado, decidiu informar-se discretamente. Foi recebendo respostas evasivas, até que alguém ganhou coragem e lhe disse: "E por causa do gato." Achou estranho, embora se lembrasse de que uns meses antes tinha agarrado pelo rabo um gato vadio que andava pela cozinha e o tinha atirado contra a parede. No entanto, não via razão para o afastamento dos paroquianos. Quando tentaram explicar-lhe, disse-lhes, indignado: "Tanto esforço para ensinar-vos que o ser humano tem alma e os animais não e agora ficais chateados por causa da morte do gato, um animal irracional?!" Mas os cristãos responderam-lhe: "O problema não é a alma do gato, se tem ou não tem alma. O problema é você. Que terá no íntimo do coração, se foi capaz de a sangue frio esborrachar o gato contra a parede?"

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

João Vilaret morreu há 50 anos

Para começar o dia...


Para começar o dia, que se mostra auspicioso, como me garante a minha janela, nada melhor do que este arbusto do meu jardim. Olhando as suas folhas, apontando o azul do céu como convite à contemplação, não podemos ficar indiferentes às propostas que elas nos sugerem: paz, serenidade, harmonia, poesia, bem-estar...

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Aveiro: Ecumenismo levado à prática


Católicos, metodistas e ortodoxos vão reunir-se em oração, pela unidade dos cristãos, no próximo dia 25, pelas 21 horas, no Centro Universitário Fé e Cultura, em Aveiro.
A oração foi preparada pelo padre José Manuel Pereira e pelo pastor metodista Eduardo Conde, estando convidados, para além de católicos e metodistas, os cristãos ortodoxos presentes na cidade.

Campanha eleitoral deprimente

Amanhã, sexta-feira, termina a campanha eleitoral para as Presidenciais. O que sinto é que devia ter terminado há muito. Uma semana seria mais do que suficiente, tão sem sentido e sem nexo tem sido o que os nossos candidatos ao mais alto cargo da nação têm apregoado. O mais alto cargo da nação! É verdade, o que ganhar será o que nos vai representar a todos. Confesso que estou desiludido com o lavar de roupa suja que se tem ouvido. Com as denúncias propaladas, com as ameaças de crise, com acusações e denúncias. Uma vergonha.
Procuro pautar a minha vida pela positiva, como única forma de contribuir para um mundo mais sadio e mais justo. Mas desta vez, também pela positiva, de certa forma, não posso deixar de manifestar o meu desagrado pelo que tenho visto e ouvido. A eleição do Presidente da República não pode ficar dependente de um ambiente destes, de guerra aberta e de ofensas de toda a ordem, autorizadas pelas nossas leis. A democracia não pode permitir tudo. E o que se gasta com toda esta bagunçada?
Não seria mais curial eleger o Presidente da República num colégio eleitoral, constituído por deputados, representantes partidários e das autarquias, por exemplo? Não acontece assim noutros países democráticos?
Temos todos de pensar numa forma digna de eleger o mais alto magistrado da nação, sem haver necessidade de recorrer a este formato que nos envergonha. Não acham?

FM

ÍLHAVO: Bandas de Garagem em concurso



Foram aprovadas as normas de participação no Concurso de Bandas de Garagem do Município de Ílhavo, considerando que a música assume junto dos mais Jovens uma forma de expressarem a sua liberdade, espírito crítico e identidade, estimulando a sua criatividade artística e musical.
O concurso destina-se a todas as Bandas de Garagem do país, cujos elementos tenham idade superior a 16 anos e não tenham sido alvo de qualquer contrato discográfico, nem tenham trabalhos gravados por editoras.
As inscrições serão realizadas nos Fóruns Municipais da Juventude ou por correio dirigido à CMI, devendo ser entregue, no ato de inscrição, uma maqueta das músicas a concurso, com três temas originais, que não deverão exceder os 15 minutos. O concurso terá lugar no próximo dia 9 de Abril no Centro Cultural da Gafanha da Nazaré.

Mais informações no site da CMI.

Conversa com Deus


Tempo e dinheiro


Um homem reza a Deus:
- Senhor, gostaria de te fazer uma pergunta.
- Podes perguntar o que quiseres, responde Deus.
- Senhor, é verdade que para ti um milhão de anos é apenas um segundo?
- Sim, é verdade. Até vem nos Salmos. Mil anos são como o dia de ontem que passou.
- Bem, nesse caso também podemos dizer que um milhão de euros, para ti, são uns meros trocos, não é?
- Sim, um milhão de euros não passa de um cêntimo.
- Então, nesse caso, Senhor, podes dar-me uns cêntimos?
- Claro - responde Deus -, espera uns segundos.

In CV

Inverno com seus encantos


O inverno, estação fria e triste, também tem os seus encantos.   Esta imagem de uma nogueira ainda adormecida e dominada pelo torpor da invernia agreste que hoje desapareceu, como que por magia, mostra bem como é possível a beleza em qualquer situação. No inverno e longe dele, como hoje soube apreciar.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Centro Sociocultural da Costa Nova

Igreja da Costa Nova


Segundo informa o Executivo Municipal, vai ser elaborado o projeto do edifício para o Centro Sociocultural da Costa Nova. Aquele edifício vai  ficar localizado entre a Capela Nova e as instalações do CASCI, integrando no mesmo edifício duas componentes autónomas em termos de relação funcional e de vivência, diferenciando-se uma área para atividades socioculturais (salas de reuniões, auditório polivalente com palco) e outra para a instalação da Extensão de Saúde.

Museu Marítimo de Ílhavo vai ser ampliado

MMI

O  Museu Marítimo de Ílhavo (MMI) vai ser ampliado em zona anexa ao edifício actual. As obras   vão contemplar a instalação de um aquário para bacalhaus, uma área social para a realização de pequenas reuniões, conferências e workshops, bem como um espaço  para investigação. A intervenção de ampliação do MMI representa um dos novos projectos que irão integrar o Programa de Regeneração Urbana do Centro Histórico de Ílhavo.

Deus nos livre das pessoas de uma só ideia

Leitura, uma paixão que abre
horizontes de vida


António Marcelino

Veio-me cair às mãos um velho provérbio hindu que diz assim: “ Um livro aberto é um cérebro que fala; fechado, é um amigo que espera; esquecido, uma alma que perdoa; destruído, um coração que chora”.
O mundo não está perdido de todo enquanto se dão prémios famosos, tanto aos cientistas, inventores e investigadores, obreiros da paz, como aos escritores. Esperamos que a contestação que se gera, por vezes, à volta da escolha dos galardoados, não venha a atingir os campos seleccionados, mormente dos escritores, dada a pouca atenção que as novas gerações, em geral, e não só, vêm dando à leitura.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Meio Milhão de Entradas

A Ria sempre presente

Hoje, 18 de janeiro de 2011, o contador do meu blogue regista o expressivo número 500 000. Meio milhão de entradas diz bem do interesse dos meus leitores pelo que se escreve neste espaço da blogosfera. E se tivermos em conta que se trata de um blogue generalista, onde a maledicência, a pornografia e os ataques pessoais não têm lugar, mais feliz me sinto pelo passo que dei numa altura em que alguns julgaram que me restava um sofá e o aconchego do lar, ao fim de uma longa vida de trabalho com outros e para outros, alunos e não só. A blogosfera, porém, abriu-me novas pistas de trabalho, novos horizontes e novas portas de partilha de saberes e de solidariedade com a humanidade que me cerca e a que pertenço com orgulho. Daqui, deste meu recanto que é o meu farol para ver mais longe e mais nítido, saúdo quantos regularmente me visitam, pedindo a todos que reforcem a proximidade, rumo a um mundo muito melhor, porque mais justo, mais fraterno e muito mais solidário.

Fernando Martins

Metade dos portugueses diz que o país está pior do que antes do 25 de Abril

«Quase metade (46 por cento) dos portugueses considera que as actuais condições económicas e sociais são piores do que há 40 anos. O desemprego é o maior desafio e a desconfiança face ao Governo e aos políticos é generalizada.»


NOTA: Mal vai a nossa democracia se entre nós, portugueses, se instalar a ideia de que o país está pior do que há 40 anos. Uma sondagem, publicada no PÚBLICO, afirma isso, mas eu não creio que, de coração e conhecimento pessoal, alguém afirme tal barbaridade. O descontentamento, o desespero, a angústia do desemprego, a raiva contra os maus políticos que por vezes nos desgovernam e a falta de horizontes com futuros risonhos à vista levam a afirmações destas. Eu não acredito que os portugueses queiram voltar a um passado tão tristonho.

Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos


Católicos e Ortodoxos mais próximos


Começa hoje a semana de oração pela unidade dos cristãos. Até ao dia 25, milhões de cristãos, espalhados pelos quatro cantos do mundo, não deixarão de orar, pedindo a Deus que desperte no coração dos crentes caminhos de aproximação cheios de compreensão e de abertura aos outros que crêem no mesmo Senhor.
Acredito que será difícil a qualquer crente renegar a fé em que nasceu ou foi educado. Também reconheço que, para cada um, a sua fé é única e indiscutível, pelo que os caminhos da unidade passam, necessariamente, por trabalhos conjuntos na «vinha do Senhor». Só depois, com a ajuda de Deus, será possível a unidade há séculos desejada. Por isso esta semana de oração.

Nem o frio a afugentou do mar


A beleza da natureza está patente, normalmente, em todas as situações. O frio poderia recomendar a esta ave que deixasse o mar e se refugiasse em alguma réstia de sol algures na povoação ou na floresta, com abrigo garantido. Mas não. A ave ali estava serena no seu sítio habitual. Nem a minha passagem a perturbou. Nem o disparo da máquina a demoveu. E lá continuou.

Urge valorizar o património cultural

O Estado das Coisas   — 100 anos depois

Sandra Costa Saldanha

Tema transversal a diversos domínios, o património cultural parece eternizar-se, todavia, entre uma das áreas em que o Estado e a Igreja Católica mais assuntos têm por resolver


Ultimadas as imensas celebrações em torno do centenário da República, 2011 é o ano em que se evoca a Lei da Separação, acontecimento que, de um modo conse-quente, mais atingiu a Igreja Católica em Portugal. Com iniciativas já programadas e anunciadas entre algumas instituições, subsiste, todavia, a aparente diluição do tema nas anteriores comemorações que, em boa verdade, assimilaram, num corolário lógico, os acontecimentos decorridos em 1911.
Tema transversal a diversos domínios, o património cultural parece eternizar-se, todavia, entre uma das áreas em que o Estado e a Igreja Católica mais assuntos têm por resolver. Tema sensível, já oportunamente lembrado por responsáveis e prelados, a necessidade de encontrar caminhos para resolver as questões do património, em concreto, daquele afecto ao culto católico, é emergente.

Portugal no Mundo




Aqui há marcas de Portugal

Alexandra Prado Coelho

Como se define o que é o património português no mundo? É tudo o que foi construído pelos portugueses? Ou tudo o que, de uma forma ou outra, foi influenciado pela presença de portugueses? A Gulbenkian acaba de editar três volumes com um levantamento inédito

Igrejas, claro, mas também fortalezas, prisões, armazéns, sedes de bancos, hotéis, liceus, cinemas, estações de correios, fábricas, roças em São Tomé, ruas e praças no Mindelo, sobrados no Brasil, casas particulares e grandes edifícios de habitação. Brasil, claro, mas também Angola, Moçambique, São Tomé, Cabo Verde. E Timor e Índia, mas também Sri Lanka e Macau, Indonésia e Birmânia, Etiópia e Tanzânia. A Fundação Calouste Gulbenkian acaba de lançar três volumes com o levantamento do património que os portugueses espalharam pelo mundo. É uma obra de peso - em mais do que um sentido.


Ver mais no PÚBLICO de hoje

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

SPORTING


O Sporting está mal. Aquele que foi um dos mais ecléticos clubes desportivos do nosso país, campeão em tantas modalidades, está muito mal. Foi na onda dos que se endividaram de olhos fechados e aí o temos aflito. Os maus resultados em campo não perdoam e o presidente abandona o barco, que pode ficar à deriva, se depressa não se conseguir um timoneiro de cabeça fria e mão firme para segurar o leme. Estou convencido de que ele surgirá a tempo e horas.
Muitos outros clubes também estão endividados. A dívida do Benfica é superior às do Porto e do Sporting juntas. De um dia para o outro as bombas podem rebentar.
Afinal, as dificuldades económico-financeiras do país chegam a todos os lados e a todos os campos. E apesar de o Futebol ser um mundo à parte, não é seguro que possa viver à margem das leis que nos regem. Quem deve tem de pagar, mais tarde ou mais cedo, sendo certo que quanto mais tarde pior.
Gostaria que o Sporting começasse por dar o exemplo de realismo na área das contas, começando pelos ordenados dos seus profissionais. Não é possível gastar-se dinheiro que não existe. Tirá-lo de sacos vazios. De cofres sem cheta.
Os nossos clubes não podem nem devem entrar em loucuras só para satisfazer o ego dos adeptos que querem festa a qualquer preço. O Boavista lá anda pelas ruas da amargura. Outros se lhe seguirão, se os dirigentes não tiverem juízo. Cá por mim, o Sporting tem de continuar, mas apenas e só com as contas em dia. Será possível? Julgo que sim.

Imigrantes desapontados com Portugal

Imigrante


Tenho lido, ultimamente, notícias de imigrantes desapontados com Portugal. Com os brasileiros a liderarem o pelotão, têm estado a regressar aos seus países, por não verem hipóteses de governar vida por aqui. Sem perspetivas de futuro, partem e deixam-nos porventura mais pobres, mais sós.
Os imigrantes vieram na esperança de emprego garantido e ordenado certo, mas esse tempo já lá vai. Faziam tudo mas nem todos foram felizes. Empregadores desonestos sugaram-lhe o sangue, deixando-os ainda mais  pobres. Não houve legislação nem pulso das nossas autoridades que evitassem a exploração de muitos imigrantes. Executavam tarefas que os portugueses recusavam.
Fábricas começam a ser deslocalizadas e a fechar as portas. A crise instala-se no mundo. Portugal, um país pobre e muito dependente do exterior, não suporta o peso da apatia económico-financeira de décadas. O desemprego instala-se e alastra. Os imigrantes são os que mais sobrem. Os apoios sociais escapam à grande maioria. E a hora da fuga, para os países de origem ou para qualquer outro sítio, chegou. Estão de partida e mais tarde ou mais cedo vamos reconhecer que nos fazem muita falta.

Miguel Torga faleceu há 16 anos


Faz hoje precisamente 16 anos que Miguel Torga faleceu. O escritor transmontano, porém, mantém-se vivo, porque a sua poesia e a sua prosa são intemporais. Várias vezes apontado como merecer do Prémio Nobel da Literatura, nunca foi distinguido pelo mais alto galardão universal para o setor das letras, que não soube reconhecer o mérito indiscutível que lhe brotava da alma.
Passei hoje, em Coimbra, pela rua que lhe foi dedicada e lembrei-me então de inúmeros poemas que me encantaram pela beleza da harmonia e pela simplicidade do ritmo. E da prosa, para além do Diário, jamais esquecerei a Criação do Mundo, um dos poucos livros que me provocaram saudades antes de chegar ao fim: Que pena senti quando li a última página!
Natural de S. Martinho de Anta, onde repousam os seus restos mortais, Miguel Torga viveu grande parte da sua vida em Coimbra, cidade que cantou como poucos. Por isso, a Casa-Museu Miguel Torga assinalou hoje esta efeméride com um programa em que procurou realçar a forma como o grande escritor abordou a cidade universitária.

FM

domingo, 16 de janeiro de 2011

PÚBLICO: Crónica de Bento Domingues


(clicar na imagem para ampliar)

O Porto de Aveiro

A entrada na Barra

O Porto de Aveiro é uma notável  mais-valia para a economia regional e até nacional. Agora com a ligação ferroviária à Europa, mais notável se torna. Não é por acaso que costumo dizer que a Gafanha da Nazaré é filha do Porto. Porém, não falta quem conteste a importância do Porto, clamando que está muitos dias às moscas. Confesso que não acredito e os números que a APA (Administração do Porto de Aveiro)  vai divulgando garantem que o Porto de Aveiro está em progresso, recomendando-se com justiça.
Na mais recente visita à Barra, de que aqui já dei conta  ontem, assisti à entrada de mais um navio de carga, com destino  à zona portuária. E fiquei contente. Para além do espetáculo  que é ver o navio bem orientado, há a certeza de que o Porto de Aveiro tem vida saudável.

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS - 220

DE BICICLETA ... ADMIRANDO A PAISAGEM - 3



O TI MELRITO

Caríssima/o:

Talvez nunca tenhas ouvido falar do Ti Melrito...
Para nós foi importante conhecê-lo. Sabes porquê?
Foi um homem simples, trabalhador e que cuidava do seu quintal com esmero, indo ao ponto de sulfatar as videiras, o que era raro na nossa Terra nos meados do século passado; mas ia muito além disso: tinha o cuidado de levantar um letreiro para avisar os incautos que prevaricassem e lhe debicassem algum cacho verdoengo. Lá se podia ler: “CONTÉM GUMITÓRIO”. Agora cada um que se acautelasse...
Bem, mas eu queria falar do exemplo que o Ti Melrito nos dava quando todo curvado (não sou capaz de precisar a idade que teria...), não sendo capaz de montar a bicicleta, agarrava-se ao guiador... e lá ia ele a pé, a puxar a sua companheira, num passeio que o levava até ao Farol...
Muito mais se poderia acrescentar, mas a nossa imaginação não fará grande esforço ultrapassando o Ti Melrito (quiçá levando-nos a saltar o muro para aquele canto onde as uvas estão mais amarelinhas... e ... antes que ele aparecesse além na curva...)

A bicicleta era usada como meio de transporte que levava muitos ao seu local de trabalho; mas o quadro que pintou Maria Teresa Filipe Reigota, no seu livro “Gafanha... o que ainda vi, ouvi e recordo”, na página 50, mostra-nos a bicicleta noutra função, também ela da maior importância. Vamos apreciá-lo:

«O Janicas [...] casou já “entradote”. Claro que namorara muitas cachopas mas só encalhou com a Laura, natural de Vagos onde vivia. Ia namorá-la à noite, às terças, quintas, sábados e aos domingos de bicicleta. Contava ele:
“Já havia uma estradita de terra batida que ligava a Gafanha da Boavista a Vagos e como de costume lá fui namorar a Laura de bescleta. As casas eram poicas e ali nos Cardais, a partir do pontão nem habia casa nenhuma. Não habia luz, o caminho era escuro, negro com'o bréu. Nunca acontecera nada,mas naquela noite já binha p'ra casa e ali na altura dos Cardais, na Quinta da Palmirinha, sinti uma coisa sempre atrás de mim e pus-me a pedalar mais; mas o raio da bescleta parecia que nem andaba, quanto mais eu pedalaba, mais a coisa corria. Parcia-me passos de animal e logo pensei: Ó é alma penada ó balisome.
Só sumbe o que era qu'ando cheguei a casa, saí da bescleta e abrim o portão. A coisa ainda introu primeiro ca mim – era o meu cão que partira o cadeado, fugiu e foi ao meu encontro.”»

Manuel

sábado, 15 de janeiro de 2011

Misericórdia de Ílhavo com nova Mesa

Nova Mesa Administrativa da Santa Casa da Misericórdia de Ílhavo:
Fernando Marques, Laurentino Pires Vaz, Margarida São Marcos,
 João Bela, Carlos Duarte, Rui Dias, Manuel da Cruz Ribeiro


A nova Mesa da Santa Casa de Ílhavo, ao tomar posse, assume, realmente, uma tarefa importantíssima de âmbito social e cultural. O peso da história que lhe está subjacente servirá, decerto, como estímulo para o desenvolvimento de tarefas sobremaneira oportunas e urgentes. As crises que nos preocupam vão afetar em especial os feridos da vida que existem nas nossas comunidades, exigindo de cada um nós, pessoal ou coletivamente, intervenções justas e adequadas. A composição da Mesa, liderada por João Bela, está à altura do que a espera. Porém, isso não nos pode deixar no comodismo cego que leva muita gente a pensar que a vivência da solidariedade é preocupação apenas de alguns. Os meus votos de excelente trabalho, com a certeza da minha contribuição possível.

FM