segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Florinhas do Vouga: Balneário no Bairro de Santiago

 


«A instituição Florinhas do Vouga criou um balneário no Bairro de Santiago para prestar apoio ao nível da higiene pessoal, estando, ainda, associado àquele espaço um roupeiro com lavandaria. O espaço é diariamente procurado por pessoas com problemas sociais, como sem-abrigo associados aos arrumadores de carros, toxicodependentes, alcoólicos, carenciados, entre outros. Qualquer necessitado pode utilizar aquele espaço para tomar banho e mudar de roupa, de forma gratuita. O espaço está aberto de segunda-feira a sábado. Às terças e sextas-feiras encerra a partir das 13 horas.»



BANCOS ALIMENTARES CONTRA A FOME ANGARIAM 2498 TONELADAS DE ALIMENTOS NA CAMPANHA DO ÚLTIMO FIM-DE-SEMANA



"Dê a melhor parte de si ao Banco Alimentar:
a sua solidariedade"


«Os Bancos Alimentares Contra a Fome recolheram no passado fim-de-semana um total de 2.498 toneladas de géneros alimentares na campanha realizada em 1323 superfícies comerciais das zonas de Abrantes, Algarve, Aveiro, Braga, Coimbra, Cova da Beira, Évora e Beja, Leiria-Fátima, Lisboa, Oeste, Portalegre, Porto, Santarém, Setúbal, S. Miguel, Viana do Castelo e Viseu. Em relação a  Novembro de 2008, houve  um acréscimo de 30,9%.
A campanha, cujo lema foi "Dê a melhor parte de si ao Banco Alimentar: a sua solidariedade" suscitou uma enorme adesão do público e dos voluntários que quiseram colaborar. As campanhas são extraordinárias cadeias de solidariedade onde cada elo - pessoas que colocam os seus donativos nos sacos do Banco Alimentar, voluntários que dão o seu tempo e trabalho e empresas que garantem seguros, transportes, refeições, segurança, limpeza - é indispensável e igualmente importante.»

Ler mais aqui

Nota: Apenas uma palavra para sublinhar a gernerosidade do nosso povo. Mesmo em tempo de crise, não deixa de levar à prática, quando solicitado e não só, o dom de dar e de se dar. Somos, de facto, um povo com um coração muito grande.



Para começar a semana: Advento



«Chegou sem ser esperado, veio sem ter sido concebido. Só a mãe sabia que era filho de um anúncio do sémen que existe na voz de um anjo. Tinha acontecido a outras mulheres hebreias, a Sara por exemplo.

Só as mulheres, as mães, sabem o que é o verbo esperar. O género masculino não tem constância nem corpo para hospedar esperas. Sinto de novo a agravante de ignorar fisicamente a voz do verbo esperar. Não por impaciência, mas por falta de capacidade: nem mesmo durante as febres
de malária me acontecia recorrer ao repertório das fantasias de me curar, de estar à espera de.»

Ler mais aqui




domingo, 29 de novembro de 2009

Suíça fere orgulho da Europa democrática

A Suíça feriu hoje, de forma algo inesperada, o orgulho da Europa democrática e civilizada, ao aprovar, por mais de 57 por cento, a proibição da construção de minaretes (torres) nas mesquitas. Como é sabido, na Europa, os islâmicos podem construir as suas mesquitas, com autorização dos respectivos países, no respeito pela liberdade religiosa inerente a uma democracia.
O mesmo, como também é conhecido, não acontece em inúmeros países muçulmanos. Mas a Suíça, hoje, deu um passo atrás, ao proibir os minaretes. Era o mesmo que proibir, em qualquer espaço europeu, os cristãos de construírem as torres das suas igrejas.

Bento XVI pede alegria no Advento




O Santo Padre exortou ontem, na celebração de vésperas do I Domingo do Advento,  os católicos a viverem este tempo litúrgico com alegria. E adiantou: “O homem, na sua vida, está permanentemente em expectativa, à espera: quando é criança, quer crescer; como adulto, tende à realização e ao sucesso; avançando na idade, aspira a um merecido repouso. Mas chega um momento em que descobre que esperou demasiado pouco de si mesmo; para além da profissão e da posição social, nada lhe resta para esperar.” E disse mais: “A esperança marca o caminho da humanidade. Mas, para os cristãos, a esperança encontra-se animada por uma certeza: que o Senhor está presente no fluir da nossa vida, Ele acompanha-nos e um dia enxugará as nossas lágrimas. Um dia, não muito distante, tudo encontrará o seu cumprimento, no Reino de Deus, Reino de justiça e de paz.”
 

Ler mais aqui

Na Escola Secundária da Gafanha da Nazaré: O Papel das TIC no Exercício de uma Cidadania Responsável



No próximo sábado, 5, pelas 15 horas, vai ter lugar na Escola Secundária uma palestra sobre as TIC (Tecnologias da Informação e da Comunicação) e a Cidadania. A rádio, como não podia deixar de ser, está incluída na temática e sobre ela vai falar o professor António Rodrigues, docente na mesma escola. O general Garcia dos Santos abordará a importância das comunicações no 25 de Abril e o eng. Lagarto explicará por que razão já não podemos viver sem as TIC.
Palestra a não perder...

Museu Marítimo de Ílhavo assume novos desafios em 2010



Ribau Esteves garante
dinamização do Museu

«O ano de 2010 será um ano de mudança e afirmação para o Museu Marítimo de Ílhavo. Quem o diz é Ribau Esteves, presidente da Câmara Municipal, que tem previsto para este mandato vários projectos que visam a dinamização do museu. Um deles é a ampliação que está prevista e que irá permitir, entre outras valências, a criação de um aquário de bacalhaus. De referir também a aposta na investigação com a implementação do Centro de Inovação e Empreendedorismo e a criação de um novo pólo museológico, com a musealização da barca do século XV encontrada no Canal de Mira.»

Ler mais em RTN

Francisco José Viegas sobre a Bíblia Literária


«O escritor e editor Francisco José Viegas apresentou a nova edição e não evitou a polémica a propósito das declarações de Saramago. "A Bíblia não é um manual de costumes", disse Viegas, que se definiu como alguém "inquietado pela Bíblia".

"Há um conforto que vem da inquietação" que a leitura do texto bíblico provoca, disse. E a leitura deve levar o leitor a perder-se. Citou um rabi judeu: "Não perguntes o caminho a quem o conhece, pois de contrário não te poderás perder". A leitura da Bíblia, tal como as críticas, é interminável, disse ainda. Por isso seria "confrangedor" remeter o texto para as "velharias da humanidade".»

Ler mais aqui

Ler também na LER "Diário de ocasião" do mesmo escritor

Efeméride aveirense: Prof. Doutor Egas Moniz


1974

Comemorou-se na cidade de Aveiro o primeiro centenário do nascimento do Prof. Doutor António Caetano de Abreu Freire Egas Moniz, de cujo programa constaram uma exposição filatélica e medalhística, outra bibliográfica e ainda uma sessão pública.

In Calendário Histórico de Aveiro

O que é preciso é mudar de opções e adoptar medidas que ajudem os mais pobres

ATITUDES
PERANTE A CRISE


Sonhei, acordado. A imaginação deu largas à fantasia. Ouvi o mundo a queixar-se. Vi legiões de pessoas desfiguradas, empresas fechadas, famílias desfeitas e à procura de estabilidade, escolas questionadas, clubes endividados. Notei que havia muitos sinais de crise que parece ser global. Dei conta que num fórum se discutiam propostas para ultrapassar a situação e tentei apurar os sentidos para captar o conteúdo de cada uma.
Realmente o mundo está mal, sofre de uma doença terrível – afirma o banqueiro. Não sei onde pára o dinheiro, que é a base da sua alimentação. Ele nunca é muito, mas nos últimos anos dispusemos de enormes quantias. Ainda bem que tive a ideia e a sorte de pôr o meu em lugar seguro.
Mas, se não há dinheiro – atesta o empresário -, o mundo não pode comer e aumenta a fome, mas sobretudo como posso eu garantir os meus lucros?! Temos que fazer uma declaração de crise, despedir trabalhadores e candidatar-nos a alguns recursos que o Estado tenha para estas circunstâncias.
A solução – sentencia o político com ares de quem dispõe de medidas acertadas e eficazes – passa pela injecção de doses de dólares e de euros. (Usou duas palavras novas: a dólar-icina e o euro-tamol). Só assim o mundo pode recuperar e manter-se como estava.
Estou em completo desacordo – declara o voluntário da organização não governamental para o desenvolvimento. O que é preciso é mudar de opções e adoptar medidas que ajudem os mais pobres, medidas que acabem com os paraísos fiscais que sempre “engordam” a riqueza de quem a tem e usa de forma egoísta.
Deixem-se de devaneios – aconselha o médico lembrando que o doente precisa de uma boa análise de todos os sintomas e de um diagnóstico exacto, São necessários mais especialistas para contrastar opiniões. Só depois se pode receitar uma correcta terapia e esperar que o mundo se cure.
O meu sonho acordado vê entrar em cena Jesus de Nazaré ressuscitado. Confiante, aproxima dos intervenientes no fórum, olha-os com simpatia e manifesta-lhes a sua preocupação. Tento apanhar tudo o que diz e faz, por gestos e palavras. Não aponta os males do mundo. Mostra apreço pela bondade e beleza das pessoas, reconhece e louva o que se faz de bem e recomenda uma nova escala de valores, a começar pela atitude de cada um.
Ânimo – diz-lhes com tom vigoroso -, aprendei com a crise a ser mais solidários, criai um nova organização de bens e serviços a nível mundial e local, encorajai-vos mutuamente, prestai uma atenção maior a quem está mais desfavorecido. E contai sempre comigo que, discretamente, estou no meio de vós para impulsionar a vossa esperança.
O meu sonho chegou ao fim. Cortei o fio à imaginação com a certeza de que tinha feito um retrato muito nítido, embora reduzido, de algumas atitudes humanas que a realidade nos vai mostrando.

Georgino Rocha

Para começar o Advento

ADVENTO

Tempo de esperança e de procura.Tempo de peregrinação e de chegada.Tempo de fraternidade. Tempo de Luz que ilumina todos os homens.Tempo do Menino Jesus.
Deus vem para a nossa humanidade. E quando chegar a cada um de nós, convida-nos para uma caminhada, lado a lado, rumo à paz universal.


NOTA: A partir de hoje e até à vinda do Menino, o espírito natalício vai aparecendo por aqui. Com a colaboração de todos os que o desejarem. Ilustrações, poesia, contos, recordações, vivências...

sábado, 28 de novembro de 2009

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS – 159

BACALHAU EM DATAS - 49


Bissaya Barreto - 1943

88% DAS PROVISÕES ERAM
DE PRODUÇÃO NACIONAL

Caríssimo/a:

1950 - «Na década de 50, a frota continuará a ser renovada, agora suportada pelos Planos de Fomento das Pescas Nacionais.» [Oc45, 114]

«Em França, a congelação a bordo de arrastões bacalhoeiros foi aplicada pela primeira vez em 1950, no arrastão-congelador Jacques Coeur.» [Oc45, 106, n. 29]

«O último navio francês de pesca à linha demandara os bancos em 1950». [Oc45, 95]

24 de Janeiro - O navio BISSAYA BARRETO, construído nos Estaleiros Navais do Mondego, foi devorado por um violento incêndio, quando se encontrava fundeado no Douro.

1951 - Forma-se a empresa João Maria Vilarinho, com quatro barcos (NAVEGANTE I e II, ADÉLIA MARIA e CAPITÃO JOÃO VILARINHO)

«Nas campanhas de 1951 e 1952 a capacidade de pesca dos arrastões já se aproxima da dos navios de linha.» [Oc45, 101]

25 de Abril - A Lusitânia lançou à água um novo navio designado BISSAYA BARRETO.

1952 - 14 de Maio - Bota-abaixo do navio de pesca bacalhoeira CAPITÃO JOÃO VILARINHO.

24 de Setembro - Naufrágio do navio-motor JOÃO COSTA.

1953 - «Em 1953 a frota bacalhoeira portuguesa conta com 21 arrastões, menos um do que a frota espanhola que introduzira o arrasto ainda antes de começar a Guerra Civil.» [Oc45, 95]

1954 - «1954-58 Os 17 navios lançados ao mar neste quinquénio foram todos construídos em estaleiros nacionais e todos eles de pesca à linha, uma vez que os arrastões mobilizavam mais investimentos avultados em importações de aparelhagem e chaparia.» [Oc45, 93]

«...[O] advento dos primeiros arrastões pela popa dotados de instalações frigoríficas ocorre apenas cerca de uma década depois da experiência pioneira da série britânica dos Fairtrys, modernos navios-fábricas cujo modelo depressa se estendeu a outros países da Europa Ocidental e de Leste desde que o primeiro foi lançado ao mar em 1954.» [Oc45, 101]

«De notar que em 1934, ano em que o Estado Novo começou a reorganizar o vector do bacalhau criando um esquema de protecção de pesca nacional capaz de promover a substituição das importações, o grau de auto-aprovisionamento do mercado interno era de 16%. Em 1954 a “Campanha do Bacalhau” atingia o auge: 88% das provisões disponíveis eram de produção nacional. Cálculos nossos obtidos a partir de estatísticas do INE.» [Oc45, 104 n. 7]

Manuel

Linguajar dos gafanhões

Para ficarem com uma ideia do linguajar dos gafanhões, segundo as minhas recordações e algumas leituras, podem ler aqui.

Diz Vasco Pulido Valente:"A história é triste. É Portugal por uma pena."



Portugal por uma pena

"Agora, Jaime Gama, que - segundo corre - alimenta ambições presidenciais, resolveu pôr a casa na ordem. Com um cargo essencialmente simbólico, não lhe assiste qualquer autoridade para essa operação. O que não o impediu de perorar sobre os "deveres parlamentares", nomeadamente sobre o "dever de assiduidade", de exigir um "visto" oficial para certos tipos de faltas (não ao plenário, evidentemente) e de proibir certas benesses muito apreciadas (o "desdobramento" de algumas viagens, em primeiro lugar). Perante isto, o Parlamento (incluindo o grupo socialista), que sempre obedeceu sem mugir nem tugir aos chefes dos partidos, teve um sobressalto e uma revolta. Votar como lhe mandam não ofende a deputação do país. Prescindir da hipocrisia, da trapalhada e da borla não admite. A história é triste. É Portugal por uma pena."



Vasco Pulido Valente, no PÚBLICO de Hoje


"Só faltava esta: descender de macacos! Se for verdade, rezemos para que ninguém saiba"


Darwin

Darwin e a religião


Ainda no contexto da dupla celebração neste ano de 2009 - 200 anos do nascimento de Charles Darwin e 150 anos da publicação de A Origem das Espécies -, fica mais uma reflexão sobre o tema em epígrafe.

Aquela história repetida - o bispo de Oxford, S. Wilberforce, perante enorme assistência a uma conferência, perguntou a Thomas Huxley, defensor de Darwin, se descendia do macaco pelo lado do avô ou pelo lado da avó; face à resposta, desconfortável para o bispo, uma senhora desmaiou e a mulher do bispo terá murmurado: "Só faltava esta: descender de macacos! Se for verdade, rezemos para que ninguém saiba" - não será completamente verdadeira, mas revela bem o abalo e a perplexidade causados pela tomada de consciência de que descendemos por evolução de outros animais.

Concretamente quanto à religião, é significativo que a obra de Darwin não tenha figurado no Índex (lista dos livros proibidos aos católicos). Por outro lado, Darwin foi sepultado com pompa na Abadia de Westminster, a alguns passos do túmulo de outro gigante da ciência, Newton.

Em 1996, o Papa João Paulo II declarou, perante a Academia Pontifícia das Ciências, que "a teoria da evolução é mais do que uma hipótese". E, para marcar os 150 anos de A Origem das Espécies, realizou- -se recentemente na Universidade Gregoriana de Roma um Congresso sobre "Evolução biológica, factos e teorias", patrocinado pelo Conselho Pontifício para a Cultura. Os organizadores fizeram questão de excluir os partidários do "criacionismo" e mesmo do "desígnio inteligente".

Há evolucionistas materialistas, ateus, mas também os há crentes. As relações só azedam, quando, de um lado e do outro, se ergue o fundamentalismo: cientista ou religioso. Ora, contra esse duplo fundamentalismo, é preciso saber que Deus não é objecto de ciência: cientificamente, não se demonstra nem que há Deus nem que Deus não existe. Deus é objecto de fé e há razões para acreditar como há razões para não acreditar.

Assim, é tão ridículo invocar o livro do Génesis, com o seu mito da criação, lido literalmente, para negar a evolução, como invocar a ciência para provar que não há Deus. O Génesis é um livro religioso e não científico e a ciência nega-se a si mesma, quando pretende pronunciar-se sobre questões da esfera metafísica e religiosa.

A evolução e a fé não são incompatíveis. A ciência responde ao "como" e não ao "porquê" da realidade. Porque há algo e não nada? Qual o sentido último da realidade? A própria afirmação do acaso cego confronta-se com o que se pode chamar o seu paradoxo: como é que por puro acaso surge um ser - o Homem - cuja questão fundamental é a do sentido.

Aliás, há o famoso "princípio antrópico", que não demonstra Deus, mas que dá que pensar. O físico R. Dicke apresentou-o, em 1961, na sua forma "fraca": "Uma vez que há nele observadores, o universo deve possuir propriedades que permitam a existência desses observadores". Depois, Brandon Carter apresentou-o na sua forma "forte": "O universo deve ser constituído de tal modo nas suas leis e na sua organização que não deixa de um dia produzir um observador". Mesmo se é menos justificável nesta forma "forte", há sempre esta pergunta: porque é que o mundo é como é, de tal modo que aparecemos nele, perguntando por ele e pelo seu sentido? De facto, a mínima variação nas suas condições iniciais faria com que não estivéssemos cá a colocar todas estas questões.

O próprio Darwin viveu a questão religiosa em perplexidade. Na sua Autobiografia, escreve que é extremamente difícil, ou melhor, impossível "conceber este imenso e maravilhoso universo, incluindo o homem, como sendo o resultado do acaso cego ou da necessidade. Quando começo a reflectir assim, sinto-me obrigado a recorrer a uma Causa Inicial que possua uma mente inteligente, até certo ponto análoga à mente do homem; e mereço ser chamado Teísta". Mas, depois, "surge a dúvida" e confessa: "Não posso pretender lançar qualquer luz sobre problemas tão abstrusos. O mistério do início de todas as coisas é insolúvel para nós; e por mim contento-me em permanecer Agnóstico."

Para começar o dia: Recordando o Douro


Douro


O Douro sempre apetecido

É nos dias menos agradáveis que me vêm à memória os bons momentos vividos em dias bonitos. Como é o caso de um passeio ao Douro, onde a paisagem, vista de qualquer ângulo, tem uma beleza ímpar. Nesta foto, até as nuvens são dignas dos nossos olhares àvidos do belo.




sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Para a própria Igreja, o encobrimento de abusos sexuais foi trágico...

Um só crime


1. A hierarquia católica nunca lidou bem com os abusos sexuais do clero, como mostra de novo o relatório publicado na Irlanda (como, já antes, documentos semelhantes no Canadá, EUA, Áustria e Austrália). Durante décadas, vários bispos (incluindo cardeais, como Bernard Law, ex-arcebispo de Boston) preferiram o chamado "bem da Igreja" ao bem das vítimas - exactamente o contrário do que a sua fé lhes diz.
Uma das razões para esta falta de tacto era a forma como se reprimia a sexualidade. Como certeiramente disse o ministro irlandês da Justiça, Dermot Ahern, o episódio traduz a "ironia cruel de uma Igreja que, motivada em parte pelo desejo de evitar o escândalo, de facto criou um outro, de uma incrível amplitude". Para a própria Igreja, o encobrimento foi trágico: nos EUA várias dioceses tiveram que vender património e declarar falência, para pagar indemnizações às vítimas.


2. O problema é mais vasto: o relatório irlandês culpa também as instituições do Estado pela omissão na descoberta da verdade. A questão traduz também o modo como, em sociedade, nos relacionamos com os afectos e com os mais frágeis. As relações entre as pessoas são também, em muitos casos, relações de poder e só nas últimas décadas a pedofilia começou a ser mal vista pela opinião pública. O caso Polanski aí está para o recordar: alguns desculpam ao cineasta o que não perdoam em outros casos. E as contradições judiciais do caso Dutroux, na Bélgica, mostram a dificuldade com que ainda se lida socialmente com estas questões.


3. Nem sempre os media deram igual atenção às medidas tomadas para sanear o problema (posições de João Paulo II ou Bento XVI, decisões dos episcopados) que deram aos escândalos. Outro dado: números da Conferência Episcopal americana (80 por cento dos padres envolvidos eram dos EUA, uns 4400, num total de 5000 em todo o mundo) dizem que, desde 1950, foram "só" quatro por cento do número total os padres que estiveram envolvidos em casos de pedofilia. Apesar de tudo, uma parte reduzidíssima do clero. Mas bastaria um crime de um único padre para que a questão já fosse importante.

António Marujo, no PÚBLICO de hoje

Leia mais aqui

Um poema para esta hora de silêncio na minha tebaida



SILÊNCIO

Só o silêncio
no ramo!
Já chegou
e já partiu
quem nele poisou
um dia
e quem sofreu
a agonia
de ser uma pausa
breve...
silêncio
de quem já foi
silêncio sorriso
alegre
silêncio
da dor que mói...
só o silêncio
se escuta
naquele ramo
oscilante
silêncio
da asa solta
que se foi
ao sol levante!...

Maria Mamede

In Grupo Poético de Aveiro

É neste momento que os monárquicos choram o seu rei

Acabou-se a liberdade


«Já ninguém se entende no país dos brandos costumes e agora pegou a moda de todos acusarem todos. O país está a brincar com o fogo: não tarda nada esquece a importância do significado da palavra liberdade. E aí...

O regulador dos media, a ERC, vai investigar se existem interferências do governo no sector. Os juízes, por sua vez, querem saber se existe espionagem política no país. Todos se sentem vigiados, mas ninguém sabe se essa sensação é real. Ou melhor, o director do "Sol" acusou claramente pessoas ligadas ao primeiro-ministro de lhe terem prometido dinheiro (para os problemas financeiros do semanário que dirige) em troca de não publicar notícias sobre o Freeport. E um juiz de Aveiro sustenta que Armando Vara está envolvido em negócios obscuros. O que se passa neste país?»

Martim Avillez Figueiredo

Ler tudo aqui

Se o Parlamento tivesse mais gente com cultura e capaz de pensar, as coisas seriam diferentes



Europa dos interesses ou do pluralismo democrático?


A decisão do Tribunal Europeu de Direitos Humanos, a partir de um equívoco do laicismo provocado por outros equívocos, que define a “presença dos crucifixos nas escolas da Itália como uma violação da liberdade religiosa dos alunos”, traz ao de cima um problema mais grave que o dos sinais religiosos em lugares públicos. Este problema cifra-se na prática corrente de as instâncias europeias decidirem, com um dogmatismo carregado de moralismo ou amoralismo, sobre os países da União, em relação a aspectos que bolem com a sua história, cultura, religião e identidade nacional, como se tratasse de definir as cotas leiteiras. Agora foi a Grécia a reagir.


Não é assim quando os países grandes têm interesses próprios e uma voz grossa para dizer “não”, como aconteceu e acontece em relação a muitos aspectos comunitários.

As habituais tensões provêm, em geral, de uma União Europeia que deixa pouco ou nenhum lugar aos seus membros para se afirmarem na sua originalidade ou se defenderem de intromissões, que não deviam existir. Morto o pluralismo, matam-se muitas ocasiões de um enriquecimento comum, benéfico para todos.

A ideia de que os cidadãos europeus devem ter em tudo direitos iguais e padrões de valor idênticos, onde quer que se encontrem, tem destruído, a pouco e pouco, o património cultural e moral de muitos países com história própria. À revelia das suas origens, a UE foi-se transformando, por pressões diversas, numa instância de padrões morais e pseudo culturais. Por infelicidade, são poucos os estados que reagem a este domínio e prepotência. E, quando o fazem, logo são classificados de reaccionários e conservadores. Para os ideólogos, com carimbo europeu, só o que eles ditam é certo, moderno e aceitável. Assim têm baralhado as populações e as suas referências morais.

Leis e normas sobre família, casamento, vida humana, natalidade, divórcio, aborto, tudo sai da central ideológica de Bruxelas, como decisão sem apelo ou critérios de inspiração obrigatória para as leis dos países membros.

Assim, as doenças morais graves do continente europeu acabam por ser epidemia que se exporta e alastra por todo o lado. Quando, neste campo, os países que ainda mantêm lucidez, pundonor e liberdade, reagem, logo surgem pressões e ameaças. Como da Europa vem o dinheiro e já nenhum país pode sobreviver sem cumprir as normas europeias que lhes abrem portas, por vezes bem estreitas, a reacção torna-se impossível para os mais dependentes, que são sempre os mais pequenos e mais pobres. Aparecem na fotografia, mas, nas grandes decisões, são números que pouco contam.

Certamente que nem tudo tem sido negativo e que o balanço tem muitas coisas positivas, que muitos países membros nunca teriam coragem de enfrentar por si, dados os interesses criados, sobretudo políticos e económicos. Mas não é este o problema, na minha opinião. Será, antes, saber se os países têm de se anular na sua originalidade e legítima autonomia para poderem fazer parte de um grupo alargado, com interesses comuns, mas que parece esquecer-se que precisa de todos e do específico de cada um, que não é só a gastronomia, o artesanato e o folclore.

A origem da EU, a partir do Tratado de Roma de 1956, não previa aniquilar ninguém. Os da primeira hora eram cristãos com ideais de respeito e abertura. Os que agora dominam são, na sua maioria, servos da maçonaria, com poderes e estratégias que já não enganam ninguém. Não se nega a ninguém o direito a ser de qualquer Loja, mas sim que esta seja a oficina do novo rosto da Europa, a que negam as raízes cristãs e a face humanista.

O primeiro obreiro, Giscard D’Estaing, de uma Constituição rejeitada, não ocultou a face maçónica nela impressa, os objectivos ideológicos pretendidos e os incómodos históricos que sofria. Não se entende, com tudo isto, qual é a noção de pluralismo e de respeito pela verdade e pelas pessoas. Se o Parlamento tivesse mais gente com cultura e capaz de pensar, as coisas seriam diferentes. Assim, seremos os eternos obedientes que trocam tudo por dinheiro e por sonhos.

António Marcelino

Para começar o dia: Uma Boa Ideia para Portugal

"Uma ideia: preparar o futuro da educação. Como: preparando melhor os futuros professores. Porquê: porque em breve vai aumentar a procura de profissionais do ensino. De que forma: dando maior importância à formação dos futuros professores e instituindo exames para entrada na profissão. Quando: já!"

Nuno Crato

No i de hoje

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Açores... terra de ventos fortes



Que grande susto!

O meu filho João, que  vive e trabalha nos Açores, quis assustar a família, enviando-me esta foto de um avião em situação delicada, por causa dos ventos fortes e incertos. O piloto lá conseguiu aterrar, depois do susto que pregou aos passageiros. Mas o meu João, homem corajoso, não vai ter medo de levantar voo na Terceira, para passar o Natal connosco. Até um dia deste, João! Por cá te esperamos.

Nossa Senhora dos Navegantes está em toda a parte...



SENHORA DOS NAVEGANTES

Um leitor, amante da fotografia e da cultura, mas também amigo do seu amigo, teve a gentileza de me enviar esta foto, captada em Japaratinga, julgo que no Brasil. Sabe quanto gosto de Nossa Senhora dos Navegantes, ou não fosse eu filho de marítimo, e aqui fica a prova da sua amizade. Para o Dinis, um abraço, com um obrigado por se ter lembrado de mim, certamente bem longe da Capela da Senhora dos Navegantes, no Forte da Barra,  Gafanha da Nazaré.

Dar o peixe é sempre pouco...



Alimentar o pão da esperança

1. Este fim-de-semana decorre a nível nacional a campanha do Banco Alimentar contra a Fome. Não é publicidade, são milhares de toneladas de alimentos partilhados, são milhares de voluntários pelo país inteiro, são milhões de pessoas generosas que partilham das suas possibilidades com quem nada tem. É um facto: matar a fome primeiro, formar e reformar para que a fome não exista vem depois. São centenas as instituições que ao longo do ano beneficiam desta corrente solidária que marca um sinal de solidariedade no nosso país. Quem diria há alguns anos que a campanha do Banco Alimentar se viesse a tornar a enorme esperança de pão para muitos que hoje representa?

2. Sabe-se que o dar o peixe é sempre pouco e que o ensinar a pescar representa o passo formativo em ordem ao futuro efectivamente melhor e mais comprometido. Mas às bocas sem pão, à fome que existe habitualmente e mesmo à nova fome escondida como consequência das recentes crises, o “pão” é que salva, pois ele é que pode dar a força ao corpo e garantir os mínimos da dignidade a que cada pessoa humana tem direito. Tal como é verdade que o pão garantido aumenta a esperança de o ganhar cada dia, do mesmo modo o contrário também se confirma: quando o pão não existe «todos ralham», a desmotivação cresce, o desespero amplia-se, o lar familiar pode entrar numa espiral descendente onde tudo é negro e tudo parece amargo e perdido.

3. O frio está a começar a apertar, para todos, com abrigo ou sem abrigo. O abandono às noites das grandes cidades, local como mundialmente, reflectem a brisa de muita solidão que teima em manter-se, quando não um cortejo a ampliar-se. Esta dura realidade solitária interpela todos e os proclamados modelos de desenvolvimento. Estes dias que abrem o mês de Dezembro apelam-nos à nobreza do essencial da vida para que a partilha seja dar-se a si mesmo numa esperança que irradie dias melhores para todos. O pão da esperança precisa mesmo de todos!

Bancos Alimentares realizam mais uma Campanha de recolha de alimentos em 28 e 29 de Novembro





A solidariedade sempre renovada
dos portugueses volta a ser posta à prova


Os Bancos Alimentares Contra a Fome voltam a apelar, no próximo fim-de-semana, à generosidade do público em mais uma campanha de recolha de alimentos. A solidariedade sempre renovada dos portugueses volta a ser posta à prova num momento de particular dificuldade e necessidade: nunca como agora fez tanto sentido a ideia de que é possível fazer a diferença apenas com um pequeno gesto.
Numa época em que muitas famílias portuguesas se encontram em dificuldades, a partilha e a solidariedade são mais do que nunca necessárias. Os desempregados, os idosos, as crianças e as famílias desestruturadas são os grupos mais atingidos pela situação de forte agravamento da situação económica que se vive em Portugal e no Mundo. Para fazer face a um crescente número de pedidos de apoio que tem vindo a chegar aos Bancos Alimentares contra a Fome é forçoso que estes alarguem a sua capacidade de resposta. Concretizar esse objectivo e minorar as carências alimentares das pessoas necessitadas é a proposta lançada uma vez mais a toda a sociedade civil: contribuindo com trabalho voluntário e com alimentos é possível fazer a diferença.
A combinação da solidariedade generosa dos portugueses e da eficácia comprovada da acção dos Bancos Alimentares Contra a Fome na tentativa de minorar a penosa realidade das carências alimentares, constitui a prova evidente de que a sociedade civil se pode - e deve - substituir-se com vantagem ao Estado na resolução de alguns dos problemas com que se confrontam as sociedades modernas, tornados recentemente ainda mais evidentes e agravados pela crise económica, que trouxe consigo um significativo abrandamento da actividade e um brutal e súbito agravamento do desemprego.


Vista Alegre: Loiça oficial das Embaixadas Portuguesas


Loiça da Vista Alegre

Nem sempre damos valor ao que de muito bom temos. As porcelanas da Vista Alegre são, há muito, uma referência artística no mundo. Foi lembrado por estes dias que a Vista Alegre está preszente em todas as embaixadas portuguesas. Na Presidência da República há tradicionais e personalizados serviços desta marca de origem ilhavense, mas assumida como nacional. O jornal i adianta que a Vista Alegre é o novo fabricante oficial das embaixadas de Espanha no mundo. Ainda diz, aquele jornal, que à mesa de Barak Obama, na Casa Branca, também  está presente a Vista Alegre.

Ainda um poema para o dia de sol que aí está



Tudo Passa

Tudo passa nesta vida
Nos caminhos e nos ventos
Nas correntes de água turva
Na mente nos pensamentos.
Passa a mágoa com o tempo
Passa a dor e passa a vida
Passa a paz e a alegria
Passa a noite, passa o dia.


Há passantes, há passado
Há o passo a procissão.
Uns seguem pelos caminhos
Outros param na ilusão.
Há quem esteja a ver passar
Há quem vá de escantilhão
Outros seguem arrastados
No meio da multidão.
Há passivos, pacientes
E quem vá só de empurrão
Os perdidos vão seguindo
Caminhos de escuridão.
Passam luas sem luar
Dias sem sol e sem luz
Há quem passe derreado
Carregando sua cruz.


Tudo passa
A fome, a guerra
Passa a banda, a procissão
Passa o ódio e o amor
Passa o luto e a paixão.
Passa o vento, passa o rio
O Outono e o Inverno.
Passa o calor, passa o frio
Só não passa o que é eterno.

Aida Viegas

Para começar o dia: Há uma centelha de sagrado em cada procura artística


Bento XVI com os artistas


“O coração do homem contemporâneo tem uma grande fome de beleza, que é também a beleza total, iluminada pelo transcendente”

Tolentino Mendonça,

Sobre o discurso do Papa aos artistas, na Capela Sistina

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

A hegemonização poderá limitar e abafar o génio da diferença



A média europeia da Educação

1. É notícia recente que Portugal está abaixo da médica europeia em termos de educação. Destacam-se em relatório divulgado os progressos tidos de 2000 a 2008, mas a procura a convergência nota-se retardadora. Do olhar cruzado pelas estatísticas, sente-se que a fase da adolescência se afirma como decisiva e destacam-se, no que já se sabe, as dificuldades na matemática e na área de língua e leitura. Sendo certo que as visões comparativas são necessárias e que os isolacionismos a nada conduzem, também não deixa de ser digno de registo aquilo que em termos de médias europeias se considera a média, como se o criar de uma uniformidade de paradigmas e no processo ensino/ aprendizagem fosse a meta fundamental a atingir.

2. Compreende-se que a competitividade de tudo e todos obrigue a uma equiparação competitiva sem precedentes. Este factor pode criar mentalidades e paradigmas que correm o perigo de uniformizar tudo e europeizar os europeus deitando a perder riquezas locais de ordem social, educativa e cultural. É, neste contexto, importante relançar a dúvida sobre se a uniformização é, de facto, factor e valor de progresso definitivo ou se deverá ser reforçado o lugar às identidades nacionais e locais por forma à justa harmonização social. Aos estudos e estatísticas presidem sempre a noção de modelos de referência globais, o que é lícito e natural. Mas esta hegemonização poderá limitar e abafar aquilo que pode ser o génio da diferença, ou os aspectos essenciais que não dando números para a “média” são efectivamente relevantes.

3. O documento estruturante europeu, a Estratégia de Lisboa (adoptada em 2000) quer transformar a Europa «na economia do conhecimento mais competitiva e dinâmica do mundo, capaz de um crescimento económico sustentável, acompanhado da melhoria quantitativa e qualitativa do emprego e de maior coesão social.» Esta é a média final europeia a que se quer chegar. E o lastro e espaço dado à diversidade local dos “alunos”?

Convívio na Universidade Sénior



Da esquerda para a direita: Maria do Canim, Fernando Martins, Cândida Silva (directora),
José Capote, Fernanda Lagarto e Custódia Lopes

Convívio de aniversários

Os que celebraram os seus aniversários durante este mês de Novembro encontraram-se hoje à tarde com alguns alunos e animadores, para um convívio que começa a tornar-se habitual às quartas-feiras. Foi importante  a partilha e a degustação de doces e salgados, com champanhe e sumos, mas mais importante foi a conversa que se generalizou no grupo. Não faltaram os parabéns, nem a troca de impressões entre uns e outros, recheada de recordações, que os menos jovens sempre gostam de oferecer nos encontros, em jeito de quem sente prazer em reviver momentos agradáveis. E mesmo com chuva a marcar o compasso dos nossos desejos de lhe fugir ensombrou minimamente o convívio. Para os aniversariantes não faltaram as flores, bonitas, preparadas a tempo pela direcção da Universidade Sénior, com saber e arte. Os aniversariantes ofereceram um livro à Biblioteca da US, com vontade de se criar a tradição de valorizar o espaço de leitura da Fundação Prior Sardo.

BÍBLIA em edição literária



DEUS ESTÁ NO MEIO DE NÓS

Comecei hoje a ler a Bíblia, na sua edição literária. Digo ler, porque apenas a tinha lido na edição normal, em uso na Igreja Católica, com as respectivas e muito importantes  notas introdutórias em cada um dos seus livros e de rodapé. Agora tenho a mais recente edição, que demorou uns 30 anos a traduzir e a publicar, culminando um trabalho de vários especialistas, católicos e protestantes, de renome.
Comecei a ler, e  desde logo senti algo de muito diferente. A tradução oferece-nos um texto em linguagem corrente, o que faz com que mais facilmente possamos entrar no texto e no contexto. Parece uma livro acabado de escrever por escritor  multifacetado e com um jeito especial para nos convidar a prosseguir na leitura do mais publicado livro de todos os tempos.
Penso que esta edição vai ter um enorme êxito. Esta edição da Bíblia é um extraordinário convite, aberto a toda a gente, crentes ou não crentes, para  lermos uma biblioteca muito completa, com obras que abrangem vários domínios, de diversas épocas. História, poesia, contos, códigos, parábolas, provérbios, professias, cartas, tudo a oferecer-nos pistas de mensagens, de caminhos de vida nova, de um Deus que, afinal, está, hoje como sempre, no meio de nós e que podemos descobrir no dia-a-dia.  Se quisermos, claro.

Fernando Martins

O FIO DO TEMPO: Universidade de Aveiro - Um Grandioso Laboratório


Finalistas da UA em dia de festa

Ciência e tecnologia

1. A ciência e a tecnologia (ciência aplicada à técnica) são das maiores conquistas da razão humana. A curiosidade sistemática na cuidada observação, a conjugação de múltiplas hipóteses satisfatórias, a experimentação no perscrutar das leis que presidem à natureza e a sua aplicação também na descoberta e solução de problemas do mundo visível, são das realizações mais fascinantes da aventura humana. De todas as idades e condições, em todos os tempos e lugares da história, a curiosidade aliada à sempre procurada resolução de problemas, têm feito da ciência um caminho que usamos e aplicamos nas coisas mais simples do dia-a-dia. Mas todo o potencial de conhecimento científico por si mesmo não chega; a sua aplicação ética nas finalidades haverá de presidir à própria pesquisa no caminho.

2. Estamos em plena Semana da Ciência e Tecnologia. O Dia Nacional da Cultura Científica (24 de Novembro), criado em 1997 para assinalar o nascimento do cientista Rómulo de Carvalho (1906-1997), procura precisamente corresponder à necessária promoção da cultura científica e do ensino generalizado da ciência. Sem divulgação científica não existe consequentemente aquele necessário despertar para o mundo do conhecimento; não como meros transmissores mas como criadores e inovadores. Também sem motivações nobres, a ciência pode-se desviar do seu caminho ético e de serviço à Humanidade global. Fronteiras delicadas, sensíveis mas incontornáveis, nas quais os próprios índices de esperançosa e persistente motivação interior são um dos elos fortes do autêntico, grande e humilde, cientista.

3. A Universidade de Aveiro esta semana é um grandioso laboratório, acolhedor de muitos milhares de estudantes, nesta X Semana Aberta da Ciência e Tecnologia, de 23 a 27 de Nov.: http://www.ua.pt/semanaberta Este ano novos passos são dados: tanto no caminho da ciência solidária onde os visitantes são convidados a partilhar, como nas redes sociais que hoje nos unem ao mundo.


Alexandre Cruz

Efeméride Aveirense: Galitos


1905

Nesta data, em 1905, O Governo Civil de Aveiro aprovou os primeiros estatutos do Clube dos Galitos, uma colectividade que muito deu e continuará a dar à cidade e região aveirense. Chega mesmo ao país inteiro e, por vezes, ultrapassa fronteiras, pelo seu ecletismo desportivo e cultural. O Galitos havia sido fundado em 24 de Janeiro de 1904.
Daqui, deste recanto gafanhão aberto ao mundo, felicito todos os herdeiros dos que, já naquele tempo, não gostavam de estar num sítio onde só os galos podiam cantar.

Fernando Martins

Um dia de pausa...



24 de Novembro


Há muitos anos que paro um dia inteiro. Fico entregue a mim mesmo e aos meus. Como que retirado no mundo, mas a olhar quem passa. Presente, contudo, bem presente nas minhas recordações, um incontável número de familiares e amigos. Uns que conheci e me acompanharam na vida, outros que me chegaram pela tradição oral. E muitos daqueles, ontem, se lembraram de mim. E todos eles vieram com palavras muito amigas e com recordações de algum momentos gratificantes recolhidos do que lhes disse e da forma como o fiz.
É claro que já perceberam que foi o dia do meu aniversário, repetido setenta e uma vezes. Pois é verdade. Venci mais uma barreira, a dos 70, com o ânimo robustecido por tantos e tantos amigos. Todos ao lado de uma família que me deu tudo. Mesmo tudo o que sempre desejei.
As recordações de ontem hão-de vir para este meu espaço, ao sabor da maré que me enche a alma. Sem pressas.
Aqui ficam os meus agradecimentos pelos muitos gestos de amizade que ontem me chegaram.

Fernando Martins

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Precisamos de novas músicas / mensagens que transformem razões em pontes humanistas



«We are the children»

1. Os anos oitenta estão a ser olhados com visão de quem procura apreciar e aprofundar algumas conquistas fundamentais. Se há dias (9 de Novembro) lembraram-se os 20 anos da queda do Muro de Berlim, nestes dias mais recentes as duas décadas d’A CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA, adoptada pela Assembleia-Geral da ONU a 20 de Novembro de 1989, tendo sido ratificada por Portugal no ano seguinte, a 21 de Setembro de 1990. Dos considerandos do preâmbulo ao texto retira-se um oportuno olhar histórico na consciência de que sendo as crianças o “futuro” já presente, daqui derivarão para todas as latitudes, pensamentos e acções, altíssimas responsabilidades em ser presença promotora dos melhores valores socioeducativos.

2. Destaca-se a certeza ideal no reconhecimento de que «a criança, para o desenvolvimento harmonioso da sua personalidade, deve crescer num ambiente familiar, em clima de felicidade, amor e compreensão». Este espírito familiar e universalista que preside à Convenção sobre os Direitos da Criança está enraizado na Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948. Dos anos oitenta até ao presente não só aumentou a visibilidade mundial de ocorrências infelizes em relação aos muitos ataques à dignidade da criança, como também se verificou um crescer de condições excepcionais para com as crianças da parte do mundo ocidental. Para as outras, muita fome e miséria a que o mundo assiste; para estas a certeza de uma superabundância de pão e presentes plastificados que podem truncar a humanidade.

3. Quem não se lembra da canção We are the World, we are the children (USA for África, 1985) dos anos oitenta, como que no mesmo espírito da Convenção. Ao ouvirmos essa música pela rádio nestes dias lembra a aventura que terá sido essa década, a abertura do mundo ao próprio mundo e o acolhimento local das declarações universais. Precisamos de novas músicas / mensagens que transformem razões em pontes humanistas.

Alexandre Cruz

Umberto Eco recomenda cuidado com a Internet



A propósito do aproveitamento das fontes disponíveis na Internet, Umberto Eco diz, em A Obsessão do Fogo, que é preciso aprender a controlar a informação. E acrescenta:

“Para fazer os seus trabalhos, os estudantes vão buscar à Internet as informações de que necessitam sem saber se essas informações são exactas. E como o poderiam saber? Assim, o conselho que dou aos professores é o de pedir para um trabalho a seguinte pesquisa aos alunos: relativamente ao tema proposto, encontrar dez fontes de informação diferentes e compará-las. Trata-se de exercer o sentido crítico em relação à Internet, de aprender a não aceitar tudo como válido.”

Para começar a semana: A história também se vê




A história também se vê. Até na rua, se soubermos olhar, com olhos bem abertos. Os painéis cerâmicos que Aveiro nos oferece mostram-nos registos importantes. Pare uns momentos para apreciar.

domingo, 22 de novembro de 2009

Portugal não tem os trabalhadores qualificados de que as empresas precisam


Manuel Porto com Ludgero Marques

A globalização pode gerar
pobreza e exclusão social

A globalização tem “reflexos significativos” sobre a economia mundial. Porém, se “convenientemente governada, pode ser um factor de desenvolvimento humano”, mas também é certo que pode ter aspectos “socialmente perniciosos, com aumentos localizados de pobreza e fenómenos de exclusão”, sublinhou o empresário Ludgero Marques na conferência que proferiu esta manhã, no Centro Cultural e de Congressos de Aveiro, integrada na Semana Social, que decorreu este fim-de-semana.
Abordando o tema “A responsabilidade pessoal e a participação das pequenas comunidades e iniciativas empresariais na construção do bem comum, em contexto de globalização”, o conferencista lembrou que os portugueses estiveram quase 50 anos alheados do resto do mundo, tendo Portugal entrado na globalização com um grande défice ao nível da educação.
Denunciou que os nossos trabalhadores, com “uma formação académica tão baixa”, não podem contribuir para que o nosso país possa “diferenciar-se daqueles que têm formação do nosso nível, ou até inferior”. Portugal não tem os “trabalhadores qualificados de que as empresas precisam”, disse.
Ludgero Marques, actual presidente da Mesa da Assembleia Geral da AEP (Associação Empresarial Portuguesa) com passagem, durante anos, por diversos e importantes cargos directivos de outras estruturas empresariais, referiu que é preciso desenvolver actividades económicas locais, “para que as comunidades sejam capazes de enfrentar o lado negativo da globalização”. Nessa perspectiva, importa que o Estado implemente condições que levem os empreendedores a apostar claramente na comunidade em que se inserem, ajudando-a no seu desenvolvimento e fazendo dela “o trampolim para o sucesso no mundo global”.
Ao falar da responsabilidade social das empresas, “nomeadamente em termos ambientais e de combate a fenómenos de exclusão”, Ludgero Marques recordou a notória situação do desemprego provocado pela pouca formação dos trabalhadores e pelo desajustamento em relação ao progresso tecnológico, cada vez mais exigente.
“A não assunção de responsabilidades sociais é entrave ao desenvolvimento sustentável”, especialmente porque o não cumprimento, pelas empresas, das suas obrigações “leva à concorrência desleal, à deterioração do enquadramento económico, à destruição de ecossistemas, à corrupção e, ainda, a um clima desfavorável à realização de investimentos e à prática da inovação”, frisou o conferencista convidado pela Conferência Episcopal Portuguesa para esta Semana Social.

Fernando Martins

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS – 158

BACALHAU EM DATAS - 48
.

Condestável

64 EMBARCAÇÕES EM 1964

Caríssimo/a:

1948 - «Arménio Mónica, filho de Manuel Maria Bolais Mónica, iniciou-se na construção de lugres no ano de 1948, através da direcção e construção dos lugres-motor de quatro mastros, CONDESTÁVEL e COIMBRA, para as empresas Companhia Transatlântica de Pesca, L.da, do Porto, e Empresa de Pesca São Jacinto, L.da, de Coimbra, num investimento global de 12.400.000$00. Estas embarcações de pesca à linha obedeciam às “características portuguesas” e aperfeiçoamentos modernos das anteriormente ali construídas, com a componente da introdução e utilização dos quatro mastros em ferro concedendo uma maior consistência e elegância aos navios. ... Concomitantemente, nos estaleiros de António Mónica, o irmão João Bolais Mónica, correspondia ainda no decorrer do ano de 1948, à solicitação da empresa José Maria Vilarinho com o lançamento à água do lugre-motor de madeira ADÉLIA MARIA.» [Oc45, 118]

«Em 1948, os arrastões – então todos eles “clássicos” ou “laterais” - significam ainda pouco mais de um décimo do total dos navios da frota: 12,7%. Na campanha seguinte regista-se um salto importante: 27% das unidades jà são arrastões.» [Oc45, 95]

«Os Estaleiros Navais de Viana do Castelo são fundados em 1946, por iniciativa dos armadores Vasco de Albuquerque d'Orey e João Alves Cerqueira. Em 1948 apresentaram as primeiras embarcações destinadas à pesca do bacalhau, os arrastões SENHORA DAS CANDEIAS, SENHOR DOS MAREANTES e SÃO GONÇALINHO.» [Oc45, 119, n. 11]

1949 - «No mesmo dia do bota-abaixo do arrastão COMANDANTE TENREIRO, a 12 de Maio de 1949, eram cravados os rebites do novo arrastão BISSAYA BARRETO, a construir nos Estaleiros Navais do Mondego, também para a pesca do bacalhau.» [Oc45, 117]

«Um dos saltos mais significativos [no número de navios ] ocorre em 1949, campanha em que foram aos bancos 64 embarcações, mais nove do que no ano anterior. [...] De meados da década de trinta a 1967 o crescimento da frota bacalhoeira é evidente, embora seja inconstante e irregular. As taxas de crescimento médio por quinquénio são quase sempre positivas. As mais altas situam-se em 1934-38 (8,4%) e 1944-48 (4,1%). O número de navios construídos para a frota bacalhoeira num e noutro período é bastante significativo e confirma o interesse do Estado em acelerar o ritmo da “Campanha”: foram construídos 25 navios em 1944-48 e 17 em 1954-58. Nos quinquénios de 1939-43, 1959-63 e no quadriénio de 1964-67 a frota bacalhoeira regista taxas de crescimento médio ligeiramente negativas. Todas presumem períodos em que o condicionamento estatal dos ritmos de renovação da frota se fez sentir por razões diversas.» [Oc45, 93]

Manuel

Para começar o dia: Uma reflexão dominical



JESUS EM TRIBUNAL

Pilatos recebe Jesus em sua casa – a residência do procurador do Imperador de Roma. Recebe-o porque a autoridade judaica lho entrega para ser julgado e condenado à morte. Sem demoras, inicia um diálogo a sós com ele, diálogo directo, claro e decisivo.
Jesus adopta uma postura digna e serena, centrando “o fio da conversa” na pessoa de Pilatos que, rapidamente, passa de juiz a arguido num vaivém contínuo: da sala à varanda, da consulta à multidão à escuta da mulher, da certeza à pergunta, da dureza da lei à busca da verdade. Este vaivém constitui um espelho transparente da atitude interior de quantos sentem o contraste das razões da consciência com a onda avassaladora das opiniões gritadas na praça pública.
Jesus aproveita a pergunta de Pilatos sobre a verdade para centrar o diálogo na missão que tem vindo a realizar e da qual estava a ser acusado. “Vim para ser testemunha da Verdade”. E qual é o seu testemunho?
Jesus testemunha pelo estilo de vida e jeito de agir que dispor de qualquer forma de poder é cultivar atitudes de serviço humilde e generoso; que toda a pessoa vale mais que as riquezas do templo e a sacralidade do sábado; que o bem de todos é fruto do contributo de cada um; que Deus e o homem estão unidos por laços originais de vida e não são concorrentes ou rivais, mas amigos leais envolvidos na mesma causa: o bem-estar integral da humanidade; que a salvação definitiva está no amor feito serviço.
A verdade é Jesus que, hoje, se espelha nas atitudes humanas e nos critérios de valor que constituem a marca da vida dos seus discípulos e a qualidade da sua acção social. Verdade que tem a ver com a justiça, a solidariedade fraterna, o bem comum, os direitos humanos, a ética da responsabilidade na política e na economia. A verdade de Jesus mostra que ser humano é aceitar-se na sua inteireza, apreciar a sua dignidade pessoal e de relacionamento, assumir o casamento entre homem e mulher, defender a vida e, em caso de conflito de valores, preferir os que menos têm, podem e sabem.
Jesus continua em tribunal. A par de tantas injustiças e acusações falsas, há sinais evidentes desta verdade no mundo de hoje: os incansáveis defensores dos direitos humanos universais; os voluntários de todas as causas nobres; os que sabem acolher e acompanhar quem está em necessidade; os que fazem da sua vida uma doação permanente para desvendar a presença de Deus nos caminhos da humanidade, realizando serviços que a Igreja lhes confia.

Georgino Rocha

sábado, 21 de novembro de 2009

Exercício/simulacro “Porto Azul/2009” considerado “muito positivo”


Bombeiros em acção


Incêndio, seguido de explosão,
 em camião-cisterna

A Divisão de Segurança da APA (Administração do Porto de Aveiro) realizou, este sábado, 21 de Novembro, um exercício/simulacro denominado “Porto Azul/2009”. Com início às 09:30, no Terminal Norte, este exercício teve por objectivo testar o Plano de Emergência Interno (PEI) do Porto de Aveiro nos seguintes aspectos: combate a derrame de hidrocarbonetos na área de jurisdição portuária; combate a incêndios na área portuária; evacuação de sinistrados em incidentes na área portuária.

Cenário simulado: Pelas 09:30 ocorre incêndio, seguido de explosão, em camião-cisterna que se encontrava em preparativos para a operação de bancas ao navio NERO II, este atracado na posição I do Terminal Norte a proceder a operação de carga de “pellets”, através do tapete transportador.
A Divisão de Segurança da APA., SA, acciona de imediato o Plano de Emergência Interno (PEI) do Porto de Aveiro.
O Centro de Coordenação de Operações (CCO) activa, prontamente, o Núcleo de Apoio Operacional (NAO), Núcleo de Operações de Manutenção (NOM), Núcleo de Operações de Logística (NOL), Núcleo de Combate a Derrame – Trem Naval – (NCD), Núcleo de combate a derrame em terra e o Núcleo de Combate a Incêndios (NCI).
Os sinistros são eficazmente combatidos pelas corporações de bombeiros de Ílhavo e de Aveiro (Novos e Velhos), tendo os incêndios sido dado como extintos às 10:24.
A Administração do Porto de Aveiro regista a eficácia da resposta ao incidente manifestada pelos seus colaboradores e demais entidades intervenientes, tendo já aberto um inquérito para determinar as causas do sinistro; as conclusões do inquérito - a entregar pela equipa responsável ao Conselho de Administração da APA, SA no prazo máximo de quinze dias -, cotejadas com os relatórios das entidades envolvidas no combate aos incêndios hoje verificados, ajudarão os responsáveis do Porto de Aveiro “a desencadear, com prontidão e firmeza, as medidas consideradas necessárias para evitar futuras ocorrências deste tipo”.

Fonte: Porto de Aveiro

Evocação de Mestre Cândido Teles, o pintor da Ria




«A próxima palestra integrada no 3º Ciclo de Conferências sobre “Aveirenses Ilustres” que a Câmara Municipal de Aveiro leva a efeito no auditório do Museu da Cidade, das 18, 30 às 19,30 horas, do dia 26 de Novembro, presta homenagem ao Artista ilhavense Cândido Teles.
Com esta iniciativa pretende a CMA homenagear personalidades que, activamente, deram o seu contributo para o desenvolvimento sociocultural e político-económico da região, valorizar a Historiografia Local e formar pedagogicamente públicos.
Associada à palestra evocativa decorre também uma pequena mostra de objectos e literatura alusiva à individualidade evocada que estará patente durante 15 dias no espaço do Museu da Cidade.
Tem hoje, também, o Artista, um lugar de destaque no Marintimidades, porque a oradora convidada será a autora deste blog e Cândido Teles, apesar de muitos outros aspectos de relevo, identifica-se, na região, com um grande pintor da Ria, da Costa Nova, das nossas fainas marítimas e lagunares.»

Ana Maria Lopes

Ler mais em Marintimidades

Dia Internacional da Saudação: 21 de Novembro




Não há o hábito salutar de cumprimentar

Até meados de século passado, as Gafanhas tinham um ambiente marcadamente rural. A população residente era em número muito inferior à grande massa de gente que nelas habita, nos dias de hoje. Não havia praticamente indústria, exceptuando a faina ligada à secagem e tratamento do bacalhau.
As pessoas que cá viviam mourejavam nas parcelas de terra que possuíam, ocupando-se numa agricultura de subsistência, paralelamente com alguma actividade piscatória, artesanal. O nível de vida era muito baixo. O número de automóveis era diminuto e quem os possuía era um privilegiado e detentor de um estatuto social elevado. Pela estrada principal, os veículos que circulavam eram carroças de vacas, que os pequenos lavradores utilizavam para fazer o transporte das suas mercadorias.
Praticamente todos se conheciam uns aos outros e todos se saudavam: - O Senhor nos dê muito bom dia! Bom dia nos dê o Senhor. Ouvia-se a cada passo, entre as pessoas que se dirigiam para o campo. A religiosidade destas gentes era bem patente e a saudação era o reflexo das suas crenças. Ninguém passava na rua que não cumprimentasse todos aqueles com quem se cruzasse, fossem ou não da família. Aqui havia um conceito alargado da mesma, já que as pessoas se entreajudavam nas fainas agrícolas, nomeadamente nas grandes sementeiras da batata, do milho e do trigo.
Com o aumento demográfico e a invasão das Gafanhas, por gentes de fora, este costume tão salutar foi-se perdendo. Só os mais antigos conservam ainda este hábito que teimam em passar para as novas gerações.
Na grande cidade, com um individualismo crescente, todos passam indiferentes, cada um a tratar da sua vidinha, ignorando completamente o próximo. Entra-se num consultório cheio de gente e não se ouve um Bom dia! Boa tarde! Entra-se num elevador apinhado de pessoas e....alguém se cumprimenta? Assiste-se a esta cena caricata – todos de cabeça baixa.... a “inspeccionar” o calçado de seu parceiro. Se está ou não engraxado! Se está na moda ou não! Se...se..se.... Não há o hábito salutar de cumprimentar, de dizer um bom dia, boa noite!
Daí que, se por um lado a comunicação entre as pessoas se tornou mais efectiva no encurtar de distâncias, via internet, por outro lado as relações entre as pessoas são menos afectivas.
E, se tanto se diz que o mundo hoje é uma aldeia global, então, façamos nós como os nossos antepassados, aqui, na Gafanha que se cumprimentavam todos entre si, sem excepção. Os antigos tinham razão!

M.ª Donzília Almeida

destaque

Vigário-Geral — Os projetos da Igreja são de todos nós

Dia do Diácono celebrado em Soza  com a participação de algumas esposas Diácono Permanente Carlos Nunes coordenou a reunião Aspe...