domingo, 31 de maio de 2009

Dom de Deus por excelência

O SOPRO DE JESUS
Jesus escolhe o gesto do sopro para comunicar o Espírito Santo, o dom de Deus por excelência. Comunica-o aos discípulos, fazendo deles apóstolos, comunica-o à Igreja a fim de ultrapassar as fronteiras da sinagoga e se abrir sem medos à universalidade da missão; comunica-o a cada um de nós para que – como São Paulo – vivamos para o Senhor e para os outros e não apenas para nós mesmos.
Antes de fazer o gesto, Jesus identifica-se. Mostra as mãos onde se mantêm as cicatrizes da crucifixão e apresenta o lado com as marcas da flagelação. Sou eu mesmo e não um fantasma – afirma. Vivo uma vida nova que não se parece em nada com a vida material ou virtual. Compreendei o gesto que vos faço. Acolhei e apreciai o Espírito que vos confio em nome do Pai. Deixai-vos guiar por Ele, pois fica constituído em memória permanente e viva de quanto vos transmiti e em garante fiel de quanto vos vai ser pedido para realizardes a missão que vos entrego.
O sopro de Jesus é para os discípulos o que o alento de Deus foi no alvor da criação, dando vida a todas as coisas e gerando a harmonia do universo; é para os profetas o que a brisa suave foi para Elias, atestando a presença qualificada de Deus junto de quem permanece fiel, mesmo no meio da perseguição; é para a Igreja ao longo da história o que foi para os membros da primeira comunidade cristã: agente de transformação, força de comunhão que vai integrando diferenças legítimas, linguagem de comunicação que a todos quer fazer chegar a novidade de Jesus, em favor da humanidade inteira.
Mas quantas vezes, os ruídos se infiltraram e surgiram os monólogos e as deturpações, a comunhão cedeu lugar à desunião e ao mútuo desconhecimento, a renovação foi suplantada pela manutenção e conservação das tradições, a brisa suave foi varrida pela tempestade violenta das guerras, sem conta, o alento criador foi usurpado pelas forças da morte, de todos os naipes.
O sopro de Jesus tem sempre uma importância vital para os discípulos, a Igreja enquanto comunidade instituída, a humanidade com família de irmãos. Ele é Espírito e não os espíritos, as forças ocultas e malfazejas, as correntes dinâmicas de esoterismo, os estados sentimentais e fundamentalistas. O sopro de Jesus constitui o gesto da nossa marca e do nosso estilo. Faz-nos apelos à intervenção coerente, lúcida e realista, numa sociedade cheia de luzes e sombras. Georgino Rocha

Os portugueses gostam de telenovelas

Quando toca a crianças, é uma alegria
Os portugueses gostam de telenovelas. Gostam mesmo. Penso que esse gosto vem de há muitos anos, quando os brasileiros nos mostraram algumas que apaixonaram muita gente. Não condeno esse simpático gesto. Cada um dá o que tem e o que pode. Conheço gente que já não consegue viver sem elas. Venham elas à hora que vierem, é certo e sabido que não faltam telespectadores. Cada um come do que gosta. Eu também vi algumas, mas depois achei que estava a perder tempo. Senti-me preso, manipulado, dependente. Era como uma droga leve. Depois libertei-me, tornei-me independente e mandei à fava essa perda de tempo. Os portugueses aprenderam a lição que veio dos brasileiros, como aprendem tudo o que é novo. E se vier do estrangeiro tanto melhor. Cheira a coisa fina. Depois começaram a imitá-los. Pelo que tenho ouvido, imitam bem e em alguns casos até os ultrapassam. Dizem… Os temas foram recriados, ampliados e divulgados por literatura da especialidade. As telenovelas têm consumidores. Mas de vez em quando os nossos órgãos de comunicação social acham que é preciso inovar, inventando ou aproveitando assuntos que dão para uma infinidade de capítulos. Pedofilia da Casa Pia, negócios do Freeport vida privada de políticos, escândalos sociais, corrupção. E quando toca a crianças, então é uma alegria. Se ela for estrangeira, tanto melhor. Até fazem filmes. Joana, Maddie, Esmeralda e Alexandra. Esta, que é russa, até dá pano para mangas. Claro que ainda não descobriram umas meninas e meninos cujos pais não têm pão para lhes dar, nem dinheiro para as vestir e educar, ou sem pais e sem família. Uma coisa vos garanto: quando essas telenovelas acabarem, estou cá a pensar que algum guionista vai inventar uma história capaz de as substituir. Os portugueses gostam…
FM

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS – 133

BACALHAU EM DATAS - 23

O FRACASSO DO “ELITE”

Caríssimo/a: Voltemos ao ELITE e ouçamos a opinião do capitão Valdemar que nos ajudará, mais uma vez, a entrar com segurança em águas profundas: «A alternância verificada no âmbito do apoio hospitalar às suas frotas, entre franceses e portugueses, ficou a dever-se às diferentes políticas económicas de desenvolvimento adoptadas pelos dois países, sobretudo após a entrada no século XX. Dissemos acima que o princípio da mudança entre os franceses foi anunciado com o aparecimento dos primeiros arrastões nos bancos no início do século, mais concretamente em 1907; no entanto, o grande incremento, a verdadeira grande revolução, só após o término da I Guerra Mundial se verificaria de modo fulgurante. À medida que a nova modalidade - pesca de arrasto - se ia impondo por força das incomparavelmente melhores capturas, com muito menos riscos para o pessoal, os navios veleiros da pesca à linha iam sendo gradualmente convertidos ou abatidos, consoante se tratasse ou não de unidades de boa dimensão e em bom estado de conservação. Mas a muito curto prazo, até esses navios transformados tinham desaparecido, sendo pois a frota francesa constituída na sua totalidade por unidades novas, feitas de raiz. E, em poucos anos, a visão dos veleiros franceses nas águas da Terra Nova era coisa de arquivo, fotografia em parede de escritório, ou recordação gravada na memória. Em Portugal tudo se processou de modo bem diferente, mas por razões que convém esclarecer! Não se pense que não houve entre nós qualquer reacção aos ventos de mudança! Antes pelo contrário, o entusiasmo foi enorme e imediato, Entre nós, a primeira tentativa de enviar à Terra Nova um arrastão ocorreu em 1909 e partiu da Parceria Geral de Pescarias, da casa Bensaúde, sediada na Ilha do Faial, nos Açores. A escolha deste porto de armamento, situado a meio do Atlântico e, por conseguinte, a meia distância entre Portugal Continental e os bancos da Terra Nova, obedeceu a um plano estratégico bem delineado. O navio, chamado "ELITE", era de propulsão mecânica a carvão e estava preparado para trazer o bacalhau eviscerado, conservado em gelo granulado, fazendo viagens relativamente curtas – cerca de três semanas – entre saída e chegada ao porto de armamento. Eram estas, aliás, o tipo de viagens que entre nós se faziam ao Cabo Branco, quer em duração quer em conservação pelo gelo. Mas, infelizmente, por várias razões de ordem técnica, a experiência não correu bem, não resultou, o que foi pena, porque o fracasso desta iniciativa tão louvável, e levada a cabo num momento tão próprio, terá muito possivelmente contribuído para o abandono precipitado da modalidade nascente e para um maior apego à manutenção e desenvolvimento da modalidade ancestral, aliás apoiada numa mão de obra barata e de facílimo recrutamento ao longo de todo o litoral português, E esta é uma razão de consequência que não deve ser omitida.» HDGTM, 42
E ao ELITE regressaremos, em breve, mas por outras razões. Manuel

sábado, 30 de maio de 2009

Férias em tempo de crise

Jardim Oudinot
Gafanha da Nazaré com muito para nos oferecer
A Gafanha da Nazaré, mesmo sendo uma terra nova (faz 100 anos, como freguesia, em 2010), tem muita coisa para desfrutar. Paisagens cheias de água por todos os lados, mata centenária com muito para descobrir, mar para contemplar e ria para viajar, ruas e mais ruas para passear, museus para visitar. O mar e a ria são riquezas incalculáveis à espera de serem consideradas, por muitos de nós, como mais-valia para as nossas férias. Praias de areais convidativos e beira-ria que nos desafiam a pescar são bons locais para relaxar. A praia da Barra está à nossa espera. Com mais ou menos areal, podemos escolher um recanto de onde se aviste a ondulação que nos convida a um mergulho em tempo de canícula. Até ver, não se paga nada por isso. Então aproveitemos. A Casa Gafanhoa, antiga habitação de um lavrador rico, dos princípios do século XX, e o navio-museu Santo André, bem enquadrado pelo Jardim Oudinot, são preciosidades que não podem ser menosprezadas. Para visitas obrigatórias em época de férias profissionais, de preferência com a família toda. O Jardim Oudinot, o maior parque de lazer da Ria de Aveiro, começa a merecer a preferência de muita gente, em tempos de férias e não só. Espera-se que na época de Verão haja festas programadas para todas as idades, tanto de âmbito recreativo e cultural, como desportivo e social. Mesmo sem isso, as paisagens já por si são um chamamento, onde há recantos para uma boa merenda com famíliarese amigos. Antigamente, o Jardim Oudinot servia essencialmente para isso. O actual não descurou a componente de unir a família. Na igreja matriz há um pequeno mas bonito museu paroquial, que merece a nossa atenção. Na mata da Gafanha, o Santuário de Schoenstatt, com os seus jardins sempre bem cuidados, é um convite a horas de meditação e de descontracção. O nosso Farol costuma oferecer, na época balnear, sobretudo, a possibilidade de contemplar, lá de cima, a mais de 66 metros de altura, paisagens deslumbrantes e únicas. E o Forte da Barra, que há tanto tempo espera por uma solução de restauro que o dignifique, pode ser motivo para ali, à sua sombra, imaginarmos a espera feita por soldados a eventuais inimigos da Pátria.
Fernando Martins

Cavaco Silva em Aveiro defende preservação do moliceiro

Não deixeis desaparecer o moliceiro,
porque nele está a alma aveirense
«O presidente da República, Cavaco Silva, apelou ontem à defesa do barco moliceiro, no discurso que proferiu na sessão comemorativa dos 250 anos de elevação de Aveiro a cidade, que decorreu nos Paços do Concelho. "Não deixeis desaparecer o moliceiro, porque nele está a alma aveirense", disse o presidente da República, assinalando que "preservar a identidade atrai os visitantes e cria os alicerces em cima dos quais se constrói o futuro".»
.
Jesus Zing
Leia mais no Jornal de Notícias

Que se entende por saúde?

"... o doente, que continua a ser um ser humano integral, na unidade tensa e viva de inconsciente, consciente, corpóreo, afectivo, psíquico, espiritual, espera certamente do médico e dos profissionais de saúde em geral competência científica e técnica, mas que também não esqueçam a sua própria humanidade integral. Assim, a uma medicina que, dados os seus prodígios desde o século XIX, corre o risco da unidimensionalidade científico-técnica, é necessário lembrar o princípio da humanitariedade, segundo o axioma ético-médico: "salus aegroti suprema lex" (a lei suprema é a saúde, também no sentido de 'salvação', do doente)."
.
Anselmo Borges
Leia todo o artigo aqui

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Carminho canta Fadinho Serrano

Acabei de ler uma entrevista, no Ípsilon, da fadista Carminho. Os elogios justificam-se. Com aplausos. Digam lá se não é bonito.

Há idosos, mesmo doentes, que vivem para a comunidade


A mensagem de que é urgente envelhecer bem, vivendo o presente e tendo projectos de futuro adequados à situação de cada um, foi tónica dominante na última sessão das Conferências Primavera 2009, organizadas pela paróquia da Gafanha da Nazaré, em parceria com diversas organizações. Esta sessão, que se realizou ontem, quinta-feira, 28, no salão Mãe do Redentor, da igreja matriz, contou com o contributo de Liliana Sousa e Daniela Figueiredo, docentes da Universidade de Aveiro (UA), que apresentaram retratos sociais para um futuro humano, assumindo-se a pessoa idosa como centro de novos desafios comuns a empreender pela sociedade.
As convidadas da paróquia defenderam que urge construir imagens realistas da velhice, combatendo a ideia de que os idosos são solitários e abandonados pelas famílias. A este propósito, Liliana Sousa lembrou que os mais recentes estudos garantem que, afinal, 80 por cento dos cuidados de que as pessoas mais velhas carecem “são assumidos pelos familiares”. Para aquela docente da UA, “envelhece bem quem vive o presente e tem projectos de futuro adequados à sua situação”.
Daniela Figueiredo adiantou que a imagem negativa que há sobre as pessoas idosos são fruto de doenças, havendo nestes casos muito a fazer, numa perspectiva de as ajudar a ultrapassar essa fase de algum pessimismo. “Há idosos, mesmo doentes, que vivem para a comunidade”, referiu. Entretanto, frisou que a sociedade tem procurado criar recursos e avançado com valências que são respostas concretas, tanto para apoiar os mais velhos, como para aliviar os próprios familiares. Valorizando a permanência dos idosos no seio das suas famílias, apontou a existência de Centros de Dia como uma mais-valia a ter em conta. E sobre os Centros de Noite, ~
Daniela Figueiredo considerou-os uma valência importante, embora “não generalizada”. O interesse cada vez maior pela ciência geriátrica e pela formação de técnicos vocacionados para este sector foi sublinhado pelas duas conferencistas. Salientaram que todos os estudos apontam a necessidade de provocar o envelhecimento activo ou bem sucedido, promovendo comportamentos saudáveis, criando ambientes amigáveis, ao mesmo tempo que se torna imperioso capitalizar a experiência e o saber acumulados ao longo da vida.
Sendo certo que cada idade tem a sua maturidade própria, as docentes da UA acrescentaram que os velhos nos dão lições de vida, sendo uma fonte inesgotável de contributos sociais, profissionais e éticos, que têm de ser aproveitados.

 FM

L'Osservatore Romano elogia lição de futebol e estilo do Barcelona

O diário L’Osservatore Romano elogiou o jogo limpo da equipa do Barcelona durante a final da Liga dos Campeões, em que venceu o Manchester United por 2-0. A partida disputou-se na última quarta-feira, em Roma. Em artigo intitulado “Il calcio, finalmente” (O futebol, finalmente), o jornal louvou o comportamento do treinador da equipa espanhola, Pep Guardiola, os jogadores e os adeptos, ante “um ambiente muitas vezes castigado por polémicas exasperadas e violências criminosas”.
Leia mais aqui

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Banco Alimentar organiza nova campanha de recolha de alimentos

É preciso olhar à nossa volta
Nos dias 30 e 31 de Maio, 23 mil voluntários, ligados ao Banco Alimentar Contra a Fome, vão estar nos sítios certos para recolherem alimentos destinados a quem tem fome. Vai ser um fim-de-semana aberto à solidariedade e um desafio para esquecermos as futilidades que nos ameaçam. Urge olhar mesmo para quem precisa de pão para enganar o estômago. Estamos tão fartos de engolir promessas e mais promessas, estudos e mais estudos sobre a fome que existe no mundo, em Portugal e, naturalmente, à nossa porta. Vamos, pois, olhar para o lado. É que as soluções políticas, para erradicar a pobreza, tardam.

Uma reflexão necessária, talvez incómoda

A celebração eucarística
é sempre uma riqueza a defender,
para bem do povo crente
"As celebrações prolongam-se demasiado, rompe-se o seu equilíbrio e unidade, atropelam-se momentos importantes, queima-se tempo necessário para o silêncio… Uma celebração eucarística não é um cabide onde cada um dependura coisas a seu gosto, nem uma assembleia com vários pelouros de gente independente. Tem presidência responsável, regras de culto público, ministérios ao serviço da assembleia. Não tem o rigor de uma cerimónia militar, mas não dispensa a ordenação correcta de um acontecimento respeitável. A Igreja quer que ela seja festiva, mas não a qualquer custo. Não é fácil extirpar abusos. Sei isso, por experiência. Quando me vi surpreendido, já no altar, por intervenções inesperadas e, na sacristia, chamei a atenção para isso, vi reacções de desagrado. Quando, terminada a celebração quis encontrar-me com o grupo coral para dizer o que, por dever, me competia, ouvi: “O senhor manda no altar, no coro mandamos nós”. Quando pedi a um coro que escolhesse cânticos que o povo cantasse, foi-me respondido: “Na igreja só tem direito a cantar quem faz parte do coro e vem aos ensaios”. São os tais pelouros que se foram constituindo por falta de formação e ganharam força ao verem e ouvirem o que se faz nas missas da televisão e da rádio, quando não mesmo por ali mais perto. A celebração eucarística é sempre uma riqueza a defender, para bem do povo crente." António Marcelino
Leia todo o texto aqui

AVEIRO: Feira do Livro e do Disco no Rossio

Rossio, em Aveiro
A Feira do Livro e do Disco, no Rossio de Aveiro, abre hoje, 28, e prolonga-se até ao dia 7 de Junho. A edição de 2009 conta com 16 livreiros e várias editoras de música. HORÁRIO: de segunda a quinta-feira, das 17 às 23 horas, à sexta-feira, das 17 às 24 horas, ao sábado das 15 às 24 horas, ao Domingo das 15 às 23 horas e no dia 1 de Junho das 10 às 23 horas. A inauguração está marcada para as 17 horas desta quinta-feira. Paralelamente à venda de livros e discos decorrem actividades para as diversas idades (música, hora do conto, “workshops”). O programa pode ser consultado em http://www.cm-aveiro.pt/.

Semana do Ambiente do Município de Ílhavo

Praia da Barra
“+ ECO 2009”
A Semana do Ambiente do Município de Ílhavo, “+Eco 2009”, vai começar a 30 de Maio, com o 1.º Acampamento Municipal dos Agrupamentos de Escuteiros do nosso concelho. Do programa, destacamos a realização de uma Conferência de Imprensa, no próximo dia 2 de Junho, terça-feira, pelas 15.30 horas, na Biblioteca Municipal de Ílhavo, e uma Cerimónia do Hastear das Bandeiras Azul e Praia Acessível 2009, no dia 5 de Junho, pelas 11 horas, nas Praias da Barra e da Costa Nova.

Presidente da Câmara de Ílhavo angaria fundos nos EUA para o Hospital de Cuidados Continuados da Misericórdia

O presidente da CMI, Ribau Esteves, deslocar-se-á aos Estados Unidos da América, em visita oficial, de 28 de Maio a 1 de Junho, na sequência de um convite da comunidade ilhavense radicada na Cidade de Newark e arredores, que em boa hora entendeu organizar uma acção de angariação de fundos a favor da obra do Hospital de Cuidados Continuados da Santa Casa de Misericórdia de Ílhavo. O “Grande Pic-nic”, como foi denominado o encontro, decorrerá na Cidade de Newark a 31 de Maio e conta já com a inscrição de algumas centenas de pessoas. Nos dias 29 e 30 o presidente da CMI visitará a Cidade de New Bedford, MA, onde presidirá a um jantar oficial com a Comunidade Ilhavense ali radicada e procederá à inauguração da nova sede da “Associação Humanitária Os Amigos de Ílhavo”. O provedor da Santa Casa da Misericórdia de Ílhavo, professor Fernando Maria Paz Duarte, acompanhará o presidente Ribau Esteves nesta viagem.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Um poema de Domingos Cardoso

Risos É sempre doce a lembrança que me fica Das brincadeiras puras dessa infância Que, recordada, assim a tal distância, Tem um encanto bom que não se explica. E a vã saudade um templo santifica Onde guarda, para sempre, a tal fragrância Que nem o Tempo, com a sua arrogância, Desvirtua, molesta ou danifica. Sinto no peito o repicar do sino De todos os meus risos de menino Que me invadem o corpo de candura. Sei bem que nada fiz para o merecer Mas queria, quando a luz se escurecer, Por eles ser levado à sepultura. Domingos Freire Cardoso

terça-feira, 26 de maio de 2009

VOLUNTÁRIO no meio prisional com bom humor

Voluntários optimistas
. O padre João Gonçalves, Coordenador Nacional da Pastoral Penitenciária, diz que "O voluntário em meio prisional deve ter muito bom humor, ser bem disposto e optimista", porque tem de dialogar com pessoas carregadas de problema. "Não basta ter boa vontade", lembrou.
Leia mais aqui

Gafanha da Nazaré: I CICLO DE CONFERÊNCIAS Primavera 2009

28 Maio, Quinta 21h - Auditório Paroquial Mãe do Redentor Momento musical: Agrupamento de Escuteiros 588 GN Maresia
Retratos Sociais para um futuro mais humano
Liliana Sousa: Desenvolvimento humano e social regional Daniela Figueiredo: A pessoa do idoso e os novos desafios comuns Entrada Livre

Maria João e Mário Laginha no Centro Cultural de Ílhavo

Sábado, 6 de Junho, 21.30 horas

“Chocolate”

“Chocolate”, assim se chama o novo trabalho que marca o regresso da cantora e do pianista. Com “Chocolate”, Maria João e Mário Laginha privilegiam uma das suas influências mais fortes: o jazz. Este novo trabalho inclui temas originais, com músicas de Mário Laginha e letras de Maria João, e standards adaptados à linguagem e ao estilo musical muito próprio da dupla.

Um poema de Miguel Torga

PRESERVAÇÃO Uma gaivota pousada No telhado. Convido-a a entrar. Recusa. Tem receio que a musa Dos meus versos Esteja em casa E desencante o azul encantamento – O mar e o firmamento – Que traz em cada asa. Miguel Torga In Diário XII

Dia do vizinho - 26 de Maio

“Mais vale um vizinho à mão,
que no estrangeiro um irmão!”
Traduzido neste aforismo popular, está sintetizado o valor precioso de uma boa vizinhança. Num mundo em que a globalização tende a afastar as pessoas em vez de as unir, o que é verdadeiramente um paradoxo, tem muito sentido este revivalismo de valores antigos. Ouvi na rádio que hoje, Dia do Vizinho, um casal, em Lisboa, teve a ideia genial de oferecer um chá aos vizinhos. Brilhante! Fantástico! Aqui se pode inferir como o ser humano tem potencialidades e uma criatividade fora do comum. Na verdade, quando o homem quer, quando o homem sonha, a obra nasce. Arranjar um motivo, um argumento para se estreitarem laços com as pessoas que nos cercam, começando pelos nossos vizinhos, é de louvar, aplaudir e incrementar. Eu, que vinha inopinadamente a conduzir o meu carro para o local de trabalho, ouvi, digeri e planeei pôr em prática essa iniciativa. Não que tenha qualquer desaguisado com os vizinhos, mas, o stress da vida actual, a luta desenfreada pela sobrevivência a todos os níveis, retiram-nos, muitas vezes o tempo e a disponibilidade para darmos dois dedos de conversa ao próximo. E...é tão salutar a boa relação com ele! Tão frutuoso este convívio! Quem tem dificuldades, no relacionamento com os seus pares, ali ao lado, tê-las-á, a um nível mais alargado, no universo dos seus contactos humanos. Vivemos numa era de isolamento de ensimesmamento em nós, criaturas sociáveis e comunicativas. A vida agitada que levamos propicia a este isolamento a este divórcio dos valores primordiais da nossa existência de seres gregários. Estamos a assistir a um retrocesso nos valores civilizacionais, a uma perda de raízes...a um regresso à barbárie! Recordo ainda os tempos em que, nestas terras das Gafanhas, no ainda recente século passado, todas as pessoas se saudavam na rua, quer fossem vizinhos, quer não. Aí, tinha sentido dizer-se que a Gafanha era uma aldeia global, em que toda a gente se conhecia e comunicava. Era saudável esta forma de viver que afastava dos seus membros, as enfermidades dos tempos modernos que hoje nos avassalam, tal como a depressão. Não havia terreno fértil para deixar germinar estas “pragas”. A boa relação, o diálogo a comunicação entre as pessoas eram o melhor antídoto para elas. Viva a vida, a comunicação, a boa vizinhança! Hoje mesmo, à hora do 5 o’clock tea, terei o prazer de confraternizar com os meus vizinhos e saborear um delicioso chá verde!
M.ª Donzília Almeida

Mensagem e mensageiros

As plataformas digitais
desafiam sobretudo
os mensageiros
;
"O Dia Mundial das Comunicações Sociais é uma ocasião para avaliar ou criticar, propor ou projectar a presença da Igreja Católica nos media. Este ano a acontecer entre um abundante caudal informativo sobre intervenções e presenças católicas, proposições acerca do carácter tecnológico das comunicações - que encontra na Mensagem do Papa um certeiro contributo - e a realização de projectos que testemunham o envolvimento eclesial nessas ferramentas mediáticas digitais. O seu carácter determinante nos processos de comunicação motiva a necessidade frequente de não hiper-valorizar os meios, por mais poderosos e eficazes que sejam. Para acentuar a certeza da necessidade de uma mensagem, a ser comunicada através de um mensageiro. Ela é de todos os tempos, também de hoje."
Paulo Rocha

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Crónica de um Professor…

Filosofia de vida
“Se não temos o que amamos…devemos amar o que temos…! Saltou-lhe aos olhos esta frase, quando circulava pelas coxias da sala de aula. Estava inscrita numa pequena caixa de plástico de forma paralelipípeda, pousada na carteira de uma aluna. Continha os apetrechos para a caracterização das personagens, daquela peça que iam levar à cena. O tema Cidadania, abordado e exaustivamente trabalhado na Área de Projecto, estava a dar os seus frutos. Os alunos empenhavam-se, e cada grupo decidira apresentar os resultados da forma que mais lhes agradava. Aquele resolvera fazer a dramatização duma peça em que o tema era apresentado com uma ingénua teatralidade. E… para grande espanto da teacher, estes alunos, de tão tenra idade ainda, conheciam os truques, as nuances que fazem da arte dramática algo de apetecível, de lúdico e também pedagógico. Queriam imitar a gente grande e quem sabe se ali não estará o alfobre de futuros talentos na arte de bem dizer!. A caixinha da maquilhagem… com uma panóplia de acessórios, continha as pinturas, os batons, os eyeliners de que qualquer guarda-roupa não prescinde. Mas... aquela inscrição ficara a laborar na mente da teacher… era uma frase profunda! Traduzia uma filosofia de vida que lhe era muito cara! Se, na verdade, a aplicarmos às nossas vivências, concluiremos que pode fazer uma mudança nas nossas vidas. Quando nos debruçamos e perdemos tempo a lastimar aquilo que não temos, e às vezes temos tanto a que não damos o real valor, não nos restará tempo, ânimo e disponibilidade mental, para apreciarmos, valorizarmos e desfrutarmos daquilo com que a natureza, tão prodigamente, nos dotou. À memória vem aquela pergunta insidiosa feita a duas pessoas, exactamente sobre a mesma coisa, mas que obteve duas respostas diametralmente opostas. Apresenta-se uma garrafa contendo vinho, até metade e pede-se a um homem sóbrio, e a um alcoólico, que descrevam o que vêem. - Ainda está meia cheia! Diz o homem sóbrio. - Já está meia vazia! Diz o alcoólico. Duma situação tão simples, aparentemente linear, há duas perspectivas, absolutamente opostas. Uma positiva, outra negativista, derrotista. Assim se passa nas nossas vidas. Há aqueles que desbaratam a vida a ver o que a garrafa não tem, a parte vazia, e não chegam a desfrutar do precioso néctar que a garrafa contém, até meio. - De que lado da barricada estás? Perguntam. Contrariando qualquer tendência etílica, responderia, de imediato, que se fica pela inscrição latina: In vino veritas! Ou Bonum vinum laetificat cor hominum! “Se te lamentas, porque não vês o sol, então nunca verás as estrelas!” E… a teacher gosta muito de contemplar um céu estrelado, nestas terras abençoadas das Gafanhas!
M.ª Donzília Almeida

Efemérides aveirenses

Olho da cidade, na Ponte-Praça, visto do canal central
1952-Maio-25 Três melhoramentos foram inaugurados, em Aveiro, neste dia, mas há 57 anos. Foram eles a Ponte-Praça, o Liceu Nacional de Aveiro e o Reservatório de água para o abastecimento da rede urbana. Fonte: Calendário Histórico de Aveiro

A campanha para as europeias aí está em grande

É preciso votar; a abstenção só prejudica o futuro
A campanha para as europeias aí está em grande. É preciso votar, porque a abstenção só prejudica o futuro. Não podemos nem devemos esquecer esta realidade. Mesmo zangados com alguns políticos, temos de fazer o esforço que mais se impõe em tempo de crise, para nos tornarmos co-responsáveis nas políticas europeias. Cada vez mais, as leis que nos regem são lançadas pelas estruturas comunitárias. O Parlamento Europeu é o único órgão da UE escolhido pelo povo. Razão mais do que suficiente para começarmos a acreditar nele. A Europa comunitária precisa de ideias novas que combatam o neoliberalismo desenfreado, ligado aos grandes grupos económico-financeiros, autores da actual crise. Temos mesmo de pensar no nosso futuro e no futuro dos que hão-de vir depois de nós. Para já, os nossos políticos, de uma maneira geral, estão mais interessados em politiquices e na política interna, do que noutra coisas qualquer. Importa questioná-los sobre o que pretendem fazer a nível europeu. Depois, olhando para as propostas dos partidos políticos e dos candidatos, procuremos tomar opções que se coadunem com os nossos valores e com as propostas com que mais nos identificamos. De forma livre e consciente. Fernando Martins

Aprendiz de viajante

Santuário de Schoenstatt
Hoje sei que o viajante ideal é aquele que, no decorrer da vida, se despojou das coisas materiais e das tarefas quotidianas. Aprendeu a viver sem possuir nada, sem um modo de vida. Caminha, assim, com a leveza de quem abandonou tudo. Deixa o coração apaixonar-se pelas paisagens enquanto a alma, no puro sopro da madrugada, se recompõe das aflições da cidade. A pouco e pouco, aprendi que nenhum viajante vê o que outros viajantes, ao passarem pelos mesmos lugares, vêem. O olhar de cada um, sobre as coisas do mundo, é único, não se confunde com nenhum outro. Viajar, se não cura a melancolia, pelo menos, purifica. Afasta o espírito do que é supérfluo e inútil; e o corpo reencontra a harmonia perdida - entre o homem e a terra. O viajante aprendeu, assim, a cantar a terra, a noite e a luz, os astros, as águas e a treva, os peixes, os pássaros e as plantas. Aprendeu a nomear o mundo. Separou com uma linha de água o que nele havia de sedentário daquilo que era nómada; sabe que o homem não foi feito para ficar quieto. A sedentarização empobrece-o, seca-lhe o sangue, mata-lhe a alma - estagna o pensamento. Por tudo isto, o viajante escolheu o lado nómada da linha de água. Vive ali, e canta - sabendo que a vida não terá sido um abismo, se conseguir que o seu canto, ou estilhaços dele, o una de novo ao Universo. Al Berto (1948-1997)
Leia mais aqui

domingo, 24 de maio de 2009

Dia da Marinha – Festa na Praia da Barra

Somos um País de Marinheiros
Somos um País de Marinheiros. O mar corre-nos nas veias, ora agitado ora brando. Os navios enchem-nos a imaginação a toda a hora. Muitos milhares de pessoas marcaram presença na Praia da Barra, para assistir, hoje, a manobras dos marinheiros. Mas, fundamentalmente, para apreciar o desfile naval com que encerrou o Dia da Marinha, que este ano se associou às comemorações dos 250 anos da cidade de Aveiro. Desfilaram 11 navios da Marinha Portuguesa, mas o rei da festa foi o navio-escola Sagres, embaixador de Portugal junto das comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo. Os aplausos não faltaram. E as mãos a acenar fizeram-me lembrar a partida e o regresso dos bacalhoeiros nos meus tempos de menino e moço. FM

Sorriso de Deus

Mais um sorriso de Deus, para contemplação. A nossa imaginação, mais rica e mais profunda que muitas palavras e imagens, saberá compor o quadro com a legenda mais adequada. Bom domingo.

Férias em tempo de crise? É preciso pensar nisso



Em tempo de crise também é possível gozar férias


Em tempo de crise também é possível gozar férias, tão enriquecedoras como em tempo de abundância. O que é preciso é ter imaginação e capacidade criativa para as programar. Sendo certo que férias são o período do ano em que os trabalhadores estão dispensados das suas obrigações profissionais, então poderá ser fácil conceber uma ou mais actividades diferentes das que se desenvolvem durante o ano. 
Se exercemos, habitualmente, profissões de natureza intelectual, procuremos nas férias um envolvimento físico; se forem de natureza manual, optemos por um período de lazer mais voltado para a leitura, para a cultura e para a diversão que não canse. 
O que importa é envolvermo-nos em algo diferente do normal. Tendo em conta que a crise actual não nos permite grandes despesas, há que ter imaginação para as evitar, não ficando a pensar que somos uns infelizes. Nada disso. Também podemos ser felizes sem gastar muito dinheiro. À nossa volta há muitas formas de nos divertirmos. 
De vez em quando avançaremos com algumas sugestões e até aceitamos propostas. Mas não fique agarrado à ideia de que sem dinheiro não podemos fazer nada de importante. Com criatividade, haverá sempre forma de gozar umas boas e merecidas férias por aqui à volta da Gafanha da Nazaré. 

Fernando Martins

Mensagem do Papa para o 43.º Dia Mundial das Comunicações Socais

"Novas tecnologias, novas relações.
Promover uma cultura de respeito,
de diálogo, de amizade”
“Embora seja motivo de maravilha a velocidade com que as novas tecnologias evoluíram em termos de segurança e eficiência, não deveria surpreender-nos a sua popularidade entre os utentes porque elas respondem ao desejo fundamental que têm as pessoas de se relacionar umas com as outras. Este desejo de comunicação e amizade está radicado na nossa própria natureza de seres humanos, não se podendo compreender adequadamente só como resposta às inovações tecnológicas. À luz da mensagem bíblica, aquele deve antes ser lido como reflexo da nossa participação no amor comunicativo e unificante de Deus, que quer fazer da humanidade inteira uma única família. Quando sentimos a necessidade de nos aproximar das outras pessoas, quando queremos conhecê-las melhor e dar-nos a conhecer, estamos a responder à vocação de Deus - uma vocação que está gravada na nossa natureza de seres criados à imagem e semelhança de Deus, o Deus da comunicação e da comunhão.”
Leia toda a Mensagem aqui
Nota: Clicar na imagem para ampliar

sábado, 23 de maio de 2009

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS –132

BACALHAU EM DATAS - 22
Última bandeira da Monarquia
Bandeira da República 1909 - ARRASTÃO “ELITE”
Caríssimo/a:
1907 - «Em 1907, o imposto sobre o bacalhau português rendeu 26.879$000 réis, o que significava que “o bacalhau pescado por portugueses paga[va] de direitos, antes da secagem, 12 réis por quilograma”. Era um imposto muito pesado, que onerava o consumidor e as empresas interessadas.» [Oc45, 83] «Em 1907, “o barco [o Náutico?] apanhou durante o exercício da pesca um forte temporal, chegando a perder ferros e correntes, mas como é de rija construção e de tripulação destemida, resistiu e entrou há dias, são e salvo, no porto de Lisboa.”» [Oc45, 88] 1908 - «Em 1908, há 30 bacalhoeiros portugueses.» [HDGTM ] «Em 1908, quando se contavam 30 bacalhoeiros portugueses, surge “um novo navio, o iate ATLÂNTICO. Desta vez, foi uma pequena sociedade formada por Antero Duarte e seu cunhado Alberto Ferreira Pinto Basto que enviaram o navio comprado para esse efeito. Aveiro e Ílhavo contavam então três navios para a pesca do bacalhau: NÁUTICO, RAZOILO e ATLÂNTICO.» [Oc45, 82] «O iate RAZOILO, antes do início da campanha de 1908, esteve num estaleiro do Porto a forrar o casco de cobre. Antes de seguir para Lisboa, parou em Aveiro para carregar sal e receber alguns pescadores.» [Oc45, 82] 1909 - «A carga do RAZOILO e do NÁUTICO foi calculada em cerca de 6.000 quintais, sendo considerado por isso um ano muito bom. “A pesca foi tão abundante nesse ano – pode ler-se no 'Campeão das Províncias' – que, do que vinha às linhas, [os pescadores] apenas aproveitavam o peixe maior, desprezando o mais pequeno”.» [Oc45, 82] «Em 1909, o bacalhau – que representou cerca de 87% do pescado importado – custou-nos 3.803.306$000, que em ouro pagámos à Inglaterra, Noruega, França e outras nações.» [Oc45, 84] «Goradas, em 1909 e 1910, as experiências do arrastão português ELITE.» [HDGTM,7] «Um único arrastão a vapor fizera apenas duas campanhas: em 1909 e 1910. chamava-se ELITE e fora armado pela Parceria Geral de Pescarias segundo o arquétipo dos vapores franceses que por esse tempo demandavam os bancos da Terra Nova e da Gronelândia.» [Oc45, 99 ] 1910 - «No fim da Monarquia, Portugal consumia cerca de 28.000 t de bacalhau por ano, mas os navios portugueses não capturavam, nesse período, mais do que cerca de 2.400 t. De facto, “a pesca nacional apenas chega[va] para o consumo de um mês, não satisfazendo de forma nenhuma as necessidades internas”.» [Oc45,83]
: “No fim da Monarquia,...”, apesar do 'estado da Nação', mesmo assim e para além disso, havia quem remasse contra a maré... Só que... Esperemos que novos ventos soprem... e novas Élites surjam!
Manuel

Para conhecer a bonita cidade de Aveiro

Um grupo de Braga está a organizar uma visita à bonita cidade de Aveiro. Pediu-me sugestões para aqui passar um dia. O passeio pela Ria, de barco moliceiro, não podia faltar, entre outras propostas que todos saberão aproveitar. Neste barco ia eu, em época longe do Verão. Claro que valeu a pena. Espero que gostem...
FM

Um livro de António Rego: "Um Ramo de Amendoeira"

Mesmo quando denuncia,
é de amizade que se trata
O Cón. António Rego, director do Secretariado Nacional das Comunicações Sociais (SNCS) da Igreja Católica em Portugal, lançou esta Quinta-feira, em Lisboa, a sua nova obra "Um Ramo de Amendoeira", que reúne os editorais escritos ao longo dos últimos anos para o semanário Agência ECCLESIA. O título da obra evoca uma passagem do livro do profeta Jeremias, no meio de um período negro de Israel. Na apresentação do livro, D. Manuel Clemente, Bispo do Porto e presidente da Comissão Episcopal da Cultura, bens Culturais e Comunicações Sociais, falou do autor como uma das "personificações mais interessantes do que pode e deve ser a comunicação social". Após salientar a "qualidade evidente e actualidade constante" da escrita do Cón. António Rego, o Bispo do Porto destacou três pontos fundamentais: "espírito, coração e engenho". "Mesmo quando denuncia, é de amizade que se trata", sublinhou.
Leia mais aqui

João Bénard da Costa: Esta vida não acabou aqui

Sabia tudo com paixão...
Sabia tudo com paixão. Acreditava que a criação humana era "uma forma de nos defendermos contra a morte". Acreditava em dar "testemunho do que vai durar contra o que parece que está para durar". Acreditava em convencer "quem eu quero que goste tanto como eu gosto" e, "se possível, goste como eu gosto". Escreveu num português vintage de frase lançada. Quando ele escrevia, acreditávamos que sabia tudo.
:
Leia tudo no Ípsilon

"Livro de Amizade – Lembrando Mário Sacramento"

Decorreu no passado dia 22, na Escola Mário Sacramento, em Aveiro, a apresentação da obra “Livro de Amizade – Lembrando Mário Sacramento”. Coordenado por João Sarabando, Joaquim Correia e Cecília Sacramento, tem a colaboração de José Cardoso Pires, Joaquim Namorado, João Seiça Neves, Idalécio Cação, Flávio Martins, Fernando Namora, Eduardo Prado Coelho, Eduardo Lourenço, Costa e Melo, Agostinho das Silva, Mário Soares, Óscar Lopes, Urbano Tavares Rodrigues, entre outros. Presentes na cerimónia, Clara Sacramento e Vasco Sacramento, filha e neto de Mário Sacramento, convidados e muitos professores da escola. Apresentação da obra esteve a cargo do professor universitário António Pedro Pita, que analisou o livro, lembrando que foram precisos mais de 20 anos para o ver nascer. Afirmando que Mário Sacramento é uma personalidade-chave na história das ideias estéticas do séc. XX, sendo urgente a reedição de toda a sua obra. António Redol, filho do escritor Alves Redol e em representação do Museu do Neo-Realismo, manifestou o agrado pela instituição ter apoiado a obra, assim como a Fundação Calouste Gulbenkian. Disse que Mário Sacramento se destaca no século passado pelo alto espírito cultural, humanista e político, sendo uma figura de grande relevo no neo-realismo em Portugal. Jorge Sarabando lembrou as posições políticas do homenageado, salientando que a sua vasta obra ajuda muito a compreender o séc. XX, no país, em Aveiro e no mundo. Joaquim Correia agradeceu às entidades que apoiaram aquela publicação, salientando que a obra literária de Mário Sacramento, não tendo desaparecido sob a voragem do tempo com a facilidade com que desaparecem os simples actos de fala do dia-a-dia, é um património que se mantém à espera de quem a valorize como merece, lendo-a, discutindo-a e dando-lhe o lugar a que tem direito. António Martins, Director da Escola Mário Sacramento, manifestou a honra pelo livro ter sido apresentado na escola anunciando que já há contactos com a Universidade de Aveiro, para a curto prazo se reeditar a obra de Mário Sacramento, apelando aos professores de português da Escola, para que dêem a ler aos alunos o texto de Cecília Sacramento publicado no livro. Neste livro são publicadas várias fotografias de diversas épocas da vida de Mário Sacramento assim como imagens da homenagem que em 1991 a Câmara de Ílhavo lhe prestou, ao descerrar uma lápide na casa onde nasceu.

Carlos Duarte

O que disse o Papa a Deus?

No Médio Oriente, os judeus pedem a Javé, os cristãos pedem a Deus, os muçulmanos pedem a Alá. Perante a contradição dos pedidos, o que faz Deus? Ele, que é o mesmo para todos, sem acepção de pessoas, só pode exigir a todos respeito mútuo, garantia dos direitos humanos, uma paz justa. Na sua visita, difícil e mesmo arriscada, à Jordânia, a Israel e aos Territórios Palestinianos, que pediu Bento XVI a Deus? Dobrou uma folha com o seu "segredo", que meteu numa frincha do Muro das Lamentações: "Deus de todos os tempos, na minha visita a Jerusalém, cidade da paz, casa espiritual de judeus, cristãos e muçulmanos, coloco perante ti as alegrias, as esperanças, as aspirações, as provas, os sofrimentos e as dificuldades de todos os povos do mundo. Deus de Abraão, de Isaac, de Jacob, escuta os gritos dos aflitos, dos angustiados, dos deserdados. Envia a paz à Terra Santa, ao Médio Oriente e a toda a família humana." É lá que o cristianismo tem as suas raízes. Mas o dogma, a história, a política dividiram os cristãos - coptas, nestorianos, arménios, católicos de rito latino e oriental, ortodoxos -, de tal modo que ainda hoje se assiste até a confrontos físicos por causa dos "Lugares Santos". O Papa apelou ao diálogo ecuménico, pois a divisão é " um escândalo". Na constatação do êxodo dos cristãos - o seu número tem-se tornado cada vez mais diminuto nas últimas décadas -, pediu aos Governos que garantam o direito da liberdade religiosa, que é "mais que a liberdade de culto", e aos cristãos, tentados pela emigração, exortou-os a que "tenham coragem de ser fiéis a Cristo", permanecendo ali, "difundindo a sua mensagem de paz e unidade". Anselmo Borges Leia todo o texto no DN

sexta-feira, 22 de maio de 2009

O Belo, por João Bénard da Costa

Quando me sentei aqui e olhei à volta, pensei que estava numa situação paradoxal. Ou seja, vinha falar sobre o Belo, num sítio que nos impõe imediatamente o conceito de Beleza. Este é um lugar de beleza. Se podemos secundarizar a Sé de Lisboa em relação a outras grandes catedrais românicas anteriores ou da mesma época, se podemos e devemos recordar todas as destruições, modificações, restauros que sofreu durante os tempos, nenhuma dessas contingências ou comparações diminui a beleza deste espaço. E aqui começa a primeira pergunta ou o primeiro mistério. Porquê e a quê chamamos Belo? A segunda pergunta que podemos fazer, associada a essa, é porque é que, não só na religião católica mas em praticamente todas as religiões, os templos, os lugares de oração, são – ou foram – privilegiadamente lugares de Beleza? Isto acontece no Oriente, no Ocidente, no Japão, na China, na Grécia, no Egipto, etc. Porquê a imediata associação da Beleza a um lugar onde se vai não para admirar uma coisa bela, mas para rezar, para entrar em diálogo com o transcendente, qualquer que seja o nome ou a forma de que esse transcendente se reveste.
Leia todo o texto aqui

Poesia na ria: 30 de Maio

A poesia hoje, amanhã, em qualquer dia está aqui, lá e acolá Está na Ria!
Nota: Clicar no cartaz para ampliar

Igreja Católica com nova imagem na WEB

A Agência Ecclesia, da Igreja Católica, tem um "site" renovado. Com diversidade de temas, oferece aos interessados em questões religiosas bons motivos para visita diária. Louvo a iniciativa, como não podia deixar de ser.
Tenho acompanhado, desde a primeira hora da sua existência, o esforço de muitos que teimaram em colocar a Igreja Católica na WEB, no sentido de se abrir ao mundo, deixando o espaço limitadíssimo do adro da igreja. A qualidade do que oferece é indesmentível. E a ousadia também, sobretudo quando reflecte temas e divulga notícias que são tabus para muita gente. Por tudo o que têm feito e pelo que prometem, aqui fica o meu aplauso.
FM

Conferências Primavera: “Que Justiça na era da globalização?”

Barbosa de Melo e Ribau Esteves, que presidiu à sessão
A Justiça tem de se apoiar nos Direitos Humanos
“Tal como estou a ver, com mudanças para pior, não há Justiça possível no mundo da globalização”, afirmou o Prof. Barbosa de Melo, docente universitário e antigo presidente da Assembleia da República, na terceira sessão das Conferências Primavera 2009, em que abordou o tema “Que Justiça na era da globalização?” O convidado da paróquia da Gafanha da Nazaré questionou-se sobre como é que, neste mundo globalizado, “onde todos falam e os interesses pessoais se cruzam, se pode fazer justiça, dando a cada um aquilo que é seu?” Referindo-se à crise que muitos pregam, mas que “ninguém entende, nem economistas nem juristas”, quem é que explica as alterações do preço do petróleo de um dia para o outro? – foi questão que deixou no ar. Denunciou a “incultura jurídica progressiva” que caracteriza os nossos tempos, “com leis prolixas e supérfluas”, com os juízes a encontrarem “sérias dificuldades” na sua interpretação. E como corolário dessa incultura, “o povo fica sujeito a ser enganado e explorado”. Ainda frisou que os grandes meios de comunicação social destacam jornalistas “não informados” para tratarem temas complexos. “Fico banzado com tanta ignorância jurídica”, disse. Barbosa de Melo afirmou que a sociedade é responsável pelo caótico sistema da Justiça, garantindo que “todos colaboramos nisto”. No entanto, sublinhou “a independência dos magistrados perante as partes, perante o poder e perante a popularidade; não são corruptos e são livres sob o ponto de vista político-partidário”, adiantou. Sobre as nossas atitudes perante a situação jurídica no nosso Pais, o antigo presidente da Assembleia da República alertou para a obrigação que temos de criticar o sistema, mas não deixou de afirmar que “criticar não é só dizer mal”. Lamentou o atraso no julgamento dos casos nos tribunais, salientando que “o que ganha… não ganha nada, porque já perdeu tudo com o tempo que passou”. Não aceitou a teoria da preguiça dos juízes, mas admitiu eventuais “manobras de advogados”. O conferencista considerou que “a gramática jurídica dos últimos 60 anos” está assente nos Direitos Humanos, adiantando que a liberdade de expressão, como outros direitos, precisa de ser cultivada. Nessa linha, disse que é no concreto que a batalha da Justiça se vai travando, sendo fundamental deixar aos que hão-de vir depois de nós “o gosto pelos Direitos do Homem”. Fernando Martins

Sorriso de Deus

Este sorriso de Deus foi-me enviado, gentilmente, pelo meu amigo e leitor frequente do meu blogue João Marçal. Claro que há muitos sorrisos de Deus, que podemos vislumbrar nos caminhos da vida. Quem me oferece mais sorrisos de Deus? Aqui fica o desafio.

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Dia da Marinha 2009

Fragata Álvares Cabral
O Dia da Marinha, que este ano se celebra em Aveiro, no âmbito da evocação dos seus 250 anos de cidade, também envolve o concelho de Ílhavo, concretamente a Gafanha da Nazaré, que acolhe, no Terminal Norte do Porto de Aveiro, os Navios que participam neste evento. Os referidos Navios da Marinha Portuguesa estão até ao dia 24 abertos ao público, sendo o acesso feito pelo Terminal Ro-Ro. O Paredão Central da Praia da Barra será o local ideal para assistir ao Desfile Naval que, no dia 24, pelas 15.30 horas, encerra as comemorações.

Morreu João Bénard da Costa

Morreu João Bénard da Costa, li hoje na comunicação social. Um homem brilhante do cinema e da cultura em geral. Gostava de o ler e de o ouvir nos seus discursos bem elaborados, com o seu quê de poesia e de profundos conhecimentos da história e do mundo. Foi católico assumido. Depois, desiludido, passou ao grupo dos vencidos do catolicismo. Mas nem por isso deixou de abordar imensas facetas do cristianismo, sobretudo as ligadas às diversas artes. Falava e escrevia sobre cinema e sobre artes como poucos.
FM
O PÚBLICO diz assim:
Divulgador de cinema, director da Cinemateca Portuguesa desde 1991, Bénard da Costa nasceu a 7 de Fevereiro de 1935.
A Cinemateca Portuguesa anunciou em comunicado que o corpo do seu director, João Bénard da Costa, estará na Igreja de S. Sebastião da Pedreira, em Lisboa, ao final da tarde de hoje. Numa última homenagem ao cinéfilo que dirigiu a instituição desde 1991 (e que era membro da direcção desde 1980), a Cinemateca – que suspende hoje as suas sessões – vai projectar, em data e hora a anunciar, o filme da vida de Bénard: Johnny Guitar, de Nicholas Ray. Num inquérito de jornal em que lhe pediam para dizer qual o seu filme preferido, Bénard respondia: Johnny Guitar, de Nicholas Ray; porque era ele; porque era eu”.
“Os filmes da sua vida e o seu filme da vida não se distinguiam, e traziam sempre ecos afectivos, memórias culturais, reflexos dos debates que também viveu”, escreve a direcção da Cinemateca no comunicado. “João Bénard da Costa viu muitos filmes, todos os filmes, uma vida inteira de filmes, mas também via sempre filmes que mais ninguém via, porque neles descrevia o que lá estava e não estava, isto é, aquilo que não era aparente e óbvio antes de o lermos nos seus textos”.
Leia mais aqui

ACONTECIMENTOS CLAROS E JUÍZOS COMPLEXOS

Há manifestações frequentes, pessoais e colectivas, que são de leitura difícil, se não mesmo impossível, quando faltam a quem julga, critérios adequados à sua total compreensão. São as assim as manifestações religiosas de fé, mormente quando envolvem multidões de crentes, por vezes gente humilde e simples, mas com convicções profundas e consequentes e coragem para as afirmar. Esta leitura, já de si complexa, aparece muitas vezes deformada pelos críticos e pela comunicação social que não vai além das aparências e se prende em aspectos limitados. Assim é com os peregrinos de Fátima, cumpridores ou não de promessas, chegados ao Santuário a pé ou de outro modo, vindos de norte e sul e dos quatro cantos do mundo. A expressão religiosa da fé traduz-se sempre de um modo cultural e, deste modo, é uma representação limitada, provisória e relativizada. Dela emergem, porém, sentimentos respeitáveis, capazes de convocar e unir pessoas, derrubar muros interiores, abrir horizontes novos, quebrar rotinas e acordar esperanças. Não é fácil a coragem de se afirmar hoje, publicamente, como cristão numa sociedade cada vez mais secularizada, religiosamente indiferente, que foi cortando as referências vitais com o transcendente. Pese, embora, o incómodo de alguns, a verdade é que não falta gente a afirmar a dimensão religiosa e evangélica da sua vida, e a dar razão da sua esperança com palavras convincentes, certas e sábias. E fá-lo de modo livre. Com o propósito de ver para além do que os olhos vêem, quando tal se proporciona, gosto de caminhar por entre estes cristãos corajosos, quedo-me a admirar e a perscrutar o seu mundo interior e a tentar adivinhar o que os leva a exprimir assim a sua fé. As peregrinações são ocasião privilegiada para tal propósito. Foi assim, há dias, com perto de vinte mil peregrinos emigrantes que trabalham em diversos países da Europa e se deslocaram a Mont-Roland, em França. De igual modo, dois dias depois, em Fátima, deixando-me envolver, silenciosamente, e contemplando a multidão que desafia, com um rosto sereno e confiante, o rigor do tempo, o cansaço da caminhada, o incómodo das cerimónias longas, a incompreensão dos críticos fáceis As expressões populares de fé não são apenas de pessoas simples e iletradas. Também as manifestam gente culta, que guarda a fé bebida com o leite da sua mãe ou fez alguma experiência de Deus, em momento tão decisivo da vida, que não mais pode esquecer. Dizem alguns, mesmo da Igreja, que muita gente generosa numa peregrinação, não exprime total coerência de fé na sua terra e no seu dia a dia. A coerência da fé adquire-se ao longo da vida, ante os desafios que a mesma vai pondo. A força unificadora do que se acredita e do que se vive não é obra de um momento, mas sim de uma decisão interior que se vai tornando vida no meio de incómodos e obstáculos. Neste esforço de procura de coerência e de unidade na vida, misturado de êxitos e de fracassos, vai a força que não deixa desistir, a gratidão pelo que já se conseguiu, a aceitação das contrariedades inevitáveis, o gesto discreto de solidariedade, as expressões de amor, os propósitos de bem fazer, a coragem para permanecer na comunhão eclesial. O maior desafio que hoje se põe aos cristãos e às comunidades é o da formação que enraíza e esclarece a fé e o do testemunho que dá sentido e abertura missionária às suas vidas. É esta uma responsabilidade permanente de quem serve. Servindo, se encontra maneira de interessar quem nisso precisa de ser servido e de que vai tendo consciência. No tempo do peregrinar na vida, Deus não é o juiz que contabiliza os resultados obtidos. É o Pai atento que incita a ir mais longe, dando a mão aos caídos, o colo aos cansados, a palavra estimulante aos que caminham sempre, levando uma cruz pesada. A gente, iletrada ou culta, com fé evangélica, desperta adormecidos e desatentos e denuncia teóricos, tardios em oferecer o seu ombro para ajudar os inúmeros feridos da vida. António Marcelino

Educação sexual nas escolas?

Não há educação e ensino que resistam
enquanto famílias e escolas viverem divorciadas
umas das outras
O caso da professora de uma escola de Espinho, que, ao que parece, resolveu esquecer-se da aula de história para falar de sexo, que não da educação para uma sexualidade saudável e responsável, veio acordar o País para uma realidade, que muitos conhecem. Há, de facto, professores conscientes, bem formados e informados, com capacidade para ensinar e educar, mas também há outros que andam pelas escolas para não fazerem nada de jeito. Nem sabem ensinar, nem informar convenientemente, muito menos formar para uma vida com princípios, com regras, com valores. A questão está mesmo nisto: formar para os valores que enobrecem a pessoa e a sociedade e não para o caos moral e social, tão ligado ao sexo livre. Há quem defenda a liberdade sexual sem regras, para além de se alertar para a transmissão de doenças. Para isso, propõem a oferta de preservativos nas escolas, ao jeito de quem quer dizer: tenham por aí relações sexuais a eito, com este e com aquele, com esta e com aquela. Isto agora é assim, cada um que se safe. E chamam a isto educação sexual, que não passa de devassidão, de embrutecimento dos sentidos. Claro que há muita gente que ainda não se habituou à ideia de que a educação não se faz em massa, numa aula ou em grupo alargado, confundindo-se educação sexual com informação sexual. A educação faz-se de pessoa a pessoa, com intimidade, coração a coração. Em família e com a família. A escola que ensine o que tem a ensinar, tendo em conta os valores da comunidade em que está inserida. A família que eduque, de acordo com os seus princípios de vida. Mas também é bom que se diga que há muitos e complexos problemas nas escolas porque as famílias se divorciam das suas obrigações e das suas responsabilidades educativas. Importa, por isso, alertar as famílias para a obrigação que têm de assumir o seu papel na comunidade educativa. As escolas não podem viver alheios às famílias; as famílias não podem alhear-se das escolas. Enquanto familílias e escolas viverem divorciadas umas das outras, não há educação e ensino que resistam. Fernando Martins

Património, Herança e Memória - A cultura como criação

A cultura ganha uma nova importância na vida política e económica contemporânea. O desenvolvimento humano não é compreensível nem realizável sem o reconhecimento do papel da criação cultural, em ligação estreita com a educação e a formação, com a investigação e a ciência. O que distingue o desenvolvimento e o atraso é a cultura, a qualidade, a exigência - numa palavra, a capacidade de aprender. Deixou de fazer sentido a oposição entre políticas públicas centradas no Património histórico, por contraponto à criação contemporânea. A complementaridade é óbvia e necessária. Basta olharmos os grandes marcos da presença humana ao longo do tempo para percebermos que há sempre uma simbiose de diversas influências, de diversas épocas, ligando Património material e imaterial, herança e criação. A nova Convenção-Quadro do Conselho da Europa sobre o Património cultural, assinada em Faro em Outubro de 2005 e já ratificada por Portugal, é um instrumento inovador da maior importância, onde pela primeira vez se reconhece que o Património cultural é uma realidade dinâmica, envolvendo monumentos, tradições e criação contemporânea. Segundo este documento, a diversidade cultural e o pluralismo têm de ser preservados contra a homogeneização e a harmonização. E se falamos de um «património comum europeu», como realidade a preservar, a verdade também é que estamos perante uma construção inédita e original baseada na extensão da dimensão tradicional do Estado de direito, no apelo à diversidade das culturas, no aprofundamento da soberania originária dos Estados-nações, na legitimidade dos Estados e dos povos, na criação de um espaço de segurança e de paz com repercussões culturais e numa maior partilha de responsabilidades nos domínios económico e do desenvolvimento durável. Guilherme d’Oliveira Martins,
Leia mais aqui Presidente do Centro Nacional de Cultura In Património, Herança e Memória. A cultura como criação. Ed. Gradiva

Aventuras de um boxer…

Dedicação O fato de bailarina Fica-me mesmo a matar, Quando a dona desatina E se põe comigo a dançar! Olá, Amigos!
Se pensam que morri e já estão a preparar-me o enterro, podem tirar o cavalinho da chuva, pois estou vivo e bem vivo! Ando um pouco “enfiado”, lá isso é verdade….até me “afunilaram” as ideias! As ideias e os movimentos! Estes humanos quando se lembram…quando têm ideias brilhantes, aplicam-nos a nós, caninos, que somos um campo fértil para estudos e experiências… Eu, que prezo a minha masculinidade, que sou cão e muito cão….sou um cão em toda a acepção da palavra, não me sinto bem no papel de cobaia! Por isso não entendi, lá muito bem, com os neurónios que Deus me deu, que me tenham metido um funil, na cabeça! P’ra quê? Pergunto eu, com o meu raciocínio de cão. Lá porque o Dr JP me deu uma anestesia, para andar a “escortaçar” o meu membro posterior direito, não vejo a correlação entre a costura feita na minha patinha e os movimentos da minha cabecinha pensadora! Que eu sou muito irrequieto e faço muitas mesuras à minha dona e seus amigos, toda a gente o sabe. Também o vêem os outros pets que pastoreiam em ambos os lados do meu espaço privado – o big garden! Mas daí até me terem limitado os gestos, a minha única forma de comunicação, há quem diga que o gesto é tudo, já que não fui dotado da linguagem verbal, como os humanos,……francamente! Será que existe algum conluio entre o Dr Vet e a minha dona, para me porem a dormir, durante um interminável dia, na sua clínica pediátrica? Eu, que nunca tinha entrado numa “estalagem” dessas, ouvi dizer que ia ficar internado para uma intervenção cirúrgica! A minha dona, ao verificar que me nascera uma excrescência, na patinha posterior direita, ficou alarmada! De início, pensou ser apenas uma forma de solidariedade, ao tentar copiar o joanete dela, por transferência afectiva…quiçá! Tratou de consultar um especialista que prognosticou, diagnosticou e prescreveu a excisão da protuberância; a minha dona levou-me à Clínica Veterinária da cidade próxima, onde tive uma amistosa recepção e onde me foi feita a preparação para a intervenção cirúrgica. Inocularam-me a anestesia, que provocou um entorpecimento que em nada se coaduna com todo o meu fulgor de canino fogoso hiperactivo! As patinhas começaram a afrouxar e daí a pouco senti-me ao colo do Dr JP que me transportou, com muito carinho, para o bloco operatório. Apesar das pálpebras semi-cerradas, ainda consegui descortinar uma lágrima furtiva a deslizar no rosto saudoso da minha dona. Ah! Nunca pensei que a dedicação dela atingisse este nível de emoção. E…até podia jurar, pondo as patinhas no fogo, que as lágrimas da minha dona não são lágrimas de crocodilo! É verdadeira, recíproca e intensa esta afeição entre humanos e caninos. Ao fim da tarde, quando me veio buscar, ambos rejubilámos de alegria, por podermos retribuir efusivamente o afecto que brota em cachões, qual lava em vulcão em actividade.
Quem tem uma dona, tem tudo Quem não a tem, não tem nada! Eu apesar de ser mudo Comunico, sobretudo De forma gesticulada!
M.ª Donzília Almeida 21 de Maio de 2009

quarta-feira, 20 de maio de 2009

AVEIRO: Fotografia no Salpoente

Clicar na foto para ampliar

Um poema de M.ª Donzília Almeida

“Tão tarde nesta vida e tão contente” Verdes anos! Eu sonhei, eu construí Castelos encantados, grandiosos. Com um sopro de vida, gloriosos, Momentos de fantasia eu vivi! Na senda desta vida, percorri Becos, veredas, largas avenidas Com vivências f’lizes ou sofridas Alegria, tormento, tudo eu sofri! Somei dias, tristezas, amargura, E também uma panóplia de ternura! Que da minh’alma emerge e se sente! E d’pois de um calvário percorrido, Com paz e harmonia tem sentido: - “Tão tarde nesta vida e tão contente”! M.ª Donzília Almeida
14.04.08

Caravela Vera Cruz no Porto de Aveiro

Para alunos, e não só
A caravela Vera Cruz está ancorada no Porto de Pesca Longínqua até 30 de Maio, por iniciativa da CIRA (Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro). Pretende-se com esta estadia da caravela no Porto de Aveiro contribuir para uma maior valorização da nossa cultura, assente, em grande parte, no Mar e na Ria. Também se deseja dar a conhecer aos mais novos “valores importantes da História de Portugal”, como sublinhou Ribau Esteves, presidente do Conselho Executivo da CIRA. A caravela Vera Cruz é propriedade da Aporvela, uma associação de treino de vela, de Lisboa, vocacionada, com este projecto, para a divulgação e sensibilização da gesta dos Descobrimentos Portugueses. Até ao fim do mês, escolas e demais interessados poderão visitá-la, fundamentalmente, para “imaginarem” como foi a vida dos nossos mareantes a bordo duma “casca de noz”, sobre as ondas alterosas. Mas, ainda, para se debruçarem sobre a evolução das navegações e do papel da caravela portuguesa nos Descobrimentos.
A visita de ontem permitiu-nos assistir a uma encenação histórica por alunos, vestidos a rigor, de uma escola do concelho de Estarreja, bem compenetrados dos seus papéis, dos tempos da descoberta do Brasil, por Pedro Álvares Cabral. Para Ribau Esteves, que é também presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, a CIRA está a implementar “acções da área da Educação e da Cultura”, apostando “na formação dos cidadãos mais novos e na promoção da nossa Região de Aveiro”. A Vera Cruz é uma réplica da Caravela Oceânica Portuguesa do Século XV e foi construída em Vila do Conde. Foi lançada à água em 28 de Abril de 1990. Tem 23,8 metros de comprimento e capacidade para alojamento de 22 pessoas. Fernando Martins

terça-feira, 19 de maio de 2009

Município de Ílhavo com Bandeira de Ouro da Mobilidade

A Associação Portuguesa de Planeadores do Território (APPLA) atribuiu a Bandeira de Ouro da Mobilidade ao Município de Ílhavo. Este galardão surge na sequência do Relatório da 2ª Avaliação da Área de Adesão e é o corolário do cumprimento percentual da eliminação das barreiras urbanísticas na área de intervenção. A Área de Adesão de Ílhavo à Rede, a zona central da Cidade de Ílhavo, reúne as características de centralidade urbana, pela multiplicidade e diversidade de actividades e funções, abrangendo a área de comércio tradicional. No âmbito desta 2ª, e última, avaliação verificou-se que o Município procedeu a correcções que resultaram em francas melhorias quer do ponto de vista da mobilidade para todos como ao nível do espaço urbano e, consequentemente, na relação das pessoas com o espaço. Recorde-se que o Município de Ílhavo aderiu à Rede Nacional de Cidades e Vilas com Mobilidade para Todos, a 15 de Junho de 2004, tendo recebido a bandeira de Prata desta mesma Associação em 2007. A cerimónia da atribuição da Bandeira de Ouro da Mobilidade à Câmara Municipal de Ílhavo será oportunamente anunciada. Fonte: Município de Ílhavo

Universitários italianos conhecem a gastronomia regional na visita a Ílhavo

Após a visita às regiões do Minho, Trás-os-Montes e Douro, alunos da Universidade de Ciências Gastronómicas de Pollenzo, Itália, estiveram na região, em visita de estudo, com o patrocínio da Slow Food Internacional, com sede em Bra, Itália, e que tem mais de 90 000 associados espalhados pelo mundo. Esta universidade recebe alunos de diversos países e neste grupo estiveram jovens do Japão, Áustria, Quénia, Equador, Suíça e Itália. Esta foi a quinta vez que alunos daquela universidade visitaram Ílhavo, tendo estado no Museu Marítimo (instituição que, em 2006, recebeu, da Universidade Italiana, o título de “Sede Didáctica”), onde foram recebidos por dois funcionários do Museu e por uma delegação da Confraria Gastronómica do Bacalhau, com quem confraternizaram durante o dia, tendo-lhes sido oferecido, no bar Bela Ria, na Gafanha d’Aquém, um almoço da responsabilidade do cozinheiro Jorge Pinhão, que os brindou com bolos de bacalhau, carinhas fritas, pataniscas e Bacalhau à Confraria. Seguiu-se uma visita às instalações da empresa de pesca António Ribau, na Gafanha da Nazaré, onde os jovens Italianos puderam apreciar as diversas transformações por que passa o bacalhau, desde o desembarque dos navios para a seca até à distribuição. O navio Santo André e o Jardim Oudinot foram outros locais da visita, terminando o dia em Aveiro onde estiveram nas salinas e na Apoma (ovos moles), antes de seguirem viagem para a região da Bairrada. Carlos Duarte

destaque

As tentações e o Diabo

Anselmo Borges  no Diário de Notícias 1 - Também por influência do Papa Francisco, está-se a rever, em várias línguas, a tradução d...