domingo, 25 de julho de 2010

Também é preciso descansar

Também é preciso descansar. Até um dia destes, se Deus quiser.

Fernando Martins

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS - 194

PELO QUINTAL ALÉM – 31



A MACIEIRA



A
meus tios
Manuel Facica e Maria dos Prazeres


Caríssima/o:

a. Quem não está pendente dos hipermercados começa a apreciar as primeiras maçãs... No nosso quintal, as primeiríssimas vêm dum enxerto da macieira que está na imagem. Tinha o tronco inclinado e os rapazes, quando aprenderam a andar de bicicleta, descobriram que podiam subir por essa rampa convidativa... não tem conta as vezes que eles caíram, mas nunca desistiam...e tantas subiram que a pobrezinha deitou-se de vez! Conseguiu-se arranjar um garfo que enxertado numa outra pegou e agora produz abundantemente; não são muito doces, mas são as que amadurecem mais cedo!
Temos mais macieiras e, para além desta, há uma outra especial: maçãs vermelhinhas de polpa branca e macia: é a macieira da Avó!

e. Nos dias que vão correndo, os nossos netos não têm a noção das “estações” mas no quintal, a seguir às ameixas colhem maçãs e pêras, e logo os figos... mais tarde os quivis. Como acontecia noutros tempos na nossa Gafanha pois as fruteiras eram poucas mas era nelas que podíamos colher para apreciar um ou outro fruto que surgia, quase sempre, como «proibido»... o que valia era a agilidade e a velocidade nas pernas...

sábado, 24 de julho de 2010

As Teias que a Vida Tece

Foto de Carlos Duarte


Ao passar pelo  seu jardim, os olhos perscrutantes de desafios  inesperados do fotógrafo-artista Carlos Duarte depararam-se com esta beleza da natureza. Tanto bastou para que a teia da asa da borboleta,  trespassada pela luz rejuvenescedora de vida e cores, de traços e enigmas, pudesse correr mundo, saltando do  canteiro do meu amigo,  neste sábado de sol luminoso, para o mundo cheio de encantos por descobrir. 

FM

Nota: Clicar na foto para ver melhor.

Não há uma ligação intrínseca entre celibato e pedofilia

Pedofilia e ordenação das mulheres

Anselmo Borges

No passado dia 15, o Vaticano publicou um documento que actualiza as regras para a punição dos clérigos (padres, bispos ou cardeais) que abusam sexualmente de menores. São medidas que endurecem as penas e exigem que se torne realidade a "tolerância zero" para estes casos trágicos.
Durante demasiado tempo, a Igreja procurou mais preservar a sua imagem do que defender as crianças abusadas. Agora - e não poderá ignorar-se que também pesou a pressão dos média internacionais -, na actualização das Normae de gravioribus delictis (Normas sobre os delitos mais graves), de 2001, o Papa manifesta vontade firme de acabar com esta infâmia.
Como disse o porta-voz da Santa Sé, o jesuíta Federico Lombardi, entre as novidades do documento encontra-se a de que "os procedimentos sejam mais rápidos" para enfrentar com eficácia as situações mais graves e urgentes. Estas novas normas serão "um passo crucial no caminho da Igreja, que deverá traduzi-las em praxis permanente e ser sempre consciente delas".

Apresentam-se as principais.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Igreja Católica alerta para riscos de violência por causa da crise e da desigualdade social


«Carlos Azevedo, presidente da Comissão Episcopal católica da pastoral social, alertou ontem para a possibilidade de o agravamento da crise poder gerar violência e revolta por parte dos mais sacrificados. "Perante a perda do emprego, a ausência de ter que comer, pode haver situações de violência, de revolta", afirmou o bispo auxiliar de Lisboa, no final da reunião do Conselho da Pastoral Social, que reúne as instituições católicas nesta área.»

NOTA: O problema é delicado, mas também urgente. Os desesperados
são capazes de tudo. A fome está na base de grandes revoluções e de violentos protestos. E se os políticos não olharem estes problemas de frente, que se cuidem.
Perante isto, a panorâmica que existe, dramática, revoltante, insustentável, pode dar azo a protestos de incalculáveis previsões. E se os nossos políticos persistirem na lamentável posição de só se fixarem nos seus umbigos, que são os seus interesses pessoais e partidários, então esperem pela legítima reacção do povo.

Ler mais aqui

Festa de encerramento do Projecto Movimento Maior


No Pavilhão da Gafanha da Nazaré


A Câmara Municipal de Ílhavo assinala, amanhã, Sábado, 24 de Julho, o encerramento da época 2009/2010 do Projecto Movimento Maior, especialmente criado a pensar no bem-estar dos Seniores do Município de Ílhavo, com mais de 60 anos.
A Festa de encerramento do Projecto Movimento Maior decorrerá das 14.30 às 19.00 horas, no Pavilhão Gimnodesportivo da Gafanha da Nazaré, junto à Escola Básica do 2º e 3º Ciclos, e contará com a exibição das várias turmas das modalidades de técnicas de relaxamento, exercícios de manutenção, danças de salão e boccia.
Esta actividade, aberta a todos os familiares e amigos dos utentes do Movimento Maior, terminará com uma caminhada conjunta.
O Projecto Movimento Maior, que reúne actualmente cerca de 305 praticantes distribuídos pelas várias modalidades, recomeça no próximo mês de Setembro, durante a Semana da Maior Idade 2010.

Movimento Paroquial em 100 anos

Veja o Movimento Paroquial da Gafanha da Nazaré em 100 anos de vida.

Fonte: "Gafanha da Nazaré - 100 anos de vida"

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Obra da Criança já ganhou com a Rota do Bacalhau



Após o êxito da prova de BTT – Rota do Bacalhau, organizada no passado mês de Junho pelo Rotary Clube de Ílhavo e cuja receita reverteu para a instituição Ilhavense Obra da Criança, algum do equipamento oferecido já se encontra instalado, como é o caso do aquecimento de águas sanitárias numa das casas com painéis solares, oferta da Vulcano no valor de cerca de 6500 €,  enquanto as firmas, Chama e Arte, Anastácio Bastos de Oliveira e Isauro Neves Ferreira ofereceram os diversos acessórios e montagem, nos valores, respectivamente, de 1180, 230 e 80 €.

Valentim Loureiro: E agora, quem é que me paga?





Os processos judiciais contra o major Valentim Loureiro foram arquivados. Anos depois de iniciados, por falta de provas foram para a gaveta de um tribunal. Assim friamente, como manda a Justiça Portuguesa.
Sem pretender acusar ninguém, que isso é tarefa que me não pertence, fico perplexo com a lentidão e com a frieza dos nossos tribunais. E o senhor major, com razão, pergunta: «Quem é que me paga o tempo que perdi, os incómodos que sofri e o dinheiro que gastei?»
O senhor major ainda tem voz e vez na comunicação social. Basta levantar os olhos e logo acorrem os jornalistas para ouvirem os seus desabafos. O povo simples, esse fica com as suas dores e sem o seu dinheiro (o que tem e o que não tem), sem poder gritar que a Justiça Portuguesa é uma tristeza. Mas o pior disto tudo é, sem dúvida, o saber-se que ninguém neste país tem coragem para resolver a situação da Justiça.
Há quantos anos anda pelos tribunais o caso Casa Pia? O bastonário até já disse, com alguma graça, este processo, qualquer dia, vai prescrever. Se calhar tem razão…

FM

A justiça social não se esgota na administração pública


Estado social, intocável para quem sonha um poder absoluto

António Marcelino

«Um Estado que vai além de si, se absolutiza como se fora do seu raio de acção a vida não fosse possível, se arvora em senhor de tudo e de todos de modo a que todos tenham de comer pela sua mão e agir com a sua licença, acaba sempre por esvaziar o povo dos seus deveres, não consegue satisfazer os seus apelos e deixa desvirtuar os seus normais direitos, que passam a traduzir-se por exageros sem resposta possível.
O dever do Estado Social obriga-o a satisfazer as necessidades fundamentais do povo no seu conjunto. Para isso recebe os impostos com a obrigação de os saber administrar com justiça e bom senso, com prioridades definidas a partir do que é essencial. A justiça social, não se esgota na administração pública, mas não dispensa esta de a respeitar.»

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Protestos na rua não levam a parte nenhuma






A comunicação social tem dado a notícia dos protestos de um grupo de paroquianos que não aceita a transferência de um padre para outro cargo que lhe foi atribuído pelo Arcebispo de Braga. Entretanto, o Movimento Nós Somos Igreja veio a lume com o seu apoio, acusando a hierarquia católica de falta de respeito para com a comunidade que protesta.
Importa dizer alguma coisa sobre isto, que tem sido omitida nas informações publicadas:

 1. A Igreja Católica não é uma sociedade democrática, mas hierárquica, isto é, o poder não vem do povo, mas das cúpulas hierárquicas. Nessa linha, compete ao bispo nomear os padres e leigos para as funções que julgar convenientes. E como na ordenação os padres e diáconos assumiram o compromisso de obediência ao seu bispo, os nomeados têm de cumprir, mesmo que depois possam manifestar o seu descontentamento perante o prelado;


terça-feira, 20 de julho de 2010

A paz das férias sentou-se comigo à mesa.



Poderá parecer estranho falar eu, um aposentado, de férias. Mas é verdade… Hoje senti-me de férias, como nos tempos em que acordava sem grandes trabalhos marcados para o dia. Dei comigo a ter vontade de acordar cedo para aproveitar o tempo todo. Jornal debaixo do braço, máquina digital a tiracolo, e lá vou eu apressado para o Jardim Oudinot.
Ainda era hora de limpezas e de regas, que a relva precisa de estar fresquinha. Barcos de pesca passam a caminho do porto de pesca costeira. Gente madrugadora já por lá andava a correr ou a caminhar, enquanto um ou outro olhava o espelho do céu que é a nossa ria. Ao longe, com nitidez perfeita, olhei o Farol majestático…
Um ou outro cumprimento de pessoas que passavam, mais uma caminhada para treinar os músculos, mais uma volta para ver bem o que antes vira a correr, e o descanso merecido no bar onde saboreei um café e li o jornal. Nada e ninguém me incomodava. Nenhum pensamento me perturbava. A paz das férias sentou-se comigo à mesa.

FM

Júlio Pires galardoado em Espanha


A XVIII edição da Arte no Morrazo, que se realizou, de 11 de Junho a 18 de Julho, em Cangas, na Galiza, encerrou com a entrega dos prémios deste ano, após um mês de exposição.
O certame contou com mais de 1000 obras a concurso de todos os continentes, tendo sido seleccionadas para a mostra final 50 obras de pintura e 20 de escultura, por um júri plural de mais de dez individualidades ligadas às artes plásticas.
Foram atribuídos 12 mil euros em prémios, tendo o Concelho de Cangas entregue dois prémios de 3000 euros e a empresa patrocinadora, os Frigoríficos do Morrazo, outros dois. Luís Melo, artista português, nascido em Moçambique em 1966, com a obra “Ainda não” , e Lito Portela (Espanha, 1958), com a obra “Duplo mexilhão”,  foram os vencedores dos prémios do Concelho de Cangas. Os outros dois prémios, entregues pelos Frigoríficos do Morrazo, couberam a José Esteban (Espanha, 1969),  com a obra “Os dias da abundância”, e ao artista natural de Ílhavo, Júlio Pires com a obra “Conversando com a cabra”.
Durante a cerimónia de entrega dos prémios, Camilo Camaño, comissário desta mostra e relevante figura das artes plásticas em Espanha, fez um breve relato das obras vencedoras e dos currículos dos artistas, dando amplo destaque a ambos os artistas portugueses, Júlio Pires e Luís Melo, pela qualidade das obras que apresentaram e por os considerar referências das artes plásticas em Portugal.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Caos no trânsito na Praia da Barra




O meu nome é Sofia Sousa, vivo na praia da Barra e tomei a liberdade de entrar em consigo na expectativa de encontrar algumas respostas ao que me atormenta nesta altura.
O desfile incessante de veículos nesta praia tornou um simples passeio a pé impossível.
Hoje foi a gota de água para mim e decidi procurar alguém, algum organismo que poderia ser o mediador com a municipalidade, se é que já nao o é.
Os carros estacionados por todo o lado, passeios, pistas de bicicletas, em frente aos portões das casas, nos relvados, por todo o lado e impunemente não acabam nunca.
Gostaria de saber porque é que hoje, tentando encontrar um elemento da autoridade não vi nenhum??!! Talvez porque eles próprios não conseguem chegar cá, com as filas intermináveis, e talvez, e isto seria o mais assustador, não queiram assustar os turistas ou frequentadores das praias.
Nunca vi nada assim, mas sinceramente estou cansada.
As pessoas sabem que não terão qualquer multa ou problema ao colocarem os carros em qualquer sítio e isto é que é desolador.
Gostaria de saber se haverá alguma forma de chamar a atenção para este problema que, para muitos, é secundário, mas para mim, e tenho a certeza que para alguns moradores, começa a causar um problema real.
Gostaria de saber que não sou a única a expressar-me e gostaria muito que houvesse algum equilíbrio e regulamentos que impedissem os abusos.
Peço desculpa se este assunto não é do seu alcance e nesse caso, aguardando a sua resposta, irei tentar contactar a Câmara Municipal de Ilhavo.

Com os melhores cumprimentos,

Sofia Sousa
ooooooooooooooooooooooooooooooooo

NOTA: Minha cara Sofia:

Gostei de saber, pelo teu e-mail, que estás preocupada com o problema do trânsito na Praia da Barra. Já confirmei essa desordem em certos dias e estou convencido de que as autoridades saberão procurar uma solução para o caos do trânsito. Fizeste bem em alertar para este assunto que nos interessa a todos. Acho que deves entrar em contacto com a Junta de Freguesia e com a CMI, pois a nossa praia só lucrará oferecendo boa qualidade de vida a moradores  e veraneantes...

Vamos todos ficar atentos

Cumprimentos amigos

Fernando Martins


Figueira da Foz: Postal Antigo



No postal da Figueira da Foz pode-se ver um veleiro que parece ser um lugre-escuna, outros ainda com as velhas velas latinas bastardas e junto ao passeio a proa de uma bateira... Seria interessante saber nos nossos portos como foi a pesca da baleia e a sua transformação na pesca do bacalhau....pois algumas das barcas e lugres-patacho já tinham sido utilizados naquela pesca/caça... A pesca do bacalhau contemporânea começou em palhabote....que se mostrou pouco rentável devido ao tamanho dos navios... com o aparecimento da electricidade e do petróleo, o óleo de baleia para iluminação fez parar muitos navios, que, de certo modo, satisfaziam a necessidade de navios maiores e mais rentáveis para a pesca do bacalhau....


António Angeja

Crónica de férias: Como a natureza nos surpreende!...



Dos fracos não reza a história!

M.ª Donzília Almeida


Desde muito pequena que ouvia da boca do meu progenitor, em tom sentencioso, a frase lapidar: “Dos fracos não reza a história”. Ficou-me gravada na memória e embora a minha tenra idade não me permitisse o alcance do aforismo, já deixava antever algum ensinamento, para o futuro.
Na expectativa que a sua prole singrasse na vida, percorrendo caminhos conducentes ao sucesso, lá ia instigando no nosso espírito, a pedagogia dos provérbios. Os ensinamentos, que transmitem, sintetizam a sabedoria popular que se vai transmitindo de geração em geração.
Mas, como em tudo na vida, nem sempre as coisas são tão lineares quanto o peso da tradição nos faria crer.
Há tempos, numa deambulação pelo pomar, pude constatar o contrário do que o aforismo, popular, apregoa. Numa observação atenta das várias árvores de fruto que se perfilam em linha recta, por entre a copa abundante de quase todas, pude observar uma coisa insólita: um pessegueiro alquebrado ao peso dos anos e das intempéries, da vida, exibia o mesmo aspecto dum velho vergado e apoiado na sua bengala. Poucos anos de vida se auguram para esta árvore definhada e quase seca.

domingo, 18 de julho de 2010

PÚBLICO: Crónica de Bento Domingues

Mandela merece distinção da ONU



«Nelson Mandela celebra, este domingo, 92 anos. A África do Sul e o mundo juntam-se nas celebrações daquele que é também o Dia Internacional de Nelson Mandela.
Um grupo de crianças viajou desde a terra natal da família de Mandela até Joanesburgo para felicitar o antigo presidente sul-africano e Prémio Nobel da Paz.
A sua debilidade física exige que passe o aniversário em casa e rodeado pela família.
Entretanto o mundo, celebra pela primeira vez o dia de Nelson Mandela. A ONU instituiu de forma inédita esta distinção, pelo contributo de Mandela na criação da paz e liberdade.
Mandela dedicou 67 anos à vida política, passou 27 na prisão, vítima do regime racista do país. Quando saiu em liberdade tornou-se o primeiro presidente negro do país e colocou fim ao Apartheid. Afastado da vida pública, há seis anos, surgiu recentemente na cerimónia de encerramento do Campeonato do Mundo de futebol.»

Fonte: Euronews

Aplausos para investigadores

Como não se trata de jogadores de futebol, veio num cantinho do PÚBLICO de hoje... No entanto, é da inteligência e do trabalho dos investigadores que depende a nossa qualidade de vida.


«Cinco investigadores portugueses ganharam bolsas do Conselho Europeu de Investigação com valores entre um e 1,5 milhões de euros, válidas por um período de cinco anos, para investigações na área das ciências da vida, anunciaram ontem os institutos Gulbenkian de Ciência (IGC), de Medicina Molecular e de Biologia Molecular e Celular (IBMC). São eles Isabel Gordo, Mónica Bettencourt-Dias e Teresa Teixeira, do IGC, Hélder Maiato, do IBMC, e Bruno Silva Santos, do Instituto de Medicina Molecular, em Lisboa.»

PÚBLICO: Antes & Agora: Aveiro trocou o barco pelo automóvel


«Mudam-se os tempos, mudam-se os meios de transporte. Há não muitas décadas, o barco era o meio de transporte de referência na cidade e região de Aveiro, tanto ao nível do trabalho das suas gentes (nomeadamente ao nível da pesca, produção de sal e comércio), como nas suas deslocações pessoais e de lazer. Esta foto antiga do Canal das Pirâmides, junto ao Rossio, testemunha na perfeição essa vivência de outrora, em que a cidade vivia, de facto, em torno dos canais da ria.»


Leia mais aqui

Crises políticas

O primeiro-ministro diz que o país precisa de tudo,  menos de uma crise política. Tem razão. O problema é que Portugal está cheio de crises políticas, desde o seu nascimento. É sina nossa viver em ambientes de crise. Mas a verdade é que as crises políticas são sempre provocadas e alimentadas pelos políticos profissionais. Esse é que é o grande problema.

A sabedoria de sempre e para sempre

Nada é complicado se nos prepararmos previamente


Se, antes de começarmos a falar, determinarmos e escolhermos, previamente, as palavras, a nossa conversa não será vacilante nem ambígua. Se em todos os nossos negócios e empresas determinarmos e planearmos, previamente, as etapas da nossa actuação, obteremos o êxito. Se determinarmos com bastante antecedência a nossa norma de conduta na vida, em nenhum momento seremos assaltados pela inquietação. Se sabemos, previamente, quais são os nossos deveres, será fácil darmos-lhes cumprimento.

Confúcio, 
 
 "A Sabedoria de Confúcio"
 
Fonte:: Citador

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS - 193

PELO QUINTAL ALÉM – 30


A LANTANA



A
Campeões do Mundo

Caríssima/o:

a. Não sei se conhecem esta planta!?
Cá por mim andei mais que muitos anos até descobrir o seu nome. Abria-se em flores vistosas, ali ao canto do escritório do Tio Reitor, numa florescência que ia do vermelho ao amarelo. Um encanto! Não seria muito simpática pelo odor nem tão pouco pela rugosidade das suas folhas e dos seus ramos, mas para além do colorido outra singularidade nos atraía para junto dela: abelhas, borboletas e outros insectos esvoaçavam permanentemente de flor em flor.

e. Uma tarde tivemos a visita de um amigo que nos deu uma inesperada e elucidativa «lição de botânica». O Padre Artur Sardo, começando por nos desvendar o nome, tendo entre os seus dedos a bela ”flor”, mostrou-nos que se tratava de inúmeras flores, cada uma com a sua cor... mas dispondo-se formando círculos coloridos! E que, além daquela, havia outras predominantemente amarelas ou mesmo brancas!

i. É um arbusto florífero excelente para a formação de maciços e bordaduras.
Dizem que atinge 1,5 a 2 metros de altura; porém, raro é o Verão que não se tenha de subir ao escadote para a podar e rebaixar, caso contrário é uma trabalheira para a safar do telhado de telha nacional.
Já as vimos em sebes de jardins públicos. Cultivadas em vasos dão arranjos florais assaz curiosos.
Por outro lado, as lantanas são úteis como plantas melíferas, pois são muito visitadas pelas abelhas...

sábado, 17 de julho de 2010

Inscrições no ISCRA


Clique na imagem para ampliar

José Régio dito por João Vilaret

Há uma tentativa de voltar atrás em relação ao Vaticano II


O restauracionismo na Igreja

Anselmo Borges

Penso que a autoridade moral da liderança da Igreja hoje nunca foi tão fraca. Por isso, na minha opinião, é importante que, em vez de dar uma impressão de poder, privilégio e prestígio, a autoridade da Igreja seja experienciada como humilde, procurando o ministério em conjunto com o povo, em ordem a discernir as respostas mais apropriadas e viáveis para questões complexas éticas e morais - uma liderança, portanto, que não presume ter sempre todas as respostas". Palavras fortes e raras de um bispo católico. No caso, Kevin Dowling, de Rustenburg, África do Sul, no contexto de uma reflexão para um grupo de católicos leigos influentes e dentro de uma análise "aberta e honesta" da presente situação da Igreja.
Dowling começou por referir-se a uma celebração de uma missa em latim na Basílica do Santuário Nacional da Imaculada Conceição em Washington, na qual o bispo Edward Slattery usou a esplendente cappa magna, vermelha e com uma cauda de vários metros. Esta manifestação de triunfalismo, numa Igreja despedaçada pelo escândalo dos abusos sexuais, foi "completamente infeliz".

Poesia para começar o dia



Contra a bruta realidade
Oponhamos a nossa fantasia.
E contra o mal — a bondade,
E contra a dor — a alegria.

Teixeira de Pascoaes

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Uma causa justa

Para começar o dia, uns minutos de silêncio




O Silêncio

José Tolentino Mendonça

Durante anos o compositor John Cage sondou a possibilidade de uma obra sem sons, mas impedia-o duas coisas: a dúvida se essa tarefa assim não estaria, desde logo, votada ao fracasso, porque tudo é som; e a convicção de que uma composição tal seria incompreensível no espaço mental da cultura do Ocidente.
Foi contudo sendo encorajado pelas experiências que se realizavam nas artes visuais, em particular a série de pinturas de Rauschenberg, de quem era amigo, algumas todas em preto, outras em branco. Assim, em Agosto de 1952, estreia a sua peça 4’33’’; num concerto onde também se interpretaram obras de Christian Wolff, Morton Feldman, Pierre Boulez.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

"A minha mente tem a história que tem"

Podem ler a história do génio matemático que inspirou o filme "Uma mente brilhante"

Oito mil rezam na Net com o poema de amor da Bíblia

Artigo de António Marujo

Cântico dos Cânticos também serve para rezar

«Um excerto do Cântico dos Cânticos, o poema de amor da Bíblia, para rezar pela Net? Há oito mil pessoas, pelo menos, que diariamente o fazem, desde Março, através do site português Passo a Rezar. Esses oito mil podem ser mais, tendo em conta que há paróquias, grupos ou casais que descarregam os ficheiros para poder partilhá-los depois, diz o jesuíta Francisco Martins, um dos responsáveis do www.passo-a-rezar.net.
O Verão trará possibilidades de refrescar esta experiência espiritual através da net: dentro de dez dias, os utilizadores deste espaço de oração digital terão à sua disposição "sete pausas na beleza", textos de reflexão escritos pelo padre José Tolentino Mendonça e que são lidos pelos actores Pedro Granger e Susana Arrais.
"Desatei a rir quando me fizeram a proposta", diz Granger, 31 anos, ao PÚBLICO, antes da gravação dos textos, feita ontem na Rádio Renascença. "O modo como digo a minha fé não é estar fechado num casulo, é de sair para a rua. Esta utilização da Internet é uma maneira de espalhar a fé, não só para quem vai às igrejas, mas que pode aproximar as pessoas."»

Ler mais aqui

Cuidados Paliativos: Portugal entre os piores

«Portugal está entre os dez piores países para morrer, revelou ontem um estudo realizado pela Economist Intelligence Unit (EIU), empresa de pesquisa e consultadoria americana. Num ranking de 40 países, Portugal ocupa o trigésimo primeiro lugar, destacando-se na cauda da lista, a par de países como a Coreia do Sul, a Turquia ou o Brasil, no que respeita a cuidados paliativos. O último lugar pertence à Índia, e os primeiros ao Reino Unido e Austrália.»

Ver mais no Público de hoje

Casa Gafanhoa: uma proposta de visita

Um boa reflexão de Tolentino Mendonça





Diálogo com a cultura não é confortável

«Hoje falar de cultura não é apenas falar dos âmbitos artísticos, é falar daquilo que move a vida dos nossos contemporâneos, daquilo que os apaixona e daquilo que os magoa, falar no fundo do horizonte antropológico em que nos inscrevemos.
A verdade é que os modelos pastorais tradicionais da Igreja tinham diante de si um homem e uma mulher diferentes daquilo que são hoje os portugueses. Mesmo nesta visita papal, o tipo sociológico de pessoas que estava presente no Terreiro do Paço, a comunidade cristã, é muito diferente do da primeira visita de João Paulo II (1982, ndr), em que o Portugal era ainda rural, com características que hoje não continuam.
A Pastoral da Cultura ganha um papel de pivot, no sentido de fazer pontes, facilitar encontros, dar a conhecer, gerar presenças, abrir portas, dar à Igreja um elemento que é sempre fundamental, o ser especialista em humanidade.»

Ler mais aqui

ÍLHAVO: Semana Jovem 2010




A Câmara Municipal de Ílhavo realiza, de 16 a 24 de Julho, a edição 2010 da Semana Jovem, renovando uma  tradicional iniciativa de ambiência jovem no  Município, que leva a todas as suas Freguesias um vasto leque de actividades em áreas tão distintas como a Música, o Desporto, a Arte e a Formação, entre outras.
Excelentes propostas que não deixarão de ser aproveitadas pela juventude ilhavense.

O meu búzio


O Búzio


Este búzio está cá em casa há muitos anos. Nem sei quem mo deu. Mas sei que todos os dias o vejo e ouço os seus murmúrios, que reflectem, misteriosa e tenuemente, os sons do oceano que me embalam desde a nascença.
Mesmo no silêncio da sala onde repousa, ou na relva do meu quintal para apanhar sol, o búzio é um convite aos sonhos nas cristas das ondas do mar. E sobre a importância que os gafanhões lhe deram, há décadas, aqui darei conta em breve.

FM

AVEIRO: Festa da Ria


Até 19 de Julho

A “Festa da Ria”, promovida pela Autarquia Aveirense, visa potenciar as mais-valias da Ria de Aveiro e do Barco Moliceiro com a realização de diversas actividades junto à Ria, como sejam, a Feira Internacional do Sal, Artesanato no Verão e o Concerto pela Orquestra de Saxofones Ventos Novos, com a participação de Rui Pedro Andarilho.
Desde há muitos anos que a “Festa da Ria” constitui como uma das festas de Verão mais emblemáticas da zona de Aveiro. As características únicas desta região, a sua paisagem, as tradições e actividades ligadas à própria Ria de Aveiro, são os motivos de celebração. Também o barco moliceiro, um dos principais ex-libris das terras de Aveiro, é o mote para a realização da já famosa e tradicional Regata de Moliceiros.
O Rossio, a Praça do Peixe, a Praça 14 de Julho e a Praça Joaquim Melo Freitas vão ser a sala de visitas da cidade, serão o palco de vários espectáculos ao longo da semana, com a presença de grupos etnográficos da região, música tradicional e animação de rua.

Há quem conteste a ASAE, mas...






Há quem conteste a ASAE. A liberdade de pensar e de contestar, como de apoiar, é fundamental na democracia. Noutras paragens, a norma é comer e calar.
Pois eu acho que a ASAE faz muito bem em obrigar os agentes económicos a serem higiénicos e cumpridores das regras estabelecidas por quem tem legalidade para as definir e aplicar.
Um dia destes fui tomar uma bica a um café de uma cidade da região. Bastante frequentado, sentei-me numa mesa acabada de ficar disponível. Vem a empregada, levanta a loiça e com um pano, negro como a ferrugem, limpa a mesa para o chão. Então reparei e vi que tinha entrado na porta errada. Tomei o café, um pouco desconfiado, e fugi…

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Um livro de Antony Flew


Leituras

Ocupado com outras tarefas, absorventes em demasia, nem tempo tenho encontrado para falar das minhas leituras, que não descuro, sob pena de começar a ficar sem forças. A leitura é como pão para a boca…
Ando a ler um livro que retrata a experiência de um filósofo ateu que teve a coragem de mudar de ideias. Coisa rara. Não se diz que só os burros é que não mudam de ideias?

Uma frase:
«Como filósofo profissional mudei mais do que uma vez de ideias sobre temas polémicos. Isto não deve constituir surpresa, dado que acredito na possibilidade do progresso em filosofia e no princípio de seguir a razão para onde quer que ela nos leve.»

Uma criança cresce com outras

Mais escola ou apenas menos escolas?

António Marcelino

Tenho acompanhado, com atenção, o problema levantado à volta do encerramento de escolas, sobretudo em meios rurais, dando-se como razão o diminuto número de alunos. As razões do povo e das autarquias têm o seu peso e as do Governo também o têm, misturando razões pedagógicas com exigências de poupança nas despesas.

terça-feira, 13 de julho de 2010

Nessas férias seria diferente!



Passemos para a outra margem


José Tolentino Mendonça

Nessas férias seria diferente! Aboliríamos o rotineiro fast food religioso, que apenas serve para enganar a fome, deixando que a alma se alimente e revitalize como precisa
Penso muitas vezes na sugestão que Jesus faz aos discípulos, mais do que uma vez: "Passemos para a outra margem" (Mc 4,35)
Há um sonho do qual não podemos desistir: o sonho de que a Igreja, em cada uma das suas comunidades, se pareça também com uma família alargada em gozo de férias e não apenas a um laborioso centro de prestação de serviços, sobretudo se anónimo ou impessoal.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Rádio Terra Nova celebra aniversário




A RTN nasceu na década de 80 do século passado, num período de baixa de preços dos equipamentos de emissão. Um pouco por todo o mundo, e em Portugal também, surgiram rádios locais, muitas vezes direccionadas para simples bairros. Pretendia-se divulgar iniciativas de instituições dos mais variados ramos, que nunca tinham vez nem voz nas rádios nacionais. O boom das “rádios piratas” foi de tal ordem elevado, que as entidades oficiais não tiveram qualquer hipótese de impedir o seu funcionamento.
Em 12 de Julho de 1986, a RTN, mesmo sem baptismo, foi para o ar, na sede da Cooperativa Cultural. Diz a sua história que eram 11.30 horas de um sábado. «Ligámos apenas um amplificador e passámos música gravada», recorda Vasco Lagarto.

Crónica de Férias: Vá para férias cá dentro




Vida bucólica

Maria  Donzília Almeida


Agora que chegou o Verão e a palavra férias paira no ar como doce melodia, há que repensar os roteiros turísticos e criar novos destinos alternativos.
Sabendo que as férias são uma realidade para uma minoria de portugueses, outros contentam-se com a miragem que vão acalentando em sonhos. Para isso muito contribuem as telenovelas com os cenários paradisíacos que apresentam e a inveja que despertam aos mais desprotegidos da sorte.
Bem, mas sem irmos para destinos muito longínquos e sem grandes orçamentos para dispor, há formas de se relaxar, de se descomprimir, sem se ir para o famigerado Algarve, ou para o estrangeiro.
Atendendo ao apelo dos nossos governantes, que tal a ideia de fazermos férias cá dentro? O nosso país, apesar da sua pequenez relativa, tem ainda uns cantos e recantos de muita beleza. Quem gostar do contacto directo com a natureza, encontra aí um manancial enorme, onde pode retemperar as suas energias. O campismo é o expoente máximo desse contacto com a natureza, nas suas mais diversas formas. Portugal está equipado com uma rede alargada de parques de campismo, que permitem aos nacionais e estrangeiros conhecerem a parte menos conhecida deste torrão atlântico. De muitas maneiras, desde uma simples tenda canadiana até à mais equipada autocaravana, tudo aí tem lugar, numa convivência pacífica e multicultural.

LOUCURAS

Foto de menino vale milhões

Dizem por aí que a foto do filho de Cristiano Ronaldo vale milhões de euros. Numa sociedade mercantilista, o endeusamento de pessoas tem destes fanatismos, em que se explora, até aos milhões, a alienação de gente que não tem mais em que pensar. Eu sei que cada um é livre de se deixar levar pelo retrato de um menino que, se calhar, ainda nem recebeu um beijo do pai. Da mãe ninguém sabe nada, nem sequer se conheceu o pai do filho. Mas isso é lá com eles.
Agora, meus caros, há que pensar nestas manobras publicitárias, que nos desviam dos verdadeiros interesses das nossas vidas reais, que nada têm a ver com fotografias de meninos de gente rica, mesmo que a riqueza venha da arte de dar pontapés na bola. Repito: cada um sabe de si, cultivando os valores que o enformam ou deformam. Mas continuo a pensar que seria mais importante para todos nós se valorizássemos, em vez dos artistas da bola, os sábios das ciências, os artistas sublimes, os homens e mulheres solidários que no mundo mitigam a fome a tantas crianças cheias de nada. Que riqueza seria para a solidariedade universal a oferta desses milhões, como outros, que valem a foto duma criança.



Monumentos da Gafanha da Nazaré: Faina Maior

O planeta que habitamos: para ver e ouvir com humildade

Regeneração do Centro Histórico de Ílhavo

Amanhã, terça-feira, às 18 horas



A Câmara Municipal de Ílhavo vai realizar amanhã, terça-feira, dia 13 de Julho, pelas 18 horas, no Centro Cultural de Ílhavo, uma Sessão Pública de Apresentação dos Projectos da Regeneração Urbana do Centro Histórico de Ílhavo (RUCHI), assinalando o 20.º Aniversário da Elevação de Ílhavo a Cidade.
Todos os ilhavenses estão convidados.

domingo, 11 de julho de 2010

Regata da Ria




Não pude assistir à Regata da Ria de Aveiro,  para mostrar alguma coisa, de aplauso ou de crítica, mas aconselho uma visita ao Marintimidades, onde escreve quem sabe destes temas. Veja aqui.

Monumentos: MESTRE MÓNICA

PÚBLICO: Crónica de Bento Domingues

Diário de Notícias de hoje: Homenagem à Ria



RIA DE AVEIRO EM TONS DE FESTA


«A ria de Aveiro estende-se por uma distância de aproximadamente 47 quilómetros, de Ovar até Mira: é um dos ex-líbris da cidade, a par com os moliceiros, embarcações típicas que se dedicavam à apanha da vegetação subaquática. Com um papel de relevo na vida da região, a Ria tem uma festa única, que decorre até dia 19.
Por esta altura, as salinas de Aveiro são um foco de atracção turística: os olhares não ficam indiferentes às pirâmides de sal que se multiplicam nas marinhas tradicionais. O sal artesanal de Aveiro, de outras regiões do País e também internacional é promovido na 5ª edição da Feira do Sal, a partir de quinta-feira na Praça Melo Freitas e na Praça 14 de Julho. No próximo fim-de-semana, o Mercado da Praça do Peixe acolhe o Festival da Enguia e dos Ovos Moles. Os ovos-moles são os mais célebres dentro dos vários doces famosos da região: o pão-de-ló, as broinhas, as castanhas de ovos e muitos outros.
A fotografia tem um lugar de destaque na Festa da Ria. "Haverá uma performance na ria com fotografias que espelham a identidade, raiz e história do concelho, intrinsecamente ligado ao mar, à ria, às marés, ao vento e ao sal", explica Maria da Luz Nolasco, vereadora da cultura da autarquia aveirense. A Capitania acolhe, simultaneamente, uma exposição fotográfica sobre a ria.
Os painéis dos barcos moliceiros, que adornam a proa e a popa com desenhos coloridos geralmente de carácter brejeiro, vão a concurso hoje, pelas 10.00, no Canal Central. Uma hora depois, a ria é palco de uma corrida de bateiras e jogos tradicionais. À tarde, a 3ª edição do Raid de Catamarãs.
Todas as noites, a partir das 22.00, a música invade a Praça do Peixe. O destaque vai para a actuação da Orquestra de Saxofones Ventos Novos, com participação do aveirense Rui Pedro Andarilho, na terça-feira. Ainda a iniciativa Artesanato de Verão, organizada pela Associação de Artesãos da Região de Aveiro "A Barrica".
A Festa da Ria representa um investimento de 21 mil euros para a autarquia e é "uma celebração da identidade dos povos, das suas vivências e da sua história", como explica a vereadora da cultura.»


In DN

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS - 192

PELO QUINTAL ALÉM – 29



A AMEIXIEIRA

A
António da Luz,
Manuel Augusto e Isaura
Caríssima/o:

a. Pensando um pouco nem sei bem quantas ameixieiras há no quintal; há ameixas santa rosa, golden japan, amarelas umas, outras vermelhas e também abrunhos, esses mesmo, azuis. Nesta altura é uma fartura e os primeiros a regalarem-se são os pardais e os melros, mas sempre ficam suficientes para nos deliciarmos e distribuirmos por filhos e vizinhos. Por vezes, a apanha complica-se pois, para além do escadote e da escada, ainda se recorre à ladra. Depois é preciso estar com atenção nas crianças para não haver excessos a engolir: para além dos caroços outras consequências poderão estar a caminho.

e. Nos nossos tempos de meninos e moços lá aparecia um ou outro abrunheiro e em algumas ruas de Aveiro a tentação era grande quando começavam a aparecer umas bolitas rosadas ali mesmo à mão de ...pegar, nas árvores de alguns passeios.
Como todos sabemos, fruta era rara... os terrenos eram pequenos para a batata, o milho e a horta, tudo bem aproveitado... Não admira que houvesse muitos frutos proibidos.

i. Quanto à utilidade desta árvore, temos conversado. Podemos encontrar quem nos fale da sua madeira (leve, compacta, elástica, fácil de trabalhar), mas ninguém olha para ela com esses olhos (a não ser um primo ali do Bunheiro que aproveitava tudo o que era árvore... um dia falaremos dele que tem muito para nos ensinar!).
Em todo o caso e, embora a ameixa seja uma fruta macia, só é boa para o consumo enquanto está firme, com aparência fresca e cor viva, sem partes moles, manchadas ou machucadas. Para que a ameixa se conserve em bom estado por vários dias, guarde-se em saco plástico na gaveta da geladeira sem lavar; lavar apenas na hora em que for consumida.

o. As ameixas são também um alimento culinário, isto é, podem ser usadas para conserva, geleia e doces...
Para além de outras e importantes propriedades, sempre ouvi exaltar as laxativas: convém aos intestinos preguiçosos. Mesmo crianças pequenas podem beneficiar da "água da ameixa" em caso de prisão de ventre.
(Para quem estiver interessado pode acrescentar-se: Médicos afirmam que a ameixa fresca é um magnífico agente terapêutico contra ... o reumatismo, a artrite, a gota; a arteriosclerose, a nefrite etc; ácidos e/ou gorduras originados por uma alimentação excessiva, à base de proteínas, gorduras saturadas e colesterol... A ameixa fresca é indicada contra as hemorróidas e a hipocondria. Diurética como é, recomenda-se contra as afecções de carácter inflamatório das vias urinarias. É, ainda, "desobstruente" do fígado, "depurativa" do sangue e "desintoxicante" do aparelho digestivo, pelo que se emprega com êxito nas afecções febris do estômago e do intestino. No tratamento das afecções das vias respiratórias: anginas, catarros, etc...)

U. Curiosidades:

Festival de Folclore na Gafanha da Nazaré


Representantes do grupo italiano com o presidente Ribau Esteves


Decorreu ontem à noite, na Alameda Prior Sardo, Gafanha da Nazaré, mais um Festival de Folclore: XXVIII Nacional e XII Internacional. Foi mais uma festa popular, envolvida por música, cantares e trajes de cinco regiões do nosso país e uma região da Itália, a Sicília.
Na hora do acolhimento aos grupos participantes, o presidente da CMI, Ribau Esteves, frisou a importância de este festival começar na Casa Gafanhoa, «símbolo vivo da nossa cultura», onde se apresenta o viver da terra e do mar. O primeiro, cuja liderança «estava entregue à mulher, que cuidava da vida agrícola e agropecuária», para além da atenção à família; e o segundo participado pelo homem, «no mar e na pesca do bacalhau».
Ribau Esteves recordou que o Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré preserva os valores da nossa tradição  e vida económica, em perfeita sintonia com o cultivo do convívio, da alegria, da partilha e da paz, tal como os demais grupos folclóricos fazem.
Ainda manifestou o seu reconhecimento pelo trabalho de estímulo feito «nesta Europa que não consegue apanhar rumo certo», sublinhando a necessidade de a UE cuidar da sua cultura e da sua gente, para assim construir o seu futuro.
Importa, portanto, acrescentou,  lutar por  «um Portugal e uma Europa que sejam justos  para aqueles que vivem hoje, deixando uma boa herança àqueles que hão-de vir, que são os nossos filhos, herdeiros daquilo que de bom lhes deixarmos».

Grupos participantes


Grupo Folclórico da Casa do Povo de Calendário - Famalicão
Grupo de Danças e Cantares de São Pedro de Maceda - Ovar
Rancho Folclórico e Etnográfico de Vale de Açores - Mortágua
Rancho das Lavradeiras da Trofa - Trofa
Grupo Folclórico I Casteldaccesi e la Corte del Duca - Sicília (Itália)
Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré

sábado, 10 de julho de 2010

Festival de Folclore na Gafanha da Nazaré

 alegria de um grupo italiano





OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Centro Cultural da Gafanha da Nazaré: EXPOSIÇÃO

FOTOGRAFIA: OLHOS SOBRE O MAR



Concurso  atinge o maior número de participantes de sempre


Com a participação de 130 fotógrafos de todo o país, atingiu-se o maior número de participantes das sete edições do Concurso de Fotografia organizado pela Câmara de Ílhavo e subordinado ao tema "Olhos sobre o Mar".
Estão presentes a concurso 590 trabalhos a cor e 251 a preto e branco, que  irão ser alvo de escolha do júri composto por profissionais de fotografia e representantes das entidades patrocinadoras.
Os resultados serão conhecidos em Agosto, sendo os melhores 50 expostos nesse mês no porão do navio-museu Santo André.

O que seria a felicidade?


Aristóteles

QUE QUEREMOS? SER FELIZES

Anselmo Borges

Não há dúvida de que é realmente isso que queremos: ser felizes. Mas, quando se trata de dizer em que consiste a felicidade, encontramos tremendas dificuldades.
A felicidade é o sumo bem. Mas já Aristóteles escreveu: "Todos os homens estão praticamente de acordo quanto ao bem supremo: é a felicidade. Mas, quanto à natureza da felicidade, já não nos entendemos." Também Kant se referiu a essa coisa indefinível, que é o objecto dos nossos sonhos, trabalhos e anseios, nestes termos: "O conceito de felicidade é tão vago que, embora toda a gente deseje alcançar a felicidade, nunca ninguém consegue dizer de forma definitiva e constante o que realmente espera e deseja."
Uma das razões da dificuldade reside no facto de a felicidade ter tanto de subjectivo. A prova está em que encontramos pessoas felizes, apesar de, na nossa percepção, a sua situação as dever levar à infelicidade.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Recordações: Escuteiros da Gafanha da Nazaré

Uma boa recordação do Agrupamento de Escuteiros da Gafanha da Nazaré.

Veja aqui

“A profundidade dos sexos - Para uma mística da carne”


A profundidade dos sexos

“A profundidade dos sexos - Para uma mística da carne”, de Fabrice Hadjadj, é uma das últimas novidades das Paulinas. Da obra, prefaciada pelo P. José Tolentino Mendonça, oferecemos um excerto retirado do capítulo “Da glória dos corpos”:


Mistério e publicidade

Nada se afigura mais hostil ao mistério do que a publicidade: as exibições vulgares, os refrães maçadores, os engodos grosseiros são o contrário do invisível e do íntimo. E, no entanto, porque ela visa suscitar um desejo irresistível, a publicidade tem, sem saber, de lidar com as nossas aspirações mais profundas. O que naturalmente queremos é a bem-aventurança: «Todos os homens procuram ser felizes. Não há excepção, por diferentes que sejam os meios que eles em pregam». Se o bem soberano estivesse diante dos nossos olhos, não poderíamos deixar de o escolher. Mas, à nossa frente, há apenas coisas limitadas, captando dele tão-só um reflexo fugaz; por isso, nenhuma delas pode atrair-nos ao ponto de nos privar do nosso livre-arbítrio. Todavia, para forçá-lo um pouco, importa que, de algum modo, o objecto no cartaz se enfeite, por um instante, de uma bondade suprema. O salsichão Saint Justin dá-vos, de novo, o Gosto do Verdadeiro; o creme Eternal varre as vossas rugas; o portátil X-tremity permite-vos estar em toda a parte ao mesmo tempo...

Leia mais aqui

Folclore na Gafanha da Nazaré, com grupo italiano



Amanhã, sábado, é dia do Festival Nacional de Folclore da Gafanha da Nazaré, na Alameda Prior Sardo, para o qual estão todos convidados. Este ano o Festival conta com a participação de um grupo italiano. O  anfitrião, Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré, oferece mais uma festa, que merece o acolhimento do nosso povo.

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Receitas dos santuários devem ter função social



Santuário de Fátima


A preocupação com os mais pobres deve ser uma das prioridades dos santuários, especialmente no “acolhimento, misericórdia e eucaristia, mas também em gestos solidários de partilha”.
A ideia foi lançada esta Quarta-feira pelo presidente do Conselho Permanente da Associação Santuários de Portugal, Pe. Sezinando Alberto, durante o encontro dos Secretariados Diocesanos das Migrações, que decorre em Ferragudo, diocese do Algarve.
O reitor do Santuário de Cristo Rei, em Almada, defende que uma percentagem dos fundos daqueles lugares santos deviam ser destinados à “função social”, posição apoiada pelo secretário da Comissão Episcopal da Mobilidade Humana, Fr. Francisco Sales.
“Os santuários, se não tiveram uma atenção aos mais pobres e mais frágeis, se não tiverem atenção à misericórdia de Deus, podem fazer muitas coisas dignas da evangelização mas ficam coxos”, afirmou o religioso franciscano, que sugeriu a entrega do “dinheiro das promessas” às instituições de apoio sócio-caritativo.

Ler mais aqui

“A RIA, A ÁGUA, O HOMEM”, DESENHOS E FILMES DE MATOS BARBOSA

MUSEU DA CIDADE DE AVEIRO


No âmbito da exposição temporária patente no Museu da Cidade: “A RIA, A ÁGUA, O HOMEM”, DESENHOS E FILMES DE MATOS BARBOSA, será realizada no próximo DIA 14 DE JULHO, PELAS 17H30, uma homenagem ao cineasta Manuel Matos Barbosa.

Do programa consta a a apresentação do novo filme do  cineasta “A Ria, a Água, o Homem”, uma obra de animação com base nos textos de Raul Brandão sobre a Ria de Aveiro e com a voz do actor Joaquim de Almeida. Também será apresentado o livro  “A RIA, A ÁGUA, O HOMEM - o cinema de Manuel Matos Barbosa”, obra que traça um percurso de vida e faz um registo da filmografia do cineasta;

Entretanto, a exposição sobre o filme e o cineasta, que ocupa os 3 pisos do Museu da Cidade, pode ser visitada de terça a sexta das 10h às 12.30h e das 14.30h às 18h, até final do mês de Julho.

Festival do Bacalhau vai ter corridas loucas



Com o objectivo principal de promover e incentivar a prática desportiva na nossa Ria, a Câmara Municipal de Ílhavo vai promover  “A Corrida Mais Louca da Ria – Corrida de Embarcações Originais” que, à semelhança do ano passado, irá ter lugar no Jardim Oudinot e estar englobada na realização do Festival do Bacalhau, conferindo-lhe mais criatividade e diversão. O Festival do Bacalhau vai realizar-se em Agosto, à semelhança dos últimos anos.

Centro Cultural é obra bonita


O Centro Cultural da Gafanha da Nazaré é uma obra bonita e mais bonita se tornará quando começar a laborar em pleno, com espectáculos, exposições, tertúlias, conferências, teatro e encontros de convívio. A programação fica integrada no plano municipal e tudo se conjuga para que o Centro Cultural passe a ter vida nova. Assim será se os gafanhões souberem tirar partido desta estrutura, da responsabilidade da Câmara Municipal de Ílhavo.

Férias em tempo de crise


Ano do Centenário

Penso que todos os gafanhões já sabem que estamos a viver o ano do centenário. A nossa freguesia completa, portanto, 100 anos de vida. Uma vida cheia de realizações, projectos, anseios, sonhos. Mas quem sabe disso? Esta será uma excelente oportunidade para descobrirmos o nosso passado, para olharmos o presente e para projectarmos o futuro.
A nossa Paróquia, a nossa Junta de Freguesia e a Câmara Municipal de Ílhavo, numa parceria bem conseguida, conceberam uma programação a condizer com os festejos que todos devemos a nós próprios e a quem nos visita. As festas, os espectáculos, a arte, a cultura, a história e as estórias das nossas gentes vão estar à nossa disposição, sobretudo nestas férias.
E se é assim tão importante viver o centenário da nossa terra, então só temos uma coisa a fazer: ficar por cá, colher informações, participar no que nos vai ser oferecido e participar, com alegria e em solidariedade.



“O Português Egas Moniz” visto por Pacheco Pereira

Em Avanca, amanhã, às 21.30 horas

“O Português Egas Moniz” vai ser o tema da conversa informal em ambiente de café, com o deputado Pacheco Pereira, que irá decorrer no dia 9 de Julho, a partir das 21h30, na Sala do Prémio Nobel da Medicina, na Casa do Marinheiro / Casa Museu Egas Moniz, em Avanca, numa iniciativa do Espaço Ciência resultante da parceria entre a Câmara Municipal de Estarreja e a Fábrica Centro Ciência Viva de Aveiro.

Tudo descartável, tudo rápido, tudo sem incomodar



Trilogia dos tempos modernos

António Marcelino

«A educação, processo relacional, visa o crescimento harmónico da pessoa e capacita-a para a vida em sociedade. Se tal processo estiver viciado, nem teremos pessoas equilibradas e responsáveis, nem sociedade humana apetecível. Teremos uma geração de caídos nas valetas da vida e uma sociedade de inúteis perigosos, quando não de feras, que matam para poder roer o seu osso.»

Museu de Ílhavo: até 14 de Agosto


Sala de Exposições Temporárias, até 14 de Agosto

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Por um golo, solta-se o testo da panela


O QUE UM GOLO PODE REVELAR

Pronto. Lá terminou o sonho de ouro e recomeçou o pesadelo das desilusões. Parece que a vida tem a duração de noventa minutos, tantos quantos os de um desafio de futebol, ou que fica mais alto quem se habitua a andar no bico dos pés.
Por um golo, solta-se o testo da panela, a fervura da desilusão tanto queima como gela, os ódios ocultos vêm ao de cima, os sorrisos de conveniência esvaem-se com um sopro. Discute-se tudo, aventam-se profecias de desgraça, catalogam-se “criminosos”, cruzam-se os braços de desânimo e de revolta.
Ao que nós chegamos! Parece que, na vida, só têm lugar os vitoriosos e que perder é sinónimo de desgraça e morte antecipada.
Voltamos à barbárie romana: “Pão e jogos!” Custe o que custar. O resto não interessa.
Os homens do dinheiro desvalorizam quem não produz dinheiro. Os homens do circo só querem êxitos e vitórias, nem que tenha de se fazer das pessoas, animais submissos.
Porém, perder e ganhar é o ritmo de uma vida equilibrada, tal como a natureza nos ensina. A folha que cai ou a flor que murcha avivam sempre a esperança da primavera que chegará a seu tempo. A árvore com raízes vivas, ainda que descarnada e feia, está bem viva.
As pessoas não morrem com as derrotas, nem ficam eternos vencedores porque uma vez venceram. Rico não é o que tem muito dinheiro, mas o que tem dignidade e sabe comportar-se, como pessoa séria e sã, nos êxitos e nos fracassos que a vida traz.
O Mundial de Futebol é mais um livro aberto com páginas cheias de lições. Haja quem, sem preconceitos e sem cores de clubes rivais, as saiba ler e aplicar.
 
António Marcelino

destaque

Povos indígenas - «grito lançado à consciência» do mundo

«O Papa Francisco elogiou  no Peru a riqueza “biológica, cultural e espiritual” das comunidades amazónicas, que apresentou como um desa...