sábado, 31 de maio de 2008

PADRE ANTÓNIO VIEIRA: O SERMÃO AOS PEIXES


No quarto centenário do nascimento do Padre António Vieira, presto homenagem ao missionário, ao orador, ao escritor, ao patriota, ao diplomata, ao perseguido pela Inquisição, ao defensor dos índios e dos negros, puxando a atenção para a actualidade pavorosa do seu sermão aos peixes. Sermão de invulgar coragem frente aos colonos do Brasil. Não tinha Cristo chamado aos pregadores o sal da terra? Ora, "o efeito do sal é impedir a corrupção".
É preciso ouvir as repreensões, que, se não servirem de "emenda", servirão ao menos de "confusão". E qual é a confusão? É que os peixes como os homens se comem uns aos outros. O escândalo é grande, mas a circunstância fá-lo maior. "Não só vos comeis uns aos outros, senão que os grandes comem os pequenos. Se fora pelo contrário, era menos mal. Se os pequenos comeram os grandes, bastara um grande para muitos pequenos; mas como os grandes comem os pequenos, não bastam cem pequenos, nem mil, para um só grande."
Quando Portugal é apontado como o país da União Europeia com maior desigualdade na repartição dos rendimentos e a corrupção campeia e os ricos se tornam cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres e se anuncia uma conflitualidade social iminente, que diria o Padre António Vieira? Perguntaria: "Que maldade é esta, à qual Deus singularmente chama maldade, como se não houvera outra no mundo?" E responderia: "A maldade é comerem-se os homens uns aos outros, e os que a cometem são os maiores, que comem os pequenos." "Diz Deus que comem os homens não só o seu povo, senão declaradamente a sua plebe; porque a plebe e os plebeus, que são os mais pequenos, os que menos podem e os que menos avultam na república, estes são os comidos. E não só diz que os comem de qualquer modo, senão que os engolem e devoram."
Que diria o Padre António Vieira frente a uma Justiça que não funciona ou que funciona mal e na qual os mais fracos e pobres não podem confiar muito? "Vede um homem desses que andam perseguidos de pleitos ou acusados de crimes, e olhai quantos o estão comendo. Come-o o meirinho, come-o o carcereiro, come-o o escrivão, come-o o solicitador, come-o o advogado, come-o a testemunha, come-o o julgador, e ainda não está sentenciado e já está comido."
Com a subida dos preços alimentares, está aí mais fome. Evidentemente, para os pequenos. Há razões várias para a carência, mas uma delas é a especulação. Como é possível especular com o sangue dos pobres? "Porque os grandes que têm o mando das cidades e das províncias, não se contenta a sua fome de comer os pequenos um por um, ou poucos a poucos, senão que devoram e engolem os povos inteiros. E de que modo os devoram e comem? Não como os outros comeres, senão como pão. A diferença que há entre o pão e os outros comeres é que para a carne há dias de carne, e para o peixe, dias de peixe, e para as frutas, diferentes meses do ano; porém o pão é comer de todos os dias, que sempre e continuadamente se come: e isto é o que padecem os pequenos. São o pão quotidiano dos grandes; e assim como o pão se come com tudo, assim com tudo e em tudo são comidos os miseráveis pequenos."
Frente a uma ASAE que "permite" que governantes fumem em aviões fretados, mas inutiliza comida a instituições de solidariedade social por incumprimento de regras meramente formais, que diria o Padre António Vieira? "Os maiores comem os pequenos; e os muito grandes não só os comem um por um, senão os cardumes inteiros, e isto continuamente sem diferença de tempos, não só de dia, senão também de noite, às claras e às escuras." Os pequenos não têm nem fazem ofício "em que os não carreguem, em que os não multem, em que os não defraudem, em que os não comam, traguem e devorem".
Não é preciso ir muito longe para ver a perversa cobiça. "Vedes vós todo aquele bulir, vedes todo aquele andar? Vedes aquele concorrer às praças e cruzar as ruas; vedes aquele subir e descer as calçadas, vedes aquele entrar e sair sem quietação nem sossego? Pois tudo aquilo é andarem buscando os homens como hão-de comer e como se hão-de comer."

O PSD não pode perder...

Não sei quem vai ganhar no PSD (ou PPD/PSD, como alguém o define). Não tenho qualquer ligação ao partido, mas gostaria que o vencedor, qualquer que ele seja, ganhasse com grande diferença sobre os seus mais directos adversários. É curioso que eu tenha dito adversários, apesar de todos pertencerem ao mesmo partido. Porém, depois da campanha eleitoral, é fácil concluir que as tendências diversas predominam. Uns mais sociais-democratas, outros mais liberais. Para me ficar por aqui.
Disse que gostaria que o vencedor vencesse com grande diferença, para ver se o PSD encontrava o seu rumo na nossa democracia, que bem precisa dele. Com guerrinhas entre os sociais-democratas, numa luta fratricida que pode ser fatal para o nosso maior partido da oposição, os portugueses só têm a perder. E se os candidatos ficarem muito próximos uns dos outros (apesar de haver um vencedor), é certo e sabido que a guerrilha pelo poder vai continuar. Nesse caso, todos ficaremos a perder.
FM

"Água com Humor"



Ontem apreciei, na Casa da Cultura, nas costas do José Estêvão, a exposição "Água com Humor". Para rir, mas sobretudo para pensar. Até 8 de Junho, ainda pode visitá-la.... Depois, lá se foi uma bela oportunidade de ver arte feita numa perspectiva crítica, mordaz, já que toda a arte, no fundo, pode ter essa vertente.
A nossa região está cheia de água. Luz, barro, azulejos, areais... Mas a água, nos seus regueirões, esteiros, canais, rios, riachos, ria, mar, essa está a marcar-nos as feições e o carácter. Somos do Mar, do Vouga e da Ria, sem nos conseguirmos libertar desses elementos que nos congregam. Por isso, a importância desta exposição, que os aveirenses, de todos os recantos, melhor do que ninguém, saberão compreender e explicar.
A produção foi do Museu Nacional de Imprensa e a organização competiu à Comissão dos 200 Anos da Abertura da Barra de Aveiro, ao Porto de Aveiro, ao Município de Aveiro e ao Museu da Cidade de Aveiro.

Carências a nível de apoios a idosos e deficientes

Celestino Almeida, director do Centro Distrital da Segurança Social de Aveiro, afirmou ontem, numa tertúlia organizada pela concelhia do Partido Socialista, que o município de Ílhavo tem carências a nível de apoios para idosos e para jovens deficientes, segundo li no “site” da Rádio Terra Nova. Nesse sector, garantiu, está abaixo da média distrital. Depois de referir que o concelho não está todo no CASCI (Centro de Acção Social do Concelho de Ílhavo), criado e dinamizado pela saudosa Maria José Senos da Fonseca, Celestino Almeida lembrou que há um longo caminho a percorrer. De facto, assim é, não obstante o muito que já temos, na área associativa, como respostas a um sem-número de carências. E se nestes sectores há faltas, noutros estaremos, decerto, muito à frente de alguns municípios. Sublinho, contudo, que na área de apoios a idosos está na forja um Lar na Gafanha da Encarnação e, em Ílhavo, um Hospital de cuidados continuados, para além de diversos projectos, um pouco por todo o concelho. Atrever-me-ia a dizer que, nas comunidades, não falta vontade para avançar. Assim o Estado se disponha a ajudar e a estimular… FM

Arte Nova


Aveiro
Figueira da Foz
Ílhavo

Na Casa Major Pessoa, belo exemplar da Arte Nova, em Aveiro, está patente ao público uma primeira mostra, que vale a pena visitar, sobre a Rede de Cidades Arte Nova. Ontem passei por lá, em especial para ver a casa, mas gostei de ver os painéis alusivos a algumas cidades que ostentam no seu património a Arte Nova.
A Rede Nacional de Municípios Arte Nova foi criada através da assinatura do “Plano de Cooperação Arte Nova”, no dia 17 de Maio de 2006. Integra as cidades de Aveiro, Caldas da Rainha, Cascais, Estarreja, Figueira da Foz, Ílhavo, Leiria, Lisboa, Loures, Porto e Vila Nova de Gaia.
Com esta Rede e com este Plano, pretende-se concertar políticas no âmbito da intervenção no património Arte Nova; enriquecer os trabalhos dos parceiros em rede; contribuir para divulgar a Arte Nova; desenvolver intercâmbios no âmbito da divulgação e preservação; incentivar o turismo nas suas mais variadas formas; e promover actividades para a valorização cultural dos munícipes.
Espero que esta Rede possa levar as pessoas a olhar com outros olhos para a Arte Nova que se distingue na paisagem urbana que temos em algumas cidades. Mas também entendo que, tal como Aveiro vai fazer, todas as outras cidades saibam destinar pelo menos uma casa a um museu que preserve a Arte Nova, que está para além dos edifícios existentes.

FM
NOTA: Clicar nas fotos para ampliar

PONTES DE ENCONTRO


As intenções do ministro e a realidade do mundo!

De acordo com a Comunicação Social portuguesa, no passado dia 29, do corrente mês, o Ministro da Economia, Manuel Pinho, esteve em Bruxelas, junto dos representantes da União Europeia, para que esta actue “de forma coordenada” para resolver os problemas colocados pela alta dos combustíveis.
“Entendo que os mercados não estão a trabalhar de forma adequada” e “tudo indica que a especulação selvagem tem grande responsabilidade na situação actual”, disse o ministro português junto dos ministros responsáveis pela Competitividade dos 27 países da EU.
Obviamente, que resultados concretos não existem, a não ser o conjunto habitual das banalidades que se vão proferindo nestes casos, sempre cheias de boas intenções e das melhores compreensões para com o problema.
No entanto, na sequência desta iniciativa do Ministro Manuel Pinho surgiram-me algumas questões, ainda que nem todas novas, e que passo a partilhá-las.
Primeiro, porque é que os mercados hão-de trabalhar bem se ninguém parece controlá-los? Salvo algumas excepções, o endeusamento destes tem sido feito, até à exaustão, como o único meio de desenvolvimento das sociedades modernas. Se após o 25 de Abril de 1974 o sector privado, erradamente, era um alvo a abater, hoje é o Estado.
Segundo, não existe especulação selvagem e especulação civilizada, como parece querer dizer o ministro. Há apenas especulação e toda ela é má.
Terceiro, em Dezembro de 2004, ou seja, há cerca de três anos e meio (!), Jean-Claude Trichet, actual presidente do Banco Central Europeu, apelava, na altura, para os mercados funcionarem melhor e que o preço do petróleo não correspondia ao valor normal que resultaria do encontro entre a oferta e a procura, conforme notícia publicada, entre outros órgãos da Comunicação Social, pelo jornal “Diário de Notícias”. Na altura, o preço do barril de petróleo andava aproximadamente nos 40 dólares! Alguém, então, lhe ligou ou fez alguma coisa para saber o que se passava realmente?
Quarto, por isso, é pura hipocrisia e demagogia política aquilo que os responsáveis da política europeia estão a fazer: andarem armados em vítimas e bonzinhos, quando, há três anos e meio (!), pelo menos, nada fizeram para que o choque petrolífero e a especulação, que sabiam estar a acontecer, não fosse tão abrupto e tão longe.
Quinto, toda a gente sabe que descer os impostos (IVA ou ISP) poderá atenuar alguma coisa, mas não acabará com o problema de fundo. Além disso, agravará outros sectores da economia, já que ao tapar o corpo de um lado deixar-se-á, de imediato, outra parte, a descoberto.
Sexto: No caso de Portugal, sobretudo a nível dos transportes terrestres, estamos na periferia dos grandes centos de consumo e distribuição europeus, pelo que somos mais penalizados e não podemos mudar o país de lugar.
Sexto, é bom lembrar que a sociedade mundial foi criada, estruturada e desenvolvida em torno do consumo e da dependência excessiva do petróleo, pelo que o estudo, desenvolvimento e aplicação da chamada eficiência energética foi sendo sempre adiado e mesmo as energias renováveis não irão resolver esta dependência existente.
Sétimo, não se pode dizer à China e à Índia para não comprarem mais petróleo o que significaria recolocar centenas de milhões dos seus cidadãos, outra vez, em níveis de pobreza, quando, hoje, já atingiram patamares que os aproximam dos valores da classe média, pelo que, mais cedo ou mais tarde, vamos vê-los a passear pela Europa.
Oitavo, mesmo que, por hipótese, se conseguisse acabar com a especulação, tal representaria, apenas, um “balão de oxigénio”, não evitando a criação, obrigatória, de mecanismos urgentes e coordenados, que levassem ao surgimento de um novo paradigma político, social, económico e comercial, a nível mundial.

Vítor Amorim

sexta-feira, 30 de maio de 2008

Viagens que sonho

Castelo de Montemor-o-Velho


Quando leio, vejo ou oiço descrições de viagens pelo mundo, bem contadas, sou invadido pela tristeza e pela certeza da minha dificuldade em ir confirmar, in loco, as belezas retratadas. Há pessoas com sorte na vida. Nesse aspecto, embora tenha passado por alguns países da Europa, nunca pude fixar-me em qualquer deles, uns simples dias, para visitar as memórias das grandes cidades. E em Portugal, que conheço um pouco, ainda estou longe de apreciar, com a profundidade que frequentemente sonho, muitos dos seus recantos.
Não sei porquê, mas a história e a vida dos grandes burgos, como a pacatez das pequenas povoações, sempre me atraíram. Gosto de me confrontar com hábitos diversos, de apreciar marcas do passado, de ver e ler os feitos dos íncolas, de contemplar as paisagens que nos oferecem cores, formas e cheiros variegados. Gosto de experimentar ares frescos e calores que aquecem realmente, gosto de contemplar gentes no seu casario tradicional, de calcorrear ruas sinuosas e rios cantantes, gosto de ouvir o linguajar do povo e de apreciar serranias e planuras, gosto de me quedar, de olhares nos horizontes, numa qualquer esplanada, mesmo com barulho em redor. Mas como sou vivo, graças a Deus, pode ser que um dia destes possa deambular por aí, nem que seja por aqui à volta, para saciar um pouco esta fome de conhecer o nosso mundo.

FM

UA: Curso de Iniciação ao Jazz

Na Universidade de Aveiro, vai decorrer, de 3 de Junho a 29 de Julho, à terça-feira, entre as 18.30 e as 20 horas, um Curso de Iniciação ao Jazz. Aberto à comunidade, o curso será dirigido por José Duarte, que, ao longo de 12 horas e numa linguagem acessível a todos, comentará e ensinará a ouvir a música dos principais actores da história do Jazz. As sessões decorrem no Centro de Estudos de Jazz da Universidade de Aveiro.
As inscrições podem ser realizadas através do endereço http://www.unave.ua.pt, telf.: 234 370 833/4.

D. Ximenes Belo: Cidadão do ano na UA


Como já vendo sendo habitual no final de cada ano lectivo, a CIVITAS Aveiro, com o apoio da Universidade, realiza o Fórum da Cidadania Activa, para apresentação dos trabalhos realizados ao longo do ano pelos alunos de escolas e colégios dos diversos graus de ensino que aderiram ao Projecto «Direitos Humanos em Acção». Do vasto conjunto de actividades agendadas, o destaque vai para o galardão de «Cidadão do Ano 2008», que vai ser atribuído a D. Ximenes Belo, hoje, às 16h20, no Auditório da Reitoria.

A Memória

"Qual montanha que foi crescendo em mim, a memória permitiu-me um olhar crítico sobre o passado. E lá do cimo, ao mesmo tempo que me mostrou panorâmicas a perder de vista, contemplei suor e lágrimas de quem apostou transformar dunas estéreis em terra fértil, à custa de canseiras e de uma determinação exemplar.A memória diz-me que povo aqui se fixou: povo que apostou em vencer, recuando e crescendo, planeando e desistindo; povo que construiu e destruiu até encontrar o ponto certo da sua identidade, marcada pelo mar e pela ria que a foram moldando."
Ler mais em GALAFANHA

Feira do Livro e da Música



Hoje, 30 de Maio, pelas 17.30 horas, será inaugurada a Feira do Livro e da Música de Aveiro , no Jardim do Rossio, certame que vai decorrer até 10 de Junho.
A Feira do Livro e da Música de Aveiro apresenta-se com dez stands com música. Livreiros serão 22, distribuídos por 45 stands.
No primeiro dia da Feira do Livro, pelas 18 horas, será lançado o Livro da obra vencedora do Prémio Municipal de Poesia Nuno Júdice, “Sobre Retratos”, de José Jorge Letria, editada pela “Indícios de Oiro”, estando prevista a presença do seu autor.
No âmbito da Feira do Livro e da Música de Aveiro, é proposto pela Câmara Municipal de Aveiro um programa de animação do qual realçamos as seguintes iniciativas:
Ateliês de conto; Ateliês de conto com Música; Teatro infantil “Uma vaca de Estimação”; Recriação histórica da venda de Ovos-moles; Teatro de fantoches “Máquina diabólica da trovoada”; E espectáculos de música, de teatro e de dança, entre outras acções.
Como habitual frequentador de feiras do livro, onde sempre me sinto como peixe na água, só tenho que recomendar aos meus leitores este certame, mesmo sabendo que, por vezes, não faltarão monos sem qualquer interesse. Contudo, é frequente encontrarmos execelentes obras que caíram no esquecimento.

PONTES DE ENCONTRO

As leis e as boas maneiras

No dia 20, do corrente mês, o Presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, afirmou que a “União Europeia reagiu com celeridade ao aumento repentino dos produtos alimentares. Estamos a ser confrontados com um problema com múltiplas causas e numerosas consequências. Por conseguinte, temos de agir em várias frentes.”
Deste modo, foi proposta, para ser discutida no Conselho Europeu da UE, a realizar no próximo mês de Junho, uma estratégia contra o aumento dos preços dos alimentos, passando pelo aumento da produção de cereais e das quotas de leite.
A aposta no desenvolvimento de biocombustíveis da segunda geração, a partir de fontes não usadas na alimentação humana, fazem parte deste leque de propostas, não se esquecendo de referir o “esforço no sentido de lutar contra os efeitos dos aumentos dos preços dos alimentos junto das populações mais pobres.”
Neste sentido, inclui-se a necessidade de haver uma resposta internacional mais coordenada à crise alimentar, designadamente no contexto da ONU e do G8.
Durão Barroso salientou, ainda, a “prossecução de uma política comercial aberta, que ofereça aos países mais pobres do mundo um acesso preferencial ao mercado da UE.”
Ao ouvir esta notícia e as medidas nela enunciadas, parecia escutar um coro de anjos celestiais, se é que é possível ouvi-los, pelo que o meu cepticismo é grande.
As palavras do Presidente da Comissão Europeia traduzem um conjunto importante de intenções, só que de boas intenções está o mundo farto e o inferno cheio.
Por outro lado, os dirigentes políticos parecem estar a perder o sentido do dever e do bem comum quando são eleitos ou nomeados para cargos institucionais e aquilo que deveria ser uma obrigação acrescida no desempenho dessas funções raramente se manifesta nos cargos que ocupam. A ilusão é uma arte e a mentira uma necessidade.
Não sei o que vai na cabeça do Dr. Durão Barroso, muito menos qual o poder real que ele possui para influenciar e mobilizar os seus colegas para o cumprimento das obrigações que todos têm, neste caso, perante os cidadãos europeus.
Não vejo políticos nem estadistas com dimensão suficiente para assumirem pactos firmes e sérios com as pessoas e a sociedade, condição que qualquer actividade pública exige, enquanto sentido de dever e obrigação de quem dirige a coisa pública.
Se algum mérito existe nas afirmações do Presidente da Comissão Europeia é o de reconhecer, implícita e explicitamente, que o mundo tem sido muito mal tratado pelos dirigentes políticos e a continuarem a fazer o que (não) têm feito até aqui as perspectivas de desenvolvimento integral são muito sombrias e o futuro inquietante.
Concorde-se ou não com o posicionamento político da Dr.ª Manuela Ferreira Leite, em entrevista dada ao jornal “Expresso”, do dia 17 de Maio de 2008, fez uma afirmação que dá que pensar, se a ela se quiser dar crédito: “ Se alguma coisa quero dar à democracia é fazer a experiência de ver o que acontece se falarmos verdade.”
Sempre a verdade como questão essencial da vida e da maneira como a queremos viver. Será o suficiente? É provável que não. Contudo, se o paradigma de fazer política e dirigir passasse mais pela boa maneira como agimos e não só pelas leis que fazemos tudo seria diferente, para melhor. A lei, sem boas maneiras, corrompe, embrutece-nos, convida ao facilitismo e à excepção, atrás de excepção. Veja-se o que aconteceu com o Primeiro-ministro, José Sócrates, e o(s) célebre cigarro(s) que fumou no avião, durante a sua recente viagem à Venezuela. As boas maneiras fazem parte da nossa identidade pessoal. As leis não. Comecei por falar do Dr. Durão Barroso. Termino, desejando-lhe que encontre, em si mesmo, as boas maneiras para não fazer promessas em vão e que, o mês de Junho, na UE, seja, finalmente, o início de um tempo de autêntica mudança.

Vítor Amorim

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Linguagem imprópria no Parlamento

Hoje, via telejornal, assisti a uma linguagem imprópria na Assembleia da República. Dá a impressão que na política vale tudo. Desde a ofensa pessoal a acusações inqualificáveis, vindas de um lado ou de outro. E o mais curioso é que, segundo posso adivinhar, logo a seguir, nos corredores do Parlamento, podem entrar todos em franca cavaqueira, como se nada tivesse acontecido. A vida partidária é uma coisa e a vida, digamos normal, é outra.
Também vi que nas galerias havia crianças e jovens. Ali terão ido para ficarem com uma ideia do que é a vida política, quiçá na esperança de um dia a seguirem. Cá para mim, estou em crer que, depois do triste espectáculo a que assistiram, jamais aceitarão tal carreira. Que Deus os livre disso! A não ser que venham, noutras circunstâncias, a verificar que, afinal, há outra forma de fazer política. Mais serena, mais educada, mais respeitadora.

Na Linha Da Utopia

"Entrar no livro é valorizar o mundo dos sentidos, das procuras e expectativas, como dador de sentido à história do mundo, este tantas vezes tão descolorido e com tanta falta de boa poesia e boa prosa."

Vamos à feira do livro!

1. Um pouco por todo o país as feiras do livro procuram colocar o livro no centro das cidades e a leitura no mapa do enriquecimento cultural de todos. Os tempos estão difíceis, mas a aposta cultural é sempre o estímulo decisivo e o sinal do que se quer para o futuro, tratando-se a divulgação do livro não de uma despesa mas sim de um essencial investimento. Mesmo nos tempos da internet, das comunicações virtuais ou dos jornais que até abundam como oferta, o livro ocupa um lugar insubstituível. Entrar no livro é valorizar o mundo dos sentidos, das procuras e expectativas, como dador de sentido à história do mundo, este tantas vezes tão descolorido e com tanta falta de boa poesia e boa prosa. 2. Todas as feiras, e mais as do livro, neste ou naquele local, são sempre o lugar do encontro com os outros que, como nós, vivem a inquietude de querer, de forma andante, mais formação para um mais desenvolvimento capaz de impulsionar todas as criatividades. Criar hábitos de leitura – esta uma das metas do Plano Nacional de Leitura –, dinamizando e valorizando os sentidos e os imaginários logo a partir da tenra idade, será dos maiores tesouros a um crescimento no sentido do confronto, dos princípios e valores. Diz-me o que lês, dir-te-ei quem és! Poderá dizer o ditado, nesta consciência de que as leituras que vamos conseguindo fazer correspondem à vontade das nossas motivações, preocupações e procuras. 3. Como sabemos, em Portugal, o panorama da cultura e da formação humana e profissional é demasiadamente decisivo quanto ao futuro para que, porventura, se relativize, na lógica utilitária ou quantitativa, estas realizações das feiras do livro. O antídoto para o pessimismo e a crise nunca será outro que não o forte impulso da formação e de uma cultura de participação vigorosa e interessada, procurando divulgar e popularizar os bons livros e a boa leitura. Verdade se diga que, em Portugal, se tirarmos as feiras do livro da praça pública, que sinal nos fica como estímulo a uma vida em que os livros e a sua leitura façam parte da nossa vida diária? 4. Talvez também os cidadãos terão o dever de, em cidadania activa, valorizarem sempre mais a organização dos espaços que são propostos como lugar de encontro e partilha cultural. As perguntas do pragmatismo sobre a validade destes espaços comuns, sempre naturais, especialmente em tempos de crise, terão de ter da parte das editoras e dos cidadãos leitores uma resposta positiva e muito estimulante. Está nas mãos de todos preservar os escassos lugares de encontro com a cultura. Por isso, vamos à feira do livro 2008! Alexandre Cruz

LINGUAGEM DESAJUSTADA EM TEMPO DE RENOVAÇÃO

"Na Igreja há ainda sinais de um passado teimoso que ganhou ferrugem e se foi ins-talando à margem do Evangelho, por influência do poder e de hábitos profanos. As armas episcopais, o tratamento dado ao clero, as excelências e as reverências com os seus superlativos, são restos do tempo passado marcados pelo poder e em que vigorava a trilogia hoje felizmente ultrapassada: 'clero, nobreza e povo.'"
Na celebração litúrgica só há uma Pessoa que merece superlativos e, por mais que lhe demos, ficamos sempre aquém do que merece. É Deus, que se fez presente a nós em Jesus Cristo, Seu Filho. Mas até Ele parece ter dispensado os superlativos quando se quis fazer um como nós e insiste sempre em nos comprometer, antes de mais de mais nada, com a sua Obra por excelência, o Seu Povo, a Sua família alargada e amada. Na celebração litúrgica Deus põe-se ao serviço da assembleia dos seus filhos, convocados e reunidos em nome do Senhor Jesus. É Ele que os acolhe e os purifica, lhes fala e os anima, lhes dá o Pão vivo para os estimular e fortalecer no seu peregrinar, os abre à dimensão apostólica em relação aos irmãos ausentes e aos que ainda O não conhecem e ao Seu projecto e, por fim, os despede e os envia em paz, para que testemunhem na vida o que pela fé acabaram de receber e celebrar. Sempre Deus a mostrar que fez de cada um e de todos, o Seu caminho e a plena concretização do Seu desígnio salvador. Sempre Deus a recordar que a grandeza da filiação divina, que perdura para além do tempo, está acima das grandezas humanas que, quando o são, até morrem muitas vezes com o tempo que as outorgou. Continua-se, porém, em muitas celebrações da liturgia da Igreja, penso que mais por rotina, quer por outras razões, a dar maior importância e relevo a categorias humanas e sociais desajustadas, que o Vaticano II, muito justificadamente, procurou apagar. Na assembleia litúrgica, a maior e mais reconhecida grandeza é dada, porque é aí que reside, à assembleia dos filhos de Deus, que se reúne para celebrar a Eucaristia. Nesta assembleia sobressai apenas, não por si, mas pela sua função de presidência em nome de Cristo, o bispo ou o presbítero quando preside. Nunca, por isso mesmo, o presidente poderá ter outros sentimentos, outras palavras, outras atitudes, outra atenção, diferentes das que Jesus teve e terá no momento: acolhimento fraterno, palavra simples e directa, atenção cuidada aos mais pobres e mais simples, deferência igual para com todos sem salientar alguém em especial, preocupação de congregar e de unir, dimensão sagrada e com sentido apostólico e missionário em tudo o que se diz e se faz. Trata-se de uma assembleia de iguais pelo Baptismo e não de uma reunião com algumas personalidades e muito povo anónimo. Não somos capazes de imaginar Jesus Cristo, rodeado de uma multidão, a saudar uns com superlativos e outros de modo mais ou menos anódino. O valor de cada um não está nos títulos exteriores, mas na dignidade que Deus lhes conferiu, bem como à assembleia, onde se encontra com os seus filhos. As primitivas comunidades cristãs tinham consciência de que assim era, recordando, por certo, o exemplo e o ensinamento de Cristo e as recomendações, claras e incisivas, dos Apóstolos. De recordar o Apóstolo Tiago, falando sobre os lugares na assembleia que celebra a Eucarística e a importância igual dos irmãos que nela participam. Na Igreja há ainda sinais de um passado teimoso que ganhou ferrugem e se foi instalando à margem do Evangelho, por influência do poder e de hábitos profanos. As armas episcopais, o tratamento dado ao clero, as excelências e as reverências com os seus superlativos, são restos do tempo passado marcados pelo poder e em que vigorava a trilogia hoje felizmente ultrapassada: “clero, nobreza e povo”. Após o Vaticano II, alguns bispos e cardeais de dioceses quiserem ser tratados apenas por “Padre”, outros acabaram com as armas episcopais; as insígnias litúrgicas a primar pela simplicidade e pela moderação e as saudações de cariz mais evangélico Foi um tempo de esperança. Hoje a sociedade tolera menos restos do passado que nada ajudam à evangelizar e a exprimir o sentido de família. São costumes velhos e inúteis que impedem que a renovação conciliar avance. Há que dar lugar a gestos e a linguagem que ajudem a ver a verdadeira grandeza dos cristãos e primem pela simplicidade e maneira de servir.
António Marcelino

Francisco Zambujal: um amigo que nunca esqueci




Vi hoje na RTP, no Programa Praça da Alegria, o jornalista e escritor Mário Zambujal, que me trouxe à memória o seu saudoso irmão e meu colega e amigo, Francisco Zambujal. O Francisco morreu novo, deixando a arte mais pobre. Convivi com ele, há muitos anos, em lides de animação cultural, ao serviço da Educação Permanente do Ministério da Educação, ao tempo dirigido por Veiga Simão.
O Francisco Zambujal era um caricaturista nato e com uma sensibilidade tão grande, que o jornal A Bola logo soube aproveitar, convidando-o para seu colaborador habitual. Os craques da bola, e não só, mostravam, graças ao artista, uma nova vida, uma dinâmica diferente, suscitando um outro olhar sobre o “retratado”.
Quando nos encontrávamos em tarefas de formação ou programação, era certo e sabido que a minha caricatura, minutos depois, já andava de mão em mão, provocando elogios encomiásticos. Era sempre o primeiro caricaturado. Um dia perguntei-lhe, por curiosidade, o porquê dessa sua preferência pela minha pessoa. Respondeu-me, de pronto, o Francisco: “A tua careca desafia-me e presta-se muito para a caricatura.” E continuou com outros considerandos ao meu estilo pessoal.
Das diversas caricaturas que ele me fez, no caderno em que tomava apontamentos dos assuntos abordados, encontrei uma, há anos, entre a minha papelada. Aqui a deixo, como homenagem ao amigo que nunca esqueci.

FM

CERRAR FILEIRAS CONTRA A POBREZA

De um dia para o outro, a nossa economia mostrou a fragilidade que a sustenta. Mas mostrou também a incapacidade e a falta de visão dos nossos políticos, os que têm a obrigação de procurar as melhores soluções para motivarem os mais diversos agentes da evolução social. Manuel Alegre, hoje de manhã, disse que a pobreza e as desigualdades no país são um fracasso da nossa democracia e um falhanço das políticas que nos têm governado. Por isso, tem intensificado os protestos e denunciado o que considera errado. Mas a verdade é que ele está lá, no fulcro das questões, na varanda do poder, onde tudo se resolve, com os votos do povo, mas nem sempre a favor do povo. Se é verdade que a nossa democracia nasceu a acusar os capitalistas de todos os males, também é verdade que hoje temos mais capitalistas e mais ricos, mas também temos mais pobres, daqueles que passam necessidades de toda a ordem. É preciso que se diga porque é que, em pleno século XXI, temos dois milhões de portugueses a passarem fome (20 por cento da população de Portugal), sem que a classe política seja capaz de reconhecer a sua incompetência. Temos, afinal, uma classe política de trazer por casa, isto é, sem nível nenhum. É gente que não sabe o que quer nem sabe o que faz. É uma pobreza franciscana. Até parece que as inteligências do nosso País se esconderam envergonhadas ou fugiram com medo que a casa possa cair. Olhando para quem nos governa, não podemos deixar de ficar desolados e temerosos quanto ao futuro. A nossa revolução dos cravos, que nasceu sob as bandeiras da democracia, do desenvolvimento e da descolonização, falhou redondamente, quando não foi capaz de criar justiça social, foco de múltiplos conflitos e de um desconsolo enorme. O povo está cansado de ouvir dizer que é preciso apertar o cinto, que corre o risco de cair no desemprego, que Portugal não consegue sair da última carruagem da Europa. É preciso mesmo pensar Portugal. É preciso agir rapidamente, para não acabarmos na praia, com a terra da promissão à vista. Os pobres não podem esperar mais. É urgente cerrar fileiras para combater a pobreza que vai grassando por tudo quanto é sítio. FM

Voltar a Confiar na Justiça


"A Comissão Nacional Justiça e Paz pretende, neste contexto e com esta nota, realçar a importância da credibilização do sistema de justiça. Um poder judicial independente e socialmente legitimado é um imprescindível pilar de um Estado de direito democrático. A tutela dos direitos fundamentais da pessoa humana exige o acesso à justiça sem discriminações. Os mais pobres, porque mais vulneráveis face à prepotência dos vários poderes, são particularmente afectados pelas disfunções do sistema judicial. Este deve desempenhar um relevante papel pedagógico de afirmação dos valores éticos que servem de alicerce à harmonia da convivência social. Uma justiça tardia com frequência deixa de ser uma verdadeira justiça, só por ser tardia."
Clique aqui para ler todo o texto

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Ver em GALAFANHA

Lugares da Gafanha da Nazaré

Na Linha Da Utopia


Energia(s) de Arado?

1. Em tempos em que os agricultores de Trás-os-Montes deixam o tractor em casa e regressam à força biológica do gado para puxar o arado, celebra-se, a 29 de Maio, o Dia Nacional da Energia. Como sensibilização, esta efeméride, de iniciativa da Direcção Geral da Energia, data de 1981. Naturalmente procura-se uma consciência apreciadora do recurso essencial das energias; visam-se atitudes de poupança económica e de consciência ecológica. Nos dias que vivemos, como nos grandes tempos de incerteza, a energia, por todas as imensas redes que comporta, assume valores e proporções de preocupação global. Algumas capitais europeias, como Paris e Londres, estão ao rubro numa petição, hoje universal, pelo retorno à normalidade enérgica.
2. Mas, naturalmente, não é só em dias especiais ou em tempos conturbados da economia especuladora que se torna importante esta reflexão orientadora das acções concretas. Estas querem ser cada dia, e à medida que o mundo vai sendo mais «família global», uma realização cuidadora e preservadora, tanto de hábitos poupadores como de preservação ambiental. Para cidadãos, suas casas, comunidades e instituições. A este propósito, e sendo a despesa pública em energia das maiores facturas diárias do país, custa a entender (nem sequer custa, não se entende) a razão pela qual muitas vezes durante o dia nas cidades e vilas de Portugal verifica-se que a luz pública está acesa. Certamente existirão razões plausíveis tecnicamente (?); mas ao bom senso dos cidadãos comuns e como sinal colectivo, nenhuma delas, na ordem da racionalidade eficaz, parece justificar tal desperdício.
3. Se o Dia Nacional da Energia, promovido pelas instâncias devidas conseguisse uma reflexão a partir de realidades tão simples e diárias como esta já teria valido a pena. A essencial sensibilização para uma economia dos recursos energéticos, hoje, anda na ordem do dia e caminha a par dos apelos dessa reflexão profunda sobre a pobreza em Portugal. Não só politicamente, nem para se ficar na própria lamentação; mas para, efectivamente, reconstruir a “energia” eficaz para resgatar a pobreza em ordem ao desenvolvimento como compromisso de todos em equidade social. O regresso dos bois à terra é uma decisão difícil, como último recurso; mas opção que demonstra bem as forças e capacidades das gentes que se entregam de alma e coração, sem resignações, à causa da luta diária. Sem exaltações e sem pessimismos. Quem dera que esse empenho decidido fosse escola de todas as gerações. Da terra vem tudo!

"É tão fundo o silêncio"



É tão fundo o silêncio entre as estrelas.
Nem o som da palavra se propaga,
Nem o canto das aves milagrosas.
Mas lá, entre as estrelas, onde somos
Um astro recriado, é que se ouve
O íntimo rumor que abre as rosas.

José Saramago


In “Provavelmente Alegria”

Ver em GALAFANHA

Auto de Revista da Capela de Nossa Senhora da Nazaré

PONTES DE ENCONTRO


O Petróleo e as preocupações do Presidente

“Resta-me, pois, concluir que neste tipo de negócio [petróleo], para não falar de outros, a realidade está sempre a ser ultrapassada por decisões enigmáticas e por interesses obscuros, onde prevalece especulação e a corrupção sem rosto, sem pátria e sem fronteiras.”
Escrevi estas palavras há precisamente dois meses, ou seja no dia 27 de Março de 2008, neste blogue. Quando fiz esta afirmação, não tinha nenhuma bola de cristal ao pé de mim, nem eu possuo qualquer dom de adivinhação. Passados dois meses, os dados que já eram conhecidos na altura, já davam indicações suficientes neste sentido, mas a postura dos responsáveis políticos foi o silêncio, talvez para ver se a subida parava e não alarmar os consumidores. Infelizmente nem os preços pararam de subir nem as preocupações deixaram de aumentar. Mais recentemente, começou-se a ouvir a palavra especulação na boca de alguns economistas e especialistas petrolíferos. Finalmente, ontem, dia 27 de Maio, foi a vez do próprio Presidente da República, Professor Cavaco Silva, afirmar, durante um encontro com o rei e a rainha da Noruega, no Palácio de Belém, que: “A subida dos preços dos combustíveis deve-se ao funcionamento do mercado e com certeza a uma dose de especulação”, para logo acrescentar: “Portugal não controla o preço do petróleo, pelo que não é fácil encontrar respostas para a subida de preços que preocupa os portugueses.” Também neste dia o presidente francês falou numa possível baixa do IVA na UE e o Primeiro-Ministro português referiu-se que os recursos são “escassos” para apoiar a classe média portuguesa.
Sobre as declarações do Presidente da República, convém lembrar que o preço do petróleo, entre outros bens e matérias-primas, sempre esteve condicionado, em regra, à lei da oferta e da procura, pelo que não há nada de novo aqui. O que há de novo e de muito preocupante, é a especulação, como ele reconheceu, e que ninguém sabe como lhe pôr um fim.
Até porque para lhe pôr um fim, era necessário saber quem são os especuladores e, depois, encontrar formas de eles acabarem com o que estão a fazer.
Ora bem, como ninguém sabe quem eles são [os especuladores], as regras vão continuar a ser ditadas por estes “ilustres desconhecidos”, perante a impotência das democracias e dos países civilizados. Isto é um dado adquirido e não vale a pena ter esperanças ou ilusões que não vai ser assim. Quem é que deixou chegar isto a este ponto? Esta é a pergunta que ainda não ouvi ninguém fazer, mas gostava de ouvir a sua resposta. Sei, no entanto, que quem deixou chegar isto a esta situação de caos foi alguém que não cumpriu as obrigações e deveres que tinha perante a sociedade e a economia mundial e deixou, por isso mesmo, o mundo entrar numa espiral de loucura autêntica. Aqui, já deve ser mais fácil encontrar os responsáveis e, se necessário, puni-los.
Relativamente à constatação do Professor Cavaco Silva que “não é fácil encontrar respostas para a subida de preços”, creio que a resposta já foi dada no que escrevi, até aqui. Perguntarão os leitores, não há solução para isto? Sinceramente, não sei! Se na base de especulação estiverem interesses geopolíticos que tenham por objectivo asfixiar, senão mesmo derrubar as democracias ocidentais, o jogo que tem que ser feito ainda vai ser mais difícil e não vai ser um só país a fazê-lo. Tempo e paciência, coisas que praticamente já não existem, vão ser necessários. Como sempre, em Portugal tudo é “escasso”, desde a disciplina, à ética e ao dever de já terem feito de Portugal um país mais próspero e justo. Só não se é escasso em promessas eleitorais, assim como os portugueses são mais que generosos em acreditar nelas, sem procurarem ter uma intervenção mais activa e crítica, perante quem as tem feito, ao longo destes anos de democracia.

Vítor Amorim

terça-feira, 27 de maio de 2008

Ver em GALAFANHA

Avenida José Estêvão

Searas de Portugal


Os nossos emigrantes fazem sucesso um pouco por todo o mundo. Desde sempre. Portugal foi desde as suas origens um país de emigrantes. Mas também de imigrantes. E disso nos tem dado nota a nossa história. Tão rica, mas nem sempre conhecida.
De vez em quando vamos sentindo essa realidade através dos meios de comunicação social, com reportagens saborosas, mostrando as marcas indeléveis dos portugueses através dos séculos.
Mas as actuais gerações também têm enriquecido o mundo com a exportação da nossa cultura para outros ambientes. E os nossos emigrantes, saudosistas como poucos, ou não fosse a palavra saudade uma das nossas criações mais sublimes, nunca esquecem as suas e nossas raízes.
Frequentemente, recebo reflexos de alguns que um dia partiram em busca de uma vida mais risonha. Como foi o caso de hoje. Outros terão ido pelo gosto da aventura, ou por um certo inconformismo com o que a terra-mãe lhes (não) dava.
O meu amigo e leitor José Ferreira remeteu-me um “site” que transportava uma entrevista com o Alberto Ramos, meu vizinho, que um dia emigrou para o Canadá, lá se radicando até hoje com a família. Não o vejo há muito, mas recorda o seu sorriso e a sua arte de executante musical.
Fiquei satisfeito de ver como ele nunca esqueceu a música e as canções, animando os portugueses, e não só, nas suas festas, que as pessoas não vivem nem podem viver só para o trabalho. O conjunto musical, Searas de Portugal, com Cantares do Nosso Povo, não se cansa de recordar as músicas de Portugal, do Minho ao Algarve, passando pela Madeira e pelos Açores.
Constituído por cinco homens e três senhoras, aqui ficam os nomes, com apelidos que estão na minha memória e nos meus ouvidos: Rosa Ramos (adufe e solista), Rosa Ribau (adufe e solista), Ilda Teixeira (acordeão), Alberto Ramos (solista, viola e cavaquinho), José Rebelo (acordeão e coro), João Ribau (viola baixo e coro), Paulo Lourenço (instrumentos tradicionais e coro) e João Cardoso (bombo e coro).
Sendo certo que o grupo musical tem actuado quase em todo o Ontário e Quebeque, alimenta, contudo, o sonho de cantar, um dia, nas festas e romarias do nosso País. E por que não nas festas das nossas Gafanhas? Quem o convida?

FM

Na Linha Da Utopia

A arte de (sobre)Viver
1. Não admira que comecem a crescer, mais ainda, mil e uma formas de pensar e de espiritualidade, porventura nem sempre tão saudáveis, que vêm propor soluções mágicas ilusórias que na prática não se conseguem atingir. Para quem está bem acima destes problemas da maioria da sociedade portuguesa até pode dizer, comodamente, como há dias referiu o Sr. Ministro da Economia: os portugueses que poupem mais! Bom, pode-se poupar quando há recursos para isso; que o digam a este respeito os que estão no topo da tabela salarial nacional ou que tiveram a lotaria de chorudas reformas auto-conquistadas e pagas, efectivamente, pelos contribuintes. Quando se dizem esses chavões para os portugueses pouparem mais, sente-se claramente a distância entre dois mundos: os regalados que podem dizê-lo abertamente e os que no silêncio contam os cêntimos em todas as coisas para ver se conseguem gerir a vida. Esta é a realidade, que assusta milhares de famílias a caminho da pobreza, numa grande parte de classe média em asfixia. Talvez o discurso devesse ser: que os portugueses inventem mais, estudem mais, cultivem mais! 2. Ainda há dias tivemos a confirmação de que os papéis das promessas mágicas do «professor» Baba, Bobo, Bubu… ganharam nestas semanas uma maior força nos automóveis das cidades. A todas estas magias a «crise» é o terreno favorável, em que diante da incultura espiritual, nas horas de aflição corre-se e recorre-se a tudo, mesmo gastando mundos e fundos. Talvez valha a pena dizer-se claramente que todas essas promessas não são verdadeiras e que todas as energias se devem, sim, concentrar, criativamente na procura de soluções dignificantes dentro de nós. No grito pela sobrevivência, a sedução do «mágico» promete ilusoriamente fora de nós. Não é fora da pessoa humana, mas dentro da profundidade do ser que a esperança nos pode despertar para novas formas de nos reinventarmos diante dos problemas da vida. Diante do panorama de crise e grave instabilidade, já não falamos só da loucura dos portugueses pelo mágico Euromilhões, mas da tentação das soluções fáceis e imediatas de todos esses professores que é pura falácia de ignorância sobre «si mesmo». 3. Conhecer-se e alimentar-se interiormente a si próprio, nas horas boas e nas horas difíceis, é tarefa cada vez mais importante. Mesmo para manter o equilíbrio emocional, intelectual, existencial. A espiritualidade, a filosofia, a religião, as igrejas, são esse «lugar», como que fora do tempo e do espaço, de reinvenção da própria vida e da arte de viver. Quem disse que as religiões tiverem a sua época estava e está enganado. A espiritualidade humana, como fenómeno de projecção de toda a esperança existencial, floresce por todo o lado, mas tantas vezes assente nos bens materiais ou prometendo mundos e fundos absolutamente irrealistas. E as pessoas acreditam! Especialmente em tempos de crise, esta desordenança do ser pode-se agravar. A espiritualidade verdadeira, o autêntico cultivo dos valores profundos, oferece outro caminho: a paz, a serenidade, a redescoberta da esperança, a consciência que o ser humano é (criado) à imagem de Deus-Amor. Aqui tudo estará reequilibrado, também na redescoberta comprometida de forças vencedoras! Alexandre Cruz

SINES: Encontro das Praias

Igreja de Nossa Senhora das Salas



Realizou-se, no domingo, em Sines, o Encontro das Praias, que contou com a participação de 750 pessoas, de Norte a Sul do País, ligadas directa ou indirectamente ao mar. De Aveiro, por iniciativa do clube Stella Maris, da Obra do Apostolado do Mar, esteve presente uma delegação, constituída por 33 representantes da Gafanha da Nazaré, Gafanha da Boa Hora, Torreira e Costa Nova, em autocarro cedido pela Câmara Municipal de Ílhavo.
As cerimónias tiveram como ponto alto a eucaristia, presidida por D. António Vitalino Dantas, Bispo de Beja e presidente da Comissão Episcopal da Mobilidade Humana. Participaram ainda o padre Carlos Noronha, pároco de Buarcos e director Nacional da Obra do Apostolado do Mar, o pároco de Sines e dois diáconos permanentes de Aveiro, Joaquim Simões, presidente do Stella Maris da nossa diocese, e António Delgado, colaborador da mesma instituição.
A Eucaristia foi celebrada num largo contínuo à igreja mandada construir pelo Navegador Vasco da Gama, em honra da Nossa Senhora das Salas, a qual está neste momento a funcionar como Museu. Depois do almoço, partilhado, não faltaram as conversas em ambiente de franco convívio, entre membros ou amigos dos diversos clubes e das praias que aderiram a esta iniciativa da Obra do Apostolado do Mar.
De seguida, foi a vez de todos se dirigirem ao Congresso das Artes, onde estava patente ao público uma exposição sobre o “Pescador”, aí pontificando os seus barcos em miniaturas, as suas redes e a explicação de toda a faina, com fotografias de mais de 150 pescadores, sobretudo de tempos já passados.
Sublinhe-se que, tanto na ida como no regresso, se criou um certo espírito de peregrinação, com a oração de Laudes e com a passagem por Fátima, para uma visita a Nossa Senhora, na capelinha das aparições, onde todos “conversaram” com Ela e d’Ela terão recebido alguns “segredos”.
No próximo ano, o Encontro das Praias terá lugar em Viana do Castelo, esperando-se que a representação de Aveiro seja mais numerosa.

PONTES DE ENCONTRO


Vaticano critica a falta de vontade política na crise alimentar

O director dos serviços de informação do Vaticano, padre Federico Lombardi, lamentou “a falta de vontade política” para resolver a crise alimentar mundial, numa reflexão sobre o “vertiginoso” aumento dos preços dos cereais.
O Padre Federico Lombardi fez estas declarações no programa do Centro Televisivo do Vaticano, “Octava Dies”, no início do mês de Maio, considerando que o espectro da fome, devido ao aumento dos alimentos, deve “interpelar as consciências, pois não se deve à falta de capacidade do homem produzir alimentos.”
Este responsável do Vaticano, lembrou, no referido programa televisivo, que no ano de 2000 “a maior cimeira de Chefes de Estado da história proclamou, solenemente, a Declaração do Milénio da ONU, onde enunciava os oito mais urgentes objectivos, a atingir até ao ano do ano 2015, para o bem da humanidade, sem que, até agora, se tenha feito algo de concreto para o seu cumprimento e aplicação, apesar de se terem passado quase oito anos sobre a sua assinatura.”
Recordo que, no passado dia 17 de Abril, tive ocasião de escrever, aqui, um texto: “ONU: que objectivos para o ano 2015?”, através do qual deixava explícita a facilidade como a comunidade internacional assume, só através das palavras, compromissos de acção e a dificuldade que tem em concretizá-los, em actos concretos.
Infelizmente, tem sido esta a regra que impera nos grandes centros de decisão mundial - e a ONU, através, deste exemplo, e não só, é um deles –, em que não só vão adiando o que é inadiável como se deixam que situações gravíssimas, quer sejam políticas, humanitárias ou ambientais, se agravem ainda mais, perante a indiferença e a passividade dos responsáveis políticos.
Vindo de um responsável da Santa Sé, esta análise crítica ganha uma dimensão maior e realça que entre as boas intenções proclamadas e os actos (não) praticados grande e determinante é a diferença. Vivemos, pois, num mundo de promessas não assumidas e permanentes de mentiras, para justificar o seu não cumprimento.
Este porta-voz do Vaticano sublinhou, ainda, que o número de pessoas desnutridas e com fome está a crescer novamente, numa crise que não parece passageira, para logo acrescentar “o que falta no mundo não é comida ou capacidade para produzi-la, mas vontade para resolver o problema mais grave que aflige a humanidade.”
Citando estudos de especialistas, o padre Federico Lombardi menciona três causas para este fenómeno: “ a distorção no mercado, provocada por subsídios à agricultura dos países ricos; a nova produção de biocombustíveis; o maior consumo de carnes em grandes países como a China e a Índia, de forma que boa parte da produção agrícola já não se destina directamente aos cereais para a alimentação humana, mas animal.”
Apesar de já não ser a primeira vez que o Vaticano toma posição sobre a mais recente crise alimentar mundial, estas afirmações do seu porta-voz reforçam a atenção e a preocupação com que a Igreja Católica acompanha o evoluir desta crise.
Como já tive ocasião de referir, precisamos, urgentemente, de uma nova ordem mundial, mais justa e equilibrada e, para isso, a vontade do homem é o fundamental.
A manter-se tudo na mesma, acabará por ser a fome, a miséria e o desespero que acabarão por criá-la, da forma mais dolorosa, inclusive para os próprios que nada fazem, neste momento, para que ela surja.

Vítor Amorim

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Na Linha Da Utopia

Primeiro Jogo de Futebol em Portugal

Futebol, história ao contrário

1. Regressados de Inglaterra, corria o ano de 1888, os irmãos Pinto Basto trouxeram a primeira bola de futebol. Na história ficou gravado que Eduardo Pinto Basto organizou o pontapé de saída, a primeira partida de futebol realizada em Portugal. Foi há 120 anos, o princípio de uma história que cresceu, desmedidamente, também por esse mundo fora, fazendo dele uma brincadeira muito séria que, passo a passo, fomenta encontro de nações, controla as emoções, multidões, e consequentemente mesmo os poderes. Não deixa de ser curioso que o clube fundado pelos irmãos Pinto Basto ainda hoje existe, mas seguindo a sua matriz originária de amadorismo. No séc. XX a história dos países europeus e das suas grandes metrópoles confunde-se com o crescimento dos grandes clubes de futebol, tantas vezes usados como afirmação de um poder e glória que até ocultasse as verdadeiras e difíceis realidades internas.
2. Como em tudo, há quem goste e quem não goste de futebol. Saudável a multiplicidade de gostos, mesmo diante de um fenómeno popular incontornável que se tornou num símbolo e máquina poderosíssima, com as ténues fronteiras que isso significa. Há quem «adore» e viva (n)os clubismos; quem só goste dos jogos europeus, ou quando há equipas «nossas» contra os «outros». Também há quem aposte unicamente no gosto da selecção nacional de futebol, esquecendo todas as outras selecções nacionais de todos os outros desportos. Há, ainda, quem, até por outros gostarem, não podem ouvir falar de futebol, fundamentando-se na rede dúbias de cumplicidades futebolísticas que tocam fenómenos de doping ou corrupção. Enfim, todos os gostos e desgostos fazem parte desta história que é das realidades que, mesmo em tempos de crise e em cenários salariais escandalosos de jogadores endeusados e treinadores, resiste à própria história.
3. Também, há realidades que custam a entender. Nestes dias, o presidente de um grande clube, Sporting, afirmou peremptoriamente: «O Governo tem de decidir se o futebol é uma actividade importante para o país. O futebol deu projecção a Portugal? Então fomente-se a actividade.» (jornal Record, 26-05-2008). Custa a ler e a entender, o que demonstra bem o que se está a passar. Se há sector que Portugal tem fomentado, até demais, é o futebol; não só os estádios do Euro, mas uma «futebolomania» atravessa quase todos os sectores da sociedade como vontade popular. Não peçam os clubes aos políticos cobertura para tantas loucuras salariais e patrimoniais por vezes cometidas. Não peça o Inter de Milão dinheiro à Câmara Municipal ou ao Governo para pagarem os salários ao milionário José Mourinho que nestes dias assina três anos pelo Inter, em que receberá de vencimento 9 a 10 milhões de Euros por ano, «livres de impostos»?! Ainda por cima o treinador mais bem pago do mundo não vai pagar impostos…!
4. Futebol sim, loucura não! Mas já há muito que esta fronteira desapareceu. Os adeptos fazerem greve?! Impossível, há dependência total. Parece mesmo que o futebol é uma história ao contrário da vida (de crise social), para já não falar no que está a acontecer com a conta de Cristiano Ronaldo! Quanto mais golos marcarem as emoções em catarse, menos lugar há para a razão dosear o escândalo desta história. Na Europa está-se por tudo, seja o que for! Até quando? Não seria possível uma festa futebol mais saudável?

Alexandre Cruz

Moliceiros ao abandono apodrecem em terra


"Três dos nove barcos moliceiros que a Câmara de Aveiro mandou construir entre 1998 e 2001 e ofereceu a diversas instituições locais estão abandonados e em terra, em adiantado estado de degradação, correndo riscos de apodrecer. Outros dois encontram-se no Cais do Bico, na Murtosa, perto das instalações da Associação dos Amigos da Ria e do Barco Moliceiro."
Leia mais no JN

A Casa Gafanhoa

"Quando pela primeira vez entrei em casa do tio João confirmei que era muito semelhante às casas dos outros gafanhões agricultores que eu já conhecia. Um pouco melhor, que o nosso patriarca era pessoa de bom gosto e de bens. Havia quartos para toda a família, mobilados e com boas roupas de cama. Notava-se asseio e mãos de mulher no arrumo de tudo. Eram as mãos da esposa, mas também das filhas solteiras que viviam mais para a casa do que para a agricultura.Nas habitações normais dos demais lavradores, a cozinha lá tinha a trempe de ferro, panelas de três pés, aparadores, mesa e bancos toscos, talheres de ferro e de cabo de osso, passando pela cantareira com a respectiva cântara de ir à fonte buscar água."
Leia mais em A Casa Gafanhoa

PONTES DE ENCONTRO


Globalização para todos ou benefícios só para alguns?

Desde que começou a ser conhecida, de uma maneira mais generalizada, pelo cidadão comum, a crise da falta de alimentos, bem como dos seus brutais aumentos, e a consequente maior dificuldade dos mais pobres ao acesso à comida básica, para o seu dia-a-dia, alguma coisa se tem escrito, no “Pela Positiva”, tendo, tanto quanto é possível, a preocupação da informação, mas, sobretudo, de procurar dar referências que levem os leitores a pensar e a reflectir nas causas que estão subjacentes a tudo o que diz respeito ao homem e à sociedade, em geral.
As expressões “cidadania exigente”, “especuladores sem rosto”, “regulamentação da economia internacional”, entre outras, têm sido repetidas, aqui, com alguma frequência, na medida em que elas estão intimamente ligadas a este fenómeno planetário e há que perceber e aceitar que existe um outro mundo para além de nós próprios, mesmo que o queiramos ignorar, mas que condiciona, decisivamente, a vida e o futuro de cada cidadão, esteja ele onde estiver.
Obviamente, haverá sempre quem desvalorize ou procure ignorar estes acontecimentos, fazendo deles um problema dos outros. Quem assim procede ou finge viver na ilusão ou já se conformou com a vida que tem, abdicando do seu direito e dever de cidadania responsável, exigente e crítica, quando for caso disso, tanto para seu benefício, legítimo, como da restante comunidade humana.
Desde o aumento do preço do petróleo (com o muito de especulativo que contém no seu valor), passando pela desvalorização do dólar americano, pelo aumento da procura de alimentos pelas economias emergentes, pelos anos de más colheitas (caso da Austrália, Canadá, e EUA), pela ocupação dos terrenos para a produção de biocombustíveis (parcialmente, já classificada pela ONU como “crime contra a Humanidade”), pelos baixos stocks mundiais de cereais, pelas alterações climáticas (com um aumento da desertificação de grandes regiões na África e Austrália), de tudo se tem falado, e com razão, pois trata-se de um situação multifacetada nas suas origens.
Uma coisa, porém, sabemos: a fome, enquanto realidade conjuntural, sempre existiu e muito se tem feito para a combater. Agora, a fome, enquanto realidade global, não é obra do acaso, mas sim uma criação, involuntária ou propositada, do Homem. E é isto que faz toda a diferença, para não ficarmos indiferentes ou calados.
Deixei para último lugar a questão da especulação, tantas vezes aqui referida. Desta autêntica praga, a Comissária Europeia da Agricultura, Marianne Fischer Boel, disse ao “Diário Económico”, no dia 29 de Abril, do corrente ano: “Não se deve subestimar a importância que a especulação tem para fazer mexer os preços.”
Já na edição do jornal “Expresso”, do passado dia 3 de Maio, Fernando Madrinha, colunista e Director de revista “Courrier Internacional”, escreve:”... será responsável pela grande percentagem dos aumentos: a acção dos especuladores, que jogam não com a falta de produtos, mas com a perspectiva, ou a simples hipótese de eles viram a faltar. Na economia de mercado globalizada, as malfeitorias desses especuladores (…) é incontrolável enquanto não houver regulação mundial de cuja necessidade todos falam, mas com que, de facto, só se preocupam as primeiras vítimas, isto é, os pobres e fracos. Daí a margem que resta para combater os especuladores dentro de cada país deve ser usada até ao limite, sob pena de se tornarem eles os verdadeiros governantes [do mundo].”
Não que estas afirmações nos sirvam de consolo algum. Antes indicam que o caminho que temos que continuar a trilhar tem que ter como prioridades a seriedade e a isenção, ainda que não profissionais da comunicação social e não imunes ao erro, que, a acontecer, será sempre involuntário.
Vítor Amorim

domingo, 25 de maio de 2008

Na Linha Da Utopia


A Especulação

1. Foi há já alguns anos que algumas mediáticas mega-empresas norte-americanas, da área de novas tecnologias, abanaram com a credibilidade do sistema económico bolsista. Grandes empresas e grupos, gerados e sediados porventura num pequeno gabinete, com pendor decisivo no potencial comunicador informático mais sofisticado, fizeram notícia pela sua virtualidade e pela forte aposta no factor imagem, este mais privilegiador do arriscar incerto no futuro do que das garantias seguras do presente. Ao que parece, esse factor desenvolveu-se; a ponto de hoje, dos registos humanos das modas e famas aos económicos da feroz concorrência diária, contar bem mais a aparência que a essência. Este facto apresenta-se como uma clara espada de dois gumes, fazendo da especulação (do que se deseja) um dado incerto quando não mesmo enganador e injusto.
2. O que tem ocorrido nestas últimas semanas, após a crise dos mercados americanos na área da especulação imobiliária, mostra bem o terreno da globalização que o mundo pisa. Não só pelo gritante escândalo, mas pela verdade ética global urgente, está a chegar o tempo dos «antípodas» se encontrarem, os que são contra a globalização económica em diálogo com os que são a favor do seu liberalismo, a fim da racionalidade humana presidir aos consensos fundamentais que «salvem» a humanidade social. Não é apocalíptico o que dizemos; é a consciência de que cada hora que passa agrava-se o fosso, não só no reflexo do relatório europeu de há dias (da recordista desigualdade de vencimentos em Portugal), como da grave crise internacional dos recursos naturais: trigo, milho, arroz, petróleo, este que faz alavancar tudo o resto.
3. O boom do novo império asiático, diante da crise dos EUA reflectida no iceberg da histórica especulação da «petrocracia», da conjugação destes factores sente-se a percepção de uma transformação bem mais profunda que a procurada fila dos combustíveis mais baratos. Diz-se que mais de um terço do que acontece provém dos especuladores negociantes, e destaca a OPEP (dos países produtores de petróleo) que a produção está em alta. O que pode sobrar só pode ser o medo. Um medo que representa a pior das faces da especulação que se alimenta a si própria. Atrás de si, no seu rasto, vem tudo o que não interessa, mesmo que alguns especialistas tenham dito há dias que a subida dos preços dos cereais pode ser uma boa notícia. Tudo depende sempre do que se quer e de que lado se sente a vida. Se esta sofre com quem sofre, então cada subida é uma má notícia para as pessoas e para as famílias com seus filhos que vivem a fronteira da legítima sobrevivência.
4. Na ausência de uma auto-regulação saudável dos mercados, sente-se que está a chegar a hora, no mínimo, de alguns fortes apelos ético-políticos de instâncias universais. Em uníssono, pois chegam a todos as consequências do à deriva desregulado que, cada dia adiado, dá lastro a movimentos «anti-tudo», fora da racionalidade. Ou será que ainda não chegou esta hora?

Júlio Dinis na Gafanha

"Aveiro causou-me uma impressão agradável ao sair da estação; menos agradável ao internar-me no coração da cidade, horrível vendo chover a cântaros na manhã de ontem, e imensas nuvens cor de chumbo a amontoarem-se sobre a minha cabeça, mas, sobretudo intensamente aprazível, quando, depois de estiar, subi pela margem do rio e atravessei a ponte da GAFANHA para visitar uma elegante propriedade rural que o primo, em casa de quem estou hospedado, teve o bom gosto de edificar ali. Imaginei-me transportado à Holanda, onde, como sabes, nunca fui, mas que suponho deve ser assim uma coisa nos sítios em que for bela."
Júlio Dinis esteve na Gafanha. Leia em GALAFANHA.

PÉROLAS

(Clicar na foto para ampliar)


Pérolas e mais pérolas caindo sem parar. Vi-as e não resisti. Aqui ficam para quem souber apreciá-las. No Forte da Barra, encontrei-me com elas ao entardecer. A água que caía, lentamente, filtrou os raios do Sol que estavam quase a perder-se no horizonte. Mas ainda deu para agarrar, com ambas as mãos, as pérolas, branquíssimas, que depressa se desfaziam e logo se renovavam. Depois o Sol foi-se e com ele a magia da criação de pérolas, à vista de quem por ali passasse.

Missa on-line é um sucesso


"Todos os sábados, às 18 horas, o padre Júlio Grangeia reza a missa na igreja de Espinhel, concelho de Águeda. O seu sermão é escutado atentamente pelos fiéis que se encontram na igreja, mas também é ouvido nos quatro cantos do Mundo através da internet. Adepto das Novas Tecnologias há mais de dez anos, o padre Júlio começou, há pouco mais de um ano, a transmitir a eucaristia on-line e conta já com um grupo de internautas que assistem à missa através do computador."

Leia mais no JN de hoje e na RTP

PONTES DE ENCONTRO


As Olimpíadas de Pequim e a chama aprisionada

O ideal olímpico, retomado em finais do século XIX pelo aristocrata francês Pierre de Coubertin (1863-1937) como um momento de promoção da paz, contra a guerra, nunca se conseguiu sobrepor aos inúmeros interesses e conflitos que sempre existiram, de forma mais ou menos latente, na Comunidade Internacional. As Olimpíadas de Munique, em 1972, com o atentado dos palestinianos contra a delegação israelita; as Olimpíadas de Moscovo, em 1980, com o boicote liderado pelos EUA e as Olimpíadas de Los Angeles, em 1984, com o boicote liderado pela URSS, são apenas os exemplos mais paradigmáticos do que acabámos de referir.
Infelizmente, também os Jogos da XXIX Olimpíada da Era Moderna, a realizar entre 8 e 24 de Agosto de 2008, em Pequim, há muito que estão envoltos em polémicas, começando pelas críticas feitas pela maioria da Comunidade Internacional às autoridades chinesas pelo seu desrespeito pelos direitos humanos no país, passando pela questão, ainda não resolvida, do Tibete.
Os ideais de construir um mundo melhor e pacífico através do desporto são, cada vez mais, votados ao fracasso e só os interesses políticos e económicos parecem contar.
A chama olímpica, um dos símbolos da paz e da amizade autênticas que deveria envolver todos os jogos, tornou-se, este ano, prisioneira das próprias contradições que os responsáveis políticos teimam em não querer resolver.
Acesa, no passado dia 24 de Março, na tradicional cerimónia que acontece na cidade da Grécia Antiga, Olímpia, berço dos primeiros jogos da antiguidade, no ano de 776 a.C., o seu percurso, pelos vários continentes, foi tudo menos pacífico.
Fosse em Londres, Paris, São Francisco, Tanzânia ou Nova Deli, a chama olímpica transformou-se mais num fardo pesado de transportar do que num anúncio de alegria e apelo à paz, em nome das novas Olimpíadas de Pequim.
Foi triste e lamentável ver a tocha olímpica envolvida por dezenas de seguranças a “protegerem-na” ou a fazer percursos secretos ou alterados à última hora, para evitar manifestações, como que se andasse na clandestinidade e a fugir da própria realidade do mundo, onde ela deveria brilhar livremente.
De facto, esta realidade existe, pelo menos desde 1950, e chama-se Tibete e, como todas as questões mal resolvidas na vida ou no mundo, ela [Tibete] será sempre uma pedra no sapato do regime chinês, que não podendo ou não querendo tirar a pedra do sapato que quis calçar, opta por tratar mal e reprimir quem fez, por bem, o sapato.
Desde que a chama olímpica foi acesa, as manifestações em Lassa (capital do Tibete) aumentaram de intensidade, bem assim como a repressão das autoridades chinesas sobre os tibetanos. Inicialmente, a China começou por acusar o actual Dalai-Lama (Oceano, de Sabedoria, em tibetano), Tenzin Gyatso, líder espiritual tibetano, exilado na Índia desde 1959, de estar por detrás dos incidentes em Lassa, o que este sempre desmentiu, afirmando que “Quer o governo chinês reconheça ou não, há um problema, e o problema é que uma nação ancestral está, hoje, a enfrentar graves perigos.”
Vários chefes de Estado têm pressionado a China a dialogar com os tibetanos e a respeitar a liberdade e os direitos humanos, dos quais se destaca o presidente francês Nicolas Sarkozy. Gordon Brown e Angela Merkel já disseram que irão receber o Dalai Lama e não estarão presentes na cerimónia de abertura das olimpíadas.
A China, que diz de si mesmo ser “um país e dois sistemas”, pode, se quiser, resolver a questão tibetana, bem como ajudar, ainda, na resolução de outros conflitos mundiais, casos do Darfur ou de Myanmar, sem a necessidade de ter que escalar o Monte Evereste para tal.

Vítor Amorim

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS - 79


A CAIXA MÉTRICA

Caríssima/o:

Estou a vê-la daqui; tenho-a ali arrumada de forma a poder, ainda hoje e apesar de todos os comentários depreciativos, olhá-la e, como se de “caixa mágica” se tratasse, ocupar a vista e as mãos com o que do seu interior íamos tirando.
Logo os sólidos de madeira polida e luzidios. (Para muitos de nós, companheiros de tábuas mal serradas e de casqueiras a fazer de tabiques em muitas das nossas casas, este polimento e macieza era uma carícia e uma interrogação da forma da esfera e entroncava naquele cone cortado a viés e cuja utilidade nunca atingimos!)
Depois saía a balança com pesos a sério, uns hexagonais e os outros cilíndricos e amarelinhos. Quantas pesagens de sonhos deslizavam com os pratos mal equilibrados!
E um metro articulado, igualzinho ao que os nossos pais desdobravam para medir... E aquela dobradiça amarela nas nossas mãos esticava-se para medir a altura do companheiro, mais alto uns escassos três centímetros ... Mas onde a curiosidade se estendia era numa “bicha metálica” de arame, com elos e uma argolas redondas qual brinco de mulher – até o nome que lhe davam era comprido e difícil de apanhar: cadeia de agrimensor. Toca a esticar e a medir o comprimento da sala! Ainda neste sector de medir e comparar comprimentos, a régua e o esquadro encostavam-se ao quadro para riscar e fazer esquadrias, por vezes, paralelas inclinadas.
Outros alunos simpatizavam mais com as medidas dos feijões como as que a mãe usava lá em casa; e como nos divertíamos ao ver que o litro de folha ficava com um dedo vazio se lhe despejávamos a areia do litro dos secos (o tal feijão, grão,..). Umas medidas eram tão pequerrochinhas que nem cabia lá dentro o dedo mendinho! Utilidade?... Centilitro, homem!...
Será que ainda se desencantava algo mais?
Uma geringonça com umas travessas a subir e a descer, parecia uma guilhotina, mas não era aguçada. Foi-nos explicado que aquilo era um “estere” e servia para medir lenha, pois então! E um estere equivale a um metro cúbico!
O compasso e o transferidor atrapalhavam os nossos movimentos no quadro quando se tratava de traçar circunferências (onde está o centro?...lá se mexeu outra vez...segura bem...) ou de medir ângulos (que nessa altura iam do nulo ao de volta inteira ou giro, sem esquecer o raso, o obtuso, o recto e o agudo... até dá para suar!).
Certo cansaço vence a pouca curiosidade que transparece do vosso rosto e é mister fechar-lhe a porta. Antes, porém, peguemos com as nossas mãos no nível de bolha de ar e no fio de prumo... Sem autorização dos nossos pais, que os utilizavam no seu trabalho diário com destreza e mestria, e com o apoio e o incentivo do professor que nos perpendiculava na horizontal!

Manuel

sábado, 24 de maio de 2008

Praxes ridículas

Há seis anos foi notícia o abuso de praxes ridículas, direi mesmo estúpidas, de alunos da Escola Superior Agrária de Santarém sobre uma caloira. A denúncia do caso, por tão grave, chegou ao Ministério do Ensino Superior e aos tribunais. Quando se esperava que a queixa, pela sua natureza, tivesse julgamento rápido, para se evitarem situações semelhantes, a verdade é que a sentença só chegou agora. Seis anos na vida de uma jovem estudante é muito tempo, mas a nossa Justiça não entende isto.
Os agressores e mentores das barbaridades, físicas e psicológicas, exercidas sobre uma jovem acabada de chegar ao Ensino Superior, foram agora condenados, esperando-se que tal castigo sirva de exemplo a quem tem uma ideia profundamente deformada do que é contribuir para a integração dos novos alunos numa qualquer escola. A agredida, que sofreu, no corpo e no espírito, abusos inqualificáveis, lembra que o seu contributo está dado, para que, de uma vez por todas, se acabe com as praxes estúpidas, substituindo-as por programas de âmbito social e cultural, que contribuam, de facto, para levar os caloiros a compreender e a conhecer o ambiente da Escola Superior que querem frequentar.

Efemérides

1979 - Entre o Governo Português e o presidente da Administração da "Regie-Renault" foi assinado um acordo em que se contemplou a criação de uma unidade fabril em Aveiro para produção de motores e caixas de velocidade para veículos automóveis.
1982 - Faleceu em Lisboa o ilustre aveirense Dr. Mário Duarte, homem de fino trato, grande desportista e prestigiado diplomata; desempenhou o cargo de embaixador de Portugal em Cuba, na Alemanha, na França, no Brasil e no México.
Fonte: Calendário Histórico de Aveiro

Decreto Real da Criação da Freguesia

Ver, em Galafanha, a cópia do Decreto Real da Criação da Freguesia da Gafanha da Nazaré, assinado por D. Manuel II, em 23 de Junho de 1910.

JOSÉ MATTOSO NO CUFC - 4 de Junho, 21 horas


José Mattoso, insigne medievalista, vai estar no CUFC, em 4 de Junho, pelas 21 horas, para mais uma Conversa Aberta, integrada no Fórum::UniverSal. Vem para falar de “O Lugar da História”, com moderação de Teresa Roberto, da Universidade de Aveiro.
Reconhecido em Portugal e no estrangeiro como um dos mais notáveis medievalista, foi catedrático na Universidade Nova de Lisboa e autor de muitos trabalhos ligados à sua especialidade. Dirigiu a publicação de uma História de Portugal, foi investigador de méritos firmados, tanto no nosso país como em Timor, e recebeu vários prémios, de que se destacam o Prémio Pessoa e o Troféu Latino 2007.
Natural de Leiria, onde nasceu em 1933, José Mattoso foi monge beneditino, em Singeverga, tendo regressado ao estado laical em 1970. A partir daí, dedica-se, com mais intensidade, à investigação científica, publicando, paralelamente, inúmeras obras.
Na semana passada, anunciou, numa homenagem que lhe foi prestada pelo Centro de Estudos Islâmicos e do Mediterrâneo, em Mértola, onde fixou residência, o abandono da actividade científica, acusando o Estado de valorizar as ciências experimentais e exactas, em detrimento das ciências sociais e humanas. Disse ainda que a investigação histórica que hoje se faz em Portugal se sustenta em “investigações vagas, superficiais”, realçando-se por vezes “generalidades e aspectos anedóticos”, como sublinhou o PÚBLICO de sábado passado, 17 de Maio.
É este investigador, de personalidade e saberes muito fortes, que o CUFC convidou para mais uma Conversa Aberta. A entrada é livre.

FM

A FESTA E A FOME DO CORPO DE DEUS


Quantos saberão e, se sabem, se terão lembrado de que na passada quinta-feira foi feriado nacional por causa de uma festa, que, em Portugal, dá pelo nome paradoxal de Festa do Corpo de Deus? Houve um tempo em que as ruas se enchiam de procissões por causa dela. Hoje, será apenas, para a quase totalidade dos portugueses, um feriado ou oportunidade para umas miniférias.
Festa do Corpo de Deus! Como foi e é possível o cristianismo menosprezar o corpo, se tem uma festa do Corpo de Deus? Deus mesmo em Cristo assumiu a corporeidade humana. É isso que confessa o Evangelho segundo São João: a Palavra (o Logos) fez-se carne, no sentido bíblico do termo grego sarx: ser humano corpóreo e frágil. Deus manifestou-se na visibilidade de um corpo humano.
Dois banquetes marcaram o Ocidente: o Banquete, de Platão, e a Última Ceia de Jesus com os discípulos (quem se atreve a dizer, com fundamento real, que nela não participaram discípulas?). Ambos à volta do amor. Não é um banquete sempre expressão e vivência da convivialidade, da festa e do amor? Aí está a razão por que não tem sentido celebrar a missa sozinho. Faz sentido celebrar um banquete sozinho ou de costas para o povo e numa língua que ninguém entende, como foi recentemente permitido pelo Papa Bento XVI?
Na véspera da Paixão, antes de ser entregue à morte na cruz, Jesus, na ceia de despedida, tomou o pão e pronunciou a bênção, dizendo: "Isto é o meu corpo - a minha vida - entregue por vós." Tomou o cálice com vinho e disse: "Este é o cálice da nova aliança." E acrescentou: "Fazei isto em memória de mim."
A missa é o banquete do testemunho do amor até à morte: "Não há maior amor do que dar a vida pelos amigos." O que se celebra na eucaristia é o Deus do amor. Jesus não morreu para pagar um resgate (a quem?, ao diabo?) ou para aplacar a ira de Deus. Se Deus é amor, não está irado com a Humanidade. Face a um deus que exigisse a morte do Filho só haveria uma atitude humanamente digna: tornar-se ateu. Mas Jesus não morreu porque Deus quis o seu sacrifício. Pelo contrário, morreu para testemunhar a verdade incrível de que Deus é amor.
Na eucaristia, os cristãos comemoram, celebram em comum o memorial de Jesus, presente e vivo na dinâmica da celebração. É ele que convida e, segundo a mentalidade oriental, quem convida oferece, antes de mais, a sua presença.
Ao longo dos séculos, houve debates intermináveis, inclusivamente com mortes pelo meio, sobre o modo dessa presença de Cristo na eucaristia. Que se dava uma transubstanciação do pão e do vinho, que havia consubstanciação, que a linguagem mais adequada agora seria transfinalização, transvalorização.
Mas, afinal, que quer dizer "presença real"? Já se pensou que duas pessoas que verdadeiramente se amam, mesmo distantes fisicamente, estão realmente presentes? Pelo contrário, a presença física, sem amor, pode tornar-se um inferno. De qualquer modo, neste domínio, é bom ter presente a advertência do filósofo Hegel para o perigo de coisificar a presença de Cristo na eucaristia, quando escreveu: segundo a representação católica, "a hóstia - essa coisa exterior, sensível, não espiritual - é, mediante a consagração, o Deus presente, Deus como coisa."
Claro que há o aviso de São Paulo aos Coríntios: "Todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será réu do corpo e do sangue do Senhor." Mas é preciso advertir que Paulo está a referir-se àqueles que comiam lautamente e deixavam outros à fome. "Desprezais a Igreja de Deus e quereis envergonhar aqueles que nada têm?"
E afinal não é o que continua a acontecer? Quando pensamos na vergonha da catástrofe alimentar com milhões de homens e mulheres e jovens e crianças a morrer à fome - também em Portugal há fome -, e nas responsabilidades de milhões de cristãos, que celebram a eucaristia, é inevitável lembrar as palavras de São Paulo aos Coríntios.
Mas quem nunca sonhou com um banquete à volta da mesa comum e a participação de todos, independentemente da raça, língua, sexo, cor, e Deus presente e a vida eterna?
Anselmo Borges
Fonte: DN

sexta-feira, 23 de maio de 2008

ÍLHAVO: Congresso das Confrarias Gastronómicas Portuguesas


De 30 de Maio a 1 de Junho, vai decorrer, no Museu Marítimo de Ílhavo, o II Congresso das Confrarias Portuguesas, por iniciativa da Federação das Confrarias Gastronómicas, Câmara Municipal de Ílhavo e Confraria Gastronómica do Bacalhau.
Estarão presentes cerca de 50 Confrarias Gastronómicas e representações de Confrarias de Espanha, França, Suíça, Cabo Verde e Macau, aguardando-se a confirmação de uma delegação brasileira.
Paralelamente ao Congresso, decorre um Concurso de Gastronomia, no Hotel da cidade, com a participação de 13 restaurantes do Concelho de Ílhavo, sendo o Júri constituído por elementos das Confrarias presentes. Das ementas, consta um prato de bacalhau e outro ao critério do restaurante. No dia 30, o jantar será de "partilha", isto é, cada Confraria apresenta o seu "prato" típico.
A Câmara convida as Confrarias presentes para um espectáculo no Centro Cultural, com a Filarmonia das Beiras e o pianista Bernardo Sassetti. Haverá ainda e a projecção do filme "Maria do Mar", no dia 31.
No encerramento serão homenageados o conhecido Chefe Silva, o industrial Rui Nabeiro e dois confrades fundadores da Federação das Confrarias Gastronómicas Portuguesas.

Lenda Judaica

Deus convidou um rabino para conhecer o céu e o inferno. Ao abrirem a porta do inferno, viram uma sala em cujo centro havia um caldeirão onde se cozinhava uma suculenta sopa. Em volta dela, estavam sentadas pessoas famintas e desesperadas. Cada uma delas segurava uma colher de cabo tão comprido que lhe permitia alcançar o caldeirão, mas não as suas próprias bocas. O sofrimento era imenso. Em seguida, Deus levou o rabino para conhecer o céu. Entraram numa sala idêntica à primeira, havia o mesmo caldeirão, as pessoas em volta, as colheres de cabo comprido. A diferença é que todas estavam saciadas. - Eu não compreendo - disse o rabino -, porque é que aqui as pessoas estão felizes, enquanto na outra sala morrem de aflição, se é tudo igual? Deus sorriu e respondeu: - Você não percebeu? É porque aqui elas aprenderam a dar comida umas às outras... :
Nota: Conhecia esta história há muito tempo. Hoje, porém, o Rotativas da jornalista Maria João Carvalho avivou-me a memória. Em tempo de crise e fomes, é bom reflectir sobre a lição desta lenda.

PORTO DE AVEIRO - 5

Veleiros (portal da CMI)


REGATA TALL SHIPS

Nas celebrações dos 110 anos da restauração do município de Ílhavo, a Câmara Municipal associa-se às comemorações do meio milénio da fundação do Funchal, acolhendo, no Terminal Norte do Porto de Aveiro, a Tall Ships Regatta, entre 20 e 23 de Setembro.
A frota de grandes veleiros partirá a 13 de Setembro do porto histórico de Falmouth, Inglaterra, e chegará ao Porto de Aveiro no dia 20 de Setembro, onde permanecerá três dias. No dia 23 de Setembro, pelas 11 da manhã, os veleiros seguirão viagem para o Funchal, Madeira, onde chegarão a 2 de Outubro.
No Porto de Aveiro vai haver, então, a concentração de todos os participantes, estando a ser devidamente preparado todo o apoio logístico. Está prevista a visita aos veleiros em dias e horas a anunciar.
Nesta regata participam veleiros das classes A, B, C e D, de Portugal, Espanha, Rússia e Alemanha. O Creoula será o representante do nosso País.
A Câmara Municipal de Ílhavo vai proporcionar, em condições vantajosas, o embarque de um total máximo de 100 instruendos a bordo das diversas embarcações participantes, quer oriundos do nosso município, quer de outros municípios de Portugal.

Portugal, país injusto

De acordo com o mais recente relatório do Eurostat, referente a 2004, Portugal é o país mais desigual da Europa, tendo em conta a relação entre os 20% mais ricos e os 20% mais pobres. Não é novidade para ninguém, mas confrange ver que não conseguimos sair da cepa torta, apesar de tantos sacrifícios se pedirem, e exigirem, aos portugueses. Somos, afinal, um país tremendamente injusto, deixando que alguns enriqueçam cada vez mais, enquanto muitos outros ficam cada vez mais pobres. A desigualdade está aqui e ninguém a pode escamotear. Esta situação, que nos atira, sistematicamente, para a cauda da Europa, apesar de todas as ajudas que dela recebemos, só mostra que ainda não descobrimos os políticos, economistas, empresários, sociólogos e outros mais capazes de dar a volta à política portuguesa. Mas também à auto-estima dos portugueses, para que, duma vez por todas, assumam dinâmicas de mudança e de optimismo, que nos apontem caminhos de futuro. Quem dá uma ajuda?