domingo, 31 de agosto de 2008

MANOEL DE OLIVEIRA: Sinto Cansaço Apenas

"Sinto cansaço apenas. De fazer a barba todos os dias, de levantar, vestir, tomar banho, pequeno-almoço, comer, mastigar, engolir... Tudo isso, essas coisinhas fáceis e corriqueiras mas que são sempre as mesmas. É sempre a mesma coisa, a mesma ordem, ver a televisão... Tudo isso é uma chatice".
Manoel de Oliveira, "Diário de Notícias"

Gafanha da Nazaré em Festa

NOVO PRIOR QUER QUE A COMUNIDADE CRISTÃ
SEJA FERMENTO DE UMA NOVA HUMANIDADE
A Gafanha da Nazaré viveu hoje três datas marcantes: A criação da paróquia, em 31 de Agosto de 1910, com o decreto de erecção canónica do Bispo-Conde de Coimbra, D. Manuel Correia de Bastos Pina, diocese à qual pertencia este espaço geográfico; a Festa da Padroeira, Nossa Senhora da Nazaré; e a tomada de posse do novo prior, padre Francisco Melo. Com a igreja repleta de fiéis, D. António Francisco dos Santos, Bispo de Aveiro, lembrou, à homilia, que estávamos a viver um momento de oração e de acção de graças por tantos dons recebidos durante os 98 anos de vida da paróquia, mas logo adiantou que não nos podemos conformar com a lógica do mundo, antes devemos seguir os “critérios do evangelho”. Hoje – sublinhou D. António – é um”abençoado dia de gratidão e de esperança” pelo trabalho realizado ao longo dos tempos, desejando que a freguesia receba com alegria o novo pároco, a quem agradeceu “o sentido de comunhão fraterna” com que acolheu o seu convite para esta missão. Depois da tomada de posse, o agora prior da Gafanha da Nazaré, padre Francisco Melo, sacerdote há 15 anos, falou da importância de todos construirmos uma comunidade cristã “centrada na eucaristia, humilde, sóbria e fraterna”, que seja “fermento de uma nova humanidade”. Prometeu lealdade, abertura e colaboração com as instituições e os poderes instituídos, “para melhor servir o homem”. Ainda manifestou vontade de que a comunidade da Gafanha da Nazaré seja mais “missionária e ecuménica”, apontando a celebração do centenário da paróquia, em 2010, como ponto de partida para “um novo fervor evangélico”.
FM

MINEIROS


Mineiros 
gigantes da terra 
cultores de uma arte tenebrosa e bela
toupeiras do solo carvoento 
símbolo da vida 
sofrimento
mortalha de canseiras e suores acesos 
exemplo flagrante de homens livres 
presos!

Cerveira Pinto



Nota: O Cerveira Pinto, de banca meu companheiro, como ele dizia, era um poeta nato. A sua poesia nascia, por isso, espontaneamente. Já lá vão algumas décadas quando este poema lhe saiu, num intervalo de uma aula. Passou-me o papel onde acabara de o escrever. Fixei-o, em parte. Há tempos enviou-me o que faltava. Aqui o publico como homenagem à amizade. Nunca mais li qualquer dos seus poemas. Será que a veia secou?


FM

Ainda MIA COUTO

Mia Couto. Foto de Pedro Soares, publicada no seu último livro
"Aos 10 anos todos nos dizem que somos espertos, mas que nos faltam ideias próprias. Aos 20 anos dizem que somos muito espertos, mas que não venhamos com ideias. Aos 30 anos pensamos que ninguém mais tem ideias. Aos 40 anos achamos que as ideias dos outros são todas nossas. Aos 50 pensamos com suficiente sabedoria para já não ter ideias. Aos 60 anos ainda temos ideias mas esquecemos do que estávamos a pensar.Aos 70 só pensar já nos faz dormir. Aos 80 só pensamos quando dormimos."
Mia Couto
In "Venenos de Deus, remédios do Diabo" Nota: Sugestão de Orlando Figueiredo

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS - 92

A SOLETRAÇÃO
Caríssima/o:
Há muito, muito tempo, tanto que lhe perdi a conta (vejo no registo que foi em Março de 1976!), escrevi no Timoneiro, no «Postal do Porto»: “A propósito, talvez aches piada a este caso que parece... anedota: Aula de leitura da primeira classe. (A escola tinha as quatro classes e eu, por exemplo, tive de levar o banco para me sentar!) Estava a praticar uma de nós: Ia dizendo: «H-agá, não se lê; E i; e um Rê e um O – ru; e um I; e um Nê e um A – na: OIRINA.» O que aí fica é autêntico...” E acrescentava em jeito de rodapé: “P.S.- O que a nossa companheira estava a ler era aquela lição do H e a palavra era: ...HEROÍNA. Como nos rimos, inocentemente, Oliveiros!” Início de aprendizagem atribulada! Mas um outro exemplo ilustra uma bem conseguida... Tarde de domingo; leitura atenta do Correio de Vouga por um nosso Ancião que muito respeitávamos. Ouvimos então um gaguejar que nos fez parar a brincadeira e erguer os ouvidos: - Olhem lá, esta palavra é esquisita, o que quer dizer: FON-TAI-NE-BLE-AU! E ele silabou toda a palavra com um AU aberto, tal como em BACALHAU! Os que tínhamos aprendido uns rudimentos da língua francesa no liceu fomos espreitar e sorrimos, porque era evocado o célebre “tratado de Fontainebleau”. Demos umas pinceladas de história e ouvimos como resposta: - Mas por que é que não escrevem em português? Com o pedido de desculpa pela sensaboria das estórias fica à espera das vossas, essas sim..., o Manuel

sábado, 30 de agosto de 2008

DAR VIDA AO QUE EM NÓS É BOM

Esta afirmação é admirável. Reconhece em nós a bondade que precisa de ser cultivada. Manifesta o propósito de empreender o esforço necessário para que se desenvolva e revitalize. Alarga e abre o horizonte humano a uma dimensão nova, presente na vida, mas escondida à maneira de semente lançada à terra, e eleva-o a um nível em que o divino e o humano se harmonizam em Jesus Cristo. A vida abrange um universo muito mais amplo que o do ser humano. No entanto, é neste ser humano que ela adquire qualidade superior, sinal e reflexo de Deus em nós e apelo forte a que alcancemos a satisfação das nossas aspirações mais sublimes. Dar vida ao que é bom centra a nossa atenção na bondade do ser humano e nas múltiplas modalidades em que se expressa. Faz-nos entrar em sintonia com o ver original de Deus em que sobressai que tudo o que tinha sido criado era bom, com o olhar de Jesus em que se destaca a lisura e a transparência das suas atitudes e dos seus comportamentos, com a finura penetrante do Espírito que se propõe renovar, com a nossa ajuda, o coração da humanidade e a face da terra. Mas o que é bom em nós? Muitas respostas têm sido protagonizadas por gente ilustre. Hoje, servem-nos de guias Jesus de Nazaré e Simão Pedro. Encontram-se eles a conversar sobre o propósito de Jesus querer ir a Jerusalém, cidade onde se concentrava o poder e a exposição ao perigo de condenação era efectiva e iminente. Pedro opõe-se terminantemente. Era impensável correr tal risco e fazê-lo deliberadamente. O diálogo entre ambos é breve, mas eloquente: “Deus te livre” – afirma Pedro. “Sai da minha frente, Satanás”- replica Jesus. De facto, o narrador do episódio acentua que a resposta de Jesus é dada com os olhos fixos em Pedro. E a pergunta surge com naturalidade: Onde está o que bom para nós? Na atitude de Pedro que quer evitar o perigo do sofrimento, a proximidade do aprisionamento, a previsível condenação à morte e execução infamante? Ou todo este cuidado não se coaduna com a sua ideia de Messias vitorioso, de Salvador de Israel, de Mestre admirado e seguido por tantos? De facto, era impensável. Aliás como todos os ensinamentos de Jesus: os pobres serem protagonistas no reino de Deus, os excluídos terem o seu lugar na sociedade justa, os famintos sentarem-se à mesa da abundância, os escravos igualarem os senhores em dignidade, o indigente constituir o vigário de Deus na terra. Era novidade e surpresa que qualquer judeu, sobretudo se instruído nas leis então vigentes, podia compreender. “Sai da minha frente e vai para traz de mim a fim de me seguires” é o sentido da resposta de Jesus. Não queiras ser tu a decidir o que é bom. Aprende em que consiste o projecto de Deus. Renuncia à tua ambição pessoal e ao egoísmo. Carrega com a tua cruz. Vence os preconceitos. Recupera a liberdade e a alegria. O amor vence a morte. E Deus Pai garante a ressurreição, dando vida nova ao que em nós é bom.
Georgino Rocha

Procuro o Lento Cimo da Transformação

Procuro o lento cimo da transformação Um som intenso. O vento na árvore fechada A árvore parada que não vem ao meu encontro. Chamo-a com assobios, convoco os pássaros E amo a lenta floração dos bandos. Procuro o cimo de um voo, um planalto Muito extenso. E amo tanto A árvore que abre a flor em silêncio.
Daniel Faria
In DOS LÍQUIDOS

FAROL: Era como um amigo

O farol, um amigo
Hoje, afeitos aos truques electrónicos, quase não ligamos à luz do Farol. À noite, entrava-nos pela janela o foco e, eu e o meu irmão, entretínhamo-nos a contar o tempo de uns sinais para os outros. Aguçava a nossa curiosidade a regularidade dos ditos sinais. Como é que eles faziam isso? E para que servia? … Os pescadores contavam-nos casos vividos por eles em que, se não tinham naufragado, o deviam aos faróis que os avisavam do perigo… Então ainda gostávamos mais daquela luz. Era como se um Amigo nos entrasse pela janela. E adormecíamos bem acompanhados… Manuel Olívio da Rocha
“De Pedra em Pedra”, in Boletim Cultural, Ano I, N.º 1

Farol da Barra completa 115 anos

No dia 31 de Agosto de 1893, o Farol da Barra de Aveiro foi inaugurado para cumprir a sua missão, junto de quantos demandam o Porto de Aveiro ou passam ao largo com olhos em terra. São 115 anos de existência que, com gosto, assinalo neste meu espaço, sobretudo para os mais novos aprenderem a olhar para ele com mais atenção. A minha geração, que se habituou a vê-lo ao longe, em especial à noite, com o seu foco luminoso a atrair-nos e a despertar em nós curiosidades inexplicáveis, compreende melhor a sua função e a razão por que é um ex-líbris da região. O farol não nasceu por acaso. Por isso, acho bem que, na passagem de mais um aniversário, cada qual se debruce sobre a sua história. Afinal, o saber não ocupa lugar. Como sugestão de leitura, recomendo Marintimidades e MarintimidadesII, de Ana Maria Lopes.

OS JOGOS OLÍMPICOS: LIBERDADE E RELIGIÃO

Há anos, passei pela China. Foi em 1995. À chegada ao aeroporto de Pequim, o que mais me impressionou foi um imenso anúncio da Coca-Cola. Afinal, estava mesmo em marcha a Realpolitik dos negócios, no quadro do liberalismo económico e da repressão política. Os Jogos Olímpicos foram também resultado desta orientação. E os comentadores foram unânimes no reconhecimento do seu êxito estrondoso. A abertura foi fantástica, a encenação perfeita, todos elogiaram a organização e a logística. Mas quem não renunciou a todos os princípios e sabe que o objectivo do espírito olímpico é "pôr o desporto ao serviço do desenvolvimento do ser humano, com vista a promover uma sociedade pacífica dedicada à preservação da dignidade humana", apontou para a "cortina de fumo olímpica" e o "virtuoso baile de máscaras". O Herald Tribune intitulou um editorial: "O grande perdedor em Pequim: os direitos humanos." O Governo chinês não cumpriu a promessa de mostrar progressos no que toca ao respeito pelos direitos humanos. Pelo contrário, a repressão manteve-se activa: os possíveis dissidentes foram antecipadamente detidos e tudo culminou na farsa triste de "a permissão" de protestos legais terminar em prisões. O direito à liberdade religiosa também não existe. Significativamente, no domingo, dia do encerramento dos Jogos, a polícia deteve, numa igreja da província de Hebei, durante a missa para mil fiéis, o bispo de Zhending, Jia Zhiguo. As perseguições por motivos religiosos não atingem só os cristãos; muçulmanos, budistas e outros são igualmente vítimas. Após a sua instauração, em 1949, o regime comunista ateu suprimiu durante três décadas a religião, seguindo-se trinta anos de permissão de algumas práticas religiosas, sempre sob controlo apertadíssimo. Anselmo Borges Leia mais no DN

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

O Mar da Barra

Gosto muito do nosso mar. De tal forma que até me apeteceu trazer para casa o seu som, que aqui partilho com os meus amigos. É uma experiência muito simples que hei-de repetir, sempre com agrado. Para além do som do mar, há sinais do prazer de quem anda a brincar nas ondas que se estendem pelo areal.

FM

Nota: Peço desculpa pelo amadorismo do registo. Mas prometo fazer melhor, quando aprender.

Jardim Oudinot

Inquérito
Os inquéritos, tal como as sondagens, valem o que valem. Mesmo assim, não resisti a lançar um inquérito sobre o Jardim Oudinot. Foi o primeiro no meu blogue. Apenas 23 leitores responderam ao meu desafio. Confesso que esperava mais, até porque a obra feita tem atraído inúmeros visitantes. Dizem que o Festival do Bacalhau movimentou mais de 100 mil pessoas. De qualquer maneira, os resultados estão à vista. Não houve qualquer nota negativa. Assim: Excelente – 9 Muito Bom – 8 Bom – 4 Suficiente – 2 Espero que nos próximos inquéritos haja mais participação, como sinal de interesse. Obrigado a todos
FM

FÉRIAS: Notas do Meu Diário

LAGO AZUL O vento brando suave a quente enche velas esguias e coloridas No entardecer no lago azul e liso barcos deslizam suavemente E o vento brando diz convencido Aqui no lago azul e liso o rei ainda sou eu Fernando Martins Algarve, Agosto de 2008

As Mulheres da Gafanha

"BRAVAS MULHERES, AS DA GAFANHA!"
“Mulheres da Gafanha, à hora em que vão levar o almoço aos homens que trabalham nos estaleiros. A vida duríssima que levam, naquelas terras que outrora foram dunas batidas rijamente pelo mar e que são hoje solo fertilíssimo devido ao seu labor constante, marca-lhes as feições e dá-lhes um todo viril, decidido, forte. Nenhuma tarefa as faz recuar. São, quase todas, mulheres de pescadores de bacalhau ou de operários, e elas próprias trabalham no que se lhes proporciona, quando não é preciso sachar o milho ou colher a batata, muito abundante ali. A sua existência passa-se em permanentes fadigas e sobressaltos. Usam uma linguagem desabrida, que chega a ser chocante, porque se habituaram a encarar a vida e as pessoas de forma hostil, à força de lutar e sofrer de muitos modos. Tudo se resume, porém, a um desabafo, tão natural, para elas, como respirar, rir ou falar. Bravas mulheres, as da Gafanha! No fundo, todas as mulheres do povo se parecem umas com as outras, vivam onde viverem. Pode variar o aspecto exterior, mas a sua natureza é a mesma. Mais ou menos rudes, conforme o seu nível de vida, todas são irmãs na luta, na resistência ao trabalho e ao sofrimento, no heroísmo obscuro com que suportam o peso de uma existência sujeita às suas inclemências. Instintivas e directas, na sua maneira de encarar as realidades, não podem ser julgadas apenas pelo que fazem e dizem. A força que as impele tem raízes fundas, na terra e na própria vida.”
Maria Lamas, In "As Mulheres do Meu País"
Nota: Foto do mesmo livro
Leia mais aqui

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Dar voz e poder aos pobres

"O envolvimento dos pobres nas soluções a eles dirigidas, permite também ganhar eficiência na aplicação das medidas de combate à pobreza, o que envolve, porém, a condução de uma metodologia participativa que faça apelo à sua adesão, em termos de levantamento das suas necessidades, de críticas à forma como têm sido conduzidos os programas e de procura de soluções adaptadas às várias situações em presença. Uma tal aproximação favorece ainda o combate à subsídio-dependência impedindo que a situação de pobreza se prolongue por tempo demasiadamente longo sem fazer apelo às competências e à participação dos pobres para saírem da situação em que se encontravam."

Isabel Roque de Oliveira Maria Eduarda Ribeiro (Membros da Comissão Nacional Justiça e Paz)

Para ler mais, clique aqui

Onda de Violência

O MEDO INSTALA-SE NO PAÍS
Responsáveis pela segurança garantem que a onda de violência que se verifica no País não passa de uma situação normal. Dizem, alguns, que tudo isto não passa do empolamento dado pela comunicação social. Não creio, embora admita que algum empolamento possa haver. O que se sente é que o comum dos mortais já tem certos receios de ser assaltado. O Presidente da República alertou para a necessidade de as autoridades reforçarem a vigilância policial, para que os criminosos não fiquem impunes. Agora, dizer-se que está tudo dentro da normalidade, isso ninguém está disposto a aceitar. Assaltos a bancos e a particulares, carros roubados, assassínios, entre outros crimes violentos, estão a marcar a nossa sociedade. Pergunta-se: Qual a causa de tudo isto? Miséria? Fome? Famílias desfeitas? Desemprego? Crise social a todos os níveis? Falta de policiamento? Ineficiências dos tribunais na condenação atempada dos criminosos? Fala-se muito, mas os entendidos não dão explicações nenhumas.
FM

Gafanha da Nazaré em festa

Padre Francisco Melo
Festa da Padroeira e tomada de posse do novo prior
Não se pode dizer que a Gafanha da Nazaré anda sempre em festa. Mas é verdade que por estas bandas há festividades em abundância para animar o povo. Terminado o Festival do Bacalhau, que terá movimentado cerca de 100 mil pessoas, uma semana depois teremos as festas em Honra da Padroeira, Nossa Senhora da Nazaré, este ano valorizada pela tomada de posse do novo prior, Padre Francisco Melo, a que preside o nosso Bispo, D. António Francisco, na missa da 11 horas. A festa, manda a tradição, vai ser rija, ou não fossem os gafanhões pessoas alegres e com um gostinho especial por estas formas de folgar, ao jeito de quem aposta em afugentar o stresse. Desejo que tudo corra bem, que haja muita música e alguns foguetes, que a nossa Padroeira seja de facto honrada e que o novo prior seja recebido com o carinho que merece. Com carinho, mas também com a disponibilidade dos gafanhões, no sentido de todos o ajudarem na sua missão pastoral e social. FM

GAFANHA DA NAZARÉ: Centro Cultural vai ser ampliado

A ampliação vai acontecer nesta zona
O Centro Cultural da Gafanha da Nazaré vai ser ampliado e remodelado, com garantias de que passará a oferecer melhores condições para quem trabalha e para quem assiste aos espectáculos. No prazo de dez meses e com um investimento da ordem de mais de um milhão e oitocentos mil euros, espera-se que, finalmente, a Gafanha da Nazaré passe a ter uma casa de espectáculos condigna, possibilitando os mais variados eventos. Segundo a Câmara Municipal de Ílhavo, o auditório poderá acolher 400 espectadores, havendo ainda uma galeria de exposições, com cerca de 400 metros quadrados, e uma sala de conferências, com cadeiras para 72 pessoas. Esta obra, pela qual se esperou tanto tempo, vem pôr fim a um Centro Cultural mal concebido, com uma sala de espectáculos sem qualquer comodidade e sem espaço para os artistas. O anfiteatro mais parecia uma bancada de um pequeno pavilhão desportivo, do que um espaço de cultura.

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

FÉRIAS: Notas do Meu Diário

Música, muita música, para partilhar emoções
No sossego das minhas férias algarvias, longe do meu mundo habitual, registei notícias dos mais variados festivais de música, bastante participados pela juventude, com alguns menos jovens a envolverem-se na alegria a rodos que tais eventos promovem. Inúmeros artistas com suas bandas, ou elas por si só, atraem gente de todo o país e até do estrangeiro, gerando ondas de entusiasmos e autênticas peregrinações, em busca da adrenalina de que necessitam para vibrar. Boa música, com várias tonalidades e ritmos, que a nossa juventude não alinha, por norma, com pimbalhada, suscita deslocações e vivências em ambientes onde se torna mais fácil e natural partilhar emoções, a que todos dão voz, enquanto exteriorizam reflexos agradáveis de ritmos, melodias e mensagens, a que aderem de corpo e alma. Dou-me conta de que os jovens, de ambos os sexos, se deslocam, normalmente, em grupo, fazendo lembrar peregrinações que, desde tempos imemoriais, o povo vivenciou, porém, de motivações religiosas, que ainda persistem, com grande vigor, como já li. Caminham ao longo das estradas, deixando para trás os transportes que não se adaptam a percursos de terra batida, que dão acesso a zonas virgens, com rios límpidos a enriquecerem o cenário, onde a música, por certo, tem outro sabor. Os concertos, que envolvem várias bandas e diversos artistas, muitos de renome internacional, garantem apoios logísticos complexos e à altura das exigências de muitos milhares de participantes. Ali, onde tudo se compra e vende, nomeadamente, o essencial para viver e sobreviver, mais recordações que possam prolongar, no tempo, a festa, é recriada a alegria, ao ritmo de sons que conhecem de cor. Gosto de ver como os nossos jovens vivem e sentem a música, como assimilam as mensagens e exteriorizam felicidades, marcando encontros, ano após ano, para alimentarem sonhos que afogam dificuldades de pressas stressantes e exigentes como nunca. Depois desta quadra estival, que tanta música ofereceu, o regresso ao trabalho, ao estudo e às preocupações do dia-a-dia é inevitável. Fica, em muitos jovens, a certeza de que para o ano os concertos voltarão. 14 de Agosto Fernando Martins

Telemóveis como cartão de crédito

"No México, as operadoras de comunicações e bancos estão a implantar um sistema que permitirá fazer pagamentos (em restaurantes ou táxis, por exemplo) através do telemóvel. A tecnologia estará disponível já nos próximos meses. A ideia de usar o telemóvel para pagamentos não é, aliás, novidade. No Japão, é frequente usar-se o aparelho para fazer algumas compras. Em alguns países africanos, a escassez de agências bancárias faz com que o telemóvel seja o equipamento usado para muitas transacções. E há já algum tempo que a Nokia está a desenvolver protótipos com o objectivo de transformar um telemóvel numa espécie de cartão de crédito."
João Pedro Pereira
In PÚBLICO de hoje, 2.º caderno
Nota: Não há dúvidas sobre a importância dos telemóveis, na vida dos nos nossos dias. Tenho para mim que este aparelhozinho se transformou numa das mais extraordinárias invenções. De tal forma, que até está a gerar uma autêntica revolução social, com toda a gente a depender dele. Sair de casa sem o telemóvel, pode ser uma dor de cabeça para qualquer pessoa. Já agora, conheço uma jovem que é capaz de enviar mensagens, sem sequer olhar para o teclado do seu telemóvel.
FM

terça-feira, 26 de agosto de 2008

AINDA O JARDIM OUDINOT

Reparos justos merecem sempre resposta atempada
Sou dos que entendem que as obras públicas devem ser louvadas, quando oportunas e válidas, e criticadas quando acontece o contrário. Ao longo dos anos, sempre defendi a reposição, possível, do Jardim Oudinot. Critiquei alguma inoperância e bati-me por uma reconstrução digna do nosso povo. Com o renovado Jardim Oudinot, não me cansei de aplaudir o trabalho feito. É óbvio que um projecto desta envergadura e de real interesse público não pode ser considerado obra acabada e perfeita. Como me dizia o meu amigo Gaspar Albino, o Jardim Oudinot tem de continuar a merecer trabalhos de manutenção e de valorização, para que o povo sinta que vale a pena andar por lá. Pessoalmente, estou convencido de que assim vai ser. Por seu lado, o também meu amigo Armando Cravo, por e.mail enviado ao presidente da Câmara de Ílhavo, Ribau Esteves, apressou-se, e bem, em dar-lhe os parabéns pelo trabalho feito, mas acrescenta, sublinhando um reparo: “'Esqueceram-se’ das pessoas da Gafanha da Nazaré, que sempre se deslocaram a pé para a ‘Praia dos “ Tesos’ e que agora serão cada vez mais!... É necessário traçar um pequeno corredor pedonal, a partir da rotunda das portas de água, logo a seguir à barreira de protecção metálica do acesso ao Sto. André, para que as pessoas e velocípedes não pisem a relva como já está a acontecer. Certamente não acredita que as pessoas para não pisar a relva, se sujeitam a fazer um percurso ‘desnecessário’, que rondará os 100 metros.” A esta observação pertinente, o autarca ilhavense adiantou, depois de agradecer os parabéns pela obra levada a cabo, de parceria com a APA: “No que respeita ao seu reparo, devo dizer que estamos a fazer a definição (as equipas da CMI e da APA) sobre a solução técnica mais adequada para a travessia (da Via Portuária) de peões e ciclistas entre a Av. José Estêvão e o Jardim Oudinot, procedendo-se à execução da solução escolhida acto imediato a essa definição (o que queremos seja breve), e por essa via melhorar as condições de circulação em segurança nessa zona e dissuadindo o pisar da relva.” Ora aqui está a prova evidente de que a falar (neste caso a escrever) é que a gente se entende. FM

FÉRIAS: Notas do Meu Diário

Um livro de Mia Couto:
"Venenos de Deus, remédios do Diabo"
Hoje concluí a leitura de um livro de férias. “Venenos de Deus, Remédios do Diabo”, de Mia Couto, ofereceu-me o imaginário deste grande escritor moçambicano, um dos maiores da Língua Portuguesa, que já conheço há muito de outras obras. Este livro é um romance carregado de poesia, com retratos do seu país, que ele tão bem sublinha. Não sei que mais admirar neste escritor. Se o enredo cheio de mistérios, se a filosofia que sai da boca das personagens, se a descrição das reais ou imaginárias paisagens, se o mistério tecido à volta das estórias com que nos envolve, se a criação ou recriação de palavras e expressões, se, afinal, tudo isto e mais o que nem consigo exprimir. Sei que gosto de Mia Couto, porque me prende aos livros, me obriga, em cada frase, a sonhar com paragens e paisagens onde dificilmente chegarei, a não ser pelos quadros que tão expressivamente ele pintou. “A idade é uma repentina doença: surge quando menos se espera, uma simples desilusão, um desacato com a esperança. Somos donos do Tempo apenas quando o Tempo se esquece de nós.” Frases como esta fazem-me pensar e até filosofar, comigo próprio e com quem me rodeia, nos calmosos dias deste Verão. Em cada página e mesmo em cada fala das personagens deste livro encontro motivos para sonhar com viagens para além do real. Ao ler “Venenos de Deus, Remédios do Diabo”, vieram até mim vidas da era colonial, agarradas a um passado de interesses sombrios, algumas marcadas por tradições e saberes ancestrais, que o escritor, biólogo e jornalista muito bem projecta para os dias de hoje. Os mistérios da família dos Sozinhos nesta obra se fixaram, através de uma escrita cuidada e poética, para que o leitor vá procurando e descobrindo, paulatinamente, até à última frase, os segredos que Vila Cacimba esconde há tanto tempo.
12 de Agosto
Fernando Martins

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Chaves candidata a Património Mundial da Humanidade

Balneário termal romano descoberto no largo do Arrabalde
A Câmara de Chaves anunciou a candidatura da cidade a Património Mundial da Humanidade, pelo seu património cultural e histórico, essencialmente legado pelos romanos que construíram a ponte e a termas descobertas este ano, segundo informou o PÚBLICO. O presidente da Câmara de Chaves, João Batista, referiu que o ano de 2008 marca uma viragem para a cidade, permitindo-lhe reunir as condições necessárias para a candidatura a Património Mundial da UNESCO. O autarca explicou que apenas este ano foi reconhecida a existência de um balneário termal romano, descoberto no decorrer de escavações arqueológicas realizadas no largo do Arrabalde, que é "considerado como um dos maiores da Europa". O balneário já foi alvo de uma candidatura a monumento nacional. "Também só este ano foi aprovada a candidatura, no valor de dez milhões de euros, com vista à regeneração do centro histórico, o que vai permitir uma melhor funcionalidade desta zona da cidade", frisou. Estes dois factos juntam-se aos vários monumentos nacionais e de interesse histórico existentes na cidade, desde a ponte romana, as termas de Chaves, o castelo, as muralhas medievais ou os fortes de São Francisco e de São Neutel. "Tudo isto junto permite-nos pensar que reunimos todas as condições para a nossa cidade ser classificada como Património Mundial da Humanidade", afirmou o autarca. O grande objectivo da câmara é, segundo João Batista, o "reconhecimento internacional da cidade e do património de Chaves, o reforço da identidade e o desenvolvimento sustentável", adianta o PÚBLICO.
:
Nota: Congratulo-me com esta candidatura, ou não estivesse, pessoalmente, tão ligado à cidade e região de Chaves. A importância do seu património histórico, que remonta ao império romano, bem merece um reconhecimento mais universal.
FM

SANTO ANDRÉ: Museu há sete anos

RIA COM TODA A SUA PUJANÇA
O Navio-Museu Santo André está de parabéns. Está a celebrar sete anos, como espaço museológico, tendo batido recordes de visitas. Espera-se que durante 2008 chegue aos 28 mil visitantes, o que é verdadeiramente significativo. Isto quer dizer que, quando devidamente sensibilizadas, as pessoas vão mesmo a museus. Importa, agora, continuar a motivar as nossas gentes, publicitando as nossas riquezas, ao nível da cultura. E se é verdade que o Jardim Oudinot representa uma mais-valia, só por si capaz de chamar turistas, então há que apostar em dar vida ao que temos de bom. A Ria, que estava a perder algum impacto, por força das instalações portuárias que o envolvem, na frente para a Gafanha da Nazaré, mostra-se presentemente com mais pujança, em toda a marginal do Jardim Oudinot.

OFICINA DA FORMIGA: Artesanato com Arte

Sendo certo que a cerâmica “é a sublime arte de fabrico de objectos, tendo como elemento fundamental o barro”, como se sublinha no “site” da Oficina da Formiga, de Jorge Saraiva, de Ílhavo, a verdade é que, nem sempre, as pessoas da nossa região se dão conta das riquezas que, nesta área da cultura, temos entre nós. Daí que eu veja, com gosto, a apresentação pública dos nossos artistas, sobretudo dos artesãos. Neste Festival do Bacalhau, encontrei-me, entre outros, com o Jorge Saraiva, da Oficina da Formiga, que vale a pena ver e ouvir.

FM

FESTIVAL DO BACALHAU

Presidente da Câmara de Ílhavo aprecia o trabalho de Anabela
Anabela Capucho pinta uma narceja
Nestes certames, para além da mola real que os anima, tem havido, com muita frequência, mostras de artesanato. Ontem contactei com Anabela Capucho, que ocupava um lugar especial no recanto atribuído à Fábrica da Vista Alegre. Pintava uma narceja, ave pernalta de arribação, que encontrou, ao longo dos tempos, ambiente propício na nossa ria. Anabela é pintora na Vista Alegre há 28 anos, dedicando-se no dia-a-dia a reproduzir peças-modelo criadas pelos mestres pintores da fábrica, de tantas tradições a nível nacional e com assinalável projecção internacional. Uma narceja, como a que vi ontem, leva quatro dias a pintar pela Anabela, trabalhando oito horas por dia, valendo, no mercado, 1750 euros, cada uma. Mas a pintora, que gosta muito do que faz, pinta tudo o que os mestres têm em carteira, fazendo-o com muita serenidade e sensibilidade. Com mão firme e olhos que reproduzem uma atenção muito grande. Trata-se de peças de coleccionadores ou de simples apreciadores da arte que sai da famosa Fábrica da Vista Alegre.
FM

FESTIVAL DO BACALHAU

Ribau Esteves procede ao sorteio de um bacalhau
FESTA FOI GRANDE SUCESSO
O Festival do Bacalhau, que ontem terminou no renovada Jardim Oudinot, foi um sucesso, que ultrapassou todas as expectativas, referiu Ribau Esteves, o autarca ilhavense . A grande enchente aconteceu no sábado, com a actuação da artista Mariza, o que prova que a artista merece bem o lugar de destaque que ocupa ao nível da canção. O bacalhau, o rei das tasquinhas, também atraiu inúmeros visitantes e apreciadores da gastronomia local, onde as padas de vale de Ílhavo foram rainhas, para quem gosta de pão sem qualquer aditivo. Como consequência de tudo isto, há já a garantia, por parte da Câmara Municipal de Ílhavo, de que o Festival do Bacalhau acertou com o sítio certo para os próximos anos.

domingo, 24 de agosto de 2008

JOGOS OLÍMPICOS: A Festa Terminou

A festa dos Jogos Olímpicos terminou em Pequim, com um espectáculo memorável. A festa dos Jogos Olím-picos, a maior do universo, com variedade e amplitude, com emoções e entusiasmos, com tristezas e alegrias, com vitórias e derrotas, atraiu milhões de pessoas, mostrou-se a todo o mundo, uniu continentes, aproximou povos de todas as latitudes, espalhou compreensões e mostrou a todos os homens e mulheres dos nossos tempos que a paz é possível, que a harmonia é desejável, que o entendimento entre nações é meta para a qual todos temos a obrigação de correr. Mais alto, mais longe, mais forte e mais rápido podem ser e são, se todos quisermos, ideais nobres para as presentes e futuras gerações. Se todos quisermos!

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS - 91

A LÍNGUA PORTUGUESA
Caríssima/o: O livro da primeira classe estava dividido em duas partes: a primeira, de letra grada, era para aprender a ler; a outra, de letra miudinha, para praticar a leitura. A fase inicial, depois do aeiou, consistia em “juntar as letras” - um t e um a...ta; e por aí adiante, percorrendo todos os sons; praticando de seguida os ditongos e os casos especiais... Quando se dava o X e a seguir vinha a letra miudinha, era um alívio e uma satisfação de arromba! Ponhamos a ressalva de que era norma repetir integralmente toda a primeira parte, embora de forma mais rápida, de modo a que, chegando o Carnaval, se estava apto para o tal salto: estar capaz para a tal letra miudinha! A minha memória, que por vezes me vai atraiçoando, fez-me presente que nesses tempos havia a “primeira dos cartões” - espécie de maldição: criança que encalhasse e não ultrapassasse os malfadados cartões, quase certo, não chegava a fazer exame da 3.ª classe! A escrita ia acompanhando a leitura, na aprendizagem das letras e depois a copiar as palavras que se aprendiam. Na 2.ª classe, continuava-se o treino da leitura, agora acompanhada pela cópia e de alguns ditados; iniciava-se a escrita de frases com respostas a perguntas, como iniciação à redacção. A 3.ª era já uma classe de franca transição: apostava-se na redacção e no ditado, intercalados com a introdução de noções gramaticais. Atingida a 4.ª classe, o treino era mais intensivo quer na leitura, quer no ditado e o maior cuidado também na gramática (na qual, se a quarta fosse “bem feita” se apreendiam noções que seriam válidas até ao 5.º ano do liceu, o actual nono ano! Só como cheirinho: conjugações pronominais e reflexas, vozes activa, passiva e perifrástica, sem esquecer a divisão de orações aos saltos e o nome predicativo do complemento directo...) Como se vê era um programa exigente e que dava bem que entender, principalmente no ditado (onde o número de erros era muito limitado...). [Certo que agora com o novo acordo ortográfico!...] Manuel

sábado, 23 de agosto de 2008

FÉRIAS: Notas do Meu Diário

AMIZADES PARA A VIDA
Ao longo da vida criamos muitas amizades, algumas das quais crescem com o tempo, apesar das distâncias que nos separam uns dos outros. Uma dessas amizades, das tais que se consolidam com o decorrer dos anos, nasceu há décadas com uma família de Chaves, que viveu perto de nós, na Gafanha da Nazaré. Refiro-me aos meus amigos Nazaré e António Fernandes e aos seus filhos, Pedro, José Carlos e Vítor. Depois, o grupo alargou-se às noras e aos netos, Erika e Paula, Mariana, Alexandra, Rita e Francisco. Quando o encontro, programado ou ocasional, acontece, experimentamos, naturalmente, uma renovada alegria. Este ano nada fazia prever o reencontro com a família flaviense. Que não era fácil uma estada, para gozo de férias, naquela altura do mês de Agosto, no Algarve, diziam-me. Mas eu, que acredito ou penso que acredito no sexto sentido, tinha cá um palpite de que tudo seria possível. Um fim de tarde, quando deambulava pelo aldeamento, reparei que na casa dos nossos amigos havia janelas entreabertas, como sinal de gente amiga à vista. Os amigos Nazaré e António, ao simples toque da campainha, surgiram na minha frente, para o abraço fraterno. Tinham acabado de chegar e estavam a arrumar as malas. Julgo que, ao saberem que estávamos por ali, não resistiram e quiseram fazer-nos uma surpresa. Que agradável surpresa, de pessoas que tanto estimamos! Para pôr a conversa em dia, com recordações e mais recordações, com preocupações e anseios, com alegrias e projectos, de tudo um pouco se falou durante os dias em que estiveram no Algarve. Mas o que mais me apetece sublinhar é a forma amiga, mais que fraterna, como partilhamos sentimentos e emoções, vivências passadas e sonhos ainda por realizar. Com esta família partilhámos, ao longo das nossas vidas, algumas férias. Foram estes amigos que um dia, já um pouco longínquo, nos convidaram para conhecer Chaves, e nos entusiasmaram pelo conhecimento de Trás-os-Montes. Com eles calcorreámos vilas e aldeias daquela região, saboreámos os melhores petiscos (pastéis, bola e folar de Chaves), com destaque para o presunto que nos esperava, fresquinho, na cave de sua casa, e que comíamos com o pão de centeio, tão famoso por aquelas bandas. No frigorífico havia um vinho não muito forte, que temperava o presunto comido às lasquinhas. Foi com eles que aprendi a gostar da feijoada transmontana e do leitão à moda da terra, dum cozido mais completo do que o tradicional à portuguesa. E fico-me por aqui, com a certeza de que muito haveria a dizer. Com eles conheci monumentos, li e reli história e tradições de Chaves, dei um salto até Espanha, ainda no tempo do contrabando consentido, provei em Boticas o vinho dos mortos e assisti em Montalegre à “chega dos bois”, de que hei-de falar um dia destes, se encontrar as fotografias que na altura registei. Subi montes e vales para apreciar castros e conhecer aldeias típicas. E, ainda, como experiência rara, para a época, trocámos as nossas casas para viver as férias com mais comodidade. Afinal, as amizades são assim, quando, desinteressadamente, as cultivamos e as enriquecemos em horas boas e menos boas. Fernando Martins

A QUESTÃO DO HOMEM COMO QUESTÃO DE DEUS

" Quando no século XXI.. falamos de céu, inferno e paraíso, utilizamos metáforas. Não cre-mos que Deus, na sua infinita sabedoria, tenha criado um universo em que realmente existam estes domínios ultra-terrenos. Tão-pouco pensamos que a vida seja uma peregrinação que conduz a Deus. Nisto nos diferenciamos de Dante, o maior poeta da Idade Média." Aí está, com esta serenidade, a afirmação de entrada de uma breve introdução de Ch. Zschirnt à leitura de A Divina Comédia de Dante. Reconhecendo, evidentemente, a perplexidade toda destas questões e que Dante se encontra no mundo das metáforas, será assim tão universal e transparente esta declaração de evidência na abolição de Deus e do seu mistério? Ainda recentemente, o famoso antropólogo René Girard, por exemplo, à pergunta: "Crê que há algo para lá da morte?", respondia: "Espero, é a minha fé, um acto de vontade e de esperança. O cristão afirma que não pode reduzir-se tudo ao universo no qual se encontra. Que seja tudo como se nada tivesse sido parece-me demasiado abominável para ser real. Aposto na Realidade." António Lobo Antunes também disse ao DN que se zanga com Deus porque permite o sofrimento. "O sofrimento sempre me foi incompreensível porque nascemos para a alegria." E não é a morte "uma puta"? Mas acredita. "A minha relação é a de um espírito naturalmente religioso, cada vez mais, não no sentido desta ou daquela igreja mas porque me parece que a ideia de Deus é óbvia." Não tem dúvidas? "Acredito sempre, mas a dúvida e pôr constantemente em questão é próprio da fé. Muitas vezes pergunto-me: será que existe? É óbvio que sim." "Mas reza ou não?" Com as cruzes no horizonte, Eduardo Lourenço pensa e sorri. E responde ao Expresso: "Pode-me acontecer!" Quem pode negar que as religiões também trouxeram ao mundo barbaridade, superstição, guerras, infantilismo? Afinal, o mundo seria melhor sem elas? A causa da indignidade está nas religiões ou nos seus crentes e funcionários que delas se servem de modo rasteiro e blasfemo para seus propósitos desumanos?
Anselmo Borges
Leia todo o artigo aqui

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

FORTE DA BARRA EM VIAS DE RECUPERAÇÃO?

Reabilitação do Forte da Barra no bom caminho?
Na sequência de algumas denúncias sobre o mau estado de conservação do Forte da Barra, a que neste meu espaço dei a devida cobertura, por considerar um crime de lesa-património a situação em que se encontrava o Castelo da Gafanha, como também é conhecido aquele imóvel de interesse público, acabo de receber o ofício que foi enviado ao nosso concidadão António Angeja, em resposta a diligências suas, no sentido de se resolver o assunto. O ofício, assinado pela Eng.ª Lúcia Pessoa, Directora de Bens Culturais, reza assim: “Sobre este assunto acusamos a recepção da comunicação, via e-mail de 7 do corrente mês. Assim, informa-se V. Exa que no passado mês de Maio foi efectuada deslocação ao imóvel e verificada a necessidade duma intervenção de conservação e reabilitação do mesmo, tendo-se comunicado a situação à Administração do Porto de Aveiro, entidade a quem se encontra afecto o Forte da Barra. Nessa sequência a APA informou que encetará a curto prazo os procedimentos para a requalificação do núcleo de construções na área do Forte da Barra, através de projecto, que por se tratar de área abrangida por servidão administrativa no âmbito do Património Cultural Classificado, será obrigatoriamente objecto de parecer vinculativo do Ministério da Cultura, nos termos da Lei n.º 107/01, de 8 de Setembro.” Resta-nos esperar, agora, que ao velho Forte da Barra seja dada a atenção e a dignidade que ele merece. Com esta resposta, a diligências de António Angeja, fica provado que mais vale agir, batendo às portas certas, do que insistir em protestos, batendo a portas erradas. Congratulo-me, pois, com o trabalho deste nosso conterrâneo, felicitando-o por isso. Também hoje, em conversa com o presidente da Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré, Manuel Serra, ele me garantiu que tudo estava encaminhado para que o problema do Forte da Barra fosse resolvido. Ainda bem. FM

MIKE DAVIS/PORTO DE AVEIRO vence "I TRIÂNGULO ATLÂNTICO"

A Associação Naval de Lisboa com apoio do Clube Naval da Horta, Angra Iate Clube e Clube Naval de Ponta Delgada asseguraram a organização do I Triângulo Atlântico, o qual integra duas regatas: Atlantis Cup-Regata da Autonomia. Com partida de Lisboa e passagem em Ponta Delgada, Angra do Heroísmo e Horta, navegou uma frota de veleiros que passou por condições atmosféricas adversas. A embarcação aveirense MIKE DAVIS/PORTO DE AVEIRO foi a que melhor se adaptou às condições climatéricas adversas, vencendo com largas horas de vantagem para os seus adversários. Segundo Delmar Conde, líder da equipa, o sucesso foi conseguido devido a uma opção estratégica acertada: "tomámos uma opção táctica arriscada relativamente à restante frota, à saída da Horta, onde tinhamos que decidir o rumo a tomar para Lisboa", revela. E ainda acrescenta: "numa regata oceânica desta dimensão é fundamental acertar com as opções tomadas a bordo de acordo com as previsões meteorológicas." E diz mais: "O desempenho de toda a tripulação, o espírito a bordo, a camaradagem e a concentração, durante uma viagem de 6 dias, foram muito importantes para o sucesso." A comunidade Portuária de Aveiro felicita toda a tripulação constituída por Delmar Conde, Renato Conde, Daniel Vasconcelos, Pedro Paião e José Amaral.
Fonte: Texto e foto do Porto de Aveiro

Os Nossos Poetas

Lua Dourada As mãos de fogo na cintura A respiração sem tréguas contra o choque da água As pedras nos pés indecisos e o medo em fuga nas marés proibidas A lua nos olhos cadentes desmaiou na boca do mar entre dedos ardentes
Turíbia

Os Eleitos dos Portugueses

Bombeiros, carteiros e professores
ocupam as posições cimeiras
Um estudo sobre a confiança atribuída a 20 profissões, realizado este ano em 22 países, revela que 90% dos portugueses confiam nos bombeiros, carteiros e professores da escola primária e secundária. Desenvolvido pela GfK, em parceria com o Wall Street Journal, a análise mostra que políticos e publicitários são os "menos confiáveis", com pouco mais cerca de 14% de respostas abonatórias. Nas funções mais desacreditadas surgem, ainda, os grandes empresários, segundo 59% dos portugueses, e os jornalistas, com 49%.
Leia mais em DN

Origem do Vocábulo Gafanha

Qualquer estudo que se faça sobre a nossa terra, leva, inevitavelmente, os seus autores a debruçarem-se sobre as origens do vocábulo Gafanha, sem que até hoje alguém tenha chegado a qualquer verdade absoluta. A palavra Gafanha não escapa à dificuldade natural e ainda hoje não é possível saber-se concretamente qual a sua origem. Sobre ela, falei várias vezes com o tio João, o primeiro gafanhão que me falou da “Monografia da Gafanha”, escrita pelo Padre João Vieira Rezende, antigo pároco da Gafanha da Encarnação e bem conhecido do meu amigo. Não conhecia a obra do Padre Rezende, mas não descansei enquanto não a li. Ainda hoje, agora com edição da Câmara Municipal de Ílhavo, se mantém como ponto de partida ou de referência para diversos estudos sobre esta região. Clique aqui para ler mais

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Nelson Évora: Medalha de Ouro

Nelson Évora
Somos assim: Da depressão saltámos para a euforia
Fomos para os Jogos Olímpicos com muita euforia. Confiávamos, mdesmedidamente, nos nossos atletas, al-guns com fibra de campeões. Os resultados, com medalhas, não surgiram. Frustrações! Depois da depressão, que espoletou críticas e mais críticas, com acusações direccionadas para atletas, dirigentes e outros responsáveis pelo desporto nacional, saltámos para a euforia, com a conquista, por Nelson Évora, da Medalha de Ouro, no triplo salto. Agora, sim, com a comoção de todos, já somos bons. Venham outros jogos, e verão, então, do que havemos de ser capazes! Sim... somos poucos, mas temos alguns atletas bons. Ainda bem! A depressão destes dias ficou guardada no saco do esquecimento.

Voluntários Aumentam no Verão

"Quando partimos, levamos uma migalha,
no regresso trazemos um saco cheio de pão"
O Diário de Notícias trouxe hoje uma reportagem sobre voluntários portugueses que, no Verão, deixam tu-do para ajudar comunidades muito pobres. Este ano, 283 leigos missionários partiram para ensinar, apoiar e tratar as populações. Voluntários garantem que recebem mais do que dão. São gente jovem, mas também há aposentados que se enriquecem, dando muito de si aos mais pobres.

Construções na Areia

Arte na Praia



Hoje foi dia de "Construções na Areia", uma iniciativa de décadas do Diário de Notícias. Quando passei, a criançada lá estava a enfrentar um desafio interessante, dando asas à sua imaginação. Outros aguardavam a sua vez, já que o concurso é para diversas idades. Ainda bem que a arte invade, no bom sentido, a nossa Praia da Barra, envolvendo tantas crianças e jovens. Afinal, praia não é só tostar a tez ao sol, brincar na água ou jogar à bola. Praia também pode ser cultivar o espírito, nem que seja com a areia molhada, que logo se esboroa com a quentura do astro rei ou com a maré.

FÉRIAS: Notas do Meu Diário

Planura alentejana Na planura alentejana se reflecte o braseiro escaldante de um verão sem vento Rebolam anseios de fugas na tarde longa onde estendo lentamente um grito dolente para além de horizontes que não alcanço nesta tarde calmosa de Agosto Na planura amortecida em sono de estio vai renascer cada manhã fresca cândida e leve a paz sonhada em cada madrugada Na planura ressequida do Alentejo tão esquecido há-de voltar aos olhares de quem passa a esperança de vida nova sempre tão apetecida Agosto de 2008 Fernando Martins

ÍLHAVO EM FESTA: Nossa Senhora do Pranto

TRADIÇÃO DE 208 ANOS REPETIU-SE
A tradição de 208 anos repetiu-se, com o Arco Alegórico a ser erguido de novo. Sem a grandiosidade de anos anteriores, já que a crise financeira e a falta de quem queira ajudar são as principais razões dessa crise que também se reflecte nas festas tradicionais, muitas delas com várias centenas de anos, os festejos decorreram de 9 a 17 destes mês, em honra da Nª. Srª. do Pranto, em Cimo de Vila. Na entrada da Rua Arcebispo Pereira Bilhano, foi erguido o bicentenário Arco Alegórico após uma cuidada recuperação de milhares de peças em madeira, devidamente pintadas, feita por António Rocha e Fernando Castro, com ajuda de moradores de Cimo de Vila. Com a colocação do Arco Alegórico, deram-se início às festas com o festival de aniversário do Grupo Floclórico O Arrais, que contou com a presença de grupos de S.Pedro da Palhaça, Vale Domingos e de Belazaima. Nas festas actuaram a Música Nova e a Fanfarra da Costa do Valado. À noite houve arraial com música. O povo, como de costume, participou em grande número. Na missa solene também participou a Música Nova. E a festa terminou com os jogos tradicionais, o espectáculo com Nely Correia e missa por alma dos irmãos da respectiva Irmandade, já falecidos.
Carlos Duarte

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Festival do Bacalhau

(Clique nas fotos para ampliar)
O MELHOR BACALHAU DO MUNDO COME-SE AQUI
No renovado Jardim Oudinot, iniciou-se hoje o Festival do Bacalhau, que se prolongará até domingo, com bons petiscos e muita animação. Petiscos maioritariamente com sabor a bacalhau, ou não fosse o concelho de Ílhavo, como sublinhou o presidente da Câmara Municipal, Ribau Esteves, “a verdadeira capital nacional” do fiel amigo. Como salão nobre deste espaço de lazer, frisou o autarca ilhavense, teremos neste evento o Navio-Museu Santo André, que está a comemorar 60 anos de vida, com sete como pólo museológico. Ribau Esteves recordou que este festival é um “gesto cultural”, em torno da história e das actividades económicas ligadas ao bacalhau, tendo como mais-valia as padeiras de Vale de Ílhavo e a louça da Vista Alegre, que “todo o mundo conhece”. O autarca sugeriu, ainda, que os visitantes apreciassem a restaurada ponte que faz a ligação às praias, agora com iluminação que a torna mais bonita. Agradeceu, por fim, o contributo de entidades, empresas e associações, estando garantido que nas tasquinhas se pode comer, até domingo, o “melhor bacalhau do mundo”, graças ao esforço de todos, em especial da Associação dos Industriais do Bacalhau. O bacalhau que já provei, numa tasquinha, deu sinais evidentes disso. A animação musical, e outra, começou. Até domingo, aproveite.
FM

A RIA É SEMPRE BONITA

A Ria é sempre bonita, em qualquer dia e de qualquer ângulo. De Verão e de Inverno, no Outono e na Primavera. Mas com velas ao vento, desafiando equilíbrios e espalhando reflexos, então o encanto é muito maior. Quem o diz é o meu amigo Carlos Duarte, que teve a gentileza de me enviar esta foto.

Cavaco Silva veta nova lei do divórcio

De acordo com o site do chefe do Estado, "o Presidente da República decidiu devolver hoje à Assembleia da República o Decreto nº232/X que aprova o Regime Jurídico do Divórcio, solicitando que o mesmo seja objecto de nova apreciação, com fundamento na desprotecção do cônjuge que se encontre em situação mais fraca - geralmente a mulher - bem como dos filhos menores a que, na prática, pode conduzir o diploma, conforme explica na mensagem enviada aos deputados".
ler mais em Ecclesia

Poesia para este Verão

DEIXA-ME DAR-TE O VERÃO O verão é feito de coisas que não precisam de nome um passeio de automóvel pela costa o tempo incalculável de uma presença o sofrimento que nos faz contar um por um os peixes do tanque e abandoná-los depressa às suas voltas escuras José Tolentino Mendonça
In "A noite abre meus olhos"

FÉRIAS: Notas do Meu Diário

D. Manuel faleceu em Coimbra
UMA VIDA LONGA E CHEIA DE JESUS CRISTO
Recebi ontem, 5 de Agosto, cerca das 20 horas, a triste notícia do falecimento de D. Manuel de Almeida Trindade, primeiro Bispo Emérito de Aveiro, em Coimbra, onde fixou residência depois de ter deixado Aveiro, em 1988. Depois dessa data, nos aposentos que lhe destinaram, no Seminário onde fora aluno e reitor, aí continuou a sua caminhada de cristão como nós e de Bispo para nós. Não só rezando e meditando, mas também lendo e escrevendo, aproveitando inúmeros apontamentos e registos que guardou ao longo da sua vida de seminarista, presbítero e bispo, partilhando com os seus leitores vivências, testemunhos, impressões, emoções e saberes, na perspectiva de um apostolado consciente e responsável. D. Manuel entrou em Aveiro precisamente na época conciliar (Vaticano II), tendo participado nos seus trabalhos, ainda antes de ser ordenado bispo. Por isso, D. Manuel esteve perfeitamente identificado com a renovação da Igreja proposta pelo concílio, por muitos considerado o fulcro da maior revolução eclesial do século XX. Porém, se foi importante esse facto, de que veio a beneficiar toda a vida da Igreja Aveirense, pessoalmente atrevo-me a recordar, hoje, tão-só o bispo que me marcou pelo seu trato simples e afável, o teólogo que me fez pensar nos mistérios e na grandeza de Deus, o homem que era capaz, sem qualquer dificuldade, de falar com a criança ingénua e com o idoso carente de ternura e de compreensão. Ainda com o culto e com o inculto, seguindo o princípio de que é mais importante ouvir do que falar. Lembro também que era pessoa atenta à sua obrigação de concluir qualquer conversa com um conselho oportuno, com uma admoestação fraterna, com um preceito evangélico pertinente. D. Manuel, que algumas vezes me segredou ser cristão connosco e bispo para nós, parafraseando Santo Agostinho, manteve, com muita simplicidade, uma postura humilde, a par de um sentido de fraternidade evangélica muito grande. Teólogo atento aos ventos da história, aberto às preocupações e anseios das pessoas, das quais se considerava igual, manifestava a todo o momento, com terna naturalidade, a missão profética de que estava investido, que o levava a intervir, na praça pública, com determinação, enfrentando poderes que ousaram menosprezar o estatuto e os valores da Igreja, que sentia ser sua obrigação defender, quer como presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, quer como bispo e como cidadão, posição de que nunca abdicou. Homem de proximidade, encantava quantos com ele se relacionavam, e nas visitas pastorais procurava usar uma linguagem que fosse compreendida por todos, letrados ou analfabetos, jovens e menos jovens. Um dia escrevi um texto sobre o seu livro “Memórias de um Bispo”, obra repleta de vivências e de testemunhos, de pessoas e acontecimentos, que retrata uma vida cheia de amor a Deus e aos homens seus irmãos. Recomendei-o para leitura “obrigatória” de férias. D. Manuel teve então a gentileza de me endereçar um cartão simpático, com considerações elogiosas, que eu estava longe de esperar e de merecer. “… De todas as recensões a sua foi uma das que mais gostei. Apanhou-me todo! … Aqui lhe deixo um abraço de sincero agradecimento e também de louvor por ter apanhado a alma do livro.” D. Manuel era assim. Partiu agora para a Casa do Pai, ao fim de uma vida longa e cheia de Jesus Cristo. Uma vida que deu vida à Igreja Aveirense. Uma vida que nos legou a todos marcas indeléveis de paz e bem, da Graça de Deus e do sentido apostólico. Que Deus o acolha no seu seio, com muita ternura… 6 de Agosto Fernando Martins

Stella Maris de Aveiro

O Stella Maris, da Obra do Apostolado do Mar, com sede na Gafanha da Nazaré, vai celebra, no dia 20 de Setembro, as Bodas de Prata da bênção e lançamento da primeira pedra, facto que ocorreu em 18 de Setembro de 1983. Veja aqui a recordação desse acontecimento, de tanta importância para todos os homens do mar.

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Nelson Mandela: exemplo para todos nós

MANDELA, UM SANTO LAICO
Adriano Moreira classificou, e muito bem, Nelson Mandela como “Um santo laico”. Ora aqui está um homem que, independentemente da religião que professa ou não professa, é mesmo um santo a imitar no mundo de hoje, por toda a gente, ao nível da capacidade de perdoar e do gosto por contribuir, com gestos indesmentíveis de fraternidade e de paz, para uma sociedade mais justa e mais humana. Nem sempre conseguimos ver santos fora da Igreja Católica, mas que os há, há.

FÉRIAS: Notas do Meu Diário

ISLA CRISTINA EM NOITE CÁLIDA
Sair de Portugal, mesmo que o salto seja pequeno, é sempre agradável. Em Espanha, onde os portugueses da raia vão a correr atestar o depósito de gasolina, pude usufruir de uma noite cálida, na Isla Cristina, terra de pescadores e de praias, mas não só. Olhar as paisagens, mirar os nossos vizinhos com olhos de quem procura diferenças mas onde encontra, a cada esquina, tantas e tantas semelhanças, dá-me sempre um gozo especial. Desde o tempo, já longínquo, em que só se podia ir de passaporte, que nos dava, então, a liberdade de saborear uma Cola-Cola e comprar caramelos. Na Isla Cristina calcorreámos ruas principais com gente que aproveitava a noite quente para conviver, saboreando um gelado ou enchendo as esplanadas em jantares familiares. Foi o que fizemos, atendidos por empregados solícitos e simpáticos, que não se cansavam de sugerir este e aquele petisco. Apreciei como os nossos irmãos vizinhos falavam alto, com toda a naturalidade, enquanto saboreavam típicos “calamares” entre outros comeres, regados com bebidas frescas, sempre com a criançada em alegre convívio sob os olhares atentos dos pais. Como curiosidade, registei a frequência com que deparava com esplanadas anexas aos cafés e demais estabelecimentos de comes e bebes. Em alguns casos, em plena rua, que fora fechada para esse efeito. E logo pensei como em Portugal, em certos concelhos, dificultam a preparação de espaços desses, que tanto contribuem para aproximar as pessoas. Aí, os espanhóis dão-nos lições que urge aproveitar, já que nos está reservado um lugar especial na área do turismo, se o quisermos aproveitar. 4 de Agosto FM

JOGOS OLÍMPICOS

Resultados frustrantes?
Esta ideia de que em tudo, ou quase tudo, sobretudo no desporto, somos os melhores do mundo não passa de nacionalismo saloio. Direi mesmo ridículo. Culpados? Certamente, a culpa será, em grande parte, da comunicação social. Temos de nos convencer de que somos um país pequeno, com apenas dez milhões de habitantes, e sem grandes infra-estruturas capazes de formas campeões. Somos bons, dizem, a improvisar. Mas os Jogos Olímpicos não são para gente que improvisa. Quando assim é, de quando em vez lá temos uns campeões, por força dos seus próprios esforços e de qualidades inatas para certas provas. O resto é conversa. Antes dos Jogos, a nossa comunicação social não se cansou de nos garantir que estariam certas uma tantas medalhas, porque alguns atletas eram mesmo campeões. Só que se esqueceram de que os outros também são bons. Ou melhores. Como foi o caso da Vanessa Fernandes. A que recebeu a medalha de ouro, por exemplo, já foi campeã do mundo, pelo que sei, umas três vezes. A nossa Vanessa fez o que pôde, com grande mérito. Não recebeu a medalha de ouro, mas também lhe fica bem a de prata. E como é uma jovem com grande força de vontade, pode ser que um dia chegue, nos Jogos Olímpicos, a ganhar a medalha de ouro. Daqui, deste meu recanto, felicito os nossos atletas que fizeram o que puderam. Condeno, obviamente, quem nos quer fazer crer, por razões que não entendo, que somos os melhores do mundo. FM

Festival do Bacalhau

As tasquinhas estão quase montadas
ÍLHAVOS E GAFANHÕES DE BRAÇO DADO
A partir de amanhã e até domingo vai ter lugar, no renovado e atraente Jardim Oudinot, o FESTIVAL DO BACALHAU, com almoços entre as 12 e as 15 horas e jantares entre as 19 e as 24 horas. A inauguração do Festival será às 18.30 horas, no Navio-Museu Santo André. O FESTIVAL DO BACALHAU, para além de oferecer saborosos petiscos à base do fiel amigo (doutros tempos, que hoje este amigo é mais para quem pode), não deixará de apresentar outras iguarias do nosso concelho, com destaque, a meu ver, para o arroz doce e para os rojões. A animação vai ser variada, com cinema ao ar livre, muita música, exposições, artesanato, homenagem ao Capitão Francisco Marques, entre muitas outras diversões. Dos artistas convidados, realço a participação de José Alberto Reis, André Sardet, Mariza e Adelaide Ferreira. Surpresas não faltarão. Voltei hoje ao jardim. O povo por lá andava. Às tantas, numa roda de gafanhões, as recordações entraram em cena. E eu disse cá para mim. Se o Jardim Oudinot continuar com esta dinâmica, é certo e sabido que aproximará as nossas gentes. Ílhavos e gafanhões, de braço dado, em amena cavaqueira, em dias de folga, ensaiarão francas e abertas convivências. FM

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Tempo de Profecia Evangélica

"Num tempo de crescente globalização, importa acreditar que os jovens migrantes cristãos querem e devem ser protagonistas da esperança vivida e proclamada nos caminhos difíceis da solidariedade, da justiça e da paz! Os conflitos de fronteiras entre os povos, as vicissitudes de autonomias inconsolidadas, as dificuldades sentidas no respeito pela diferença, o desinteresse manifestado face ao sofrimento alheio, a insensibilidade diante da pobreza, da dor e da exclusão são desafios incessantes a um urgente protagonismo da esperança e a um tempo de profecia evangélica."
Da homilia do Bispo de Aveiro na eucaristia da ordenação do presbítero Johony Freire Loureiro, na Sé de Aveiro, no passado domingo.

Homenagem ao Capitão Francisco Marques

O Navio-Museu Santo André vai ser palco, no dia 22 de Agosto, pelas 18.30 horas, de mais uma merecida homenagem ao Capitão Francisco Marques, com a projecção do filme “A Faina Maior do Capitão Francisco Marques”. Leia mais em Ponto de Encontro
Nota: Foto de Ponto de Encontro

FÉRIAS: Notas do Meu Diário

PALMAS PARA A HOMILIA
A missa dominical foi na igreja de Nossa Senhora da Conceição, de portal gótico. Por dentro, nada de anormal. Templo sóbrio, de três corpos. Com bancos quase para toda a gente que vive a missa dominical, esteja onde estiver. De férias, era o caso. Nas paredes laterais, diversas ventoinhas ajudavam a tornar o ar respirável. Percebia-se que havia muitos turistas. Alguns ingleses e de outras nacionalidades, estes em menor número. Coral constituído por gente local e tudo bem ordenado. O celebrante era uma padre já idoso, brasileiro. De inédito, coisa nunca presenciada por mim, ao longo de toda a minha vida de católico, os aplausos para a homilia. Por ser erudita? Com preocupações de altas teologias? Destinada a gente culturalmente elevada, sob o ponto de vista académico? Por ser doutrinalmente consistente? Por ser feita a partir de frases bem concebidas? Nada disso. Apenas porque foi muito simples, de forma a que todos entendessem a mensagem. O celebrante foi sobretudo um homem simples. E disse: a eucaristia tem de continuar na vida; o milagre da multiplicação dos peixes e do pão tem de ser feito, hoje, por cada um de nós, respondendo aos que passam fome ao nosso lado; temos de partilhar, em espírito de caridade e de justiça social, com os que mais precisam. Depois lembrou que a Igreja é a Casa do Pai, que a todos tem de acolher e com todos tem de repartir e ajudar a repartir… E mais… num estilo próximo, como quem conversa com os amigos. No fim, o Povo de Deus aplaudiu, para meu espanto, porque nunca tinha assistido a tal coisa. Já que falei das homilias, ocorre-me dizer que, por vezes, fico cansado quando ouço certos padres. Eu sei que as homilias não são fáceis de fazer. Exigem preparação, muita preparação, e alguns dons. Um padre, que foi catedrático na Universidade de Aveiro, disse-me, um dia, que levava uma boa hora a preparar uma aula e duas a preparar a homilia. Pensei que fosse o contrário, mas foi assim que ele me disse. De modo que, quando ouço algumas, sinto logo que não foram preparadas. Dá a impressão que alguns celebrantes se convencem de que, quando abrem a boca, para transmitir a mensagem evangélica, adaptada aos nossos dias, é o Espírito Santo quem fala através deles. Puro engano. O Espírito Santo não pode ajudar quem não assume a obrigação de preparar a prédica da eucaristia. Muito menos substituir celebrantes. Penso eu! 3 de Agosto
FM

Jardim Oudinot Renovado e Convidativo

(Clicar nas fotos para ampliar)
PARABÉNS!
Parabéns! Esta é a palavra mais justa para quantos idealizaram e avançaram com esta prenda para os amantes da natureza e do prazer da vida ao ar livre. Para os nossos autarca e APA (Administração do Porto de Aveiro), mas também para quantos, ao longo de décadas, lutaram para que as obras dos portos não eliminassem, pura e simplesmente, o Jardim Oudinot, que os nossos pais e avós usufruíram, em horas festivas ou de descanso. Não pude estar presente, como gostaria, mas soube, à distância, da inauguração. Hoje fui lá e gostei. Gostei bastante de ver muita gente a passear e a apreciar o que foi feito. O bom gosto impera e o povo saberá gostar desta prenda, merecida, que lhe deram. A Gafanha da Nazaré e todo o concelho de Ílhavo têm, agora, um espaço condigno que estará aberto a quem o desejar. Todos quantos gostam da Ria, da vida sã, da maresia e da tranquilidade que as águas mansinhas da laguna inspiram. As árvores e arbustos plantados, mais a relva verdinha que já desponta, com a ajuda da rega automática, são motivos para nos atraírem para ali. Quem gostar de caminhar, quem precisar de exercícios de manutenção física e mental, quem gostar de meditar olhando a água e as aves que cirandam por ao sabor do aragem que o céu azul emoldura, quem necessitar de afugentar o stresse e quem apreciar a calma que um ambiente sadio proporciona têm agora um parque de lazer, para todas as idades e para todos os apetites. Passei hoje pelo renovado Jardim Oudinot, mas voltarei muitas vezes. Os meus parabéns para todos nós. FM

destaque

As tentações e o Diabo

Anselmo Borges  no Diário de Notícias 1 - Também por influência do Papa Francisco, está-se a rever, em várias línguas, a tradução d...