sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Cronistas que vêem tudo negro...

Fico sempre espantado com os nossos cronistas que vêem tudo negro. Aprecio Vasco Pulido Valente pela sua cultura e domínio de escrita, mas não entendo tanto pessimismo sobre Portugal e os portugueses. Hoje, na sua crónica do PÚBLICO, voltou à carga, ressuscitando epítetos que nos foram atribuídos por gente importante do nosso País, desde Alexandre Herculano, Bulhão Pato e D. Carlos, com “Isto dá vontade de morrer”, “Piolheira”, “Choldra”, até aos políticos actuais que provocaram “um mal-estar difuso”. Passando, claro, pelos republicanos que ficaram desiludidos e pelos que sempre lutaram por alcançar a Europa sem nunca o terem conseguido, acabando na garantia de que “ninguém faz nada com sentido”. Afinal, segundo ele, "Portugal sempre gostou muito pouco de si próprio". Pelas suas contas, os portugueses não consegue sair da angústia nacional… Ora, a verdade é que há muita gente a pregar que vivemos num país inviável, mas cá estamos desde que D. Afonso Henriques deu o grito de independência, batendo-se com garra contra quem se lhe opunha. E passou essa mensagem às gerações seguintes para que o continuássemos. Porquê então tanto pessimismo?
FM

Espraiei nas dunas os meus olhos





Espraiei nas dunas os meus olhos
até à imaginação
em dia de primavera prometida
Fixei ao longe o céu escuro pela bruma
de sonhos esquecidos
E pensei nos tempos vividos
à sombra dos areais da minha infância
com farol à vista


FM

Professores protestam



Não sei se alguma vez, na nossa demo-cracia, os professores protestaram tanto como estão a fazê-lo agora. Que me recorde, não. De qualquer modo, esta classe profissional que está na base da formação das presentes e futuras gera-ções, dependendo dela os que hão-de continuar Portugal, não merecia que a obrigassem a andar nas ruas a protestar. Que o protesto público, quando justo, é tão digno como o que decorre dentro dos espaços de trabalho, diga-se, contudo, desde já. Porém, os professores, das mais variadas idades e graus de ensino, deviam poder contar com os nossos governantes para um diálogo face a face, donde pudesse sair uma reforma justa.
Ninguém contesta o direito de o Governo, democraticamente eleito, proceder às reformas há tanto esperadas e que constam das suas promessas eleitorais. Mas também é verdade que qualquer reforma pressupõe um trabalho conjunto entre quem governa e quem é parte interessada e fundamental para dar seguimento ao que vier a ser decidido.
Custa-me imenso ver o desalento dos professores, certamente por se sentirem marginalizados na discussão dos problemas que lhes dizem respeito. Quem nasceu para ensinar e para educar, jamais compreenderá quem insiste em lhe impor reformas sem diálogo, sem explicações plausíveis e muitas vezes sem lógica.
É sabido que o ministro da Saúde saiu do Governo por falta de capacidade para explicar as suas reformas no sector. Penso que a ministra da Educação está a seguir o mesmo caminho.
O melhor, a meu ver, será o primeiro-ministro decretar uma pausa para pensar. Depois, calmamente, que todos se sentem à mesa para conversar. Sem radicalismos. De uma parte e de outra. As nossas crianças e jovens, mais as suas famílias, exigem-no.

FM

Rão Kyao: Paz interior

Entrevista no DN



O que é que encontra no campo que a cidade não lhe oferece?


Principalmente, a paz interior. Há um reco-lhimento muito forte que é difícil de conseguir na cidade. Todos os dias viajo até ao campo para tocar um pouco. É um ambiente calmo, com muito ar puro. O lado contemplativo está sempre pre-sente.



PISCAR DE OLHOS



É esta a forma de comunicar de Jean-Dominique Bauby. Tudo o que pensava e sentia era transmitido por um piscar de olhos. Se queria dizer “sim” piscava uma vez; se pretendia dizer “não”, piscava duas vezes. E com que facilidade o fazia! E que serenidade transparecia do seu rosto! De uma enorme desgraça, emergia uma maravilha!
Há uma grande cumplicidade natural entre o coração e os olhos. A quadra popular expressa-o muito bem: “O coração mais os olhos, são dois amigos leais; quando o coração está triste, logo os olhos dão sinais”. Esta cumplicidade funciona com normalidade. O olhar é o espelho do coração e da multiplicidade de afectos e emoções, de preferências e critérios, de opções e atitudes que dão origem à qualidade de um estilo de vida humanizado.
Bauby era director da revista francesa “Elle” e aos 42 anos foi vítima de uma doença que o deixou intelectualmente lúcido, mas totalmente paralisado. Apenas um piscar de olhos lhe permitia expressar-se. Foi assim que escreveu o livro “O escafandro e a borboleta", adaptado ao cinema com rara felicidade. A borboleta é o símbolo das mensagens que envia do escafandro – a prisão em que se encontra. Em cada voo, vem um postal com um hino à vida, o valor das pequenas coisas, a força da esperança, o brilho da luz e tantas outras maravilhas que, quando perdidas ou debilitadas, adquirem mais valor.
Aquele piscar de olhos gravou-se na minha imaginação e deixou-me marcas profundas. Envolve a passagem da cegueira à visão, do isolamento à comunicação, do estar só à companhia, do orientar a vida por critérios subjectivos a ter referências objectivas, humanas e cristãs, do deixar escapar o momento fugaz a agarrar o tempo como única oportunidade de salvação.
O Evangelho – que narra a cura do cego de nascença – apresenta esta passagem em forma de itinerário espiritual. Quem se prepara para o baptismo vai adquirindo um novo olhar iluminado por Jesus Cristo – a luz do mundo. E, depois de baptizado, sente a necessidade de aprender a ver com o coração e não apenas com os olhos.
De facto, ver com o coração é ir além das aparências e descobrir a realidade, é apreciar o belo e o bom ainda que camuflados de laivos de fealdade e de maldade, é despertar o melhor de cada consciência mesmo que misturado em desvios erráticos notórios, é deixar o lodo e contemplar as estrelas, é sentir o “piscar dos olhos” de Quem aponta o caminho e respeita a liberdade, de Quem confia em nós, mas exige responsabilidade.

Georgino Rocha

Ano Europeu do Diálogo Intercultural

Mais de 500 actividades
agendadas de Norte a Sul do país

Rosário Farmhouse,
Alta-comissária para a Imigração
e Diálogo Intercultural

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

NECESSIDADE PERMANENTE DE PURIFICAÇÃO

Diz a história do Vaticano II, por muitos já esquecida ou nunca aprendida, que foi grande a discussão dos padres conciliares quando se reflectiu sobre a condição, ao longo do tempo, da Igreja, Povo de Deus, que peregrina no mundo. Viu-se então que, na sua história, havia páginas de santidade, mas também páginas com desvios do rumo que o seu Fundador lhe imprimira.
Era preciso deixar explicito que se assumiam umas e outras na sua verdade total. Foi assim que surgiu uma proposta de redacção para ficar no texto conciliar e que falava da Igreja de Jesus Cristo “santa e pecadora”. A afirmação, tal qual, não agradou, pois se acreditamos que o Espírito Santo a conduz e a anima na sua vocação à santidade, que é a vocação de todos os seus membros, o pecado não faz parte da natureza da Igreja, mas é resultado da falta de verdade e coerência daqueles que, dizendo-se cristãos, lhe desfiguram o rosto, que é o de um Deus Pai, rico em misericórdia, e de um Filho, que a quer pura e santa e por ela se entregou à morte, vencendo esta com a sua ressurreição.
Encontrou-se então uma fórmula mais aceitável, verdadeira e estimulante: “Igreja santa, mas sempre necessitada de purificação”. Assim se respeita a verdade da santidade e se faz apelo a que se considere a condição do pecado como transitória, com a libertação sempre à vista para quem quiser livremente aceitar o caminho, que Cristo abriu para todos.
A santidade de muitos cristãos, mais numerosos que os que recebem o reconhecimento público das suas virtudes, é um património da Igreja, rico e inegável. Ela mostra a todos, deste modo, aos de dentro e os de fora, como não faltam, nem nunca faltaram, cristãos para os quais Deus é o único Senhor, a Luz das suas vidas e a Força do seu caminhar, crescendo cada dia à medida de Cristo, no meio de contrariedades, lutas e trabalhos.
A Palavra de Deus, revelada e transmitida pela Tradição, ajuda-nos a entender que o santo é o cristão normal e que a santidade está ao alcance de todos os filhos de Deus, constituindo para cada um o apelo a ir mais longe, iluminado interiormente por uma fé esclarecida e coerente.
Porém, a Igreja não esquece nem pode esquecer que o tempo da peregrinação no mundo, se é o tempo do mérito, é também o tempo “da grande tribulação”. O tempo põe à prova tanto a grandeza, como a debilidade de cada um de nós. Por isso, a Igreja nunca deixará de convidar os cristãos à conversão evangélica, a voltarem-se para Deus com as suas forças e fraquezas, vitórias e derrotas, e a alinharem a vida toda, segundo o amor que lhe dá sentido e com garantia de segurança e de êxito. Assim, vai dizendo que todos podemos ser vencedores nos combates da vida, dando sentido de vitória a cada pequeno ou grande combate que vamos travando.
Só o amor a Deus e aos outros, por razão de Quem primeiro nos amou, é caminho de salvação. Só o deixar de estar ligado à Fonte da vida e de amar aqueles de nós mais precisam é prenúncio de perda e sinal do pouco que Deus pode significar para nós.
Não é fácil reconhecer a nossa condição, tanto de romeiros a caminho da santidade, por gestos de verdade e coerência de vida, como de humildes pecadores, que, por acções e omissões, vão deixando secar no coração o amor que salva.
Cada ano, na Quaresma, e, ao longo dos meses, através das acções mais diversas, a Igreja, mãe e mestra, nos estimula e adverte, tanto para a possibilidade da santidade ao alcance de todos, como para o perigo do pecado pessoal, social e comunitário, ao qual não faltam ocasiões aliciantes e portas abertas e convidativas a entrar.
É, também, tempo para dizer a todos que a necessidade de purificação acompanha a Igreja no seu a dia de peregrina e constitui um apelo claro com as suas exigências e verdade.
No tempo da peregrinação, que é o do enraizamento, prova e purificação da fé, nem há santidade consumada, nem situações irremediáveis. Definitivo, só o amor de Deus para com todos.

António Marcelino

Na Linha Da Utopia

O apagão mundial de 29 Fev. 2008

1. Já de há algum tempo a esta parte tem circulado nos diversos canais de comunicação e na internet a mensagem do “apagão mundial”. Não sabemos quem é a origem específica desta ideia que, ao que parece, percorre o mundo, mas provirá de linhas de reflexão e actuação da ordem ecológica. O dia escolhido é o último de Fevereiro, a hora que nos cabe é das 19.55h às 20.00h. Nestes mesmos 5 minutos o mundo pensará na mesma mensagem, para o planeta “respirar”. Apesar, naturalmente, de muita indiferença do pragmatismo das sociedades que não vêm resultado prático destas coisas estando sempre à espera dos resultados imediatistas, o certo é que procura-se (e espera-se) uma resposta massiva, a fim de estudar e ver o que acontece em termos da «brutal» poupança energética.
2. Este apelo, usando a força da união mundial pela Internet, apresenta mesmo um comunicado em várias línguas. Não só na lusofonia ou no inglês do ocidente mas em línguas orientais, árabes e asiáticas. Trata-se, efectivamente, de uma corrente global, do que chamaríamos um despertar da sociedade planetária e suas opiniões públicas para as defesas e preservações fundamentais. Já não é novo este recurso comunicacional. Foi usado tanto para a solidariedade mundial em causas como o Tsunami da Ásia ou os apelos prementes à não execução de pessoas em determinados pontos do globo. Mas, verdade se diga, ao que parece, nunca como neste “apagão mundial” (como estudo e sensibilização de poupança energética) a mensagem chegou tão longe, no apelo ao desligar de todos os instrumentos possíveis a fim de nos encontrarmos “despidos” de todos os aparelhos alimentados de energia.
3. Também neste apelo a deixar “respirar” o mundo (em que poluímos, segundo estudiosos, mais em 30 anos que nos últimos 30 séculos), brota o convite a parar um pouco, a deixar respirar e sentir a vida, esta às vezes tão carregada das corridas ou das coisas instrumentais. A mensagem vai a ponto de dizer em todas as línguas: «Sim, estaremos 5 minutos às escuras, podemos acender uma vela e simplesmente ficar a olhar para ela, estaremos a respirar nós e o planeta». Procuraremos, também, “parar” nesse momento, mesmo à luz da vela... Fazer a pausa do exercício de cidadania planetária nesta mega e humanizante sensibilização. No dia seguinte estarão aí os números da participação e mesmo da poupança energética desses 5 minutos. Também desta forma vamos sentindo que pertencemos ao mundo que aguarda a preservação de todos. Claro, não se esperem resultados que esta experiência não pretende nem pode dar. Mas ela também oferece um sinal daquilo que é a identidade global na defesa de ca(u)sas de todos!

Alexandre Cruz

AVEIRO: Festa do Livro no Rossio



Organizada pela Câmara Municipal de Aveiro e pela distribuidora “Calendário das Letras”, a Festa do Livro, que ficará instalada numa grande tenda no Rossio, expõe milhares de livros, organizados por escalões e preços, com mais de 18 meses de publicação, a preços muito baixos.
Desde um até dez euros, podem ser encontrados os mais diversos tipos de livros de centenas de editoras: infantis, juvenis, romance, técnicos, entre outros.
As Festas do Livro são hoje, em paralelo com as Feiras do Livro tradicionais, grandes momentos onde se promovem os livros e a leitura.
Nas Festas incluem-se especificamente os fundos editoriais mais antigos, a preços especiais e nas Feiras promovem-se, fundamentalmente, as novidades.
A primeira Festa do Livro decorre até 16 de Março, das 11 às 21 horas, no Rossio, em Aveiro

Fonte: CMA

Cristãos perseguidos


Não me consta que nas sociedades ocidentais sejam perseguidos os muçulmanos ou os obriguem a aderir ao cristianismo. Em Portugal, como noutros países de cultura cristã, os islâmicos, como outros membros de qualquer religião, têm liberdade de culto, podendo construir os seus templos, quantas vezes com os apoios das autarquias e até do Estado. Tanto quanto me é dado saber, não são perseguidos nem sobre eles se exerce qualquer proselitismo. Mas em alguns países de maioria islâmica não é assim. Os cristãos são obrigados a esconder a sua fé, estando impossibilitados de a manifestarem fora das quatro paredes das suas casas.
No Iraque, dizem algumas notícias, os cristãos vivem num martírio incompreensível, “como nos primeiros séculos do cristianismo”, com ameaças de que devem converter-se ao Islão ou deixar o país.
Na Jordânia, país com algumas marcas da cultura ocidental, também se expulsam cristãos, com a acusação de fazerem proselitismo, enquanto desenvolvem actividades sociocaritativas. Ali, o culto cristão está fechado à chave, isto é, não podem ser exibidos sinais religiosos, para além dos islâmicos. Nem templos, nem manifestações públicas, nem cerimónias. As perseguições vão ao ponto de impedir o acesso a empregos e cargos públicos.
Imaginem que isto acontecia em Portugal ou noutros países de maioria cristã. Era o fim do mundo, com ameaças e nem sei que mais.

FM

Sejamos optimistas!



Camões brindou-nos com o Velho do Restelo, retrato do pessimista nacional. Já no seu tempo, no século XVI, ele se insurgia contra o pessimismo, o eterno descrente das nossas capacidades pátrias. E no entanto, Portugal aí está a lutar contra tudo e contra todos para existir, mesmo que na cauda da Europa. Que a nível do mundo, ainda estamos no grupo dos melhores.
Vem isto a propósito dos que passam a vida a lastimar a nossa triste sorte de estarmos vivos. Os nossos comentadores, colunistas e demais opinadores, que moram diariamente nos órgãos de comunicação social, mas que também saltitam na Internet, com mensagem carregadas de dramas e má-língua, não sabem falar de coisas positivas. Para eles, melhor dizendo, para uma grande maioria, Portugal e os portugueses não têm futuro. E são tantos os que atiram ao vento as nossas desditas, que nem sei como é que o nosso País ainda se mantém a olhar em frente. E depois, até parece que o pessimismo é contagiante, levando-nos, mesmo contra a nossa própria vontade, a embarcar na onda. Já aqui disse, uma vez, que se a esses comentadores, colunistas e opinadores faltasse esse pessimismo, perderiam o emprego.
Sejamos, pois, optimistas, apostando numa linguagem pela positiva!

FM

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Na Linha Da Utopia

Professores em luta


Os professores, a rua, a educação

1. Já se sabe que esta conjugação (os professores, a rua, a educação) não dá grandes frutos. Os essenciais destinatários, os alunos, cada vez mais cedo descobrem as fragilidades do sistema e usam-no mesmo para atiçarem os educadores que, na sua função absolutamente decisiva na formação deste país, deviam ser preservados, protegidos e apoiados na dignificação do “ser professor”. Claro que os professores não gostam de sair à rua, preferem a sala de aulas; mas quando não há mais recurso a “rua” é o lugar de tornar público aquilo que, no fundo, diz respeito a todos. Seja dito, quanto mais em Portugal os professores tiverem de sair à rua em manifestação, mais difícil se torna a sala de aula. Para além dos possíveis sectores de ideias, mesmo de linhas políticas (em que ninguém se coloca de fora da necessária “avaliação” como estímulo à qualidade), a verdade é que a “rua” acaba, em área tão sensível e estruturante como a educação, por representar o beco sem saída das mesas de reflexão, onde a distância das tutelas à realidade torna impossível a construção razoável do consenso.
2. No passado dia 26 de Fevereiro, à noite, ocorreu mais uma manifestação. Mais de um milhar de professores acorreu percorrendo locais simbólicos em Coimbra. Diversos slogans, ainda que “puxados” como apelo emocionante no meio de tochas, velas e autocolantes, dão o sentir do estado da arte: à frente ia o cartaz «Basta! Assim não se pode ser professor», nas camisolas o lema: «Professores de luto e em luta pela Educação». Este cordão humano junta-se a muitos cordões de insatisfação. Está em causa (talvez) a causa mais importante de todas: a educação. Não se pode ser surdo ao “desabafo” de tantos professores que, não tendo qualquer medo da avaliação (mas contra este modelo tutelar), sentem-se indignificados e quase desacreditados diante das turmas de alunos cada vez mais exigentes, tanto em termos de conhecimentos como de comportamentos. Muitos estudiosos, ao longo de muitos anos, têm dito e redito que não é possível “solucionar” as questões da educação sem os professores, os alunos, os pais, a comunidade.
3. Os alunos estão aí a ver os professores e a tutela na rua do debate público. As famílias, a par da preocupação com a educação dos filhos, vivem a superocupação do pão (que sobe novamente) de cada dia. No ano 22 da Lei de Bases do Sistema Educativo Português, torna-se difícil vislumbrar ainda os elos de ligação de tudo o que envolve o maior tesouro a descobrir: sempre a Educação. É certo, com todas as entidades; mas quanto mais conhecendo e envolvendo as bases mais e melhor lá iremos. O que nunca pode significar permanecer estruturalmente onde se está num mundo em constante mudança. Nesta fronteira de que falamos, até para maior segurança, estabilidade e futuro de todos, o país precisa da redignificação da (autoridade da) função docente. Isto interessa a toda a sociedade civil.

Alexandre Cruz

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Belmiro de Azevedo denuncia...


Belmiro de Azevedo, um dos empresários de mais sucesso em Portugal, denunciou hoje injustiças que a sociedade não consegue debelar. De forma muito simples, explicou como há entidades públicas e privadas privilegiadas, que não têm problemas em aumentar os seus lucros. O Estado, quando precisa de dinheiro, resolve o assunto subindo os impostos, de maneira directa ou indirecta.
Saindo do âmbito estatal, com os Bancos e outras grandes empresas, livres de concorrência, a questão também se ultrapassa facilmente: aumentam os juros e os preços do que vendem (por exemplo, serviços bancários, electricidade e gás, entre ontros produtos) e os clientes é que tudo suportam. E nem é preciso estarem a viver uma qualquer crise. Basta-lhes o desejo de registarem mais lucros no fim do ano, para se vangloriarem das boas gestões de que são capazes.
O capitalismo, como outros ismos, é terrível, mas temos de viver com ele, sempre na esperança de que um dia a balança se incline para a justiça social. Estabelece, por vezes, uns códigos de conduta, de acordo com os interesses de alguns poderosos, nem sempre humanos, e não olham a meios para atingirem os fins. É assim…infelizmente.

Tony Melendez dá uma lição de vida

Com força de vontade, tudo se consegue! Este vídeo, que partilho com todos, foi-me enviado por João Marçal, gentileza que agradeço.

Linguajar dos gafanhões de antigamente

Escola da Tia Zefa

Gafanhoas antigas

Estou a ver os homens baixos e magros de camiseta e de ceroulas compridas, de flanela, estas com atilhos amarrados nas canelas, barba por fazer (só se fazia aos sábados, no barbeiro), boné ou chapéu na cabeça, mãos gretadas pelo trabalho duro, descalços, rosto envelhecido, queimado pelo vento e pelo sol impiedosos, força de vontade férrea, poupados, com gosto pelo trabalho e pela solidariedade tantas vezes manifestada, religiosos sem beatices, amigos dos seus amigos. As mulheres baixas e de pernas grossas, sem cintura e sem pescoço, olhos ingénuos, de chapéu de palha na cabeça por cima de um lenço que amarrava sobre o chapéu, roupas escuras, excepto ao domingo, em que se abusava da cor garrida, sobretudo as das secas do bacalhau, pernas com canudos (meias sem pés) enfiados para o sol não as queimar, que era fino tê-las brancas, descalças, mãos gastas pelo trabalhos, tranças na cabeça, porque permanentes eram para as da cidade, religiosas sem exageros, amantes do trabalho e poupadas, solidárias e amigas das suas amigas.
Mas a maneira de falar, um tanto ou quanto cantada, com alguma malícia pelo meio, entre risadas contagiantes, é que me encantava.
Levemos a nossa memória até lá atrás e ouçamos a Ti Maria e o Ti Atóino. Vinha ela desaustinada (sem tino) porque a canalha lhe estragara as batatas ali ao pé da escola da Tia Zefa. Estava arrenegada (zangada).
O ti Atóino vinha da borda, onde andara ao moliço para o aido. Antes da maré, porém, deitara-se a descansar, com o corpo moído, na proa da bateira que ia à rola (à deriva). Sem saber como, e com uma nassa, apanhou uns peixitos para a ceia (o jantar de hoje). Já não era mau. Naquele dia não comeriam caldo de feijão com toucinho, com um bocado de boroa. Sempre seria melhor.
— Então queras (queres) ver, Atóino, o que a canalha (os garotos) da escola fez? Andou por riba (cima) das batatas a achar (à procura de) a bola e ‘stragaram-me tudo. Tamém (também) andaram à carreira (a correr velozmente) atrás uns dos oitros (outros) a amandar (mandar, atirar) pedras e a acaçar ( caçar, ao agarra). Se andassem com relego (com moderação), ainda vá que não vá. Mas não. Andavam a toda a brida ( à desfilada, a toda a força), como que a atiçar (meter-se) comigo. E se calhar a professora estava abuzacada (refastelada) na sala. Isto está mal, não achas?
— Pois é verdade, Ti Maria. Não são coisas que se façam. Anda um home (homem) a gastar dinheiro em batatas e buano (guano), muitas vezes sem se astrever ( atrever, poder) e estes mariolas (marotos), num’stante (instante) deixam tudo ‘struído. Era só a gente atirar-lhe com um balde de auga (água), para eles aprenderem. São a mode (como que) tolinhos e alonsas (parvos). Mariolas! (marotos!). Vossemecê já falou com a professora? Se ainda não, vá lá e diga-lhe que ó despois (depois) não se arresponsabiliza (responsabiliza). São uns desalservados (cabeças no ar), uns desintoados (desentoados, disparatados).
— Tens razão, Atóino. Vou lá num‘stante (instante), antes que seja tarde. Amanhê (amanhã) tamém (também) falo com os pais. Sempre são homes (homens) e melheres (mulheres) pra (para) darem uns estrincões (apertões com os dedos em zonas sensíveis) aos miúdos, pra (para) eles aprenderem. Opois (depois) que não se queixem.

Fernando Martins
.
NOTA: Entre parêntesis, as palavras ou expressões correctas. Excerto de palestra sobre coisas de antigamente.



Na Linha Da Utopia

São cereais, senhor!

1. Nas últimas semanas fomos alertados para a notícia da subida dos preços do trigo nos mer-cados internacionais. Destes dias, conse-quentemente, para a constatação alarmante de que será difícil garantir os programas de co-operação alimentar da ONU para com os povos em vias de desenvolvimento. Segundo Ab-dolreza Abbassian, de nacionalidade iraniana e que antes de chegar há 18 anos à FAO (Or-ganização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação) trabalhou na OCDE e no FMI, as razões desta quebra e do pânico dos mercados são múltiplas e tocam tanto as explicações de crescente concentração económica como os factores psicológicos globais.
2. No dizer desta especialista que esteve recentemente em Lisboa (no congresso do milho), há uma rede de «imprevisibilidade dos inúmeros factores que contribuem para a formação dos preços», o que torna todas as projecções arriscadas, demonstrativo de que «nunca o mercado foi tão volátil e isso vai continuar». Verifica-se a queda das reservas existentes, apesar do aumento de produção, observando-se neste ano 2008 o nível mais baixo de trigo em stock dos últimos 30 anos. Preocupante, no que representa este cereal como primeira fonte alimentícia mundial; simultaneamente desafio à reinvenção dos mecanismos alimentares que garanta o “justo pão”, processo que está em curso.
3. Se é certo que ao leque de razões poderemos acrescentar as questões da hiper-procura das novas potências chinesa e indiana, a par da emergência dos biocombustíveis, todavia, estas razões para a especialista iraniana aparecem como “mitos” que se vão criando, sendo também uma das razões a ter em conta a problemática das questões ambientais. Diante dos cenários de instabilidade global, que agora também chegou aos mercados de cereais, sobre a agricultura portuguesa, enaltece Abdolreza Abbassian as vantagens de ter uma agricultura diversificada, sendo a especialização um risco nestes contextos de incerteza. É verdade a segunda afirmação… Mas não deixa de ser interessante, com várias pistas de reflexão, que quem vem de fora diga que temos agricultura (?) diversificada…
4. Talvez tenhamos, sim, é inúmeras potencialidades nas nossas terras deste lindo país de sol. Mas, na realidade, uma boa parte delas estão à espera do nosso regresso, quando passarmos da tecnocracia, sem medos, para as terras dos chamados, de forma cara, “produtos biológicos”. Até lá, precisamos da redefinição estratégica para um global “milagre dos cereais”!

Alexandre Cruz

Reformas em tempo de conversão

Pouco crédito deve ser dado a reformas que não implicam mudança de quem as promove, que atingem apenas terceiros. E também àquelas que precisem de muitas lentes mediáticas para as ampliar. Mesmo que assim não pareça, a respectiva sustentabilidade vê-se no tempo, na capacidade que tiverem ou não para oferecer melhores dias, a todos os cidadãos. No interior da Igreja Católica, são de algumas décadas as tentativas de mudanças que proporcionem aos leigos compromisso e iniciativa nos dinamismos sociais onde quer estar presente. O que acontece quando as reformas dão lugar a processos de conversão, porque só estes permitem transformações globais, capazes de suportar modos diferentes de ser e estar em grupo, em comunidade. Para isso é necessário tempo, o suficiente, que oferece durabilidade e implica envolvimentos recíprocos (como é analisado no dossier AE desta semana). Se em causa estiver a organização de sociedades, acrescidas são as razões! A cada passo, nas estruturas nacionais e nas empresariais, as consecutivas reformas aparecem como estandarte de bem-saber-fazer: sejam elas de âmbito burocrático ou estrutural, servem sempre para horas ou dias de propaganda de quem as promove. Sobretudo se são anunciadas e “implementadas”, segundo os tempos mediáticos e não naqueles que deveriam reger a política, o governo das sociedades. Às notícias que as divulgam seguem-se, às vezes, outras menos agradáveis: uma em cada cinco crianças portuguesas encontra-se em risco de pobreza; sms coloca professores em manifestação; protestos contra fecho das urgências; um difuso mal-estar na sociedade portuguesa... Sinais contraditórios na mesma sociedade que podem lançar a suspeita sobre boas intenções reformadoras. Sobretudo quando em causa estão sectores fulcrais da organização de sociedades democráticas. Se há reformas que precisam só de tempo, outras implicam mudanças de procedimentos, de relacionamentos, da cultura do ser estar em sociedade. E isso não se dita através de uma reforma. Só acontece com um processo de conversão. Paulo Rocha

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

A RIA DE AVEIRO PRECISA DO NOSSO APOIO




A ADACE (Associação de Defesa do Ambiente Cacia – Esgueira), em carta assinada por Rosa Maria Pratas Melo, presidente da direcção, enviou-me algumas denúncias sobre o estado de degradação em que se encontra a nossa Ria, candidata às 7 Maravilhas Naturais do Mundo, avançando, contudo, com a ideia de que ela “precisa de ser apoiada e respeitada”.
Diz que há muitas questões de poluição por resolver e que, sob o ponto de vista ambiental, “os sucessivos governos e todos nós temos, certamente, muitos problemas de consciência”.
Depois de outras e pertinentes denúncias, diz que num passeio pela Ria viu “restos de obras, plásticos, entulho de vária ordem, monstros urbanos”, mais “cais escuros degradados e sucata”.
Claro que se fala há muito de tudo isto e que é urgente uma grande campanha de limpeza da nossa laguna, no sentido de a tornar mais apetecida e visitada. A Ria de Aveiro tem imensas potencialidades para figurar entre as Maravilhas Naturais do Mundo, sendo certo que todos temos de colaborar com quem teve a coragem de a candidatar. A Ria, apesar de tudo, merece.

FM
:
NOTA: Fotos enviadas, gentilmente, pela ADACE

As televisões que temos

Há muita coisa boa nas nossas televisões e nos demais ór-gãos de comunicação social. O importante será saber fazer escolhas, deitando para o caixote do lixo o que não presta. Por isso, há que promover a formação, no sentido de todos aprendermos a distinguir o que é de qualidade do que não vale nada. Concordando com o que diz João César das Neves, aqui deixo um naco da sua prosa de hoje no Diário de Notícias.

NOTA: Há dias achei graça a um comentário num blogue. Dizia a dona dele que, face às notícias sem nexo que via, lhe apetecia atirar um tijolo à televisão. A mim também, mas como o aparelho é caro, ainda não tive coragem de o fazer. Mas que a fecho muita vezes, lá isso fecho!

Na Linha Da Utopia

Ao pós-crítica


1. A ideia central, e muito sublinhada, era «um mal-estar difuso», que «alastra e mina a confiança essencial à coesão nacional», podendo-se chegar a «uma crise social de contornos difíceis de prever». Esta foi a linha de pensamento do alerta lançado na semana passada pela Associação para o Desenvolvimento Económico e Social (SEDES). No documento são focados sectores frágeis como a degradação da confiança política, os sinais de crise nos valores, na comunicação social e na justiça, a criminalidade e a insegurança. Este documento deu azo aos comentários mais variados. Na generalidade, carregaram muito mais no pessimismo que continuamente nos derrota que esboçam uma leitura em ordem ao compromisso social de todos na busca das soluções comuns.
2. Naturalmente, todos, pessoas e / ou entidades têm o direito / dever de expressar publicamente como cidadania o seu contentamento ou descontentamento diante da realidade social. O país tem recebido alertas de diversas ordens de pensamento e de diferentes formas de ver e viver a vida em sociedade e as suas crises (neste aspecto lembre-se há anos o fundamentado documento: Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa - “Crise de sociedade, crise de civilização”, 2001). São muitos os pareceres, mas normalmente os que mais sofrem a “crise” vivem-na no silêncio e na luta diária, vendo à noite nas notícias outros que não a vivem, sempre estética e comodamente instalados, a falar dela continuamente. Talvez nestes discursos todos exista um contraditório e um alarmismo mediático que acaba por tocar o “deixa andar”, como se não tivesse sempre dependido e dependesse de todos as soluções (do rigor aos valores humanos e sociais) para os problemas a resolver. Afinal, não são os cidadãos que votam, elegem, levantam, mantêm ou derrubam…?
3. Volta e meia vêm estes alertas. Mas seja dito que eles têm crescido, na proporção do crescimento das desigualdades da sociedade portuguesa. Todavia, não chega só constatar o que vai mal, o carregar nos medos de existir… Na realidade, uma mentalidade pró-activa e dinâmica talvez ofereça a capacidade de criar mais soluções. Depois da crítica de quem muitas vezes vive bem acima da média será preciso passar ao “pós-crítica” e mesmo a uma ordem de justiça redistributiva que se diz não existir. É claro que neste “pós-crítica” estarão os dinamismos situados a cada circunstância. Talvez o eixo esteja na concepção que temos de “política”. No geral, pouco ligamos a não ser na hora de não concordar ou desconfiar. Ainda não descobrimos que todo o cidadão todos os dias é político. Ainda deixamos tudo andar, até… De certeza que com uma cultura activa e mais participativa de todos os cidadãos hoje estaríamos, pelo menos, um pouco mais acima…


Alexandre Cruz

domingo, 24 de fevereiro de 2008

Almoço/Debate com o Dr. José Roquette

No Seminário de Aveiro, 26 de Fevereiro, às 12.30 horas

ÉTICA E RESPONSABILIDADE
SOCIAL NAS EMPRESAS

Por iniciativa da ACEGE - Associação Cristã de Empresários e Gestores, vai ter lugar no Seminário de Santa Joana Princesa, em Aveiro, no próximo dia 26 de Fevereiro, terça-feira, pelas 12.30 horas, um almoço/debate com o Dr. José Roquette, que falará sobre ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS.
Este encontro será, igualmente, a oportunidade para retomar a actividade regular da ACEGE em Aveiro através de um conjunto de palestras mensais sobre os temas relacionados com a vida, por vezes difícil, daqueles que procuram viver a empresa com responsabilidade e valores.

Pobreza em Portugal





Há muito se sabe da pobreza em Portugal. Os números elevados dos que passam fome ou vivem em situações degradantes são divulgados de vez em quando. Agora sublinha-se que “Portugal é um dos oito países da União Europeia onde se registam os níveis mais elevados de pobreza nas crianças.” Não haverá forma de resolver o problema? As políticas não poderiam pôr na agenda esse tema como PRIORITÁRIO?

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS - 66

Seca do bacalhau antiga (clicar para ampliar)

AGENTES DE EDUCAÇÃO: O MESTRE-ESCOLA

Caríssima/o:

Vamos hoje encontrar uma figura impagável e inapagável da nossa memória colectiva. Ler o P. João Vieira Resende é um refrescar dessa mesma memória que se quer sempre viva e interpelante. Os [] indicam-nos as páginas da Monografia onde se encontram estas imagens:

«Antes que chegassem, porém, os pioneiros da instrução, ou fosse o professor primário, ou fosse o capelão permanente, depois pároco da Gafanha, como viviam estes povos, isolados do convívio social, entregues à crítica situação de primários, aos seus instintos semi-bárbaros? [207]
Viviam no seu deserto, na mais completa rudez; se quiseram afinar as suas almas e levantar-se ao nível de homens civilizados, viram-se na dura necessidade de desdobrar as suas energias, gastas nas lides de remexer as areias, num outro plano, todo de formação espiritual e de sacrifícios, o qual consistia em reservar uma parte da noite para aprender o abc, que um mestre improvisado insuficientemente lhes ia ensinando. Pouco avançavam com uma instrução tão rudimentar e subministrada a conta-gotas por um ou outro mestre particular. Mas que podia ele fazer sem método, em noites de inverno, à luz mortiça da candeia, em uma espécie de sala incómoda, onde penetrava o vento e caía a chuva? Ainda assim, lá se iam desbravando aqueles cérebros broncos, fechados às claridades da instrução.
Conhecemos na Encarnação o senhor mestre Manuel das Neves que ensinou, com certo gosto e proficiência, algumas dezenas de rapazes a ler, escrever e contar. Ainda existem alguns homens que lhe devem o pouco que sabem.
Este tinha sido precedido por outro mestre, o João Gramata, irmão da Joana Maluca.
Na Cale da Vila também a mocidade aprendia com Domingos Fernandes Caleiro.
O povo respeitava-os muito, e por isso os tratava com muita deferência, chamando-lhe o “Senhor Mestre”.
E antes destes, quantos! Devemos, pois, render preito a estes homens, a estes “Senhores Mestres” pelo amor que tiveram à instrução e pelo muito bem que fizeram.
Em tão rudimentares escolas eram sempre muito poucos os que alguma coisa aprendiam e inúmeros os que não passavam do soletrar, pois que os frequentadores delas eram, em geral, homens já feitos que pouco ou nada aproveitaram.
Cansados pelos trabalhos do dia, como poderiam aplicar-se convenientemente ao estudo, a cair de sono e com mestres inaptos?!
Mestres e discípulos, ainda que animados de muito boa vontade, deixavam sempre uma obra incompleta, ficando muito limitado o número dos que mal sabiam ler e pior assinar o seu nome.»[208]

Aqui fica a minha modesta mas sincera homenagem, o meu “preito a estes homens, a estes 'Senhores Mestres', pelo amor que tiveram à instrução e pelo muito bem que fizeram”!
Que este “AMOR” e este “BEM” iluminem ainda hoje as nossas Escolas!

Manuel

Na Linha Da Utopia



Património de Aveiro no Moliceiro

1. (Aceitámos o repto lançado...) Há breves dias ocorreu mais uma oportuníssima tertúlia promovida pela Associação dos Antigos Alunos da Universidade de Aveiro (http://www.aaaua.ua.pt/), entidade atenta na dinâmica da mobilização nas mais variadas áreas de iniciativa, sempre aberta à comunidade em geral tendo como especial referência os antigos alunos da academia aveirense. O local destas iniciativas de periodicidade (sensivelmente) mensal é o Hotel Moliceiro. Um espaço ex-libris da cidade que, numa visão de “hotel como cultura”, acolhe esta habitual linha programática de reflexão e debate sobre assuntos que dizem respeito a todos os cidadãos, quer da cidade e região quer da “aldeia” do mundo actual. Desta vez o tema era «o património aveirense»; e que melhor local para o acolher que um (Hotel) Moliceiro!...
2. Sempre que esta reflexão vem à ribalta juntam-se muitas vozes de zelo cuidadoso a par dos sentimentos de ansiedade sobre o que vai ficando por cuidar. Passado, presente e futuro entrecruzam-se neste reconhecimento admirável aos que “deram a vida” (e em que lutas!) por um património aveirense mais preservado e amado. Mas também se reconhece a continuada carência de elos de ligação potenciadores de uma comunidade que viva, conheça, estude, aprecie e se identifique com o seu património cultural. Dos canais (sempre adiados) da Ria de Aveiro, aos canais das comunicações articuladas e programáticas entre todos os “agentes” ainda paira “ruído” no ar, não chegando um cómodo dizer-se que “estamos disponíveis” como se o futuro se fizesse de uma simples “boa vontade” sem o agarrar determinado dos processos de forma concreta, parceira e objectiva.
3. Até quando as causas do património terão de ser uma “luta”? Não corresponderá ele ao que de melhor temos para viver com qualidade e partilhar com quem nos visita? A história dos que edificaram no tempo entidades como a ADERAV (Associação para o Estudo e Defesa do Património Natural e Cultural da Região de Aveiro: http://www.aderav.com.sapo.pt/) mostra-nos que a determinação do “agarrar” a causa salvou Aveiro de “cegueiras” contra o património. Os esforços contemporâneos também são muitos. Alguns, seja sublinhado, como a Rota da Luz, surgem mesmo como plataforma de visibilidade nunca vista para Aveiro. Mas, cá dentro, numa mesma “mesa”, a “rede” poderá despertar as 1001 potencialidades… O primeiro passo é sempre o querer, valorizando o essencial que une a região e suas gentes. Embarcar num mesmo “moliceiro visionário” pode multiplicar caminhos e rentabilizar estratégias. Ninguém que pense a cultura, que “tenha” património e que ame a região pode ficar de fora (do que é público, da sociedade civil ao religioso ou privado). E podem uns ovos-moles ajudar a criar pontes!...
4. Agora só pessoalmente: das coisas que lançam grande interpelação é o facto de em Portugal existirem muitas redes de turismo espanholas a organizar os nossos roteiros do património regional / nacional… Sem palavras, pena. Claro, a nossa menor visão ou o desentendimento são (lhes) um presente caído do céu! (E depois, em Portugal, falta-nos a auto-estima!...)

Alexandre Cruz

sábado, 23 de fevereiro de 2008

A fome de peixe

Clicar na imagem para ampliar

Será que alguém duvida da esperteza das aves marinhas? Elas sabem que a traineira leva peixe e do bom. E como a fome aperta...

Museu de Ílhavo no PÚBLICO de hoje



Na pesca do bacalhau

Inaugurado em 1937, o museu situa-se desde 2001 em novas e modernas instalações, desenhadas pelos arquitectos Nuno e José Mateus. Dedica boa parte do seu espaço à relação dos habitantes locais com a água. Duas exposições permanentes evocam dois dos eixos centrais desse tema: a pesca do bacalhau nas águas da Terra Nova (em lugres à vela, de madeira, servindo de base a flotilhas de dóris a remos, tripulados por um só homem) e a faina da ria de Aveiro (pesca e apanha do moliço). Um pólo exterior do museu acolhe o antigo arrastão Santo André, lançado à água em 1948 e que correspondeu à fase seguinte da pesca ao bacalhau, já mecanizada. Este navio-museu inaugurado em Janeiro de 2007 vale bem uma visita: podem ver-se a casa das máquinas, a cozinha e refeitório, os camarotes e até o grande porão do bacalhau.

Museu Marítimo de Ílhavo, Av. Dr. Rocha Madail, Tel. 234 329990
:
Fonte: PÚBLICO de hoje

GUILHERME D’OLIVEIRA MARTINS

Não é todos os dias que encontramos homens íntegros no exercí-cio de funções relevantes e mesmo na vida de todos os dias. Sei que os há. Mas na política, área mais visível, embora haja pessoas respeitáveis, são mais, na minha opinião, as que agora dizem uma coisa e amanhã o seu contrário.
Guilherme d’Oliveira Martins é uma personalidade polivalente e multifacetada. É socialista, escritor, foi ministro dos Governos de António Guterres e deputado, é docente universitário, confe-rencista, militante católico, presidente da Centro Nacional de Cultura e Presidenta do Tribunal de Contas.
Fala sobre literatura, história, direito, filosofia, política, arte e religião, entre outros assuntos, sempre com elevação. Já Eduardo Prado Coelho, que o admirava, sublinhava a sua cultura global. Quando foi nomeado para o Tribunal de Contas, logo surgiram vozes de protesto pelo facto de ele ser socialista. Que iria pactuar com o Governo, era o mínimo que dele se esperava. Mas esses arautos da desgraça, que vêem nos outros aquilo que são, enganaram-se.
Guilherme d’Oliveira Martins, como pessoa honesta, não perdeu tempo com esses críticos. E uma vez no Tribunal, começou a exercer as suas funções com a independência que o caracteriza. Na sequência de outras decisões, em que reprovou contas do Governo de José Sócrates, também o Tribunal a que preside não deu luz verde a um empréstimo que a Câmara Municipal de Lisboa queria contrair para pagar dívidas. Choveram os protestos. Mas Guilherme d’Oliveira Martins já respondeu que se limitava a cumprir a lei. E disse mais: se não concordam com ela, os legisladores que a alterem.

FM

Fiquei tranquilo no mar



Deixei a floresta de cimento
que me incomodava
e fugi para o mar
que ali perto bramia
e me desafiava
com seu rugido
cadenciado

Senti que o frio do cimento se foi
paulatinamente

Veio então o calor das águas revoltas
que batiam forte
contra as pedras sofredoras

E com o bater do mar e o sofrer das pedras
fiquei tranquilo
e feliz
a ver passar o tempo

Fernando Martins

SOMOS LIVRES? DETERMINISMO E LIBERDADE


Esta é a pergunta decisiva. De facto, se não somos livres, o que se chama dignidade humana pode ser uma convenção, mas não tem fundamento real.
Mas quem nunca foi assaltado pela pergunta: a minha vida teria podido ser diferente? Para sabê-lo cientificamente, seria preciso o que não é possível: repetir a vida exactamente nas mesmas circunstâncias. Só assim se verificaria se as "escolhas" se repetiam nos mesmos termos ou não.
Não há dúvida de que a liberdade humana é condicionada. Mas ela existe ou é uma ilusão? Não vêm agora neurocientistas dizer que, mediante dados da tomografia de emissão de positrões e da ressonância magnética nuclear funcional, se mostra que afinal as nossas decisões são dirigidas por processos neuronais inconscientes?
De qualquer modo, em 2004, destacados neurocientistas também tornaram público um "Manifesto sobre o presente e o futuro da investigação do cérebro" - cito Hans Küng, no seu Der Anfang aller Dinge (O princípio de todas as coisas) -, revelando-se prudentes no que toca às "grandes perguntas": "Como surgem a consciência e a vivência do eu?
Como se entrelaçam a acção racional e a acção emocional? Que valor se deve conceder à ideia de 'livre arbítrio'? Colocar já hoje as grandes perguntas das neurociências é legítimo, mas pensar que terão resposta nos próximos dez anos é muito pouco realista." É preciso continuar as investigações, no sentido de perceber o nexo entre a mente e o cérebro. "Mas nenhum progresso terminará num triunfo do reducionismo neuronal. Mesmo que alguma vez chegássemos a explicar a totalidade dos processos neuronais subjacentes à simpatia que o ser humano pode sentir pelos seus congéneres, ao seu enamoramento e à sua responsabilidade moral, a autonomia da 'perspectiva interna' permaneceria intacta. Pois também uma fuga de Bach não perde nada do seu fascínio, quando se compreende com exactidão como está construída."
A liberdade não é desvinculável da experiência subjectiva, da "perspectiva interna". Essa experiência é transcendental, no sentido de que se afirma até na sua negação. De facto, se tudo se movesse no quadro do determinismo total, como surgiria o debate sobre a liberdade?
Essa experiência coloca-se concretamente no campo da moral e da responsabilidade. Neste contexto, há um célebre exercício mental de Kant na Crítica da Razão Prática, que é elucidativo e obriga a pensar. Suponhamos que alguém, sob pena de morte imediata, se vê confrontado com a ordem de levantar um falso testemunho contra uma pessoa que sabe ser inocente. Nessas circunstâncias e por muito grande que seja o seu amor à vida, pensará que é possível resistir. "Talvez não se atreva a assegurar que assim faria, no caso de isso realmente acontecer; mas não terá outro remédio senão aceitar sem hesitações que tem essa possibilidade." Existem as duas possibilidades: resistir ou não. "Julga, portanto, que é capaz de fazer algo, pois é consciente de que deve moralmente fazê-lo e, desse modo, descobre em si a liberdade que, sem a lei moral, lhe teria passado despercebida."
O que confunde frequentemente o debate é a falta de esclarecimento quanto ao que é realmente a liberdade. Ela é a não submissão à necessidade coactiva, externa e interna, mas não pode, por outro lado, ser confundida com a arbitrariedade e a pura espontaneidade - não implica a espontaneidade a necessidade?
A liberdade radica na experiência originária do Homem como dom para si mesmo.
Paradoxalmente, é na abertura a tudo, portanto, no horizonte da totalidade do ser, que ele vem a si mesmo como eu único e senhor de si. Então, agir livremente é a capacidade de erguer-se acima dos próprios interesses, para pôr-se no lugar do outro e agir racionalmente.
É preciso distinguir entre causas e razões. Quando se age sob uma causalidade constringente, não há liberdade. Ser livre é propor-se ideais, deliberar e agir segundo razões e argumentos, impondo limites aos impulsos, inclinações e desejos, o que mostra que o Homem pode ser senhor dos seus actos e, assim, responsável, isto é, responder por eles.

Anselmo Borges
Clicar para ampliar


A Conversa Aberta do Fórum::UniverSal vai ter como convidado o antigo Presidente da Assembleia da República, Barbosa de Melo. O tema, "Os (esc)olhos da Justiça, é por demais oportuno. Será no CUFC, no dia 5 de Março, pelas 21 horas. A entrada é livre.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Descontentamento social

Os escândalos recentes, provocados pela crise do BCP, os altos salários de alguns gestores, privados e estatais, a corrupção, as reformas promovidas pelo Governo sem explicações credíveis e claras para que o povo as entenda, a arrogância de alguns ministros que falam do alto da sua cátedra sem ouvirem quem quer que seja, as cumplicidades e os negócios entre dirigentes partidários e a alta finança, bem como a última entrevista do primeiro-ministro, José Sócrates, em que mostrou desconhecer o país real, tudo isto tem gerado grandes perplexidades na sociedade portuguesa. Sente-se, claramente, que o povo está descontente. Tanto o que trabalha como o que se encontra na situação de aposentação ou reforma. É indiscutível a tristeza que tolda os olhares de quem tem de viver a contar os míseros euros que tem no bolso, para conseguir chegar ao fim do mês sem grandes dívidas, quando se sabe que uma minoria (sempre a crescer, diga-se de passagem) tem muitos milhares ou milhões à discrição. Sem aumentos salariais de acordo com a inflação, os trabalhadores e aposentados confrontam-se, no dia-a-dia, com a subida incontrolável dos preços. Desemprego e precariedade no trabalho assustadores. A vida do cidadão comum degrada-se a olhos vistos. Medicamentos e alimentação caríssimos e dívidas à banca com juros e encargos sempre em alta são razões constantes de inquietação, neste país em que os ricos são cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres. O 25 de Abril veio para que houvesse mais democracia e mais justiça social. Mas a injustiça social, afinal, continua a conspurcar a nossa democracia. Há um milhão de portugueses com fome. Outros tantos em pobreza extrema. A SEDES veio hoje com um conjunto de denúncias (ver texto mais abaixo) muito pertinentes. Quem as assina são especialistas na matéria. Oxalá os nossos políticos as analisem e passem à acção, para se evitarem conflitos sociais de contornos imprevisíveis. Há dias houve quem sugerisse um Movimento de Indignação, fundamentalmente para o povo mostrar o seu estado de descontentamento e revolta. Agora veio a SEDES. O que virá a seguir? FM

Na biblioteca de Egas Moniz

Dedicada ao médico e investigador científico que con-quistou o primeiro Prémio Nobel para Portugal pelas suas pesquisas na área das funções cerebrais, (Me-dicina, em 1949), esta casa-museu, nos arredores de Estarreja [Avanca], reúne espólio diverso, incluindo o gabinete onde o cientista habitualmente trabalhava. A biblioteca, objectos pessoais e a zona residencial da moradia completam o espaço visitável.

NOTA: Esta é mais uma sugestão do PÚBLICO. Na página dois, do P2, num cantinho, à esquerda, vem sempre uma proposta a ter em conta. Aqui a deixo, para que os meus leitores, se puderem, passem pela Casa do Marinheiro, em Avanca.

SEDES alerta: crise social de contornos imprevisíveis à vista

A SEDES (Associação para o Desenvolvimento Económico e Social) tornou público uma TOMADA DE POSIÇÃO em que alerta os poderes instituídos e a sociedade em geral para “um mal-estar difuso, que alastra e mina a confiança essencial à coesão nacional”. A dado passo, denuncia que “O mal-estar e a degradação da confiança, a espiral descendente em que o regime parece ter mergulhado, têm como consequência inevitável o seu bloqueamento. E se essa espiral descendente continuar, emergirá, mais cedo ou mais tarde, uma crise social de contornos difíceis de prever”. Lembra a degradação da confiança no sistema político e diz que vivemos num ambiente sem valores, onde medra a corrupção, um cancro que corrói a sociedade e que a justiça não alcança, com a colaboração de alguma comunicação social sensacionalista e de uma justiça ineficaz. A SEDES conclui a sua Tomada de Posição, sublinhando: “A regeneração é necessária e tem de começar nos próprios partidos políticos, fulcro de um regime democrático representativo. Abrir-se à sociedade, promover princípios éticos de decência na vida política e na sociedade em geral, desenvolver processos de selecção que permitam atrair competências e afastar oportunismos, são parte essencial da necessária regeneração”.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Tribunal Administrativo e Fiscal no Convento das Carmelitas


Alvitra-se a hipótese de o Tribunal Administrativo e Fiscal ficar instalado no antigo Convento das Carmelitas, em Aveiro, a título provisório. Tenho pena que não seja estudada a forma de aproveitar aquele espaço para fins culturais, preferencialmente sob responsabilidade da Igreja Católica. Penso que essa seria a melhor solução. Mas como os políticos é que sabem...

Madeirenses não querem independência

Um trabalho da Eurosondagem para a Renascença, SIC e Ex-presso sublinha que os madeirenses não querem ser independentes. A sondagem diz ainda que os madeirenses não acreditam em discursos de políticos que apelam ao separatismo. Aliás, os resultados são claros, pois 72,2% dizem "não" à independência da Região Autónoma da Madeira. Pode ser que agora alguns espertos calem as ameaças.

Aveiro: cidade vista de outros ângulos





O Centro Cultural e de Congressos, domina, de certa forma, um bom espaço turístico da cidade dos canais. O excelente aproveitamento de uma antiga fábrica de cerâmica, a "Jerónimo Pereira Campos & Filhos", que marcou uma época de exploração intensiva do barro, dando trabalho, directa e indirectamente, a centenas de pessoas, mereceu esta reforma, agora de braço dado com a cultura. Se vier a Aveiro, e se pelo Centro Cultural passar, não deixe de entrar. É que há sempre que ver e que admirar.

Medidas oficiais sobre famílias de acolhimento a crianças

As intenções são de atender, visto que se trata de proporcionar um clima familiar a crianças sem família, capaz de as educar e defender, aproximando a solução dos problemas a quem os possa compreender.
Reflectindo sobre o problema das famílias de acolhimento, com intuitos do bem de pessoas indefesas, não faltam razões para o fazer com cuidado e serenidade. Nem sempre as boas intenções, ainda que justificadas, são caminho para bons resultados.
De repente, parece que os responsáveis políticos acordaram para a importância da família como primeira e natural escola de educação dos seus filhos. Então se decidiu que, onde família não existe, a criança tem direito a uma família, que, não sendo a de sangue, é contratada, com obrigações e restrições legais, para a acolher, com a preocupação de ser, o melhor possível, uma família “faz de conta”.
No fundo, parece dever ser uma família contratada pelo Estado, sob vigilância técnica, para acolher e guardar, que, se em alguns casos até pode resultar, todo o entrelaçado da solução não faz prever grandes resultados. Bastarão as estatísticas, que dirão daqui a meses dados numéricos, porque o mais importante é indizível; então saberemos que há tantas crianças acolhidas, menos tantas crianças em instituições, tantas já entregues à família de sangue, e por aí adiante. Não consigo ver o amor e o clima propício à educação de crianças indefesas, um objecto de contrato entre instâncias oficiais e famílias, sujeitas a vigilância e controle, que não se podem afeiçoar, porque também não poderão adoptar as crianças que lhes são entregues. Vão repetir-se os casos que têm enchido os jornais e os telejornais. Se não podem afeiçoar-se, como as poderão educar?
Se não as podem educar, segundo exigências normais, requeridas pelo clima educativo, porque lhas entrega o Estado? Será apenas um modo de dar trabalho e diminuir assim a taxa do desemprego? As crianças são pessoas, não são coisas. Todos o sabemos.
Pouco ou nada se faz para dignificar a família normal. Muito se permite e favorece para que ela nasça sem consistência e perca a pouca que ainda pode ter, por razões triviais. O Estado, com a facilitação do divórcio e a banalização do sexo, com medidas políticas e sociais avulsas, umas deficientes e outras discutíveis, mas todas a tocar a vida familiar por dentro, tem vindo, consciente ou inconscientemente, a destruir a família normal e a torná-la, em muitos casos, família sem a alegria de o ser e incapaz de o vir a ser.
Há em Portugal instituições sérias e credenciadas, e até inovadoras no campo educativo, por mais que custe a alguns técnicos sociais admiti-lo, que têm mostrado e continuam a mostrar a sua grande capacidade, humana e afectiva, de doação gratuita e de entrega incondicional a crianças que lhes foram entregues, muitas apanhadas na rua onde foram abandonadas, deixando atrás de si mistérios de dor indizíveis. Ao longo de muitos anos foram dando consistência a um labor educativo persistente, como o de uma maternidade afectiva indiscutível, nem sempre fácil, entregando, por fim, à sociedade jovens responsáveis e preparados para nela viverem, com capacidade de participação, que falta a muitos outros, nascidos em berços dourados. A generalização de que as instituições são sempre negativas para as crianças, comporta uma mentira e um preconceito, não admissíveis a gente que trabalha no campo social do Estado e julga que um diploma a credencia para dizer disparates e ter atitudes de arrogância, que roçam a ignorância, a má educação e mesmo a injustiça.
A consideração de problema tão grave, como o de crianças em famílias de acolhimento e em instituições, exige trabalho em rede e parceria, discernimento com conteúdos e critérios, ideias claras e valores a defender e a promover, realismo sem preconceitos. O Estado, é minha convicção, não tem coração para educar, e os seus servidores têm horários de funcionário público, que não existem na família, nem nas instituições credenciadas. Ele tem de saber as suas limitações e obrigações, ver o seu lugar neste processo, que nunca será de dono das crianças, de saber absoluto e exclusivo, de decisor sem apelo do que pensa, por si, ser o melhor, de juiz das famílias que geraram filhos, de intérprete exclusivo de crianças que não ama.

António Marcelino

Na Linha Da Utopia

Lorosae!

1. Na terra de Timor Lorosae José Ramos-Horta desperta do pesadelo de 11 de Fevereiro. O pó vai acalmando, nem que seja pelo decretar vigilante do “estado de emergência” do governo timorense, agora solicitado como prolongamento para mais 30 dias. A mulher de Xanana Gusmão foi com os filhos agradecer à GNR. É confirmado, pela investigação minuciosa da Missão das Nações Unidas no território, se é que dúvidas existissem, que os dois ataques «estavam relacionados, foram feitos pelo mesmo grupo». Ramos-Horta, gravemente ferido e resgatado pela GNR, foi evacuado para o vizinho Royal Hospital de Darwin. Xanana conseguiu fugir. O rebelde Alfredo Reinado, líder dos ex-militares revoltosos, foi morto no dia dos acontecimentos. Mas, terá sido morta a raiz de todos os problemas desta jovem nação?
2. É difícil falar de Timor. Se o é para quem lá esteve anos e calcorreou as montanhas, muito mais o é para quem não pisou esse chão do sol nascente. Não é só o problema da distância física, dos milhares de quilómetros que nos separam, é bem mais o lugar que Timor ocupa no coração dos portugueses. Por muitas razões da história passada e pelas contínuas pontes de todos os dias com Timor, terra independente desde 2002. Talvez, como se diz, seja mesmo necessário colocar “o coração ao largo” para ver com olhos de ver o que acontece. Timor é (mesmo) dos timorenses. Será que todos os timorenses já se aperceberam disto no esforçado trabalho a realizar todos os dias? Todas as solidariedades não podem substituir todas as responsabilidades. Aliando-se a cooperação do “ensinar a pescar”, será mesmo necessário voltar a pergunta (na teoria, que seja) para o povo de Timor: “Que querem os timorenses de Timor?” (É fácil escrever esta questão, e sabemos do seu simplismo de quem está deste lado do mundo… Mas, por que lado envolver e comprometer?!)
3. Após a independência, como depois de todas as independências seja de que género for, os anos seguintes são decisivos. É o tempo da consolidação e da estruturação das instituições participativas e democráticas. Em Abril-Junho de 2006 ocorreu uma enorme vaga de violência, verificando-se o aprofundar de incompatibilidades de grupos que pensam de forma diferente sobre vários assuntos. Estes ataques de Fevereiro de 2008, diante de problemas sociais em que todas as instâncias e cidadãos têm de ser parte das soluções de forma democrática, acabam por demonstrar que o objectivo era derrubar os poderes presidenciais e governativos… Nestas conjunturas, e diante do incerto futuro, “ter pena” de Timor também não ajuda nada (pelo contrário é não aceitar corajosamente que Timor é dos timorenses). Talvez, simbolicamente, nesta “entrega de Timor aos cidadãos de Timor”, na busca de soluções (sem ociosidade e) pelo trabalho concreto de todos os dias possa residir uma chave do futuro. Mas, o que é SER cidadão e TER o poder em Timor?
4. Custa a compreender, pese embora todas as naturais formas diferentes de pensar sobre isto ou aquilo, que já quase tenha sido perdida a memória colectiva como coesão das lutas pela independência. Ou esta terá sido mais pela emoção e nem tanto com a razão e o compromisso de todos?! Muitos timorenses estão em Portugal nas suas formações pessoais e profissionais. Diante da apreensão do necessário regresso irá também na bagagem a confiança para construir um país Timor onde o sol da paz e do desenvolvimento brilhem cada dia. (Quanto a nós, sabemos que tudo o que dissemos não é nada comparado com a complexa realidade a trans-formar…)

Alexandre Cruz

O paraíso de Fidel Castro

"Mas, em vez dessa felicidade que a propaganda vendia a rodos, em vez desse povo em festa permanente nas ruas, imagem de cartaz e de postal, encontrei miséria em todos os cantos e recantos da Ilha. Miséria disfarçada e escondida numa paz podre feita de policias que controlavam policias e outros policias para controlar os restantes. Miséria descarada nos racionamentos, nos professores universitários que acumulavam empregos para poder comprar um frango. Miséria humilhada na prostituição dentro dos hotéis e à porta das “lojas de turistas”. Miséria travestida de artesanato barato, charutos aldrabados e “paisagem típica” que não passava de degradação e sujidade."
Férias de Pedro Rolo Duarte em Cuba

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

GAFANHA DA NAZARÉ: Centro de Estágio




Fotos da zona do futuro Centro de Estágio


A Câmara de Ílhavo vai avançar com um centro de estágio, concretamente, na zona do Complexo Desportivo da Gafanha da Nazaré. A ideia nasceu com a finalidade de aproveitar as estruturas já existentes naquele espaço, em especial o campo de futebol e a piscina. Depois, surgirá um pavilhão, um edifício de acolhimento e um outro de restauração e bar, segundo o PÚBLICO de hoje.

RIA DE AVEIRO: Candidata às Sete Maravilhas Naturais do Mundo



A RIA DE AVEIRO é candidata às Sete Maravilhas Naturais do Mundo. Além da nossa RIA, de Portugal também concorrem o Parque Nacional Peneda-Gerês, o Douro Vinhateiro e as Ilhas Selvagens.
Para votar na RIA DE AVEIRO, tem aqui o endereço: http://www.new7wonders.com/nature/en/nominees/europe/c/RiadeAveiro/
Não se esqueça de votar.

O Carnaval do Inverno

Em tempos idos fomos descobridores, inovadores e construtivos, gente que ensinou a outros novos caminhos de vida. Agora, não pouco se passa de copiadores acríticos nas mãos de publicitários interesseiros, que encontram com facilidade quem lhes faça a vontade e sirva os seus projectos. Na Mealhada, em Estarreja ou em Ovar, em Torres Vedras, em Sintra ou em Loulé, o Carnaval de Inverno não passa de uma imitação paupérrima do Carnaval do Verão, no Rio ou noutras cidades do Brasil. Chova ou faça neve, o que atrai gente são as meninas descascadas, as piadas brejeiras, o clima de “vale tudo porque é Entrudo”. Quanto recordo a alegria sã das nossas aldeias, os entremezes e um teatro popular que divertia, barato e sem apetências de exploração e ganhos... Porque o móbil verdadeiro não é o povo, então, para recuperar encargos e ganhos, se o tempo de chuva não o permitiu, prolonga-se o Carnaval na Quaresma, apagando ou menosprezando dados que enriqueceram e deixaram marcas culturais profundas. Há tempo para tudo, sem atropelar nem desrespeitar cada tempo. No campo lúdico, o futuro não promete ser melhor. Já vemos como os jovens, que terminaram cursos superiores, que o país lhes pagou, a não ter mais imaginação para celebrar a sua festa de fim de curso, que a generosidade das cervejeiras, com o consequente espectáculo de bebedeiras que levam dezenas aos hospitais, bem como um programado clima permissivo que despoleta desgraças que vão destruindo a gente nova. Diz-nos um estudo-sondagem recente, feito em Coimbra, que 30% das jovens universitárias estão contagiadas com HIV. Não há efeitos sem causas. António Marcelino
:
Fonte CV

Jacinta esperada em Aveiro, em Maio



A tournée nacional de «Convexo», o mais recente trabalho discográfico de Jacinta, já tem data marcada. Durante os próximos três meses, a cantora vai percorrer as salas do país a cantar Zeca Afonso. Por cá, espera-se uma passagem pelo Teatro Aveirense, no dia 11 de Maio, num concerto que ainda não está confirmado.
Fonte: Em Aveiro

Na Linha Da Utopia


Cuba livre?

1. A pergunta provoca e interpela mas corresponde ao desígnio humano que se situa bem acima desta ou daquela “parcela” político-ideológica. A resposta nunca pode ser dada no entusiasmo, precisa de tempo, mas, simultaneamente, nada será como dantes. Fidel vinha de um tempo e, no contrapeso das políticas e tendo sempre um alvo (americano) a abater, cristalizou nesse tempo, puxando os galões do que melhor conseguia para se afirmar diante desse “inimigo”. O testemunho passa para o irmão. Um continuador esforçado que resistirá até poder, num mundo global em que, quer se queira quer não, para o bem ou para o mal, as forças da comunicação vão abrindo os livres caminhos do futuro.
2. Claro que ao dizermos no título «Cuba livre?» não nos pretendemos referir a uma liberdade qualquer, onde muitos dos liberalismos sem fronteiras proporcionam as maiores injustiças e indignidades. Falamos da liberdade humana, de pensar, sentir, falar, agir, em todas as concepções de ler a vida e as sociedades humanas. Nesta liberdade que salientamos, a meta final só se cumprirá quando houver liberdade de expressão para a multidão de “presos” políticos (do regime cubano). A “entrega” do poder do líder cubano, não representando tudo significa “alguma coisa”, e, na maturidade de dignidade humana, todos aqueles que alguma vez foram vítimas de alguma limitação da sua liberdade deverão estar esperançados no futuro próximo.
3. Volta e meia, na menoridade humana da “adoração” dos sistemas sócio-políticos, as liberdades vão sendo “cortadas”, ora de um lado, de outro ou mesmo do “vazio”. Para aqueles a quem a referência fundamental é a dignidade da pessoa humana, sempre que se vislumbram as portas da liberdade de expressão será dia novo, mas ainda maior na responsabilidade. Quantos domínios ditadores dos povos, após a conquista da liberdade, dão lugar a desgraças maiores. A história já tem lições que chegue para embandeirar em arco com o que quer que seja. Só quando a liberdade (de expressão) humana se encontrar com a responsabilidade cuidadosa na promoção da dignidade humana/social e da procura da Verdade, então poderemos descansar.
4. O caminho (ainda) é muito longo. De Cuba e das “cubas” fechadas (à integralidade da pessoa humana em sociedade) que existem e persistem pelo mundo fora. Também continua longo para o exacerbado modo de viver de muito do liberalismo consumista ocidental. Por vezes, parece que, na aventura humana, estamos sempre no princípio. Afinal, sejam os “princípios” dignificantes a base de todas as desejadas liberdades! Só aí (re)pousaremos em paz.

Alexandre Cruz

Fidel Castro não será absolvido pela História




Quando Fidel Castro tomou o poder em Cuba, em 1959, o Presidente americano era o general Dwight Eisenhower. Essa coincidência com um personagem que a memória comum remete para tempos tão antigos - anteriores até a John Kennedy... - basta para mostrar, só por ela, quanto Fidel demorou no poder mais do que devia.
Há um mês, enfraquecido pela doença, o líder cubano resignava-se a não poder participar muito na vida política: "Faço o que posso: escrevo." Fazia o que não permitiu durante décadas a muitos dos seus concidadãos. Só num julgamento em 4 de Abril de 2003, foram condenados 34 escritores, jornalistas e livreiros a vários anos de prisão.
O balanço factual do meio século da sua liderança - do descalabro da economia denunciado pelos adversários aos sucessos na saúde e educação propagados pelo regime - far-se-á quando os dados forem fidedignos e não só forjados pelo Governo cubano.
Mas sobre uma realidade já se pode dar a sentença: a História não absolverá Fidel, o liberticida. Os cubanos não podem falar nem escrever o que pensam e não podem partir para onde querem - isto é, podem tentar, mas com risco da sua liberdade. Em 1953, quando o rebelde Fidel foi julgado por atacar o quartel Moncada, o tribunal do ditador Fulgêncio Batista permitiu-lhe o célebre discurso La História me Absolverá - teve tempo de dizer um texto de 150 mil caracteres, o equivalente a um livro médio. No julgamento dos escritores que acima se refere, num tribunal de Fidel, não houve discursos. E foi à porta fechada.
NOTA: Qualquer ditadura, tanto de esquerda como de direita, será sempre de condenar. A de Fidel também. Não está em causa a legitimidade revolucionária de pôr fim a uma ditadura de direita, a de Fulgêncio Baptista, tanto mais que ela era subjugada pelo capitalismo americano, com prejuízo para o povo cubano. Mas se isso é legítimo, à luz da justiça social e do respeito pelos direitos dos oprimidos, já não será correcto manter um regime que se tornou opressor, como tem sido o regime de Fidel. Ali, na ilha que muitos consideram um paraíso na terra, onde todos são tratados, supostamente, como iguais, não há liberdades elementares, ao jeito do que estamos habituados. Povo sem liberdade de expressão e de acção não pode ser um povo feliz. A não ser que desconheça o que é a vida fora da sua ilha.
Sei que nas sociedades ocidentais, onde há liberdades, nem sempre, também, vivemos felizes. Há uns que tudo dominam e tudo têm, quantas vezes à custa da exploração do povo trabalhador. De qualquer forma, aqui podemos protestar e lutar, pelas vias democráticas, reivindicando o que é de direito. Mas em Cuba, quem ousar protestar, já sabe o que o espera. As cadeias têm estado cheias de presos políticos. Pode ser que a situação mude agora. Haja esperança!
FM

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

"Porto de Aveiro – Entre a Terra e o Mar"

Inês Amorim

Farol da Barra de Aveiro


«A história do Porto de Aveiro é, do meu ponto de vista, a história da manutenção da barra – que é um processo difícil de se fazer. Desde 1808, a barra manteve-se no local em que se encontra actualmente, mas a partir das obras de abertura, desenvolveu-se um outro processo para tentar manter esta barra e corrigir alguns aspectos que não foram conseguidos, porque o processo de assoreamento continuou a existir», argumenta a investigadora. «É um processo muito rico, do ponto de vista das relações entre os poderes locais, a população local e os interesses nacionais. Por isso, a história da barra é uma história muito dinâmica», defende Inês Amorim.
Após as investigações realizadas, Inês Amorim garante que a abertura da barra teve «um impacte felicíssimo. Os seis anos, de 1802 a 1808, foram tempos duríssimos e, ao mesmo tempo, períodos de paixões, em que as pessoas ora adoravam o engenheiro responsável pela obra, ora o ameaçavam, porque não se podia fazer sal, nem produzir pão, nem navegar. Não se podia fazer praticamente nada». A autora do livro classifica aquela época como «terrível», cheia de dificuldades, mas ao mesmo tempo extremamente rica. Em plenas invasões francesas, em 1808, o Porto de Aveiro tornou-se num ponto estratégico, passando, por isso, a existir apoio por parte do poder central no sentido de prosseguir com a obra. Tal como conta a historiadora, Luís Gomes de Carvalho, engenheiro, chegava a referir-se à abertura da barra como a um segundo dia da «criação».

Inês Amorim,
autora do livro «Porto de Aveiro – Entre a Terra e o Mar», a ser lançado nas comemorações do 3 de Abril de 2008, bicentenário da abertura da Barra de Aveiro.
:
Fonte: Texto e fotos do portal Porto de Aveiro

Semana Cáritas 2008 - até 24 de Fevereiro


ACOLHER A DIVERSIDADE EXIGE A EDUCAÇÃO DO OLHAR

"Os empobrecidos pelo nosso moderno 'estilo de vida nacional' - sempre menos sóbrio, poupado e simples - pululam a olhos vistos nas nossas cidades e vilas. Esses nossos irmãos e irmãs, em situação de vulnerabilidade, são denúncia pública de um sistema económico, laboral e político que, por mais europeu e rico que se queira proclamar ao mundo, se apresenta sempre mais exclusivista, selectivo, competitivo e desigual."
:
NOTA: Antes de ler a Mensagem de Eugénio José da Cruz Fonseca, Presidente da Cáritas Portuguesa, para a Semana Cáritas, que está em curso até 24 de Fevereiro, permita-me uma sugestão: Se puder ajude alguém que esteja a passar momentos difíceis, individualmente ou através da Cáritas da sua área de residência. A Cáritas é uma organização da Igreja Católica, vocacionada para apoiar quem mais precisa. Onde houver fome e carências de outra ordem, onde houver catástrofes naturais e perseguições, onde houver deslocados e refugiados, onde houver pessoas a necessitarem de promoção social aí está a Cáritas Internacional. Mas a Cáritas Dioceana e a Cáritas Paroquial também estão, em espírito de proximidade, junto de quem sofre, porventura à nossa porta, sem propaganda e sem alardes.

Na Linha Da Utopia

Maus-tratos, animais!

1. Ainda bem que os novos poderes da comunicação têm a força de acordar para determinados problemas. Desta forma, quantos alertas, ora com excesso ou com defeito, já foram passando à consciência colectiva na defesa dos oceanos, dos rios, das florestas e da Vida. O que sai na televisão ou anda na internet, (nem sempre sendo verdade) em determinadas causas, ganha uma força libertadora com impactos determinantes, mesmo em casos de justiça que envolvem pessoas e cidadãos, na procura despertadora de uma maior consciência respeitadora. É pena, mas é verdade: tantas vezes só desta forma e pelas comunicações sociais alguns problemas obtêm a luz ao fundo do túnel. Quem a este respeito não se lembra de Fernando Pessa (já lá vão uns anos), que na sua “peregrinação” por Lisboa detectava os problemas de tal forma da praça pública que os mesmos obtinham solução imediata. Também hoje assim continua.
2. O caso destes dias que destacamos refere-se aos maus-tratos dados por humanos a animais. A espécie (humana) considerada superior tem os comportamentos mais inferiores... Infelizmente, nada de novo; mas desta vez com impactos novos. Nos Estados Unidos, um vídeo filmado por uma organização dos direitos dos animais denuncia a barbaridade para com animais bovinos em matadouro (que dizer quando se espeta a empilhadora brutamente contra animais vivos?! E muito mais…). As imagens percorrem o mundo. A brutalidade desses humanos é escandalosa. Graças à visibilidade, os efeitos estão aí: a maior retirada de carne de vaca de sempre dos EUA (total de 65 mil toneladas) desta empresa que servia muita escolas e instituições sociais.
3. Além das consequências para a saúde pública, este facto relança o alerta sobre os maus-tratos para com todos os seres vivos, e especialmente os animais. Crueldade exercida com seres indefesos (seja a própria floresta, os mares, os animais…) manifesta bem alto como continuamos de humanidade, pois as acções sempre foram e são o espelho do ser. Uma renovada ordem da racionalidade transversal afirma-se hoje como imperativo ético, na relação do ser humano com todas as realidades existentes. As perspectivas do desenvolvimento sustentável e da biodiversidade também obrigam ao progresso de todos os conhecimentos que promovam as dignidades situadas de cada ser vivo. Neste quadro, o lugar especial dos humanos só pode ser actuar em conformidade com a “razão” que, porque conhece, respeita condignamente. Afinal, não será isto que ainda caracteriza o Homem?!

Alexandre Cruz

destaque

As tentações e o Diabo

Anselmo Borges  no Diário de Notícias 1 - Também por influência do Papa Francisco, está-se a rever, em várias línguas, a tradução d...