João Alberto Roque inscreveu dois primeiros prémios no seu currículo literário

O SEU PRIMEIRO CONTO ENTRA NO PLANO NACIONAL DE LEITURA
João Alberto Roque, 47 anos, professor de Biologia e Geologia na Escola Secundária da Gafanha da Nazaré, contista, inscreveu dois primeiros prémios no seu currículo literário. O primeiro alcançado no concurso Matilde Rosa Araújo, patrocinado pela Câmara Municipal da Trofa, em 2006, com o conto “Pirilampo e os deveres da escola”, e o segundo no concurso António Feliciano Rodrigues (Castilho), organizado pela Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Funchal, em 2008, com “O primeiro passo na Lua”. O “Pirilampo e os deveres da Escola” foi editado com ilustrações de Helena Zália e entrou já no Plano Nacional de Leitura (PNL). “O primeiro passo na Lua”, para além da edição por conta da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, tem já agendada publicação na Editora Nova Vega, esperando o autor que o seu conto veja a luz do dia a 20 de Julho de 2009, quando perfaz 40 anos sobre a chegada do homem ao satélite da Terra. João Roque sempre gostou de escrever, mas foi no Timoneiro, há anos, que descobriu a sua veia ficcional, quando alimentava, mensalmente, a rubrica “À volta de um provérbio”. Os anos foram passando, até que alguém colocou na escola onde lecciona um cartaz anunciando um concurso literário da Câmara da Trofa. “Aquilo desafiou-me; eu era capaz de escrever e de concorrer; em dois ou três dias tinha o conto escrito e quando o acabei gostei muito do que tinha escrito; pedi à colega Cláudia Ribau que o ilustrasse e enviei o trabalho; surpreendentemente, acabei por ganhar.”
Para o nosso entrevistado, os concursos têm de interessante a certeza de que o que escrevemos “vai ser lido por alguém; alguém que, em princípio, tem capacidade crítica; no concurso da Trofa, por exemplo, o júri era constituído por gente de pergaminhos: António Torrado, Viale Moutinho, Armandina Maia, António Pontes (vereador da autarquia) e, sobretudo, Matilde Rosa Araújo, que representou, para mim, uma satisfação muito grande”. Questionado sobre as fontes de inspiração, João Roque garantiu-nos que o seu filho David e uma gatinha abandonada no quintal da família foram os inspiradores do “Pirilampo e os deveres da escola”. E porque “a minha filha mais pequena, a Cecília, também merecia uma história, outra nasceu, e depois mais outra e outras...” Sobre o sentido pedagógico que ressalta nos seus contos, o professor Roque lembra que os seus textos reflectem, naturalmente, os temas das disciplinas que lecciona. “Há sempre algo de autobiográfico”, acrescenta. Quando escreve para crianças e adolescentes, tem normalmente uma preocupação educativa, embora alguns autores defendam que o principal é divertir. No entanto, frisa que, “se o escritor conseguir as duas coisas, ser educativo e divertido, então é oiro sobre azul”. Diz que a escrita brota nele “por intuição”, mas admite que “pode escolher palavras mais simples, para que o texto seja mais fácil de entender por quem o vai ler”. Considera que o filho David, de 12 nos, é o seu principal leitor, de quem recebe as primeiras impressões, mas não deixa de referir que também gosta de ler os seus contos à filha Cecília. Não tendo sido um pai habituado a inventar histórias para adormecer os filhos, João Roque insiste na ideia de que prefere escrevê-las. Contudo, esclarece que nos seus escritos “haverá um bocadinho desses pais que gostam de as contar”. E a propósito do que escreve para a Cecília, salienta que se baseia “em pequenas coisas do dia-a-dia, com carácter pedagógico”. Quando a faceta de contista se manifestou com os prémios conseguidos, e com a natural divulgação que os mesmos justificaram, este professor da Secundária da Gafanha da Nazaré começou a ser solicitado por diversas escolas, em especial para responder às muitas questões postas por alunos que já leram o “Pirilampo e os deveres da escola”, graças à entrada do livro no PNL. Considera, por isso, que este facto é uma indiscutível mais-valia, “em termos de o conto poder ser lido por mais crianças”. Mas isso também lhe traz a obrigação “de manter o nível”, disse.
Fernando Martins
OS CONTOS PREMIADOS
No conto “Pirilampo e os deveres da escola”, David era capaz de ficar esquecido a brincar com qualquer coisa insignificante, ou a olhar para uma mosca ou ficar à janela a ver as plantas crescer no jardim... até os seus dedos podiam ser tanta coisa diferente que não precisava de mais nada para se entreter durante largos minutos. Ele sabia que tinha de fazer os trabalhos que a professora mandava mas... distraía-se com tanta facilidade! Na escola, a professora pediu aos meninos que fizessem uma redacção. Sobre que havia de ser a do David? Sobre a sua gatinha, claro! Fez a redacção tão depressa que a professora ficou espantada. Estava bem feita e até tinha o desenho da gata e o pormenor da sua cauda com a ponta branca. “O primeiro passo na Lua” leva João Alberto Roque a apoiar-se em marcas da história, para assinalar a chegada do primeiro homem ao solo lunar. Neil Armstrong, o astronauta dos EUA, pronunciou então uma frase que ficou célebre: “Este é um pequeno passo para o homem; um gigantesco salto para a humanidade.” No conto, o autor consegue envolver um rato na expedição. Antecipando-se ao astronauta americano, o rato, com o seu fato espacial, dá o primeiro passo na Lua. De facto, “Este é um pequeno passo para o homem, mas um salto gigantesco para um rato.”
FM

Comentários

Leopoldo Oliveira disse…
Parabéns Prof.Roque.
Nunca desista de aplicar o seu imenso talento, em prol desta nova geração, que estou certo, será mais talentosa e competente do que a minha.
É por haver Homens como o senhor,que cada vez mais,tenho orgulho em ser Gafanhão.
Não esmoreça dessa nobre missão de ensinar.

Leopoldo Oliveira
Anónimo disse…
As Gafanhas também têm direito a ter os seus escritores...
Parabéns, Roque

JP
Anónimo disse…
Parabéns João, quem trabalha com afinco merecem sempre ser distinguido. O teu trabalho fala por si...
Abraço,
Manuel Santos